Petista chama ministro de Israel de fascista, diz jornal

SÃO PAULO – Uma controvérsia atinge o ministro de Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, no primeiro dia de sua visita ao Brasil. O jornal israelense “Haaretz” informou hoje que o secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, disse durante uma entrevista que “Lieberman é um racista e fascista”. Segundo o “Haaretz”, Pomar também disse que “a esquerda brasileira está organizando protestos” contra Lieberman “e contra a política que ele representa”.

Lieberman tem defendido a adoção de medidas duras à minoria árabe de Israel. Ele sugeriu redesenhar as fronteiras israelenses para colocar áreas com forte concentração de cidadãos árabes para fora do país e sob jurisdição palestina, ao mesmo tempo em que exigiria dos que permanecessem em solo israelense que assinassem um juramento de lealdade ao país. Cerca de 20% dos 7 milhões de cidadãos de Israel são árabes.

Segundo a Associated Press, uma representante do PT disse que Pomar está viajando e não é possível entrar em contato com ele. Já uma porta-voz do presidente afirmou que as palavras de Pomar “representam sua opinião própria e não têm relação com o governo”. “Na verdade, elas foram bastante grosseiras”, disse. Ela falou em condição de anonimato.

A viagem de dez dias de Lieberman à América Latina tem como objetivo deter a crescente influência iraniana, além de estimular o comércio. Ele deve se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na quarta-feira. Lieberman deve se encontrar hoje com um grupo ligado à indústria, líderes da comunidade judaica local e com o governador do Estado de São Paulo, José Serra (PSDB).

Ele também visitará Argentina, Peru e Colômbia, mas não fará paradas na Venezuela e Bolívia, países da América do Sul que têm fortes laços com o Irã. Ontem, o embaixador do Irã no Brasil, Moshen Shaterzadeh, afirmou que o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, também vai visitar o Brasil, mas não divulgou a data em que a viagem deve acontecer.
agencia estado

Rizzolo: O mais interessante a observar na postura da esquerda retrógrada brasileira, é que acima de tudo usam a democracia – à moda deles – para chancelar um autoritarismo latente, stalinista, e que em determinado momento sempre vem à tona. Assim foi quando o mundo inteiro condenava o Irã – um regime violador dos Direitos Humanos, ameaçador à humanidade em termos de armas atômicas – o PT veio a socorro do Senhor Mahmoud Ahmadinejad , o fraudador de eleições, e defendeu apaixonadamente desde o início suas loucuras.

Assim também o fez na intransigente defesa do ditador presidente da Coréia do Norte, que ameaça países como o Japão, os EUA e odeia a palavra democracia. Também com esmero fez quando defendeu o Hamas enviando foguete contra Israel, ameaçando civis, atacando um país que a única democracia plena no Ocidente. Agora, sinceramente, o Sr. Pomar, se achar no direito de chamar alguém que foi eleito democraticamente de “racista e fascista”, é demais.

Como se não bastasse, ele e seu partido o PT, de forma complacente e compreensiva dão apoio incondicional aos ditadores acima expostos, ou seja, existe uma vocação petista em apoiar regimes delinqüentes colocando o Brasil no mesmo nível da Venezuela, Bolívia, e Equador. É muita ironia e uma vontade imensa de enganar o povo brasileiro, com a velha história esquerdista de se fazerem de cordeiros para quando na hora apropriada os velhos lobos comunistas atacarem os incautos, que se emocionam com suas palavras. Bem para quem apoia o Senhor Sarney, vale tudo, não é ?

ONGs criticam apoio do Brasil a violadores dos direitos humanos

Genebra, 15 jun (EFE).- As ONGs Human Rights Watch (HRW) e Conectas Direitos Humanos lamentaram hoje o fato de o Brasil apoiar países que sistematicamente cometem abusos no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

“O apoio do Brasil a Governos abusivos está enfraquecendo o trabalho do Conselho. Em vez de falar pelas vítimas, o Brasil frequentemente argumenta que os Governos precisam de uma chance e que a soberania das nações é mais importante que os direitos humanos”, afirmou Julie de Rivero, diretora da HRW em Genebra.

“O fracasso do Brasil em se opor ao desvio dos objetivos do Conselho e, às vezes, sua própria cumplicidade no processo são alarmantes”, disse, por sua vez, a ONG brasileira Conectas Direitos Humanos.

Esses comentários são parte dos comunicados que as duas ONGs distribuíram hoje por ocasião da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Conselho.

“A posição do Brasil no Conselho está marcada por ambiguidades, particularmente em relação a casos graves e persistentes de abusos em países específicos”, acrescentou a Conectas.

Ambas as ONGs lembraram que o Brasil se absteve nas resoluções sobre a Coreia do Norte, que condenavam as violações dos direitos humanos no país, e na da República Democrática do Congo (RDC), que buscava o reforço do papel dos investigadores das Nações Unidas e condenava o uso da violência sexual e o recrutamento infantil.

“Durante a sessão especial sobre a situação no Sri Lanka, o Brasil foi copromotor de uma resolução que afirma o desacreditado princípio da não ingerência em assuntos internos. Essa resolução ignorou as afirmações da própria alta comissária dos Direitos Humanos, Navi Pillay, de que no conflito cingalês tinham sido cometidos crimes de guerra”, lamentou a HRW.

“Com sua posição, o Brasil retrocedeu seis anos ao enaltecer o princípio de não interferência”, acrescentou a Conectas.

A ONG brasileira lembrou que, nesta semana, o Conselho deve decidir se renova ou não o mandato do especialista independente da ONU para supervisionar a situação dos direitos humanos no Sudão.

“Em outras ocasiões, o Governo brasileiro, alegando a cooperação e o apoio regional, apoiou resoluções frágeis que não se comprometiam com as vítimas do Sudão. Esta semana, o Brasil terá a oportunidade de mudar esta tendência e demonstrar uma liderança real com as milhares de vítimas, sem levar em conta outros interesses”, afirmou a Conectas em sua nota. EFE
globo

Rizzolo: Há tempos que este Blog vem afirmando que o governo brasileiro trabalha na contramão dos conceitos de Direitos Humanos apoiando países que sistematicamente cometem abusos no Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Não é possível o Brasil se solidarizar com o presidente do Irã, de se calar frente às loucuras da Coréia do Norte, de dar abrigo as idéias de grupos extremistas islâmicos como o fez no caso da Faixa de Gaza, provocando uma indignação na comunidade judaica mundial.

Esse esquerdismo fora de moda, que aplaude discursos populistas como os de Mahmoud Ahmadinejad que silencia frente à esquizofrenia de Kim Jong-il é lamentável, dá nisso aí, repúdio internacional em relação aos Direitos Humanos. Segundo a Human Rights, “o Brasil alega solidariedade mas essa solidariedade acaba sendo com governos que cometem abusos, e não com as vítimas”. Em linguagem simples, ” isso está pegando muito mal ao Brasil”.

Polícia brasileira detém suposto membro da Al Qaeda

São Paulo, 26 mai (EFE).- Um suposto membro da rede terrorista internacional Al Qaeda foi detido no Brasil, confirmaram fontes policiais à Agência Efe nesta terça-feira.

As fontes consultadas pela Efe, entretanto, não confirmaram se o detido é um suposto líder da Al Qaeda, e evitaram fornecer detalhes da operação, a identidade do suspeito ou suas atividades.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou a detenção ao ser perguntado sobre o assunto na coletiva de imprensa concedida ao lado do chefe de Estado venezuelano, Hugo Chávez, em Salvador.

“A informação é que há uma pessoa detida e que a Polícia Federal (PF) está investigando sob sigilo, mas não tem condições de provar nada até agora”, disse Lula.

O chefe de Estado brasileiro também criticou o fato de a denúncia ter partido de fora do país.

“Acho que é uma falta de respeito alguém de fora opinar sobre uma pessoa que foi detida no Brasil e que está sendo investigada sigilosamente. O Brasil não tem o hábito de dar opiniões sobre o que ocorre em outros países”, declarou. EFE

Rizzolo: Bem, como podemos constatar em sites americanos,” The arrest was reported Tuesday by the Associated Press (AP)”, ou seja a origem da informação vem da Associated Press (AP). Segundo informações, se trata de um integrante da alta hierarquia da organização terrorista Al Qaeda. A Associated Press, é uma respeitável agência de notícias e seu dever é informar. Entendo que de nada adianta o governo não se conformar com o vazamento, o papel da imprensa é realmente informar, e a responsabilidade sobre o vazamento não é do órgão informativo. O Brasil segundo a agência de notícias, tem sido alvo de grupos radicais árabes que atuam em Foz do Iguaçu. Ao que parece o presidente Lula cada vez mais não gosta de notícias tampouco de ler jornal como ele próprio alega.

Ao que parece o suspeito já foi liberado e nada ficou comprovado. Outras informações dão conta que setores da PF e do próprio MP não gostaram do desfecho do episódio e reafirmam a ligação do agora ex-detido com a rede terrorista chefiada por Osama Bin Laden.

O Egito e o Itamaraty

A relação histórica entre o povo judeu e o Egito sempre foi conturbada. No Antigo Testamento a saga da escravidão, do sofrimento, da exploração é narrada com detalhes e nos mostra o quanto difícil foi se libertar de Mizraim (Egito em Hebraico). Como que se numa dinastia espiritual vivêssemos, encontramos de tempos em tempos figuras que mimificam personagens que reinam no imaginário judaico, desta feita alguém diretamente do Egito, o que o torna deploravelmente especial do ponto de vista antissemita.

Mas o mais triste do que ouvir a afirmação de Farouk Hosny, ministro da Cultura egípcio, que “queimaria qualquer livro israelense que encontrasse nas bibliotecas do Egito”, é saber que Hosny rima com Itamaraty, o que a primeira vista pouco poderia interessar, a não ser a rima política ideológica no apoio do Brasil à sua candidatura ao cargo de diretor-geral da Unesco. Por legítimo protesto histórico, decidi então chamá-lo de Faráo(uk) Hosny, fazendo com que o seu nome rimasse de forma consoante, às sua proposições antissemitas vindas do velho Egito.

É claro que especula-se em vista disso, vantagens num eventual apoio na candidatura à chefia de outro organismo da ONU por um brasileiro, mas adentrarmos nesta seara especulativa, não seria de boa alvitre pois poderíamos nos dar conta do efeito da “bomba atômica diplomática” que nos espera; até porque como se não bastasse, o Brasil de Celso Amorim e Lula, afirma defender o programa nuclear iraniano. Em outras palavras, corremos por fora do ” politicamente correto” em termos de diplomacia política; passando por um antissemitismo, que esbarra na proliferação de armas nucleares, e terminando ao nos solidarizarmos com regimes militares e pouco democráticos como o da família Mubarak.

Faraó(uk) Hosny e o Itamaraty. Bem que poderia não ser assim, tampouco rimar. Queimar livros e incitar o antissemitismo poderia já ser o suficiente para o Brasil não apoiar Hosny que vem do Egito, do velho e conhecido Egito. Aliás como dizia Mahatma Gandhi ” Se quisermos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova”, e essa história do Egito nós já conhecemos…e muito bem..

Fernando Rizzolo

Museu do Holocausto manifesta ‘decepção’ com discurso do papa

De Tel Aviv para a BBC Brasil – O presidente do conselho do Museu do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, rabino Meir Lau, se disse “desapontado” com o discurso feito pelo papa Bento 16 na instituição israelense nesta segunda-feira.

Para Meir Lau, ex-Grão Rabino de Israel e sobrevivente do Holocausto, o líder da Igreja Católica “perdeu um momento histórico” em seu discurso, que fez parte da visita oficial de cinco dias do pontífice a Israel e aos territórios palestinos.

“Houve algumas coisas que não foram mencionadas no discurso do papa”, declarou Lau, “ele não mencionou o número exato das vítimas do Holocausto e, diferentemente de seu antecessor (o papa João Paulo 2º, que visitou Jerusalém em 2000), que disse a palavra ‘assassinados’, o papa atual disse que as vítimas ‘foram mortas'”.

Meir Lau também disse que “o papa anterior mencionou que os assassinos foram os nazistas, e, no caso de hoje (segunda-feira), não foi dito quem foram os assassinos, não se mencionou nem os nazistas e nem os alemães”.

O maior site de notícias de Israel, o Ynet, resumiu a visita do papa ao Museu do Holocausto com as palavras “acabou mal”.

Em seu discurso, o papa Bento 16 condenou a negação do Holocausto e pediu que “os nomes destas vítimas nunca pereçam, que seu sofrimento nunca seja negado, depreciado ou esquecido”.

Governo israelense

O governo de Israel, no entanto, parece não concordar com a posição do Museu do Holocausto.

“Não costumamos criticar visitas tão importantes como o papa Bento 16”, disse à BBC Brasil o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yossi Levy.

“Do nosso ponto de vista, a visita do papa é um dos eventos mais importantes da história de Israel e das relações entre as religiões judaica e cristã”, disse o porta-voz.

“Não costumamos ‘dar notas’ a nossas visitas, principalmente visitas tão importantes”.

“A própria visita do líder da Igreja Católica a Israel e ao Museu do Holocausto representa uma mensagem da maior importância, e temos todo o interesse em continuar o diálogo com o Vaticano”, afirmou o porta-voz da chancelaria israelense.

“(O museu) Yad Vashem fala em seu próprio nome, e não em nome do governo israelense”, acrescentou Yossi Levy.

Vaticano

O Vaticano também rejeitou as críticas do Museu do Holocausto ao discurso de Bento 16.

“O discurso de Sua Santidade foi abrangente e muito emocionante. Eu, que não sou judeu, fiquei emocionado”, disse à BBC Brasil o porta-voz do Vaticano em Israel, Wadi Abu Nassar.

“Penso que as palavras matar e assassinar são semelhantes, acho que o papa deve ser respeitado, seu discurso foi muito claro, e não há necessidade de mais esclarecimentos”, concluiu Abu Nassar.
agência estado

Rizzolo: Isso depende do ponto de vista. Se a visita foi proveitosa só o tempo dirá. Temos que combater os radicalismos de todas as formas; criticar a visita do papa em todos os seus aspectos é de certa forma ser radical. A grande virtude é sabermos absorver o que houve de bom nisso tudo . Não gosto de radicalismos , o governo de Israel tem razão em ver o lado bom. Agora que ele é antissemita isso ele é.

Tribunal Supremo dos EUA autoriza deportação de nazista

BERLIM – O Tribunal Supremo dos EUA rechaçou na quinta-feira, 7, o pedido do suposto ex-guarda nazista John Demjanjuk, acusado de crimes de guerra pela morte de mais de 29 mil judeus durante a Segunda Guerra Mundial. O juiz John Paul Stevens negou sem comentários o pedido do ucraniano de 89 anos que vive em Cleveland (Ohio) e tenta por todos os meios legais evitar sua deportação para Munique, onde enfrenta o processo.

Demjanjuk, de 89 anos, é acusado de ter trabalhado em 1943 como guarda do campo de concentração de Sobibor, na Polônia ocupada pelos nazistas. Na época, teria ficado conhecido como “Ivan, o terrível” pela crueldade com que tratava os judeus ao conduzi-los às câmaras de gás. Ele nega envolvimento no Holocausto e diz que esteve em campos de prisioneiros na Alemanha de 1942 a 1944.

O mandado de prisão contra ele foi expedido pela promotoria de Munique em março, sob acusação de cumplicidade no assassinato de 29 mil judeus. Mas o advogado dele na Alemanha, Ulrich Busch, reclamava que o governo alemão deveria ter pedido a extradição, o que não ocorreu – Berlim apenas concordou com a deportação.

Em maio de 2008 Demjanjuk perdeu o último recurso para manter a cidadania americana, revogada em 2002. Mas a batalha legal continuou. Com uma decisão liminar, o tribunal de Cincinnati suspendeu no dia 14 uma tentativa de deportação no último minuto – quando as autoridades encarregadas já estavam retirando o acusado de sua casa para colocá-lo num avião para Munique.

TORTURA

Segundo a revista alemã Der Spiegel, seus advogados americanos alegaram que forçar um homem idoso e doente a ir a julgamento equivale a uma “tortura”, algo que o governo dos EUA não poderia permitir. Para tentar evitar a deportação para Munique e o julgamento, a família apresentou vídeos de Demjanjuk com dores terríveis sendo examinado por um médico. Mas o Departamento de Justiça contestou, exibindo um outro vídeo, que mostrava o acusado saindo animadamente de uma clínica e caminhando até seu automóvel, sem nenhuma ajuda.

Funcionários da imigração descreveram o acusado como “animado” e “muito bem de saúde” quando esteve no seu escritório. A família alega que as autoridades só filmaram Demjanjuk quando ele parecia estar bem de saúde e nunca quando ele era transportado numa cadeira de rodas, apesar de estarem presentes no momento.

IRRITAÇÃO

Os Estados Unidos querem expulsar Demjanjuk de qualquer maneira e o Departamento de Justiça demonstra crescente irritação com a polêmica. O governo entende que Demjanjuk está expondo a Justiça ao ridículo, dizendo que ele é “claramente um homem de muita vitalidade, particularmente para sua idade”.

Em carta à Justiça, autoridades de imigração afirmaram que o ucraniano “está procurando mostrar ao mundo que, apesar de os E UA estarem dispostos a cumprir a deportação, ordenada compulsoriamente, de alguém que colaborou com crimes de perseguição nazista, o sistema legal americano é tão repleto de lacunas e ciladas que esse indivíduo pode conseguir a única coisa que realmente deseja: morrer nos EUA”. Mas se for deportado, mesmo que depois seja absolvido no julgamento, Demjanjuk não poderá retornar aos Estados Unidos.
folha online

Rizzolo: O tempo passa e estes nazistas devem ser levados aos Tribunais competentes para o devido julgamento dos crimes contra a humanidade. É triste saber que o holocausto que destruiu tantas vítimas, ainda é usado em discursos antissemitas que incitam o ódio em relação aos judeus, como assim faz num ato de delinqüência, o presidente do Irã. E o pior é saber que aqui no Brasil , existem aqueles que chancelam sua visista em nome das “transações comerciais”. Será que é mesmo este motivo ?

Adiamento de Ahmadinejad não desgasta relações, diz Amorim

BRASÍLIA – O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, declarou nesta terça-feira, 5, que o adiamento da visita ao Brasil do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, “não provocou desgaste nenhum” entre os dois países. Amorim esclareceu que não há ainda uma nova data marcada para a viagem, mas assegurou que o Brasil tem todo o interesse em cooperação com os iranianos. O ministro avisou ainda que o convite para o presidente eleito em 12 de junho “está de pé”, seja Ahmadinejad reeleito ou seja eleito algum opositor seu.

Ao confirmar o convite, o ministro quis demonstrar que o Brasil está empenhado em ampliar a relação comercial entre os dois países, daí a manutenção da reunião entre os empresários dos dois países, apesar do cancelamento da visita presidencial. “Temos de esperar as eleições e, então, veremos quem vai ganhar. Mas o convite está de pé”, afirmou Amorim.

“Temos interesse em cooperação com o Irã porque não dialogamos apenas com países com os quais estamos de acordo”, prosseguiu o ministro, que se referia às declarações de Ahmadinejad, na ONU, sobre holocausto, que provocaram reações de desaprovação pelo mundo a fora, inclusive pelo Brasil.

“Não estamos de acordo com algumas opiniões (do presidente iraniano). Já dissemos isso e não precisamos repetir. Inclusive publicamos uma nota depois do pronunciamento de Ahmadinejad. Mas isso não deve nos impedir de dialogar porque não podemos dialogar somente com quem estamos de acordo porque isso não é dialogo, é monólogo”, completou o ministro.

Nesta terça, as autoridades brasileiras insistiam que vão se empenhar para que a visita comercial tenha sucesso, assim como o governo vai continuar trabalhando para garantir que não haja nenhum incidente na nova visita, em data a ser marcada, a exemplo do que já vinha fazendo para esta. Embora o governo saiba que o cenário político não está confortável para a reeleição de Ahmadinejad, motivo principal do cancelamento da viagem, o Planalto recebeu sinais de que o presidente iraniano não gostou da nota divulgada pelo Itamaraty repudiando as declarações dele sobre o holocausto.

O fato de estarem ocorrendo manifestações contra o iraniano, também contribuiu para o cancelamento. Nas reuniões preliminares, o governo brasileiro alertou ainda o iraniano que o polêmico tema – racismo – não poderia entrar na pauta da visita e obteve a concordância dele para isso. O governo brasileiro não quer estender esta polêmica porque não está interessado em contribuir para o isolamento do Irã ou em estigmatizar aquele governo.

Tem lembrado, inclusive, o gesto do presidente norte-americano, Barack Obama, que, ao assumir, mandou uma mensagem para o povo iraniano. Houve quem avaliasse até que, ao esperar o resultado das eleições para fazer a viagem, Mahmoud Ahmadinejad poderia desembarcar com um maior respaldo político para enfrentar as possíveis manifestações.

agência estado

Rizzolo: Como se não bastasse as considerações positivas dos EUA sobre a não vinda do presidente do irão ao Brasil, o ministro e o governo ainda insistem em manter a posição de ” alinhamento comercial” com o Irã. Isso é muito mal para o Brasil do ponto de vista internacional. Quando a Europa e o mundo desenvolvido viram as costas para a intolerância, o Brasil ainda insiste na teoria ” tudo por dinheiro” como um pano de fundo para chancelar de certa forma a aproximação com este País É uma pena para o Brasil estar sob a influência de uma ala petista radical que enxerga alguma coisa de boa no Irã que o mundo e a comunidade internacional não quer mais ver.

Publicado em antissemitismo, últimas notícias, Brasil, comunidade judaica responde ao PT, conflito Israel, Conib reage ao PT, cotidiano, Direito Internacional, Direitos Humanos, economia, evangélicos, Federação Israelita do Estado de São Paulo, Federação israelita reage contra o PT, Forças Armadas, General Augusto Heleno, geral, holocausto, igrejas evangélicas, Israel, Judaismo, mundo, Política. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »