O desemprego e a saúde pública

1469802574_842001_1469806806_noticia_normal

*por Fernando Rizzolo

Seria a política a arte de enganar? De fazer vibrar as emoções dos menos favorecidos em seu sonho de uma vida melhor? Ainda me lembro de que minha dissertação do mestrado em Direito versava sobre a Saúde Pública e a Inclusão Social, dois temas previstos na nossa Constituição de 1988, talvez a mais romântica Constituição de todos os tempos. Hoje, depois de tudo que temos vivenciado e descoberto na política brasileira, sabemos que as ideias esquerdistas deturpadas, que serviram de esteio e instrumento para o maior assalto do erário público, eram palavras que visavam a interesses políticos espúrios.

Depois de toda a crise política, contamos hoje com um saldo de 2,6 milhões de novos desempregados no primeiro ano do governo Temer. Segundo o IBGE, tivemos 14,048 milhões de pessoas à procura de um emprego entre fevereiro e abril de 2017, e no mesmo período do ano anterior eram apenas 11,411 milhões de tristes trabalhadores à procura de uma vaga. A pergunta que insisto em fazer continua sendo a mesma que inspirou minha dissertação: Qual é o impacto na saúde pública de um trabalhador desempregado? Se fizermos uma análise do nosso dia a dia, quando as coisas estão indo bem, quando existe um emprego, a família está organizada, todos com saúde, mesmo assim temos os nossos percalços, e o desgaste para nos mantermos íntegros do ponto de vista mental e físico é enorme.

Talvez isso ocorra com grande parte da classe média brasileira. Mas tentemos imaginar o esforço para manter a saúde psicossocial numa família de classe inferior diante da instabilidade trazida pela incerteza com relação à manutenção do emprego, da angústia de saber que de uma hora para outra tudo pode mudar. É evidente que o impacto é bem maior, e isso se reflete na saúde, atingindo o Estado no seu papel de provedor da saúde pública.

A grande verdade é que, quanto mais desempregados, mais trabalhadores investem na informalidade. Ao todo, 1,242 milhão de pessoas deixaram de ter a carteira assinada desde o trimestre encerrado em abril de 2016, portanto, menos impostos e menos recursos tem o Estado para as demandas no escopo das políticas sociais. Para piorar a situação, no tocante ao investimento exterior, onde se leva em consideração o nível de ocupação ou de emprego, a economia americana criou 209 mil novos empregos, acima dos 180 mil esperados pela maioria de analistas, um indicador positivo que respalda a solidez do mercado trabalhista nos EUA.

Enfim, pobre povo brasileiro, sempre esperando um salvador da pátria, enquanto os votos do Congresso correm em direção à impunidade, para que depois talvez se possa, através das manobras políticas barganhadas, restabelecer uma economia em ordem.

Pior que esse cenário é ainda nos darmos conta de que os esquerdistas brasileiros que permanecem no poder, além de causar a instabilidade emocional de toda a população desse Brasil de ponta-cabeça, trazem e fazem as honrarias a representantes de governos radicais, como o aiatolá Mohsen Araki, um dos líderes religiosos mais influentes do Irã, em visita ao Brasil. Um cidadão que apoia o ódio, a discórdia, o fim do Estado de Israel, impondo incertezas e importando o medo às minorias étnicas, como a comunidade judaica do Brasil…

Para finalizar e expressar meu último comentário sobre tudo que estamos vendo e passando, concluo: “Este país não tem porvir”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: