Para FHC, enxame de denúncias mostra que Congresso está ‘bambo’

SÃO PAULO – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou nesta segunda-feira que o Congresso Nacional, cercado de inúmeras denúncias, está “bambo” e “não representa mais nada”. Para ele, apenas uma mudança no sistema eleitoral pode alterar essa situação.

“Nosso sistema de representação, está bambo, não representa mais nada. Isso é visível, provocando um efeito de desmoralização extraordinário”, disse o ex-presidente em palestra da Associação Comercial de São Paulo.

Mencionando a publicação constante de denúncias pela imprensa contra parlamentares, Fernando Henrique defendeu a criação de regras para a prestação de contas pelos congressistas.

“Nosso sistema eleitoral é ruim, se não mudarmos vamos ter a repetição de Congressos do mesmo tipo. A relação de quem vota e de quem é votado é tênue. Quem é votado se sente à vontade para não prestar contas”, acrescentou.

O ex-presidente, cercado de políticos da oposição, fez criticas ao governo Lula ao apontar a contratação de militantes de partidos aliados para os quadros da máquina do governo.

Ele apelidou esse processo de “cupinização” da estrutura pública.

“Não há capitalismo que funcione sem o Estado, mas estamos vendo a cupinização do Estado. O cupim destrói o Estado brasileiro”, declarou.

O combate a esta prática, segundo ele, é um desafio a ser enfrentado pelo próximo governo. Para FHC, a máquina precisa ser mais profissional evitando o fisiologismo que ele disse ter tentado combater.

agência estado

Rizzolo: A prática da corrupção, do desmando com o dinheiro público, a falta de prestação de contas, a utilização dos mandatos para fins pessoais e partidários faz com que tenhamos um Congresso nos termos em que FHC mencionou e uma estrutura pública infestada de ” cupins “. Não é Congresso que está bambo mas a qualidade da nossa democracia. Somente através da educação do povo brasileiro poderemos fortalecer a democracia, temos sim que ensinar o povo a ter discernimento entre quem é político e quem é aproveitador. Uma vergonha infelizmente.

Jornalistas criticam imprensa e defendem Protógenes

O fato de o delegado Protógenes Queiroz, que vai ser indiciado por grampo ilegal e quebra de sigilo funcional, ter informações sobre investigações em seu computador particular não significa que ele as conseguiu ilegalmente. A opinião é dos jornalistas Jailton de Carvalho, do jornal O Globo, e Leandro Fortes, da revista Carta Capital, que criticaram a cobertura da imprensa e defenderam o delegado. Os dois participaram do programa Comitê de Imprensa, da TV Câmara.

Na conversa, mediada pelo jornalista Paulo José Cunha, Jailton de Carvalho e Leandro Fortes afirmaram que faltam provas do que vem sendo divulgado pela imprensa, principalmente pela revista Veja. A revista publicou que, no computador e no pen drive do delegado, apreendidos por ordem judicial em inquérito que apura se houve ilegalidades na Operação Satiagraha, foram encontrados relatórios que levantam suspeitas graves sobre as atividades de ministros do governo, fotos comprometedoras usadas para intimidar autoridades e gravações ilegais de conversas de jornalistas.

Para Carvalho e Fortes, faltam provas de que houve arapongagem. O jornalista Jailton de Carvalho afirmou que, ainda que o que a revista Veja divulgou seja verdade, não é possível saber se as informações no computador de Protógenes foram obtidas de forma ilegal. “Qual é o indicativo de que a informação chegou até ali [no computador do delegado Protógenes] de forma ilegal?”, perguntou.

Jailton de Carvalho também falou sobre o vazamento da operação. Em abril de 2008, o jornal Folha de S. Paulo publicou uma notícia, assinada pela jornalista Andrea Michael, sobre a investigação da Polícia Federal cujo alvo era o banqueiro Daniel Dantas. Segundo a revista Veja, não houve autorização para investigar Andrea, mas dados sobre a jornalista foram encontrados no computador de Protógenes. Na época, o delegado chegou a pedir a prisão de Andrea, mas o pedido foi negado.

Jailton de Carvalho afirmou que a equipe do delegado se mobilizou para saber quem tinha passado a informação para a repórter. “Não sei se o telefone dela foi grampeado. A informação que tenho é que houve um agente de inteligência, que se aproximou dela e estabeleceu uma relação de amizade, e gravou uma conversa entre os dois. Nesta conversa, ela menciona de onde poderia ter partido a informação. Tem alguma ilegalidade nisso?”, questionou sobre a investigação em cima da jornalista.

Carvalho acha que não. A tese dele é de que a pessoa pode gravar a própria conversa. Ele não soube dizer, no entanto, se esse tipo de monitoramento não autorizado poderia entrar na investigação. Paulo José Cunha, apresentador do programa, esclareceu que a conversa gravada não tem validade jurídica.

Leandro Fortes e Jailton de Carvalho tentaram encontrar justificativas para as informações armazenadas no computador do delegado. “Aquilo deve ser depositário de informações como os jornalistas têm”, afirmou Leandro Fortes. Já Jailton de Carvalho afirmou que sabe de detalhes da vida privada de algumas pessoas públicas sem nunca ter feito grampo ou espionagem. “Às vezes, a informação chega por outras vias”, disse, referindo-se ao relato contado por terceiros, por exemplo.

Leandro Fortes, por sua vez, afirmou que a suposta pasta “Protógenes – A lenda”, no computador do delegado, é justificável. “Suponhamos que eu seja convidado para o New York Times. Eu poderia abrir uma pasta e escrever Eu – Rei de Nova York”, disse. Segundo ele, pode ser uma explosão de vaidade.

Investigação desmoralizada

A Operação Satiagraha levou o banqueiro Daniel Dantas à prisão por duas vezes. Nas duas, foi solto por conta de liminar dada pelo Supremo Tribunal Federal. Segundo Leandro Fortes, a desmoralização do trabalho de investigação feito por Protógenes começou logo depois da operação.

Os dois jornalistas defenderam a cobertura de outros assuntos. Leandro Fortes disse que há uma cobertura muito desequilibrada da Operação Satiagraha. Ele afirmou que a Carta Capital fez uma ampla investigação sobre os negócios do ministro Gilmar Mendes, presidente do STF, em Brasília. Fortes se referia ao Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP). Ele afirmou que Mendes é dono do IDP, que tem no seu quadro vários professores que têm ações no Supremo, conseguiu dinheiro do governo Roriz, do Banco do Brasil e tem contratos sem licitações. Fortes disse que foi processado pelo ministro por conta de capa da Carta Capital com essas revelações.

Para Leandro Fortes, a notícia do grampo de uma conversa entre o senador Demóstenes Torres e o ministro Gilmar Mendes é um “absurdo”. “Cadê o áudio daquilo, cadê a prova?”, perguntou. Ele criticou a informação, dada como verdadeira e replicada pelos outros órgãos de comunicação.

Jailton de Carvalho, que afirmou conhecer o delegado Protógenes, acredita que o vazamento da operação, em abril, levou o delegado a tomar atitudes desesperadas como a de fazer a gravação de uma conversa com o chefe dele. “Ninguém se levantou contra o vazamento”, criticou. O jornalista afirmou, ainda, que foi a partir do vazamento que o delegado começou a se sentir isolado e acabou por cometer alguns erros. “Qual o tamanho desses erros, eu não sei”, disse.

CPI política

O jornalista Leandro Fortes criticou também a CPI dos Grampos, que “já nasceu torta”, por ser presidida pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PMDB-RJ). Segundo Fortes, o ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), delegado Paulo Lacerda, é um desafeto do deputado. Este também, diz Fortes, é ligado ao governo José Serra (PSDB-SP) “[A CPI] não está investigando nada”, afirmou, se referindo ao viés político da comissão.

Já Jailton de Carvalho perguntou com que propósitos foi aberta a CPI. “Não tinha um fato claro e específico”, afirmou. Ele questiona por que a operação Satiagraha, entre tantas outras da Polícia Federal, foi eleita para se “desconstruir”. Para ele, existe uma pressão muito grande contra a operação. “Os erros estão sendo verificados com lupa”, disse. “Que motivo dantesco há por trás?” completou ironicamente Fortes. Para ele, há um jogo de interesses que vai ficar claro em 2010, ano de eleições.

Conjur

Rizzolo: Por hora, nada ainda em relação ao Dr. Protógenes foi investigado a fundo. A postura do delegado Protógenes oscila entre um patriota, e um funcionário público que cometeu excessos no cumprimento de sua função cooptado por terceiros. É claro que existe um componente político ideológico entre ambos os lados, os seus defensores e aqueles que querem ” sua cabeça”. A verdade é que quando o Dr. Protógenes ” der nome aos bois” como assim afirmou ele, muitas surpresas poderemos ter.

Agora a grande questão complicadora a meu ver, é este viés ideológico que afasta a proposta investigativa original, e que de certa forma desgasta a imagem do delegado. Exemplo disso foi qunado defendeu no domingo (15/3), a invasão de sem-terra ligados ao MST na Fazenda Espírito Santo, de propriedade do banqueiro Daniel Dantas, no Pará. Protógenes disse que ocupar fazenda de “banqueiro bandido” é um dever do povo. Nessa hora o melhor é não falar absolutamente nada.

Neguinho da Beija Flor e as crianças da Hope

neguinho-beija-flor

Ontem participei de um ato de solidariedade muito bonito. Estive com o Neguinho da Beija-flor quando da visita dele às crianças com câncer da Casa Hope. Neguinho da Beija-flor conversou muito com a Cláudia Bonfigiloli presidente da instituição, e participou da entrega de alimentos a instituição. Neguinho está muito bem de sáude, se recuperando. No próximo carnaval já combinamos com ele, eu e a Cláudia sairemos na Beija Flor ! Será que a gente leva jeito?

Obrigado Neguinho !

Educação, Corrupção e Democracia

Durante a ditadura militar, um dos argumentos dos conservadores era de que no Brasil “os pobres, o povo brasileiro, não estava preparado para votar”. Argumentava-se que não havia racionalidade ao outorgar o direito ao voto àqueles que mal sabiam ler ou escrever. Com efeito, após a abertura política e vencidos na sua proposta original, os apregoadores desta teoria silenciaram; até porque, a esquerda os sentenciavam se por ventura esse perjúrio, viesse à baila das discussões democráticas.

Os tempos mudaram e hoje, no universo democrático que vivemos, ninguém mais questiona o voto daqueles que pouca cultura obtiveram; questiona-se sim os efeitos das liberdades democráticas nos moldes em que foi concebida, expressa nos horrores corruptórios que permeiam nossas atuais instituições políticas. Jarbas Vasconcelos denunciando a corrupção partidária, Protógenes na berlinda tentando legitimar o papel da Polícia Federal – muitos o enxergando como uma ameaça -, Gilmar Mendes estrelando o bom senso nas suas críticas ao MST, todos de uma forma ou de outra, questionam e denunciam a má qualidade da democracia que foi instituída no País.

Não resta a menor dúvida que a educação tem seu valor não só no desenvolvimento pessoal, mas como também no produto final do exercício democrático. Alegar que os pobres, os incultos, os que mal sabem ler, não são de forma alguma manipulados, quer pelo assistencialismo, quer pelo populismo, é atentar contra a sinceridade política, dando lugar a um vácuo ideológico esquerdista a serviço daqueles com propósitos autoritários e antidemocráticos.

O brasileiro está aprendo a exercitar a democracia, mas só através da educação e da cultura, poderemos um dia nos curar da indução populista que muitas vezes alimenta a formação de maus políticos, que não hesitam er lançam mão dos pobres incautos iletrados, lhes prometendo assistencialismo em troca daquilo que mais nobre existe nas relações democráticas: o voto.

A corrupção no Brasil que permeia o cenário político, nada mais é do que o extrato do pobre exercício democrático, onde a distinção entre o ético e o amoral se turva pelo pouco discernimento, produto da miséria e da escassez cultural. Fato determinante na predisposição a exploração daqueles que sonham por uma vida melhor, golpeando os pobres que ainda aprendem o difícil exercício da democracia, muito embora com a pouca cultura que dispõem.

Fernando Rizzolo

Obama quer petróleo de Lula, diz ‘El País’

O Brasil e os Estados Unidos estariam mantendo contatos informais com o objetivo de fechar um acordo para aumentar a exportação de petróleo e derivados brasileiros para o território americano, segundo informa, nesta segunda-feira, o jornal espanhol El País.

Segundo o diário, o governo de Barack Obama quer pôr fim à sua dependência energética da Venezuela.

“Se o pacto comercial se concretizar – algo que hoje depende unicamente do Brasil – a consequência mais direta será o deslocamento da Venezuela do mercado energético americano, onde atualmente consegue colocar entre 40% e 70% de sua produção petrolífera”, afirma o El País.

O jornal diz que recebeu de fontes diplomáticas e governamentais de Brasília a confirmação de que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva tem interesse em aumentar a presença brasileira no mercado americano de hidrocarbonetos, “mesmo que isso implique em uma colisão frontal com os interesses venezuelanos”.

“Tudo dependerá da quantidade que petróleo que a Petrobras consiga bombear nos próximos anos dos poços perfurados nos litorais de Rio e São Paulo, assim como do marco jurídico que Washington e Brasília assinem”, diz o jornal.

Mercado interno

O El País afirma que suas fontes em Brasília insistem em que o primeiro objetivo do governo Lula com os recém-descobertos campos de pré-sal é abastecer totalmente o mercado interno e deixar de depender das importações. “Uma vez atingida esta meta, a Petrobas entrará na rinha pelos mercados mundiais de hidrocarbonetos e derivados. Por causa da proximidade geográfica e da fluidez do diálogo político que já estabeleceu com o novo presidente, os Estados Unidos se convertem no grande comprador natural do ‘ouro negro’ brasileiro.”

O jornal lembra que 11% das importações americanas de petróleo vêm da Venezuela, mas que o governo dos Estados Unidos já está “de olho” há meses nos novos campos de petróleo encontrados no Brasil, tendo, inclusive, reativado sua frota para a América do Sul e o Caribe, composta de 11 embarcações.

“Ainda que não se conheça as reservas exatas, sabe-se que o petróleo encontrado no litoral brasileiro é abundante: se forem cumpridas as previsões, o Brasil passará a ser o oitavo ou o nono produtor do planeta”, diz o diário espanhol. “A previsão é que haja petróleo para exportar não só para os Estados Unidos, como também a outros países que já se mostraram interessados, como a China e o Japão.”

Mas o El País afirma que o Brasil teria um interesse maior em vender derivados, como a gasolina, “o que é mais rentável do que a venda de barris de petróleo cru”.

“Isso explica por que Lula decidiu apostar em uma grande injeção de capital na Petrobras, para a construção de quatro novas refinarias e na ampliação de outras tantas já existentes”, diz o jornal. “O negócio já está andando.”

BBC

Rizzolo:Com o devido acerto, o presidente Lula decidiu investir maciçamente na Petrobras, independente de crise. Os EUA não gostam e não querem ficar dependentes da Venezuela e à mercê dos caprichos de Chavez que não é de confiança do ponto de vista político. Talvez a tão sonhada irmandade da América Latina, apregoada pela esquerda, ficará prejudicada quando os EUA decidirem trocar a Venezuela pelo Brasil no fornecimento de petróleo. Chavez e Lula são bons no discurso e nos abraços, agora quando se fala em dinheiro e mercado a coisa vai mudar.

Protógenes rebate acusações de revista e critica quebra de sigilo de inquérito

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz rebate hoje em post publicado em seu blog reportagem da revista “Veja” desta semana, que o acusa de ter espionado ilegalmente autoridades dos três Poderes, inclusive a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). Protógenes diz que as informações contidas na reportagem são “mentirosas”.

Protógenes negou que tivesse investigado Dilma ou outros políticos citados na reportagem da revista “Veja” durante a Operação Satiagraha. “Os dados cobertos pelo sigilo coletados com autorização judicial e de conhecimento do Ministério Público Federal, em nenhum momento incluiu ou revelou a participação da ministra Dilma Rousseff, do ex-ministro José Dirceu, do chefe-de-gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, do senador Heráclito Fortes (DEM-PI), do deputado ACM Jr (DEM-BA), do ministro Roberto Mangabeira Unger na investigação da Satiagraha”, diz ele no blog.

Protógenes ficou conhecido nacionalmente durante a Operação Satiagraha, que prendeu no ano passado o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, o ex-prefeito Celso Pitta e o investidor Naji Nahas. Todos foram soltos depois.

Apesar da projeção nacional, Protógenes foi afastado da investigação e acabou virando alvo de um inquérito da PF que apura eventuais excessos cometidos na Satiagraha. Entre os problemas estaria a utilização da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) na operação.

No blog, Protógenes criticou a divulgação dos nomes de dois agentes que participaram da Satiagraha. “Outro fato importante e criminoso é a divulgação […] de documento sigiloso de uma investigação presidida pelo delegado Amaro Vieira Ferreira […], além de levar ao conhecimento público do documento, revela a identidade nominal de dois oficiais de inteligência da Abin, o que é gravíssimo, não merece ser desprezado tal fato, pois a banalização fragilizam as instituições no tocante a segurança externa do Brasil.”

Protógenes também lamenta que a divulgação de informações irresponsáveis e lembra o desmantelamento da Abin –Paulo Lacerda foi afastado da diretoria-geral após a Satiagraha. “Não é a primeira vez que estamos diante de fatos semelhantes publicados de forma bandida e irresponsável envolvendo situação anterior que provocou o desmantelamento do Sistema Brasileiro de Inteligência. E aqui fica uma pergunta: A quem interessou tal fato?”

Sobre a investigação que apura eventuais excessos cometidos por ele na Satiagraha, Protógenes diz que em nenhum momento foi ouvido ou foram exibidos “documentos e materiais apreendidos relacionados nos autos de busca e apreensão encontrados em minha residência a fim de dirimir qualquer dúvida a respeito”.

“É importante afirmar que em minha residência no Rio de Janeiro não foi apreendido nenhum documento ou material, nem tampouco computador contendo dados da operação Satiagraha, conforme se comprova no auto de busca e apreensão na ocasião da diligência”, diz a nota dele no blog. “As diligências de busca e apreensão na minha residência em Brasília e no hotel onde me encontrava naquela ocasião resultaram na apreensão de documentos pessoais, poucos documentos e materiais referentes a atividade de inteligência vinculados a operação Satiagraha, pois ali estavam em razão de prestar esclarecimentos pós-operação policial as autoridades competentes vinculadas ao caso.”

folha online

Rizzolo: A OAB já se manifestou contra os abusos da operação Operação Satiagraha. A grande questão é saber a dimensão da legitimidade na busca por provas, ou seja, até que ponto o delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz cometeu as arbitrariedades. Protógenes nega ter investigado Dilma Rousseff, o ex-ministro José Dirceu, o chefe-de-gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), o deputado ACM Jr (DEM-BA), o ministro Roberto Mangabeira Unger na investigação da Satiagraha, por outro lado a matéria da revista tampouco traz fato novo.

A grande verdade é que o governo precisa se manifestar a respeito, como a OAB já o fez. A Polícia Federal vai divulgar, nos próximos dias, um relatório conclusivo sobre o processo que apura o desvio de conduta do delegado federal Protógenes Queiroz durante a Operação Satiagraha. A informação foi dada há pouco pelo diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, após reunião com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Chávez autoriza Lula a falar sobre Venezuela com Obama

CARACAS – O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse na quarta-feira que autorizou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a falar sobre seu país com o líder norte-americano, Barack Obama, durante o encontro que ambos têm previsto para meados de março.

Chávez acusa Washington de liderar um capitalismo que acabará com a vida sobre o planeta e foi uma das principais vozes antiamericanas durante o governo de George W. Bush. O presidente venezuelano afirmou que Obama segue os passos de seu antecessor.

“Obama o convidou a conversar. Ele (Lula) fez contato conosco e disse que ele quer, se eu estiver de acordo, falar sobre o tema da Venezuela. Eu lhe disse que fale. Como eu falaria também se fosse o Brasil”, disse.

Chávez, que tem encontro previsto com Lula no final de maio, não detalhou os assuntos que Lula tratará com Obama.

Washington e Caracas mantêm relações diplomáticas conflituosas que atingiram um ápice no ano passado quando Chávez expulsou o embaixador norte-americano. O presidente venezuelano na ocasião acusou o “império” de intrometer-se na política de sua aliada Bolívia. Em resposta, os EUA também expulsaram o embaixador venezuelano em Washington.

Caracas suspendeu um acordo com a agência de combate ao tráfico de drogas dos EUA (DEA), enquanto Washington proíbe há anos a venda de sua tecnologia militar ao país sul-americano. As vendas de petróleo venezuelano aos EUA, porém, continuam.

Chávez irritou-se recentemente com um informe norte-americano que acusa seu governo de não lutar o bastante contra o narcotráfico.

“Eu me perguntava ontem (…): será que há um novo governo na Casa Branca? Ou seria, ou será, que enviaram Obama para lá para que despache, mas Bush segue mandando no salão… como se chama? Oval?”, disse ele durante reunião de conselho de ministros transmitida pela TV oficial.

O presidente venezuelano, que considera Fidel Castro como seu pai político, sugeriu que os Estados Unidos se ocupem da crise econômica mundial em vez de agredir seu país com “a mentira e o cinismo”.

agência estado

Rizzolo: Só o fato de Chavez ter autorizado Lula a falar sobre a Venezuela, já denota a boa intenção de Chavez num diálogo com a Casa Branca. Realmente, não vejo nada de reprovável por parte de Lula neste papel de intermediação. A maturidade política tarda mas acaba vindo aos líderes da América Latina, Chavez tem melhorado. Observem que até o ex- presidente Collor melhorou, está mais maduro, mais sofrido, muito embora seu temperamento continue o mesmo, mas isso, é a personalidade do político.

Chavez e Collor estão melhorando, quem sabe terão muito que aprender ainda com Lula, que construiu uma personalidade única e descolada do PT. Muitos discordam da minha visão dinâmica de enxergar o cenário político, talvez porque ao contrário de muitos, não tenho compromisso com ninguém, sou fruto de um descuido midiático, fujo da mídia convencional, alguns já disseram ” esse Advogado Rizzolo está muito solto ” Ele é de quem? Eu respondo: de ninguém …falo o que eu quero…sou livre..Só para terminar: Collor ainda é uma figura que pode surpreender. Tomem nota…