PT decide pedir o afastamento de José Sarney

Reunidos na tarde desta quarta-feira (1), os integrantes da bancada do PT decidiram apelar ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que se afastasse do comando da Casa por 30 dias. Segundo o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), Sarney não aceitou a proposta, mas disse que vai discutir o seu futuro político com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a assessoria do senador, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pediu ao presidente do Senado que aguardasse o presidente Lula voltar de viagem da Líbia, na noite desta quarta-feira (1), antes de tomar alguma medida sobre o licenciamento. Não está definido se Sarney conversará com Lula ainda nesta quarta ou se o encontro vai ocorrer na quinta-feira (2).

A decisão foi tomada após um encontro de senadores do partido com Sarney, na manhã desta quarta-feira.

Mercadante disse que o PT também irá solicitar uma reunião com o presidente Lula para debater os rumos do Senado em meio à crise. O líder petista afirmou que, com a negativa de Sarney em se licenciar, o partido vai aguardar a conversa do peemedebista com Lula, e não deve adotar medidas formais pelo afastamento de Sarney, como fizeram os demais partidos.

Mesmo com as medidas adotadas pelo PT, Mercadante defendeu o colega. “Não achamos que a responsabilidade pela crise do Senado é de Sarney”, disse o petista.

Na noite desta terça-feira (30), a bancada do partido havia decidido propor a Sarney a criação de uma comissão composta por integrantes dos partidos e funcionários do Senado para promover um ampla reforma administrativa.

Nesta terça-feira (30), DEM, PSDB, PDT e PSOL pediram o afastamento do presidente do comando da Casa. Seguindo postura semelhante à adotada pelo líder do PSDB, Arthur Virgílio, que protocolou uma representação por quebra de decoro contra Sarney na segunda-feira (29), o PSOL apresentou duas representações pelo mesmo motivo contra o presidente do Senado e contra o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL).

Suspensão

Por causa do falecimento do deputado José Aristodemo Pinotti (DEM-SP), o presidente do Senado suspendeu por volta das 15h40 uma sessão que comandaria. Logo depois, ele deixou o Senado protegido por seguranças e reclamou do assédio dos jornalistas. “Vocês não podem me obrigar a falar”, disse.

Médico, Pinotti morreu às 3h45 desta quarta-feira (1) no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, acometido de um câncer no pulmão. O falecimento do deputado, que estava licenciado para atuar como secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo, mudou o tom dos discursos do Senado, então polarizados na possível renúncia de Sarney do cargo.

O líder do PSOL, José Nery (PA), tentou falar da crise do Senado, mas foi advertido pelo primeiro secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI), para que não falasse de tal assunto em meio às homenagens a Pinotti. Sarney também se pronunciou. “Não vamos contaminar essa sessão de homenagem com essas questões do Senado”, disse Sarney.

José Nery rebateu as críticas de Heráclito. “O que deve envergonhar o doutor Pinotti não é tratar dessas questões nessa sessão, mas sim o lamaçal que nós nos recusamos a apurar aqui no Senado”, afirmou Nery.
Globo

Rizzolo: O melhor que Sarney tem a fazer para o restabelecimento da crise no Senado é se afastar dele. Não é possível que Lula continue a defender o Sr. Sarney. A situação está insustentável. Como brasileiro, Advogado, e defensor da democracia, fico indignado com os caminhos que a nossa democracia esta tomando. Escândalos, corrupção, mau uso do dinheiro público, atos secretos, mordomias, enfim pergunto. Que tipo de democracia é esta a brasileira ? Podre na sua essência moral, pobre nos conceitos éticos, e deslavada na corrupção parlamentar. O país vive um clima tenso por capricho do Sr. Sarney, que ao que parece está acima das instituições.

Publicado em atos secretos, últimas notícias, blog da Petrobras, Blog do Rizzolo, Brasil, cotidiano, Crise, Crise do Senado e Sarney, crise moral atinge o Senado, crise moral no Congresso, diretor de Recursos Humanos, economia, eleições 2010, fora Sarney twitter, geral, Política. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 1 Comment »

O Brasil e o Topa Tudo por Dinheiro

Quem não se lembra do programa Topa Tudo Por Dinheiro? Era um programa de televisão do Brasil, veiculado pelo SBT e apresentado pelo empresário e comunicador Sílvio Santos. “Quem quer dinheiro?” foi um bordão muito utilizado, nas décadas de 80 e 90, quando o programa foi transmitido. Era exibido aos domingos.

Na verdade, a brincadeira consistia em esconder uma câmera num lugar público. Então, um dos atores colocava os transeuntes em situações bizarras. Mas, por que lembrar e associar o Brasil e o povo brasileiro a este antigo programa que fazia das suas supostas “vítimas” motivo de risos e deboches?

Ao observarmos a posição do governo em relação à crise moral do Congresso, às denúncias de corrupção, aos atos secretos, e à defesa dos velhos políticos já há muito conhecidos do povo brasileiro, constatamos que o Presidente Lula sempre minimiza o fator ético do Congresso, expondo como argumento legítimo e preponderante aos valores morais, a questão econômica, comercial e financeira do país.

Com efeito, não éde bom alvitre concitar o povo brasileiro a valorizar questões de ordem material, sobrepondo-as às de valores mínimos de ética e conduta, mormente, em se tratando de assuntos que envolvam o erário público. Todos sabem que o Congresso Nacional passa por uma crise extremamente séria envolvendo corrupção, mordomias, escândalos e, jamais, questões de ordem econômica poderão justificar o injustificável, no âmbito ético e moral.

A afirmação do Presidente de que “o aumento de mais de cem mil empregos é uma coisa (positiva), mas a manchete é o emprego no Senado. É uma perda de valor”, denota a inversão de valores propugnada pelo Presidente. Topar tudo por dinheiro, não é uma vocação brasileira, tampouco, o povo deve ser achincalhado pelo Congresso que, revisitando as câmeras do antigo programa, faz o Brasil vivenciar o drama do constrangimento e da vergonha.

Subtrair a essência da moral e dignidade do povo, dando-lhe uma nova roupagem de licenciosidade permissiva afrouxando os valores éticos, é, no mínimo, um ato reprovável. Soube que o antigo programa durou dez anos, tempo suficiente para fazer o povo dar muitas risadas, na época. Contudo, nossa nova fase de tudo por dinheiro não deverá durar.

A resposta à crise do Congresso deverá ser dada por meio do voto; mas, enquanto os valores de um povo estiverem à margem do aceitável, minimizados e preteridos numa onda de inversão, prevalecerá a máxima :“Quem quer dinheiro?” e todos se reelegerão permanecendo num ciclo, nada virtuoso, para o povo brasileiro.

Fernando Rizzolo

Publicado em 'A crise não é minha, afastado, Alexandre Gazineo, Artigos de Fernando Rizzolo, atos secretos, é do Senado', últimas notícias, Blog do Rizzolo, Brasil, comportamento, corrupção, cotidiano, CPI da Petrobras, CPI da Petrobras e o Blog, Crise, Crise do Senado e Sarney, crise moral atinge o Senado, crise moral no Congresso, Direitos Humanos, diretor de Recursos Humanos, economia, Edir Macedo, eleições 2010, Forças Armadas, Gazineo e Campos perdem função de diretor, General Augusto Heleno, geral, grupo guararapes, igrejas evangélicas, Jarbas Vasconcelos, Jarbas Vasconcelos (PE), Lula defende Sarney, Lula: Imprensa tem predileção pela desgraça, News, notícias, Política, Principal, Ralf Campos., regime militar, Revolução de 1964, Romeu Tuma defende Sarney, topa tudo por dinheiro, vestibular e educação. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »