O garçom, o celular e as eleições

Imagem

*por Fernando Rizzolo

Essa história de morar em cidade grande acaba sempre nos levando a frequentar os mesmos lugares; na hora do almoço, então, já passei por vários restaurantes durante esses últimos dez anos, desde os vegetarianos até os mais gordurosos. Mas os melhores são aquelas padarias que deixaram de produzir apenas o pãozinho de cada dia e montaram um imenso buffet, com direito a nutricionista e tudo o mais. Atualmente tenho sido fiel a uma dessas, aqui no bairro de Moema, em São Paulo. Todos os dias o mesmo atendente, rapaz simples e simpático que veio do Nordeste, me recepciona com um largo sorriso. Ao me ver já grita para o pessoal da cozinha preparar o meu sagrado suco de melancia.

Na semana passada, quando ele caminhava em direção à minha mesa trazendo-me o suco, segurando meio trêmulo o copo com o refresco avermelhado, avistou, na mesa, meu celular. É um modelo já antigo, daqueles que nem acesso à internet tem. O garçom me olhou com curiosidade e perguntou, atencioso: “E aí doutor? O senhor não gosta de estar conectado?”. Sem me dar tempo de responder, ele tirou do bolso um aparelho completo, com o símbolo de uma maçã, para eu não falar a marca, e disse: “Este ano vai sair um mais moderno, não vejo a hora de trocar”. Balancei a cabeça em sinal de aprovação e: “É isso aí!! O negócio é tecnologia”, e dei início a minha refeição.

Como almoço sempre sozinho e não tenho internet no celular, para alternar entre garfadas e cliques, mergulhei numa reflexão que passava pelo rapaz, atendente de uma padaria, vindo do Nordeste à procura de uma vida melhor em São Paulo, esbanjando conhecimento tecnológico com um celular de última geração – e ansioso para comprar outro ainda mais moderno.

Ora, alguma coisa mudou neste país. Do celular então, passei a ponderar por que no Brasil, por mais que a oposição grite, a presidenta Dilma – segundo pesquisa CNT/MDA – obteria 43,7% das intenções de voto se a eleição fosse hoje. Ou seja, ela venceria as eleições. E mais… segundo a Serasa Experian e o Instituto Data Popular, se a classe média brasileira formasse um país, seria o 12º do mundo em população e a 18ª nação em consumo, podendo pertencer ao G20.

A grande verdade é que a classe média e a classe C, que gastaram mais de R$ 1,17 trilhão em 2013 e movimentaram 58% do crédito no Brasil, nunca viveram um consumo digno como este e não querem se aventurar em tímidas propostas da oposição. Certo, isso pode até não ser bom, pois numa democracia a alternância do poder é saudável, mas havemos de concordar que o celular no bolso e os eletrodomésticos novos em casa vão falar mais alto para essas pessoas.

Enfim, apesar de perceber, ao chegar no caixa, que os valores da refeição sobem lentamente (ainda que eu esteja comendo menos e de maneira mais lenta; os especialistas dizem que faz bem para a saúde), o avermelhado suco de melancia me parece combinar com o país de Dilma. A mim, parece sugerir que, da forma em que as coisas na política andam, não há mensaleiro que abale os milhões de atendentes e trabalhadores humildes que hoje estão mais conectados na melhoria de sua vida do que nas notícias vindas da pobre oposição, que até agora não encontrou um discurso bom e doce como meu suco diário de melancia… E assim vamos…

Universidades Públicas e Injustiças Educacionais

 

*por Fernando Rizzolo

A questão histórica da educação superior no Brasil sempre esteve ligada às condições socioeconômicas daqueles que pretendiam, até por exercício de poder e de prestígio, ingressar numa universidade pública para sublinhar um diferencial social em relação á maioria da população, pobre e analfabeta. Muitas foram as resistências opostas durante décadas no sentido de reforçar esse contraste, privando de acesso – de muitas formas – os alunos pobres, negros, e as minorias em geral, fosse através do reduzido número de vagas nas universidades federais, fosse através de um disputado exame vestibular. Nesse sistema, apenas aqueles que viessem de escolas particulares, ou que pudessem dedicar-se integralmente – sem trabalhar, portanto, – teriam êxito e ocupariam as vagas oferecidas pelo estado de forma gratuita.

Num esteio de pensamento reparatório, moderno e participativo do ponto de vista de cidadania, os senadores aprovaram o projeto que regulamenta o sistema de cotas raciais e sociais nas universidades públicas federais em todo o país. Pela matéria, metade das vagas nas universidades deve ser separada para cotas. A reserva será dividida meio a meio. Metade das cotas será destinada aos estudantes que tenham feito todo o ensino médio em escolas públicas e cuja família tenha renda per capita de até um salário mínimo e meio. A outra metade, ou 25% do total de vagas, será destinada a estudantes negros, pardos ou indígenas, de acordo com a proporção dessas populações em cada estado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A grande verdade é  que num país como o Brasil, cuja maioria da população é composta de pobres, negros, pardos, quem ocupa hoje as vagas públicas em grande parte são estudantes de alto poder aquisitivo, oriundos de escolas na maioria particulares, caras e estruturadas. Esses estudantes jamais tiveram de trabalhar para sustentar a própria dignidade ou a de seus familiares, empurrando os estudantes pobres, numa lógica educacional perversa, às vagas em universidades particulares, estas viáveis ao seu custeio por meio de um disputado financiamento público, o Fies, tornando-os, além de tudo, reféns de dívidas com o estado.

Para ter uma ideia dessa aberração educacional, um levantamento feito em junho com dados do vestibular de 2011, mostrou que, na USP, em cinco anos, apenas 0,9% – o equivalente a 77 alunos – dos matriculados em medicina, direito e na escola politécnica eram negros. Em medicina, por exemplo, nenhum estudante negro havia passado nos vestibulares de 2011 e 2010!

Talvez seja por isso que, raramente, nos hospitais ou prontos-socorros do nosso país encontramos médicos negros. Mesmo porque, em carreiras disputadas como medicina, cuja oferta de vagas no Brasil é restrita, os estudantes pobres são obrigados a se autoexilar em países vizinhos para realizar o sonho de servir a sociedade brasileira, que tem mais médicos veterinários por animal do que médicos de humanos em relação à população brasileira. Eis a razão das imensas filas nos frios corredores dos hospitais públicos.

Aqueles que se opõem a essa correção de cunho socioeducacional, em geral com argumentos vazios, versando sobre autonomia universitária e outras delongas, perfazem a continuidade do histórico propósito de reservar os sonhos de construção pessoal e social da imensa população brasileira – o sonho de frequentar uma universidade pública – a uma pequena parcela de privilegiados, restando aos pobres a procura de fiadores que lhes garantam uma dívida com o estado, o famoso Fies, massacrando-os depois de formados e impondo-lhes um ensino particular muitas vezes de baixa qualidade; atores, pois, de um cenário antigo, sob o antigo e ultrapassado conceito de que o estado existe para servir aos que dele menos necessitam…

Nacionalismo econômico

*por Fernando Rizzolo

Deu no jornal britânico Financial Times: “a economia brasileira desacelerou e agora ‘rasteja’ com uma expectativa de expansão de apenas 2% este ano”. Poderíamos indagar o porquê dessa mudança na expectativa econômica do Brasil e nos lançar, bem ao estilo do Ministro da Economia, a culpar a crise internacional, os banqueiros, num exercício defensivo de simples argumentação.

Já se podia imaginar que os fatores econômicos que afetaram os países desenvolvidos um dia pudessem chegar, como de fato chegaram, aos países emergentes. Porém, é mister salientar que o que ocorreu no vislumbre macroeconômico do Brasil neste ano foi muito mais do que um impacto advindo da crise internacional. Foi, sim, uma participação política e econômica de alguns grupos empresariais, que cobraram uma postura protecionista do Ministro da Economia na defesa da indústria nacional, apelando para a velha proposta de desvalorização da moeda como um ganho secundário nacionalista-econômico que, na realidade, pouco resultado concreto surtiu.

Com efeito, as medidas adotadas com o intuito de evitar a entrada de dólares e conter a valorização do real como a elevação do prazo de cobrança do IOF em empréstimos externos e outras, acabaram trazendo muito mais instabilidade no âmbito da confiança dos investidores internacionais do que as expectativas em relação às medidas, esvaziando assim o discurso nacionalista de parte do empresariado brasileiro, e deixando pouca margem de manobra para o resgate da confiabilidade em investimentos que havia no Brasil antes de toda essa movimentação político-econômica.

Temos, na verdade, problemas cruciais a serem enfrentados no âmbito da competitividade dos nossos produtos no mercado externo, a exemplo do custo Brasil, que envolve a infraestrutura, a imensa carga tributária, os custos trabalhistas, e, o pior, a costumeira vontade política de fazer da economia um acervo de propostas que vão ao encontro dos interesses de alguns, muitos dos quais financiadores de campanhas políticas, que acabaram quebrando a continuidade da segurança e confiabilidade da condução monetária que deveria se pautar exclusivamente no aspecto técnico das medidas econômicas.

Acreditarmos apenas no mercado interno e em um real desvalorizado não nos levará a enfrentar os problemas advindos do desaquecimento da economia mundial; se assim agirmos, perderemos a oportunidade da discussão enriquecedora pautada nas nossas deficiências na produção industrial, numa logística moderna de infraestrutura, e em todos os setores que englobam essa cadeia na viabilização da competitividade nacional dos nossos produtos no mercado externo.

Expandir a economia ao redor de 2% é rastejar não apenas no crescimento, mas também aos desígnios da capacidade de transformação de algo técnico como a economia, em pura moeda de troca, cedendo dessa forma a antigas sugestões nacionalistas, que outrora rastejaram no nosso país, provando a história de que as medidas que promovem o caminho mais curto e simples acabam sendo, na realidade, as que imitam as decisões errôneas cometidas no passado, que culminaram e contribuíram com nossa atual inoperância produtiva e competitiva, tudo por rastejar ao velho e sempre à mão nacionalismo de oportunidades……..

Crimes passionais, e a distorcida visão do amor.

*por Fernando Rizzolo

Não há quem não tenha se indignado com o assassinato e esquartejamento do empresário Marcos Kitano Matsunaga, ocorrido num bairro nobre de São Paulo; aliás, perto da minha residência, a uns três ou quatro quarteirões… Confesso que, como cidadão e Advogado, demorei a digerir o enredo que traduz a forma pelo qual os fatos se sucederam nesse crime brutal.

Logo me veio à mente aquele velho ditado popular, que diz que “o diabo ajuda a matar, mas não a esconder o corpo”. Mas, acima de tudo, sobreposta a qualquer delito, paira uma reflexão sobre o que está realmente ocorrendo na nossa sociedade, em que as questões amorosas acabam transmigrando para a violência. Como não poderia ser diferente, nesta noite mal consegui dormir, até sentar-me ao lado do meu chá de camomila, neste sábado nublado e, de gole em gole, ir entendendo os fatores que envolvem o amor e a violência.

Será que poderíamos pensar que o agente delituoso, ou o criminoso, ao analisar a pena a ser cumprida pelo crime de homicídio, num cálculo macabro acabaria por entender valer a pena cometê-lo em razão do real e das medidas legais? Ou o amor, o ciúme, a traição, paga-se hoje com violência e não mais com um copo de uísque, num canto de um bar ao som de Nana Caymmi?

O que era mais um motivo que antigamente se resolvia com álcool, ombro de amigos, música de dor de cotovelo, e que muitas vezes inspirava os velhos compositores, hoje se resolve a bala. Tá louco? Assim dá até medo de a gente amar. Pois já são tantos crimes desse tipo, que trocar de parceiro está virando um risco de vida. Portanto, se seu companheiro ou companheira, em atos de ciúme ou traição, se comportou razoavelmente, e o desfecho foi na mesma moeda, não se aventure por aí, fique em casa, tome chá de camomila, reflita sobre o que significa o amor hoje em dia, e se assuste como eu, que nem dormir consegui, pensando no amor, nas vezes em que fiquei num bar ao som de Nana Caymmi, sarando minha dor de cotovelo, e ainda aborrecendo os amigos com minhas histórias de desamor.

 Mas como já faz muito tempo que casado estou, nem sei mais o que é isso, passo longe de bar, longe de clube de tiro, durmo cedo e não provoco; afinal, o amor hoje em dia anda de mãos dadas com a violência, uma saga da nossa sociedade atual. Assim sendo, se num dia não der nada certo para você, saia de mansinho e vá para uma casa noturna, mas não conheça ninguém, viu!… Fique no uísque, bem quietinho ao som de Nana Caymmi e encontre um amigo que te levará bêbado para casa, mas vivo pelo menos, porque hoje em dia é perigoso amar, dirigir alcoolizado e intoxicado de paixão…

Divórcio aumenta, mas maio é o mês das noivas.

 

 

*por Fernando Rizzolo

De tão cansado de ouvir sobre corrupção, nomes como Cachoeira, senador Demóstenes, CPI, corrupção, resolvi sentar-me no meu antigo sofá e tentar subtrair do momento político brasileiro algo que me desse satisfação e ao mesmo me levasse a uma reflexão sobre a vida – não essa vida de políticos, nem a vida dos investidores da Bolsa, mas algo que me motivasse a escrever sobre investimentos diferentes daqueles que costumo comentar. Decidi escrever sobre investimentos no amor.

Assim, separei tudo o que invade o noticiário ao meu redor, e deparei com uma notícia que realmente me tocou: um levantamento do Colégio Notarial do Brasil, seção São Paulo, mostra que em 2011 os cartórios paulistas registraram um aumento de quase 50% no número de divórcios. E mais: segundo o IBGE, a proporção de pessoas divorciadas quase dobrou em uma década: saltou de 1,7% em 2000 para 3,1% em 2010. São mais de cinco milhões de brasileiros divorciados. Sim, é isso: houve um estrondoso aumento daqueles que dizem adeus à relação. No início fiquei meio receoso de tocar nesse assunto – até porque já estou no meu terceiro casamento; com certeza o último da minha vida –, mas a grande questão é o porquê desse aumento nos divórcios numa grande metrópole.

No meu imaginário quase tentei fazer uma análise do motivo de nos divorciarmos com tanta facilidade – nas relações amorosas – e de insistirmos em não nos divorciar nas relações políticas, dando sempre o nosso voto para aquele político que sabemos ser traidor e safado… parei por aí. Já estava, quase sem querer, voltando a falar do Cachoeira, do senador Demóstenes e dos políticos em geral, e esse definitivamente não seria o tema do artigo.

Num lance à direita da mesa ao lado do meu antigo sofá que me acolhe sentado, pensando e escrevendo aos meus leitores, vejo que estamos em maio.. Ah!!! Maio, o mês das noivas: esse seria o início do sonho de acreditar que tudo vai dar certo e no fundo acho mesmo que a união de duas pessoas é uma construção de um sonho diário, intenso, e que dá trabalho, mas compensa. Esse aumento dos divórcios talvez se deva à facilidade de ir ao cartório, quando a lei permitir essa via, e resolver tudo de uma vez por todas e dizer adeus. Mas nada melhor do que amar, se dar bem, rir, compartilhar o amor num clima de praia, num banho de cachoeira… Opa! Cachoeira não!!! Vamos amar com dignidade, sinceridade, para termos sorte na vida a dois. Aliás, como disse o cineasta Woody Allen certa vez, o segredo do bom casamento é sorte… simplesmente sorte…. Ah! Pensando bem, como falta sorte na política brasileira…….

Democracia, liberdade e decepções

*por Fernando Rizzolo

A luz iluminava de forma branda a sala, mas mesmo assim se podia ver que algo naquele jantar significava muito mais do que uma mesa arrumada. O significado daquela pintura que demonstrava um jantar judaico na época medieval celebrando o “Pessach”, ou a saída dos judeus na condição de escravos do Egito, me remeteu ao conceito de liberdade, pois para entendermos o que é ser livre, precisamos conhecer o que é a falta de liberdade.

No Brasil vivemos num regime democrático e por sorte não sofremos privações dos aspectos mais amplos da essência do que chamamos de liberdade, até diante das escravidões sociais estamos avançando através da inclusão social, da melhor participação dos hipossuficientes na melhoria da renda familiar devido à pujança da nossa economia. Liberdade em uma democracia não significa apenas o livre direito da expressão, mas a possibilidade de uma dignificação da vida, o que não existe nos regimes de exceção ou nas escravaturas.

Uma imagem de uma simples tela de uma pintura a óleo, de celebração à liberdade numa época medieval, demonstra que a liberdade, como o vento, vem e vai a diversas direções. Portanto o ato de sempre relembrarmos o que é ser livre, pode-se por vezes ser acompanhado da emoção que varia entre um ato religioso e acima de tudo social.

Mas como nada na sociedade é perfeito, por mais que lutemos para sermos livres, justos, e éticos, esbarramos nos efeitos adversos por causa daqueles que integram a representatividade na democracia, daqueles que, vestidos e imbuídos de poder político, nos decepcionam e transformam a democracia num regime pequeno e perigoso. O episódio lamentável que envolveu o senador Demóstenes Torres é um exemplo típico de um dos defeitos da democracia: político implacável contra a corrupção, ele tinha o perfil do homem ético e se comportava como um incorruptível homem de bem – e talvez seja mesmo sócio da holding criminosa de Cachoeira, talvez por isso a democracia seja, enfim, o melhor regime, que nos leva a desvendar o que é a má política, e nos impele a sermos cautelosos na escolha dos nossos representantes.

A luz que iluminava a sala na pintura que me impressionou pode simbolicamente significar episódios cinzentos, mas a liberdade, a democracia, apesar de seus representantes faltosos continua a ser celebrada porque quase sempre acabamos nos libertando dos nossos Egitos políticos que tentam ainda hoje nos escravizar….

Os prédios e o Brasil sob gestão técnica

*por Fernando Rizzolo

Uma das coisas mais difíceis para quem escreve é ter a percepção de que deve existir motivo ou razão plausível para se colocar no papel um assunto que realmente te desperte a vontade de escrever. Nesse aspecto me dou a liberdade de escrever apenas assuntos que me tocam, até por que não sou pago para escrever nem estou vinculado a nenhuma editora – apenas, isso sim, ao meu coração, às minhas ideias, às quais nunca traio por conveniência de nenhum tipo.

Mas para que falar sobre percepção, motivos para escrever? Na verdade, nesse breve período de férias que tive, pensei muito sobre o Brasil e seu atual papel no mundo, sobre o governo da presidenta Dilma, sobre a crise mundial, e, particularmente nesses últimos dias, sobre a tragédia da queda dos prédios no Rio de Janeiro. Nesse contexto político e dramático, uma coisa é certa: o aspecto técnico pode ser a chave da solução de grande parte dos problemas atuais da humanidade.

Explico. O Brasil vai bem porque Dilma é uma técnica e não política. Dei-me conta disso principalmente quando ouvi, com enorme satisfação, a queixa do porta-voz do Irã, Ali Akbar Javanfekr: disse ele que “Lula está fazendo falta”. Dei-me conta disso quando vejo Dilma indo a Cuba e evitando assuntos políticos internos, mas também não se mostrando conivente com a ausência de direitos humanos na ilha. E também quando ela, nossa presidenta, demite sem dó ministros sob suspeição, e principalmente porque é seu costume falar pouco e pensar mais em números, numa demonstração de que a técnica está acima da política, política esta que tanto mal já fez a este país.

É triste saber que a permeabilidade do pensamento técnico pouco é difundida no nosso país, de colonização ibérica. Digo isso em todos os aspectos da nossa sociedade, e reforço aqui, também como na política de gestão de um país, a importância do asseguramento de cunho tecnicista na análise dos prédios antigos ou novos mal construídos é essencial. Se essa visão fosse mais presente, poderíamos evitar, não só Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil, desastres urbanos que envolvem prédios, deslizamentos, enchentes e tragédias por aí afora.

Por bem, com a gestão Dilma, a técnica parece prevalecer, e, enquanto Lula faz falta no Irã, estamos por ora assegurados de que por aqui, em termos de gestão em época de crise internacional, a nossa casa não vai cair, ficando no chão, apenas por infelicidade e nossa tristeza, antigos prédios e casas vítimas de deslizamentos que já fazem parte do nosso cenário político urbano… onde a política da vista grossa ou do deixa como está impera…

As mulheres e a desigualdade social

*por Fernando Rizzolo

Muito se tem discutido sobre a desigualdade de condições entre homens e mulheres no contexto mundial. O assunto veio agora à tona com a divulgação do último Índice de Desigualdade de Gênero (IDG), do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O IDG é um dos indicadores complementares ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e, assim, reflete a desigualdade entre homens e mulheres em três dimensões: saúde reprodutiva, capacitação e mercado de trabalho, de acordo com o Pnud.

O espantoso foi que nesse ranking que sublinha a participação feminina nos aspectos mais justos do pleno exercício da cidadania, a desigualdade de condições entre homens e mulheres deixa o Brasil atrás de 79 países em um total de 146 nações, conferindo-nos a 80ª posição, atrás do Chile, da Argentina, do Peru, do México, da Venezuela e até de árabes como a Líbia, o Líbano e o Kuwait.

Mas a questão que inquieta é o motivo pelo qual ainda estamos nessa condição, apesar de todo o esforço do governo federal, da mídia, dos programas de conscientização, da luta dos movimentos em prol da participação da mulher em todos os setores da sociedade. Existe em nossa sociedade, na realidade, um machismo velado, quer em razão da nossa colonização latina, quer também pela cultura equivocada da produtividade. No entender de alguns empregadores, a participação feminina no trabalho serve para complementar a renda familiar. Nessa relação empregada/empregador, a legislação trabalhista contempla direitos legítimos na defesa da mulher nos seus aspectos mais genéricos, como gravidez e amamentação, o que muitas vezes, infelizmente, acentua essa disparidade apontada pelo Pnud.

Em algumas profissões liberais as mulheres já são maioria no Brasil. Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o número de advogadas já supera o de homens entre os inscritos na Ordem. Elas já são 50,51%. Isso demonstra que pelo menos na ponta de defesa dos interesses da justiça do cidadão no nosso país, as cidadãs advogadas já são maioria, e ninguém melhor para representar os nossos interesses perante os tribunais do que aquelas que agora, com esses dados na mão, mais combativas estarão da busca pela justiça. Pelo menos nesse aspecto temos do que nos orgulhar, mas muito temos ainda que trilhar para, de forma justa, integrarmos a força de trabalho feminina no nosso país. Agora, cuidado! Em vista à particularidade dos dados da OAB, mulheres injustiçadas defendidas por advogadas, agora em maioria, estarão bem representadas e, portanto, para nós homens, é bom logo revertermos esse índice, “ad cautela”…….

As palavras e a imagem do Judiciário

*por Fernando Rizzolo

Foram de grande repercussão nacional as declarações da ministra Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça, à Associação Paulista de Jornais, em que ela afirmou que a magistratura hoje está com gravíssimos problemas de infiltração de bandidos escondidos atrás da toga. As palavras fortes da corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) atingiram de forma global a instituição do Poder Judiciário, o que, a priori, acredito não ter sido a intenção da ministra, mas, como geralmente a força das expressões supera o limite da crítica, vez que em seu bojo existe uma visualização impactante, a infeliz colocação acabou, por si, arranhando a imagem do Poder Judiciário brasileiro.

Não caberia aqui discutir a função do CNJ, tampouco a supressão de algumas de suas principais atribuições, entre as quais está a missão de zelar pela eficiência da prestação jurisdicional. Cabe aqui, sim, o cuidado a que devemos nos ater quando nos referimos aos membros do Judiciário, num país onde a marginalidade se utiliza muitas vezes da postura dos maus juízes para se fazer valer e legitimar suas ações delituosas. É sabido que na visão popular um crime se justifica quando aqueles que deveriam zelar pela Lei não a respeitam, e isso evidentemente ocorre em todos os níveis da atuação do poder público, mas, em maior evidência, é claro, quando fere a imagem do Judiciário.

A análise passa muito mais pelo imaginário popular do que pelo jurídico corporativista em si, pois que se na afirmação da corregedora existem bandidos escondidos atrás da toga, generaliza-se o comportamento delitivo, dando um componente menor na sua desaprovação, e isso do ponto de vista da criminalidade em nosso país é preocupante, pois fixa, de forma cunhada, a falta de exemplo da instituição.

Todos sabem que poucos são os juízes, num imenso universo da magistratura, que se comportam de forma condenável; sabemos também que em todas as áreas existem os bons e os maus profissionais. Portanto, não é de bom alvitre utilizarmos palavras de impacto, mal pensadas, de conteúdo analítico precipitado, que representem dessa forma o risco de desqualificar uma instituição como o Judiciário, pois assim estaremos dando ao leigo à margem da criminalidade a enorme oportunidade de justificar seu feito dizendo: “se eles fazem, eu também posso fazer”….

Corte dos juros e turbulência à vista

*por Fernando Rizzolo

Se existe algo desagradável para passageiros de avião, além da espera nos aeroportos, esse algo é a turbulência. Para os pilotos, dependo do tamanho da tempestade, o melhor é sempre desviar a rota.

Muitos criticaram a visão apocalíptica da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de reduzir a taxa básica de juros (Selic) de 12,50% para 12% ao ano, antecipando-se assim a uma eventual tempestade econômica internacional. Alguns até argumentaram que a decisão foi política e não técnica. A grande verdade é que com os juros nas alturas, diante do cenário, o melhor ainda é ter um raciocínio aéreo, ou seja, desviar a rota para amenizar as turbulências. É bem verdade que se nada acontecer, e se o nosso parceiro maior, a China, continuar consumindo, pagaremos um preço pela rota mais longa: um eventual cenário de inflação.

Mas aqui, estando em terra firme, sentado neste sofá aqui na minha sala, e não num avião observando o balanço do refrigerante do meu copo, entendo que a decisão não foi errada. Senão, vejamos: a economia americana ainda não dá sinais de recuperação, a Europa se encontra em desequilíbrio econômico, o Japão dependente dos EUA, ainda conta os números do prejuízo pelo desastre provocado pela natureza, ou seja, estes polos de estrutura econômica enfraquecendo, pela lógica dos efeitos terrestres e, por que não, aéreos, afetará sim a dinâmica interna da economia chinesa e de todos os emergentes, o que, por sua vez, encolherá o apetite chinês pelas nossas commodities, restando-nos apenas fortalecer o nosso mercado grande interno.

Mas até aí alguns poderiam dizer que até agora, lá fora, nenhum banco quebrou, e que houve então precipitação por parte do Banco Central. Sinceramente, ainda estando em solo firme, prefiro por cautela a postura tomada pelo Copom. Tenho medo de turbulências e se nenhum avião sofreu os efeitos de uma forte turbulência nos últimos anos, é pelo fato de terem mudado de rota. E lembrem-se daqueles que insistiram em enfrentar as tempestades sem os devidos ajustes aéreos e se perderam no mar. Tenho medo de turbulências, mesmo sentado neste antigo sofá, economia e avião se enfrentam apertando os cintos e mudando a rota, além de rezar, é claro, o que também ajuda…

Lula e o Brasil em 2014

*por Fernando Rizzolo

Nada contra o governo Dilma. Na verdade, ela tem feito o possível para extrair os focos de corrupção que assolam o Planalto de forma assustadora. Ademais, acredito que a presidente sempre fez sua escolha por trazer inclusão social e desenvolvimento aos mais pobres da forma que tem feito nesse imenso Brasil. Mas, apesar de tudo, sinto a falta de um largo sorriso e da esperança vibrante que brilhava nos olhos dos mais humildes desse país na época em que Lula, em seus discursos, falava a língua do povo. Lembro-me de quando fui assistir a um comício de Lula em São Bernardo do Campo – ela era candidato à Presidência: era pura alegria, as pessoas vibravam, e a certeza de um dia melhor que viria era algo concreto.

Para um povo sofrido, não basta as coisas andarem bem, a economia estar fortalecida, a inflação contida. Há que se embotar na alma desse povo a esperança de que aquele sofrimento de outrora, que foi causa de um esquecimento dos governos insensíveis, jamais voltará; há também que se cantar, como quem acaricia uma criança, que não mais faltará pão, que haverá justiça social e igualdade de oportunidades para os mais pobres. E isso Lula fazia, de forma dialética, popular, como uma toada, ele bradava uma doce tempestade de esperança ao povo brasileiro. Hoje o que temos são os olhares tristes de quem vive uma economia pujante, sim, com maior poder de compra, mas a quem falta a mensagem. A mensagem de Lula, com seu vozeirão, lhes assegurando o amanhã.

Não seria exagero afirmar que o povo brasileiro ficou mais triste desde que Lula se foi da Presidência, muito embora a presidente Dilma, com seu estilo gerencial, esteja provendo um ótimo governo. Mas para o povo, aquele humilde do ponto de ônibus, o importante é a fala, é o sotaque nordestino arrastado apontando as injustiças de forma enérgica, andando de lado a lado no palanque e ao seu lado o povo rindo e o país caminhando de verdade. Tenho saudade não só dos discursos do Lula, mas dos rostos que exalavam a esperança do Brasil, que hoje vai bem, obrigado, mas ao qual falta algo mais: o calor das palavras de Lula que faziam o povo acreditar no futuro. Não foi à toa que Serra afirmou que o antagonista do PSDB na próxima sucessão presidencial será Lula, não Dilma Rousseff. Se assim for, estaremos diante de uma nova possibilidade de voltar aquele que fazia os olhos do povo brilhar no caminho da esperança, vivenciando de forma vibrante a prosperidade.

O papel do Estado depois das eleições

*por Fernando Rizzolo

Sem dúvida nenhuma a argumentação do atual governo que balizava as diferenças ideológicas entre o PT e o PSDB, nas eleições para presidente, era o papel do Estado como um regulador da economia, servindo este como vertente na aplicação dos seus recursos em favor da maioria da população pobre do país.

Podíamos observar também que havia uma delimitação entre uma proposta com o viés de um Estado mais presente, no caso, a apresentada pelo PT, e outra que não incidia na privatização em si, mas sofria os ataques da disputa eleitoral como sendo a mãe da privataria, manobra esta bem elaborada pelo PT.

Desfeita a disputa, cabendo agora ao governo as ações políticas devidas ao bom encaminhar das propostas de desenvolvimento do país, observamos que a dialética de outrora, era talvez mais formatada pelo marketing político eleitoral, senão vejamos:

O BNDES, cuja função principal seria a de consolidar uma política de desenvolvimento público acabou se envolvendo numa eventual fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour no Brasil, empresas estas altamente capitalizadas, tornando essa participação do recurso público realmente descabida. O banco admitiu que poderá investir até R$ 4,5 bilhões no negócio por meio do BNDESPar, braço de investimentos em empresas do banco de fomento estatal.

Já a Banda Larga Nacional ficou toda para a iniciativa privada. Além disso, o valor da oferta apresentada pelo governo é só R$ 4 menor que o dos pacotes disponíveis, e, em vez de franquia ilimitada, é pior, o internauta terá só 300MB. Como se não bastasse, o papel da Telebrás, recriada para garantir a concorrência num mercado monopolizado pelas ‘teles’ na venda de capacidade de acesso à internet, tornou-se mais dúbia no contexto do novo Plano Nacional de Banda Larga.

Assim sendo, em meio ao desenvolvimento da China, às altas taxas de juros que nos inundam de dólares, e às marcas de crescimento da economia, esquecemos das propostas originais que compramos através do voto, daquele verdadeiro papel do Estado, propagado no horário eleitoral. Bem, mas isso era mesmo para antes das eleições, quando ainda acreditávamos que nada disso aconteceria se a presidente vencesse, pois era coisa de típica de “privateiro” e o negócio era ficar longe dessa gente….

O Brasil no caminho certo

*por Fernando Rizzolo

Muitos são aqueles que, diante do quadro de desenvolvimento da economia brasileira, apontam a desindustrialização do país e a falta de competitividade, apregoando uma cruzada contra a capacidade produtiva da indústria chinesa, principalmente no que se refere aos manufaturados, em razão do peso da nossa indústria de transformação no PIB, que nos anos 80 que era de 33% e hoje é de 16%. Alegam também que o cambio valorizado “compromete as exportações” e numa canção lírica entoada pelo saudosismo das ideias de Celso Furtado, vestem-se de um nacionalismo desconexo com o atual quadro econômico internacional.

De plano, é preciso nos ater à atual realidade chinesa. Hoje não há nenhum país do planeta capaz de enfrentar o dragão chinês e sua capacidade na produção, principalmente de bens de consumo. Portanto, para nos aparelharmos num contexto nacionalista em defesa de uma forte indústria nacional, em que os próprios empresários reconhecem que é impossível, é preciso no mínimo contextualizar uma falsa realidade econômica internacional que nos remeterá a uma proposta muito mais política ideológica do que econômica.

Precisamos, sim, de uma indústria nacional forte, mas que esteja relacionada com a vocação exportadora do Brasil, que em razão de sua extensão territorial e sua pujança na produção de minério, petróleo, grãos e carne possa agregar valores a estas commodities. Depender dessas matérias-primas é uma realidade que China reconhece, e terá, sim, de aceitar e pagar o preço dessas commodities se quiser crescer 10%, da mesma forma que devemos reconhecer a realidade da indústria chinesa na produção manufaturados em geral.

Já a atual política cambial e de juros aplicada no Brasil visa ao combate da inflação, propondo um crescimento sustentável na ordem de 4,4% neste ano, servindo ainda essa política de câmbio como instrumento de notável combate à inflação, lançando mão, quando necessário, da importação de produtos de alta demanda interna.

Saber interpretar o momento econômico no contexto internacional, livre dos impulsos nacionalistas, é despir-se das crenças enraizadas que embotam conceitos econômicos numa embalagem ideológica disrítmica da atualidade, e perigosa do ponto vista econômico, desviando o Brasil do caminho certo, ferindo assim o real sonho de Celso Furtado e seus discípulos, pelo menos naquela época – até porque vivemos hoje outro momento.

“Politização”: um termo pronto para ser usado

*por Fernando Rizzolo

No esteio do universo dos instrumentos de argumentação, um dos mais utilizados, inclusive por nós advogados, é o de descaracterização dos fatos, de preferência no uso de termos de impacto, como aqueles que visualmente nos remetem a uma forma, impulsionando-nos a uma revisão do fato ocorrido em favor do réu.

É fato notório que a presidente Dilma, quer por motivos de saúde, quer por conveniência política, demorou a se manifestar no caso Palocci; “modus operandi” diverso do usado pelo presidente Lula, que disparava de pronto contra qualquer acusação que atingisse os membros de seu governo. Essa postura defensiva, de cunho pouco crítico e embasada no viés da utilização da terminologia política que visa a descaracterizar um fato concreto, denota ao novo governo e ao ex, o velho uso de uma estratégia que fere a ética na democracia.

O que observamos de algum tempo para cá é que tudo o que os atinge, segundo o governo, se trata de “politização”, portanto sob a ótica da democracia saudável, opinativa, com as vertentes de apuração dos fatos delituosos ou éticos, é assim desqualificado, como sendo então parte de um mero jogo político, apequenando o embate das ideias, e o pior, chancelando tudo o que fere a esfera da boa conduta, ou atos que violam o espírito da Constituição, como o fato de o ex-ministro da Fazenda do governo Lula, Palocci, ter multiplicado por 20 seu patrimônio e ter adquirido um apartamento de R$ 6,6 milhões, em São Paulo, quando, como parlamentar, deveria sim viver de forma exclusiva dos seus subsídios.

Por bem agora o Ministério Público do DF decidiu investigar os ganhos de Palocci apurando se a evolução patrimonial do ministro de 2006 a 2010 é compatível com os ganhos de sua empresa, a Projeto. Contudo, o que temos que nos ater na observação da conduta política do atual governo e na do ex, é a insistente forma de passar por cima de fatos relevantes do ponto de vista republicano, jogando tudo sob o estilo da desqualificação dos fatos, e como disse, denominando de “politização” a quase tudo o que os atinge, desconstruindo talvez um grande projeto de esperança do povo brasileiro no governo Dilma, na defesa de outro projeto menor, uma empresa chamada “Projeto”.

Popularidade e inflação – artigo publicado na Agência Estado 05/05/2011

Por Fernando Rizzolo*

Uma das tarefas mais complicadas na consolidação do governo Dilma, na manutenção da popularidade que havia na era do presidente Lula, é, sem dúvida, o controle da inflação. Até que por bem, a presidente nunca foi de falar muito, nem de apregoar uma imensa cruzada contra a pobreza da forma ostensiva como o ex-presidente costumava fazer em seus discursos emotivos que atingiam de modo contundente sobretudo as camadas mais populares.

A grande verdade é que já se percebe nas expressões faciais – nas entrevistas dos membros do governo quando se aborda o tema -, que inflação é algo que atinge diretamente o maior valor agregado do governo petista, que é a chamada popularidade de seus representantes no poder. Por outro lado, fica patente que sem uma política de austeridade, de aperto ao crédito com redução dos prazos dos financiamentos, sem o necessário enfrentamento da realidade da demanda aquecida, fixando-se nessa fase, numa visão mais técnica e menos política, a inflação, como já ocorre em vários países, voltará a se tornar a vilã da economia. O momento, portanto, é de cautela e planejamento. Nem nós queremos correr o risco de enfrentar a inflação, representada emblematicamente pelo dragão que solta fogo pelas ventas, nem o governo há de querer o risco da queda da popularidade, da quebra da confiança, da crítica inevitável e violenta da oposição.

Ademais, sabemos que o consumidor é mais suscetível à redução do prazo de financiamento do que à alta dos juros. Com efeito, oito em cada dez consumidores brasileiros preferem comprar de forma parcelada. Equivale dizer que nem sempre – ou quase nunca – o consumidor tem a percepção de que o aumento do valor da parcela em si, em razão da alta dos juros, uma vez diluída, seja em si um fator determinante e impeditivo no seu voraz desiderato de consumo, principalmente naqueles que se referem aos bens de consumo. Por outro lado, o remédio da redução do prazo de financiamento tem no seu bojo um alto custo político, e isso esbarra na continuidade daquilo que seria um “governo para o povo”, como assim sempre afirmaram as lideranças do Partido dos Trabalhadores.

Mas como adequar uma medida técnica sem arranhões populares? O governo tem plena ciência de que um aumento real nas taxas de inflação poderia tornar inócuos – ou menos eficazes – os discursos emotivos, as promessas de inclusão social, as Bolsas Família. Isso porque, é fato, a imensa população pobre e a nova classe média brasileira já se acostumaram com a estabilidade da moeda, e distantes estão da palavra que hoje soa antiga, carestia.

Um dos grandes mecanismos que nesse momento poderá efetivamente contribuir para o controle da inflação – por ironia do destino, e pelo desespero dos exportadores, principalmente do setor manufatureiro – é exatamente o dólar mais baixo, que favorece as importações e aumenta a concorrência no âmbito do mercado interno. Sem contar, é claro, com a continuidade da política de elevação da taxa básica de juros, vez que isso alimenta a entrada de dólares mantendo essa moeda num patamar apreciável, tornando-a um instrumento regulador. Ao que parece, as autoridades monetárias efetivamente desejam o preço da moeda americana baixo como “ancora” nesse processo de controle da inflação.

Trocando em miúdos – e retomando a linha condutora do pensamento iniciado com o desafio que se impõe à nossa governante-, boa mesmo é a postura da presidente Dilma, com poucos discursos inflamados e poucas menções a grandes projetos de transferência de renda no palanque. Mesmo porque, por tudo o que o ex-presidente Lula avançou, a inflação agradeceu; mas agora se tornou uma ameaça. A hora é de agir, porque a emoção não vem mais do discurso da liderança maior da nação, mas dos números e, especialmente, do bolso daqueles que esperam a continuidade da virtuosidade da economia brasileira. Em outras palavras, que esperam manter seu poder de compra e esperam ter condições de pagar o que compraram. Entre a popularidade e a inflação, boa mesmo é a postura da presidente Dilma…..

* Fernando Rizzolo é advogado, professor universitário e membro efetivo da Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP. Esta seção não se responsabiliza por operações decididas a partir das informações e opiniões divulgadas neste artigo.

Copyright © 2011 Agência Estado. Todos os direitos reservados

Tragédia do Realengo e uma simples caminhada

Dia nublado, com ar de que vai chover, quase sempre nos conduz a um shopping. Principalmente em São Paulo, onde os shoppings centers são a praia paulistana. Lá encontramos muita gente, novidades nas vitrines, cinema, além de podermos caminhar. Caminhar em shopping é bom, principalmente quando não se quer gastar. Geralmente quando vou a um shopping, costumo colocar um bom tênis, e vou andando, subo escada, desço de escada rolante, enfim sou um andarilho urbano num local fechado. E não só ando. Penso, reflito, caminho num passo lento e constante, vejo a quantidade de bebês, o futuro da nação, e como são tantos nos shoppings da capital paulista.

Mas no último sábado parei numa loja, dessas que vendem jogos acoplados à TV, com vários temas, na sua maioria estranhos: e muita violência. Na vitrine, o destaque era para um que se passava por uma perseguição policial, bandido versus polícia. Na minha ingenuidade, entrei na loja – de tênis anti-impacto, é claro –, e o vendedor me deu uma vasta explicação sobre os jogos, achando talvez que eu fosse comprar algum deles para o meu neto. Logo me perguntou sobre a característica do meu neto, sua idade, se ele é “agitado”, se gosta de aventura, e me indicou um do tipo “tiroteio”, matança por pontos, quanto mais mata, maior a pontuação atingida. Inconformado, disfarcei com o gesto de amarrar meu tênis anti-impacto, arrumei meus óculos, e fiquei apenas balançando a cabeça como se estivesse achando aquilo “instrutivo”. Ao final, agradeci ao vendedor, saí e fui tomar um café, pensativo, logo ali perto da escada rolante.

Pensei de imediato que o psicopata do Realengo, na sua infância, provavelmente brincava solitariamente como estes joguetes. Constatei que numa sociedade de informação – também pudera, um dia são deslizamento e mortes, no outro, inundações e mortes, atentados e mortes, tsunami e mortes, guerras e mortes –, o fator morte, é claro, deveria estar presente de forma mais marcante nas mentes adoecidas de muitos jovens do mundo contemporâneo. Aliás, na mídia, nos brinquedos, e até em algumas seitas, a morte é muito mais comentada do que a vida, o amor, o construir algo e o bem. Num rápido gole de café, perdido nas minhas reflexões, absolvi, sim as armas, os pedaços de pau, os socos na cara, os chutes, as facas, porque isso tudo, no meu entender, é apenas um instrumento da violência, do agente, e suprimir o pedaço de pau, o taco de golfe, não resolveria o problema.

A culpa de tudo? Também não é da lojinha de jogos, mas de uma sociedade de informação em que a relação com a morte infelizmente vale mais do que a vida, em que falar dos infortúnios vende mais notícia do que apontar os de bem . Rever essa postura mundial midiática poderia ser o início da construção educacional aos bebês dos shoppings do mundo, sob uma nova visão de vida, prestigiando a educação sadia, detectando precocemente os distúrbios mentais psicopatas, combatendo o bullying, reconstruindo os canais da vida, do amor, e sempre nos atermos às reflexões sobre o futuro do mundo e do Brasil. Tudo isso de forma simples, numa cadeia de informação informal, caminhando mesmo sozinho, pensativo, calado, ou conversando, protegido dos perigos de tomar chuva como num shopping, nos precavendo de todos os impactos que, quando emocionais, são mais fortes do que aqueles mais simples que atingem os nossos pés, porque estes sim, são protegidos pela tecnologia anti-impacto, que nos serve para nos levar a caminhar mais e a pensar com mais emoção no coração sobre aqueles “brasileirinhos que se foram”.

Fernando Rizzolo

Política, ecossistema e a natureza

*por Fernando Rizzolo

Foi numa tarde daquelas de sábado, na frente da minha pequena casa de campo, que antigamente se chamava de sítio, que decidi, com o olhar perdido em direção à mata da floresta que invade a janela do meu quarto, que não mais escreveria sobre política. Coisas dos homens, das relações de governo, são importantes, mas não nessa fase que estou passando, de ente reflexivo político para um observador espiritualista. Aliás, dizem que a idade nos leva ao fundamentalismo religioso. Isso, como sempre digo, pode ser perigoso no Oriente Médio, mas não aqui no meu sítio, nem nas minhas longas conversas com Deus.

Ao tomar conhecimento das tragédias que ocorreram no Japão, das cenas de fúria do mar, dos tremores da terra, no desespero das pessoas, e da perplexidade da humanidade diante do que mostrou o Breaking News, da CNN, descobri que minha vocação literária reflexiva religiosa me levaria a um profundo pensar sobre quais são as causas disso tudo. Sabemos que, de acordo com o Velho Testamento, no início os animais dos mais ferozes eram todos dóceis com Adão, em tudo havia uma harmonia, a paz reinava. Porque então a natureza hoje se porta tão agressiva quanto os animais ferozes que atualmente habitam as selvas? Seria, portanto, culpa do ser humano, como se pode concluir a partir do que os cientistas descrevem sobre o “efeito estufa” e outros conceitos vagos? Ou por trás daquela fúria da natureza existe, sim, uma resposta divina, incompreensível como o diagnóstico de uma doença terminal numa criança que mal começou a viver?

A grande verdade é que nascer e fazer parte daquilo que chamamos de vida nos põe diante da obra divina. Quanto mais a conhecemos, mais perplexos ficamos diante de tanta beleza e perfeição da obra de Deus da natureza. Observamos a capacidade destrutiva dessa mesma força natural e temos uma pequena noção do que poderia ser o desfecho cabalístico do fim da criação representado pela morte e destruição. Jamais chegaremos a uma explicação lógica, perfeita, e das científicas ainda prefiro as espirituais, religiosas, bem ao meu estilo filosófico da linhagem pensadora de Brauch Spinoza, em que, para se encontrar com Deus, é mister não entender seu comportamento instrumentalizado pela natureza, mas apenas contemplá-lo. E, como numa simples oração, descobrir que quem criou pode dispor da criatura, bastando assim apenas conciliarmos com algo superior, ou um mero olhar perdido tentando entender na beleza da floresta a tristeza do povo japonês, numa tarde debruçado na janela da casa do meu velho sítio…….

Fernando Rizzolo

Escrevendo para os Pássaros

Passar longo tempo sem escrever agita e anestesia a alma. Porque escrever não é ofício diário, com horário, transcende, sim, todos os momentos de avaria da consciência cotidiana, para que num determinado estado de “contar uma história” nos leve a um lugar cômodo e tudo seja então posto a um plano de confissão. Bom tempo fiquei sem escrever; fiquei divorciado de outubro até agora. Motivos calaram minha voz e me fizeram descobrir que de todos os textos, ou de todas as reflexões, pouco ficou de consistência plena. Afinal, num país em que poucos leem não poderia esperar brandoso eco de leitores calados.

Livros, textos, artigos, servem a nós mesmos. Isso eu descobri. Descobrir tal realidade é dar-se conta de que a arte literária pode ser dirigida a outros seres, não só aos humanos, mas aos que supostamente nos inspiram pela sua liberdade, assim como os pássaros. Liberdade foi sempre a minha teimosia ideológica, aquela que me levou a sonhar com a política, culminando com a percepção de que os 194 votos que obtive com candidato a deputado federal eram o exato espelho de que tudo fora, sim, consumido por mim mesmo. Tudo permaneceu na esfera do criador artístico. Assim, num golpe de revolta, me divorciou das minhas próprias ideias de pensar um país, acreditando na participação dos demais. Certo dia, enviei meu último livro, lançado na Feira Internacional do Livro em São Paulo, de presente à nossa hoje presidente Dilma. Afinal, lutei pela sua vitória, brigava nas redes sociais, enfrentei dissabores como editor de um blog chamado Blog da Dilma, e, como resposta a todo esse esforço, não obtive absolutamente nada, nem sequer um “obrigado pela luta”, ou um “obrigado pelo seu livro”, vindo de um assessor (nem que fosse por educação).

Não consideraria amargas as linhas deste texto, ou rancorosas, mas apenas um retrato do que é o Brasil, pobre de cultura e impregnado de um policialismo ideológico-partidário que não admite que pessoas de fora do grupo sejam prestigiadas ou reconhecidas. Os artistas desse imenso Brasil vivem um esquecimento histórico. Seja na literatura, na pintura, no cinema, no teatro, corre o olhar do crescimento do PIB, das commodities, do consumo, do amor líquido, na melhor concepção de Bauman, sobre todas as artes. Ganhar dinheiro, ter sucesso a qualquer custo se sobrepõem às ideias contidas na arte, e o olhar reflexivo do conteúdo de um quadro se resta esquecido e fora de moda dando lugar a uma nova concepção de arte, a arte do ganhar, restando a nós, artistas, escrever para um consumo solitário, de liberdade, de voo, escrever sabendo que escrevemos apenas para os pássaros que insistem em voar um voo solitário alto sem ao menos ser notados.