A Elite Paulista e o Olhar aos Pobres

Nos anos 1980, foram muitas as tentativas que surgiram por parte da Igreja de fazer com que a elite, não só a paulista, mas as demais, enxergasse os mais humildes de forma fraterna. Da ala religiosa católica mais esquerdista havia uma tentativa de promover campanhas de cunho social, como a “Campanha da Fraternidade”. No entanto, o que foi apregoado em cartazes e sermões parece ter surtido pouco efeito naquela época, em que o neoliberalismo estava mais vivo em nosso País.

Não há como negar que no Brasil, na era Lula, o modo de ver os problemas sociais despertou o interesse, de forma insidiosa, da elite paulista, talvez a mais refratária do País. É interessante notar que a preocupação com o social, com o bem-estar dos mais pobres, tornou-se menos relacionada ao universo estigmatizado de um pensamento esquerdista e passou a ter relação conceitual com os mais ricos, como uma iniciativa fraterna, solidária, quase aos moldes religiosos de justiça social dos anos 1980 ou das iniciativas do Terceiro Setor.

O que Marta Suplicy fez de inovador na época agora já não mais nos surpreende tanto, ao vermos várias personalidades, que jamais poderíamos imaginar, convertidas ao socialismo, engajando-se, exultantes, quer no Partido dos Trabalhadores, quer no Partido Socialista Brasileiro, na tarefa de fazer do Brasil um País mais justo. Talvez exista hoje na elite paulista a consciência de que o consumo dos pobres é algo democrático, que gera empregos e diminui a violência, e de que seja a receita para direcionarmos o Brasil no fortalecimento do mercado interno, gerando um ciclo virtuoso de negócios e empreendimentos.

Acostumarmo-nos com um shopping da periferia lotado, com a mescla racial participando das compras, gastando, adquirindo uma nova geladeira, um novo fogão, gera, na realidade, uma satisfação que desconhecíamos. Essa nova era virtuosa impõe-nos uma nova postura sobre o potencial de consumo brasileiro, uma nova condição política partidária e um olhar novo e fraterno aos pobres, que a cada dia ficam mais parecidos conosco no inevitável desejo de consumir e de um dia tornar-se a elite de amanhã, num Brasil, enfim, bem mais humano.

Fernando Rizzolo

Para líder do PT, não há necessidade de afastar Dilma

BRASÍLIA – O líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), disse não ver necessidade de afastamento da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, do governo, enquanto ela estiver sob tratamento de quimioterapia para enfrentar um câncer linfático. “O principal é a ministra tratar de sua saúde. O tratamento é um sucesso quase absoluto. Não tem sentido se afastar. É uma decisão técnica, dos médicos, não é uma decisão política. Ela está no meio do tratamento, que tem mais dois meses”, afirmou. A ministra está internada em São Paulo para tratar de fortes dores nas pernas decorrentes da quimioterapia.

Já o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, afirmou que torce para que a ministra não precise reduzir a jornada de trabalho por causa de tratamento. Segundo ele, só os médicos vão poder dizer se Dilma precisa ou não diminuir sua carga de trabalho. “Nós torcemos para que isso não seja necessário pois é bom para o País que ela trabalhe muito”, disse. Ele lembrou que os próprios médicos disseram no início do tratamento que era bom para a recuperação da ministra que ela continuasse dedicada ao trabalho.
agência estado

Rizzolo: Entendo que o principal é a saúde da ministra. É claro que quem vai determinar o rítmo, são os médicos, e não a classe política. Só faltava, não é ? O câncer atualmente tem tratamento, e as chances de cura são altas, como no caso da ministra. Vamos trocer para que ministra vença a doença. Hoje, a presidente da Casa Hope, Claudia Bonfiglioli esteve no Hospital Sírio Libanês, onde entregou uma carta de soledariedade da Casa Hope, em nome da presidência e das crianças, desejando uma breve recuperação à ministra.

Candidatura de Dilma pode ter ampla base de apoio

BRASÍLIA – Ao mesmo tempo em que corteja o PMDB, o governo já dá passos decididos para atrair a maioria dos outros partidos de sua base para o palanque da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Mesmo que não se coliguem oficialmente com o PT na chapa de Dilma, PP, PR, PC do B e PRB já estão alinhados com a candidatura, caso ela se confirme no próximo ano. A maioria dos integrantes de outros partidos aliados menos afinados com a Presidência – PTB, PDT e PV – também dá sinais de que agirá da mesma forma. Até o PSB, que tem o deputado Ciro Gomes (CE) como pré-candidato, pode abrir mão de lançar seu nome, em favor de um acordo que permita ao partido ter cabeças de chapa em alianças com PT em Estados onde planeja eleger governadores.

O baixo teor de rebeldia na base aliada em relação a 2010, porém, ainda depende de pelo menos mais dois fatores para se confirmar. O primeiro é a saúde da ministra. Embora o discurso oficial dos aliados seja de otimismo, informalmente reconhecem que aguardam a evolução de sua condição de saúde para saber se a candidatura se confirmará ou se surgirá uma nova opção bancada pelo governo. O segundo fator é a densidade eleitoral da ministra. Ainda pouco conhecida pelo eleitorado, Dilma precisará ter um ritmo de campanha intenso para se apresentar pelo Brasil. A dúvida é se sua saúde permitirá essa agenda cheia.

O presidente Lula tem procurado participar diretamente da negociações com os aliados. No caso do PSB, a movimentação tem sido cuidadosa. Hoje, a legenda prefere que Ciro entre na disputa por avaliar que isso ajuda a puxar votos para a legenda. O PSB defende a candidatura própria e acredita na sua viabilidade eleitoral, argumenta o senador Renato Casagrande, secretário-geral do partido e aspirante ao governo do Espírito Santo. Ele lembra, contudo, que o PSB tem vários objetivos na próxima eleição, como aumentar sua bancada de deputados federais (hoje são só 30). O tamanho da bancada é importante porque regula o tempo de horário eleitoral e o fundo partidário a que temos direito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
agência estado

Rizzolo: A candidatura de Dilma cresce na medida em que o apoio dos demais partidos a ela aumenta. Não há dúvida que será uma tarefa difícil para a oposição enfrentar Dilma, muito embora ainda não há de forma mensurável, como quantificar a quantas anda sua popularidade, uma vez que não possui ela por hora uma densidade eleitoral apreciável. O que existe apenas é um crescente em relação ao seu nome.

A questão da transferência de votos ainda é duvidosa, mas o que realmente pesa hoje, é seu estado de saúde; e isso sim poderá atrapalhar seu desempenho na campanha. Agora, uma coisa é certa, se infelizmente Dilma não puder concorrer, movimentos ocorrerão no sentido de apresentarem uma proposta de emenda constitucional (PEC) que abre caminho para um terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nada mais justo no meu entender, do que um plebiscito para verificar se a população estaria ou não de acordo com um terceiro mandato para Lula. Porque não? Constrangimento porque? A opinião do povo por acaso constrange alguém? Ora, convenhamos, a tese do “constrangimento”, serve só aos que não entendem o jogo democrático. Se o povo disser sim, emenda-se a Constituição e ponto final. “Se Dilma não sair, apoie o Devanir” (deputado Devanir Ribeiro) (PT-SP). Não tenho o mínimo constrangimento em defender esta idéia, o que vem do povo, vem de Deus.

Discussão da reforma política tenta mudar agenda de escândalos que tomou Congresso

O debate sobre a reforma política no plenário da Câmara tem dois objetivos mais visíveis e um terceiro mais oculto. A razão mais evidente para o tema voltar ao plenário é tirar o foco dos escândalos que dominam o Legislativo.

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), tomou posse em fevereiro e gastou quase todo o seu tempo respondendo sobre casos de desvios de passagens aéreas, contratação de empregadas domésticas em gabinetes ou pagamento de horas extras para funcionários nas férias.

A segunda razão é o interesse pela criação de uma brecha legal para a troca de legenda. Hoje o entendimento da Justiça é que nenhum detentor de mandato pode trocar de sigla, sob pena de perda de mandato.

O termo usado ontem foi “setembro negro” –uma alusão a setembro próximo, quando faltará um ano para a eleição. Nesse mês seria criada a “janela da infidelidade” para que políticos trocassem de partido. “A janela é a proposta que mais tem chance de passar aqui”, afirma Ciro Gomes (PSB-CE).

A razão oculta de a reforma política voltar à pauta é a incerteza sobre a pré-candidatura de Dilma Rousseff a presidente. Ela está se tratando de um câncer linfático. A Folha ouviu de muitos deputados que a tese de um terceiro mandato para Lula voltou a ser aventada: o debate sobre a reforma serve para manter a base alerta para a necessidade de ressuscitar alguma proposta de emenda.

folha online

Rizzolo: Não resta a menor dúvida que o debate sobre a reforma política tem um ” ganho secundário”. O Congresso desmoralizado, tenta desviar as atenções para o tema polêmico. Com certeza essa manobra diversionista tem como objetivo tentar abrir um debate visando o interesse dos grandes partidos, e retirando a possibilidade do eleitor votar no nome que entender ser de sua confiança. É mais uma manobra mal intencionada, e deve ser repudiada por toda a sociedade brasileira. Quando observamos que quase a maioria dos parlamentares não possuem valores éticos, o medo da resposta popular nas urnas, os fazem engendrar manobras que poderão já sutir seus efeitos a seus favores no pleito de 2010.

Eduardo Suplicy cede cota aérea do Senado à namorada e diz que vai restituir valor

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) usou sua cota pessoal de passagens aéreas para custear viagens, em território nacional, de sua namorada, a jornalista Mônica Dallari, revela reportagem Andréa Michael, publicada na edição de hoje da Folha. Suplicy disse ontem à reportagem que devolveria R$ 5.521 referentes aos gastos, ocorridos entre 2007 e 2008.

De acordo com a reportagem, Suplicy também pagou, com a cota do Senado, uma viagem da namorada a Paris, em janeiro de 2007. Ele disse que já restituiu o valor, de R$ 15,1 mil, no mesmo ano. A passagem para Paris faria parte de uma viagem para a China, feita a convite do governo daquele país. O trecho Paris-Pequim foi pago pelos chineses.

Em abril, o Senado restringiu a utilização das passagens aéreas aos parlamentares. Ato aprovado pela Mesa Diretora da Casa proibiu os senadores de repassar bilhetes aéreos da sua cota pessoal para familiares ou terceiros.

Só estão autorizados a usar as passagens os assessores designados pelos parlamentares, com o aval da Mesa Diretora da Casa, em deslocamentos no território nacional –assim como os próprios senadores. Outra mudança impede que os senadores acumulem a sobra da cota de passagens para o ano seguinte –como ocorre no modelo atual.

Também foram extintas as cotas suplementares de passagens para os integrantes da Mesa Diretora e líderes partidários. Pela antiga resolução, um grupo de 54 congressistas –integrantes da Mesa, seus suplentes e os líderes partidários– tinham direito a um repasse adicional, que pode chegar a R$ 13 mil.

Rizzolo: Observem que o mito do político ” ingênuo”, “bonzinho”, “bem-intencionado” é tudo um folclore que tem como objetivo seduzir-nos eleitoralmente. Ora, o Senador Suplicy, conhecido como paladino da honestidade acabou sendo seduzido pela farra inescrupulosa do ponto de vista moral, que reina no Congresso. Se restava alguém bonzinho e íntegro, acabou com esta notícia; realmente a cada dia que passa mais decepcionados ficamos.

Será que nunca estes políticos questionaram a ética no uso destes recursos? Que vergonha, hein ! Se o mais “puro e ingênuo” do PT faz isso, imaginem os outros. Depois ainda falam da Marta… Pelo menos a Marta Suplicy, pelo que me consta até agora, nunca levou ninguém para passear pago com Erário Público. É como eu sempre digo, o PT é o PT, o Lula é o Lula, e a Marta é a Marta. Lula e Marta já se descolaram do partido. É o melhor que fazem.

Publicado em últimas notícias, Brasil, comportamento, corrupção, cotidiano, Crise, cultura, economia, FHC e a cupinização do Estado, Forças Armadas, geral, Jarbas Vasconcelos, Jarbas Vasconcelos (PE), maçonaria, Marta Suplicy, News, notícias, OAB Federal, Política, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 1 Comment »

Ministra Dilma Rousseff confirma que retirou um linfoma, mas manterá rotina normal de trabalho

A ministra da Casa Civil Dilma Rousseff confirmou a retirada de um linfoma – câncer no sistema linfático – da axila esquerda. Em entrevista coletiva concedida nesta tarde no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, a ministra afirmou que o linfoma não se espalhou pelo corpo, mas que terá de se submeter à quimoterapia.

“Como qualquer pessoa, fazer quimioterapia é algo desagradável. Mas, vou ter um processo de superação desta doença”, afirmou a ministra.

De acordo com a oncologista Yana Novis, Dilma terá de fazer quimioterapia por quatro meses, a cada três semanas.

A ministra está confiante em uma recuperação plena. Dilma disse que não deverá alterar o ritmo de trabalho. “Este será mais um fator para impulsionar meu trabalho”, afirmou.

O linfoma, que é um tumor malígno no gânglio linfático, tinha 2 centímetros e foi detectado no estágio inicial, durante um exame de rotina há 30 dias.

A equipe médica afirmou que as chances de cura são de mais de 90% e que, após o tratamento, a ministra deverá apenas realizar exames periódicos.

Dilma colocou um cateter chamado “porth cath” de longa permanência que facilita o tratamento quimioterápico e o uso de medicamentos.

Candidatura

Novamente questionada sobre uma possível candidatura à presidência em 2010, Dilma voltou a dizer que não confirma a participação “nem amarrada”. A ministra é pré-candidata pelo PT e tem o apoio do presidente Lula.

Folha Online

Rizzolo: É uma triste notícia para todos nós independentemente de posição política. O linfoma é uma doença problemática, que a Claudia Bonfiglioli, presidente da Cada Hope, conhece melhor do que ninguém do ponto de vista social, e de recuperação, pois atinge a maioria das crianças carentes da Hope, vindas do Brasil inteiro e do exterior, para tratamento em São Paulo no Hopsital das Clinicas e no AC Camargo.

Por estar em contato com a Casa Hope, conheço o sofrimento imposto pela doença, quer em adultos ou em crianças. Neste momento não há espaço para posturas políticas ou ideológicas, e nos resta torcer pela recuperação da ministra. É isso aí.

Dilma pede a empresários que acelerem obras do PAC

PORTO ALEGRE – A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, reiterou hoje pedido a empresários envolvidos em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para adotar um segundo turno de trabalho, onde for possível, ao realizar a primeira de 27 apresentações estaduais sobre o andamento dos investimentos. O aumento de ritmo nas obras do PAC tem duplo efeito, conforme ela, de estímulo ao crescimento econômico e combate aos efeitos da crise financeira mundial.

O secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Pereira Zimmermann, observou que a antecipação de obras no setor elétrico é vantajosa também para o fluxo de caixa dos empreendedores, que podem ofertar energia mais cedo no mercado e gerar receita.

Dilma reafirmou a meta de crescimento de 2% do Produto Interno Bruto do Brasil em 2009, apesar da redução de expectativa feita pelo Fundo Monetário Internacional, que ontem divulgou previsão de queda de 1,3% para a economia nacional este ano. A ministra disse que o FMI não tem mais o mesmo nível de informações que tinha sobre a economia brasileira até 2002. Ela lembrou que, em 2005, o FMI permitiu que o Brasil investisse R$ 500 milhões em saneamento, mesmo sem que o País terminasse de pagar seu empréstimo com o fundo. Em apenas uma obra do PAC – a recuperação do Rio dos Sinos (RS) – serão investidos R$ 500 milhões, comparou a ministra.

“Eu sei que hoje eles não têm a mesma informação”, afirmou. “Nós éramos obrigados a informar até a última vírgula do que se fazia aqui dentro”, acrescentou, sobre a prestação de contas ao fundo. A ministra também argumentou que o FMI não tem dados sobre programas como o Minha Casa, Minha Vida, a desoneração fiscal de produtos da linha branca e providências para ampliar o crédito em setores específicos que o governo tem adotado. “Não vejo nenhuma razão para ter respeito religioso por qualquer avaliação de qualquer órgão em detrimento das do governo”, avaliou.
agência estado

Ela admitiu que o governo, como os demais órgãos, tem dificuldade de fazer avaliações diante da crise e está tomando medidas para atenuar seu impacto. “Nós estamos trabalhando com a meta de um crescimento entre 1,5% e 2% este ano”, reiterou, ao citar medidas anticrise do governo, como o lançamento do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, a liberação de recursos para investimento pela Petrobras e uma política “agressiva” de preços mínimos e crédito na agricultura. “O governo não tem poupado esforços no sentido de combater a crise”, declarou. “Por isso, eu olho para a estimativa do FMI como ela é, uma estimativa.”
agencia estado

Rizzolo: No tocante as obras do setor elétrico, estas são de suma importância. Não há como pensar em desenvolvimento sem geração de energia suficiente. Já na antecipação das obras do Pac, concordo com a ministra Dilma, não podemos nos ater a informações e dados do FMI.

A dinâmica macroeconômica é por demais variável, e os dados que o governo dispõe são confiáveis. Impulsionar a economia através dos programas desenvolvimentistas é caminho para alavancar a economia e produzir um mercado interno mais robusto. É por aí mesmo, estamos descobrindo que agir de forma contrária às recomendações do FMI pode nos levar à prosperidade. Agora Dilma além de “acelerar seu visual” precisa tornar-se mais dócil quando fala. Marta poderá ajudá-la nesse aspecto, aqui em São Paulo. Ou não ?

Disputa entre Dilma e Serra será um privilégio, diz Lula

SÃO PAULO – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista publicada hoje no jornal argentino La Nación que “será um privilégio para o Brasil” uma disputa para a presidência em 2010 entre a atual ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), e o governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Lula acrescentou ainda que se Ciro Gomes (PSB) ou o governador mineiro, Aécio Neves (PSDB), também concorrerem “vai ser um luxo”.

“Não vejo nada de direita nesses candidatos. Vejo colegas de esquerda, de centro-esquerda e progressistas. Isso é um avanço extraordinário para o Brasil”, disse Lula. Apesar de avaliar todos os candidatos viáveis para sucedê-lo, Lula afirmou ter “fé” no potencial eleitoral de Dilma, ressaltando que para isso seu governo tem “muito a trabalhar” até 2010.

agência estado

Rizzolo: Dilma melhorou o visual, só que infelizmente quando discursa, a agressividade na sua fala ainda denota os tempos da clandestinidade. Será que ninguém ainda a orientou sobre a maneira de fazer notar mais ” dócil “?

Lula também tinha uma agressividade na forma de se comunicar, que foi abrandada, trabalhada. Pessoalmente não tenho nada contra a ministra Dilma, sua visão política mudou, é claro, e em São Paulo sua proximidade com Marta Suplicy poderá fazê – la crescer.

Confesso que entre Dilma e Marta Suplicy como candidata à presidência, ficaria com a Marta, muito embora tenho minhas restrições com o PT. E mais, com todo o respeito a ministra Dilma, a escolha será errada pelo partido e pelo presidente. Lula aposta na transferência de votos, que se a economia ajudar poderá prosperar.

Crise financeira desafia capital político de Lula

BRASÍLIA – Enquanto o Brasil surfava na onda de expansão econômica global, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desfrutou de aprovação recorde. Agora, conforme a crise financeira se espalha pelo planeta, ele enfrenta o desafio de manter o crescimento econômico e o seu capital político.

Num momento de depreciação do real e das bolsas, e ainda na ressaca de uma derrota do PT em São Paulo, a principal capital do país, começa a ser questionada a capacidade de o governo manter sua base aliada nas próximas eleições.

Mais do que isso, a orgulhosa promessa feita por Lula de que faria seu sucessor em 2010 soa agora otimista demais. “Lula não estará mais em condições de fazer seu sucessor”, disse José Luciano Dias, sócio da consultoria CAC, em Brasília.

O presidente, que parece ter um estranho talento para desmentir seus críticos, viu sua popularidade atingir 80 por cento em setembro, graças à mais prolongada fase de prosperidade em várias décadas no país. Poucos meses atrás, a obtenção do grau de investimento e as descobertas de petróleo no pré-sal pareciam tornar Lula e o PT imbatíveis.

Agora, o crescimento econômico pode encolher à metade dos 5 por cento estimados para este ano, segundo economistas.

Os setores eletrônico e siderúrgico já começaram a reduzir a produção devido à desaceleração da demanda, e as fábricas de automóveis entraram em férias coletivas, abrindo uma perspectiva de aumento do desemprego.

“Os fundamentos da popularidade de Lula começam a parecer frágeis”, disse Ricardo Guedes, diretor do instituto de pesquisas Sensus.

Temendo um pessimismo contagioso, Lula se empenhou o quanto pôde para minimizar a crise, dizendo que o Brasil hoje seria o país mais bem preparado do mundo para enfrentar “um tsunami” econômico, que aqui chegaria apenas na forma de uma “marola”. Depois que o real perdeu quase um terço do seu valor perante o dólar, Lula foi rápido em anunciar que o pior havia passado.

“É claro que a crise atrapalha nossos planos, mas estou convencida de que o histórico social e econômico do Lula vai prevalecer em 2010”, disse à Reuters a líder do PT no Senado, Ideli Salvati (SC).

CHAMPANHE ANTECIPADO?

A acentuada queda na cotação do petróleo e a escassez global de crédito geram dúvidas sobre o desenvolvimento das enormes reservas petrolíferas recém-descobertas, que poderiam impulsionar o Brasil ao status de país rico.

“Lula talvez tenha aberto o champanhe antes da hora, e isso pode voltar para assombrá-lo”, disse Guedes.

Animado por seu bom desempenho na eleição de outubro, o PMDB, principal aliado do governo Lula, agora quer substituir o PT na presidência na Câmara, além de manter a do Senado.

Alguns parlamentares peemedebistas podem até apoiar a candidatura do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), ao Planalto em 2010.

“Com a popularidade de Lula, achávamos que o PT iria bem na eleição”, disse o senador Pedro Simon (PMDB-RS). “Mas foi mal, a economia está sofrendo, e não nos vejo apoiando Lula em 2010”, acrescentou Simon, admitindo que o PMDB deve se dividir sobre a questão.

Muitos aliados hesitam em apoiar a candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para 2010, temendo que ela não tenha carisma e reconhecimento popular para herdar votos de Lula.

“Ela é leal, trabalhadora e tecnicamente capaz, mas precisa crescer na arte de fazer política”, disse o deputado Henrique Eduardo Alves (RN), líder do PMDB na Câmara.

Mesmo assim, se uma série de medidas adotadas nas últimas semanas pelo governo e o Banco Central conseguirem conter a crise, Lula poderá argumentar que se saiu muito melhor do que seus antecessores no combate a turbulências internacionais.

Não seria a primeira vez que Lula desafia os analistas – como já fez há dois anos, ao ser reeleito por ampla margem, quando meses antes muitos consideravam seu governo politicamente acabado devido ao caso do mensalão.

“Com Lula, o Brasil cresce o dobro do que antes e um ano de crise não vai apagar seis anos de crescimento”, disse o deputado Henrique Fontana (PT-RS), líder do governo na Câmara.

Agência Estado

Rizzolo: Bem, isso era óbvio acontecer. O presidente Lula com todo seu “otimismo sustentável” não conseguiu nem vai conseguir iludir o povo brasileiro que a crise é apenas uma ” marolinha”. O receio do presidente e dos petistas é ver a popularidade de Lula despencar com a crise, o que é um grande erro. Mais fácil seria ser realista e se preocupar menos com a popularidade e mais no enfrentamento econômico do que político.

Contudo para o projeto político do PT o importante é a que a crise não provoque um desgaste político; o mais interessante nessa visão turva da política brasileira, é que em todo mundo os governos admitem a crise e aceitam seus efeitos. Só no Brasil da “ marolinha” é que a proteção política é mais importante do que a econômica, afinal Dilma Roussef “ tem que fazer sucesso ” em 2010, não é? Esse é o espelho da esquerda brasileira que não quer de forma alguma largar o ” filão ” político e não aceita ninguém que não venha do PT.

É uma pena assistirmos a política acima dos interesses reais da economia, ou seja , blindar a popularidade é algo precioso para o PT. No momento estou escrevendo do “Le Café de Flore “ em Saint – Germain de Prés. Agora vou tomar o metrô, a linha 2, afinal, já são quase 9:00 aqui em Paris. Se exagerei nos comentários foi por conta do Bordeaux da casa, e do “ Confit de Canard “, que por sinal estava ótimo, bem melhor do que o do Brasserie Lipp do outro lado da Boulevard – Saint Germain. E vocês sabem que não sou de exagerar em gastronomia, tampouco em comentários relacionados ao PT !! E tem mais, eu sou daqueles que se locomove de metrô em Paris, à noite ainda por cima. Os petistas , não !! ( risos..)

Resultado das eleições deixa PT sem sucessor claro, diz jornal argentino

Os resultados das eleições municipais deixaram o PT sem um sucessor claro para Lula, segundo reportagem publicada nesta terça-feira pelo jornal argentino Página 12.

O jornal afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não conseguiu transferir sua popularidade para todos os seus candidatos, e avalia que a derrota da candidata do PT Marta Suplicy para a prefeitura de São Paulo “foi o golpe mais duro”.

“O triunfo da oposição em São Paulo volta a perfilar o governador José Serra como aspirante presidencial”, diz a reportagem, para quem o cenário das eleições presidenciais de 2010 “ficou complicado” para o PT.

O jornal comenta as derrotas do PT em São Paulo, Salvador e Porto Alegre, e afirma que “essas derrotas abriram uma grande interrogação sobre quem será o candidato que vai suceder Lula nas próximas eleições presidenciais”.

Na Espanha, o El País concorda que Serra saiu fortalecido como o principal candidato da oposição para as eleições de 2010.

“Serra foi derrotado por Lula nas eleições de 2002, mas as pesquisas o apontam como um dos candidatos com mais opções nas eleições presidenciais de 2010, às quais Lula não poderá concorrer, a não ser que reforme a Constituição, medida que já descartou.” O jornal ainda afirma que a eleição de Gilberto Kassab, em São Paulo, com 61% dos votos é a prova da popularidade de Serra.

BBC / Folha online

Rizzolo: Não há dúvida que a derrota do PT em cidades como São Paulo, Santo André, Salvador e Porto Alegre foram um duro golpe no PT. As análises e as probabilidades tão otimistas na capacidade de transferência de votos por parte do presidente Lula terão que ser revistas. A “mãe do Pac”, a ministra Dilma, surge agora como menos expressiva que Marta, ou seja, menos popular que Kassab, o que sem dúvida arrepia os cabelos e faz transpirar as camisetas vermelhas do PT com seus bonés.

O grande elenco dos 11 ministros que acreditavam na vitória de Marta com Lula no palanque, estão agora solitários e pensando como será a vida sem um sucessor claro. Essa reflexão nem precisava vir da Argentina ou da Espanha, é só assistir e ver o clima estrondoso da vitória de Kassab e Serra no Estado mais rico do País. Como eu sempre afirmo: quem afunda o PT são os próprios petistas radicais, cercados de stalinistas e trotskistas. Depois da vitória de Serra e Kassab vencendo o aparato petista, fico a imaginar o destino da ministra Dilma e de outros.

Kassab vence eleição com folga em São Paulo

SÃO PAULO – As urnas confirmaram as últimas pesquisas e o prefeito Gilberto Kassab (DEM) venceu o segundo turno da capital paulista.

Com os votos de 86,57 por cento das seções totalizados, Kassab tem 61,40 por cento dos votos válidos, contra 38,60 por cento da ex-prefeita Marta Suplicy (PT).

Considerando as projeções de abstenções e de votos em branco e nulos, Marta não tem mais como alcançar o prefeito.

Agência Estado

Rizzolo: A derrotas do PT na capital paulista, Santo André e Santos, foram um forte golpe no governo Lula. As afirmações de que as “elites” se organizaram um movimento para derrotar a candidatura do PT na eleição municipal, ou que “houve uma frente das elites de São Paulo para derrotar a candidata do PT”, como afirmam alguns petistas desesperados, denota o aspecto inconformado daqueles que entendiam que o presidente Lula transferia votos.

O que ocorreu nesta eleição, foi a forte perda da substância política do PT no País de uma forma geral. Em São Paulo, a petista perdeu votos em praticamente todas as zonas eleitorais e, no total, acabou com 254.776 votos menos que na última eleição que disputou com José Serra. Isso indica já um problema real para uma eventual candidatura de Dilma. Pensar que Lula empresta seu prestígio aos seus indicados é ledo engano, portanto o PT deve esquecer essa fantasia.

É bom lembrar que Marta elegeu-se em 2004 apenas porque havia uma rejeição maior ainda à Maluf, e Mario Covas havia dado seu total apoio á candidatura petista. O povo brasileiro não aceita o monopólio partidário, mas a sim pluralidade partidos e idéias, e esta foi a resposta das urnas. Parabéns a Kassab e ao governador Serra.

Gastos do BC para aumentar liquidez já somam US$ 22,9 bilhões

BRASÍLIA – O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira, 21, que o BC já injetou US$ 22,9 bilhões para dar liquidez ao mercado de câmbio, desde o início da fase mais aguda da crise financeira mundial, com a quebra do banco Lehman Brothers.

Segundo ele, foram US$ 3,2 bilhões no mercado spot e US$ 12,9 bilhões em operações de swap cambial. Além disso, o BC vendeu US$ 1,6 bilhão destinados a financiar os comércio exterior e mais US$ 3,7 bilhões em leilões com compromisso de recompra. O BC também deixou de rolar US$ 1,5 bilhão em swap reverso.

Em audiência na Câmara dos Deputados nesta terça, Meirelles voltou a dizer que o Brasil hoje é mais resistente aos choques externos e creditou isso, sobretudo, à política de redução da vulnerabilidade externa, que fez com que o País saísse de um endividamento em dólar de 55,5% de sua dívida para uma posição credora em dólar de cerca de 28% do total.

Dessa forma, explicou, os choques externos que antes geravam depreciação cambial e aumento da dívida pública, piorando a percepção de risco e alimentando a desvalorização do real, hoje fazem com que a dívida pública caia em proporção do PIB e se torne um fator estabilizador para a economia brasileira. Ele afirmou que a posição cambial credora do Brasil, resultado da política de swap cambiais reversos e acumulação de reservas internacionais, “mostra-se providencial” neste momento de crise.

Ele repetiu a projeção do BC para a relação dívida/PIB em setembro, que é de 38,9%, a mais baixa desde 1998, e disse também que em outubro, com a alta do dólar, a dívida deve ter caído abaixo desse valor.

Meirelles afirmou que crise gerou um problema de liquidez para o Brasil e reconheceu que, por conta disso, houve queda no fechamento de Adiantamento de Contratos de Câmbio (ACC), o que, no entanto, avalia, deve ser normalizado com os leilões de empréstimos em dólar realizados pelo BC. Ele ressaltou que os valores que o Brasil tem gasto para mitigar os efeitos da crise no País são inferiores aos empregados pelos países desenvolvidos ou outros emergentes.

Incertezas

O presidente do BC afirmou que há ainda um fator de incertezas sobre a economia mundial, que é o montante de prejuízos que ainda serão reconhecidos pelos bancos norte-americanos. Na sua apresentação na Câmara, Meirelles ponderou sobre os problemas de capitalização das instituições financeiras no mundo desenvolvido, que exigiram fortes intervenções governamentais que, somadas, foram de US$ 595 bilhões, sendo parte significativa destinada a capitalizar os bancos. Meirelles ressaltou que os bancos brasileiros, ao contrário, estão com índices de capitalização acima do requerido, bem como têm indicadores positivos de rentabilidade, liquidez e inadimplência.

Meirelles afirmou que o mundo, por conta da crise, está crescendo menos, e as estimativas atuais tendem a ser revisadas para baixo.

Agência Estado

Rizzolo: Sinceramente uma das posturas econômicas que eu encaro como relutante é a do Meirelles, numa crise como esta em que até o governo Bush pensa de forma indireta em prevalecer o Estado como interventor do bancos, Meirelles pensa apenas na inflação; sua fixação na inflação parece ser de concepção tendenciosa e freudiana, uma inflação de certo que parece aos olhos do mundo, ter cara de deflação face à recessão; e acreditem, ainda apesar a tudo que vemos, Meirelles terá com certeza uma inspiração especial no dia 28 e 29 na reunião do Copom. Irá satisfazer o desejos do “cassino Brasil” aumentando os juros e satisfazendo a especulação internacional e os banqueiros.

Às vezes penso que Meirelles mantem a dinâmica de seu raciocínio como que ainda estivesse no Bankboston; o cuidado e o carinho que tem ele com os bancos brasileiros, é uma coisa impressionante, e o pobre empresário sem dinheiro para financiar suas operações, e o consumidor fica a ver navios. É o dinheiro que o Banco Central deu e os bancos não emprestam.

Aí vão dizer, Ah! Mas o Rizzolo gosta de falar dos bancos, dos pobres empresários e mal do PT bebendo vinho em Saint- Germain-Des-Prés, no Brasserie Lipp. Falem o que quiser, a opinião dos esquerdistas pouco me afeta, essa é a realidade. Agora, o fato de que o Meirelles ainda se sente do Bankboston, não resta a menor dúvida !!

Em relação ao PT o pior: o partido ainda acredita que este é um governo para o social. Sorte dos bancos, não é ? Aqui em São Paulo, o PT já não encanta mais, tampouco no ABC. E olha, o problema não nem Lula viu, que no meu entender é um grande estadista, mas é o PT mesmo. Tenho quase certeza que ele próprio ( Lula ) já se deu conta disso. Mas não pode falar, não é ? ” Ce n’est pas une chose élégante ” ( risos..)

Publicado em últimas notícias, Brasil, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, economia, eleições 2008, greve da polícia civil, Marta Suplicy, mundo, News, notícias, Política, política internacional. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Kassab criou ‘apartheid social’ nas favelas, diz Marta

SÃO PAULO – A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, afirmou hoje em seu programa eleitoral gratuito na televisão que o prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), criou um “apartheid social” com seus projetos de urbanização de favelas. Segundo ela, os prédios dos conjuntos habitacionais não acabam com as favelas, que são separadas por muros. “A realidade é diferente da realidade mostrada na propaganda do Kassab”, disse. Em tom dramático, foram apresentadas cenas de famílias sendo despejadas e barracos derrubados por grandes tratores, com uma música triste ao fundo.

O programa da candidata da coligação “Uma Nova Atitude para São Paulo” (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB) também teve a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante um comício, ele declarou que a Marta sofre preconceito pois “embora tenha sido prefeita de todos, ela teve preferência pelo povo mais pobre dessa cidade”.

Kassab destinou grande parte de seu programa eleitoral na televisão de hoje para mostrar seus projetos de urbanização na favela de Paraisópolis, na zona sul. Os conjuntos habitacionais exibidos, pintados e decorados, contavam, segundo a campanha, até com pista de skate e quadra de futebol. Foi apresentado o depoimento de um pedreiro que trabalhou na obra de construção de sua própria casa. “Aqui não é mais favela, é um bairro”, disse o morador.

O candidato da coligação “São Paulo no Rumo Certo” (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC) aproveitou para criticar a gestão da adversária. Um locutor acusou Marta Suplicy de deixar um rombo R$ 2 bilhões na Prefeitura, além de 37 quilômetros de obras abandonadas.
Agência Estado

Rizzolo: É visível o desespero, e a decepção da equipe petista e do próprio presidente Lula, ao constatar que Marta está visivelmente se perdendo nas pobres argumentações e nas monótonas acusações à gestão Kassab. O grande fato novo imprevisto neste segundo turno, foram as insinuações de baixo nível a uma eventual postura homossexual do candidato. Kassab soube incorporar essa questão na discussão, desmoralizando ainda mais a campanha de Marta.

A triste constatação, de que Lula não é capaz de transferir votos à Marta, em São Paulo, chocou e desmoralizou os petistas e comunistas. Observa-se nos rostos dos integrantes da campanha petista, a decepção o desconforto e o peso de uma realidade: São Paulo não é uma cidade ” apreciadora de petistas”; portanto o quadro do segundo turno dificilmente ira se alterar. Dessa disputa tira-se uma lição: o eleitor paulista é diferenciado, e não aceita preconceitos e discriminações como argumentos eleitoreiros. Mais uma observação: o povo pobre não relaciona partido político e sim a pessoa, e Marta apoiou-se muito no PT partido e em Lula, que não transfere votos.

Da vida pessoal à vida pública

Bertrand Roussel (1872-1970) , filósofo e autor de História do Pensamento Ocidental dizia que ” A humanidade tem dupla moral: uma que prega mas não pratica, outra que pratica mas não prega.” Na política as figuras entre o pessoal e o público acabam mais cedo ou mais tarde se misturando nas ações ou omissões no trato público administrativo. A verdade é que por ainda termos pouca tradição democrática, não exercitamos ou não vinculamos o nosso voto ao aspecto pessoal ético e moral dos candidatos, nos atendo muito mais nas propostas políticas, nos esquecendo que a realização bem como a gestão da ” res pública”, depende também muito em função do passado e da personalidade do candidato, que na maioria das vezes desconhecemos.

A palavra candidato vem do latim candidatus, que significa aquele que veste roupa branca. Quer dizer que, em sua origem, a palavra dá idéia de pureza, de brancura, de honestidade, isto é, para candidatar-se a um cargo eletivo, o cidadão precisava ser candidatus, ou seja, vestir-se de branco, como símbolo de sua idoneidade moral, para ser eleito. Portanto podemos concluir que aspecto ” candidatus” na sua essência, precisa ser revista por nós no exercício da democracia. Hoje sabemos muito mais sobre a vida pessoal dos nossos vizinhos, até mesmo sem conhece-los, do que sobre os candidatos e sua vida privada e pessoal.

A condição de conhecermos de mais perto quem são os candidatos na sua vida pessoal, seus gostos, suas habilidades, é de suma importância na análise política. Soube-se por exemplo, há pouquíssimo tempo, que o candidato à presidência dos EUA, MacCain não sabe sequer usar um computador ! No Brasil as habilidades pessoais, os gostos, as preferências sexuais, a moral, os vícios, a ética são sempre por nós desconhecidas em relação aos candidatos a qualquer cargo eletivo, mantendo-se o foco apenas nas promessas, nos projetos e planos de governo que passam a ser analisados num prisma unilateral, predispondo dessa forma, condutas de improbidade face à personalidade maquiada e desenhada por profissionais marqueteiros.

Quem é e foi o seu candidato do ponto de vista pessoal? Poderia ser uma boa pergunta antes de lançarmos nossos olhos aos projetos de governo, promessas, disputa política e tudo mais que se assiste no grande circo da democracia no Brasil. Seria um bom início. No mínimo nada mais coerente do que saber mais sobre seu candidato, do que você sabe sobre a vida de seu vizinho de porta.

Fernando Rizzolo

Neopopulismo e a Estratégia Política

Por trás da questão do mal uso dos cartões corporativos, e da estratégia do governo em acobertar sua investigação fazendo uso da sua maioria no Congresso, e de outros meios de caráter duvidosos do ponto de vista ético, existe uma linguagem comum para não dizer corriqueira utilizada como instrumentação política por aqueles novos modelos de líderes que surgem na América Latina. A nova instrumentação política, envolve estratégias de acessibilidade às massas via discurso com dialética de fácil entendimento regionalizada, e que passa por cima dos meios tradicionais e convencionais de comunicação.

É de se notar, que quando Lula fala aos trabalhadores em inaugurações de obras, existe mais do que a notoriedade midiática do evento, mas sim, um interesse em jogar palavras populares que repetidas são na sua essência, e de fácil concepção diante à grande massa que pouco tem acesso ou compreensão devida da intensidade dos atos de improbidade administrativa do governo. Assim quando se coloca uma questão de relevância, como o caso do dossiê, em que esbarra e se questiona a ética de membros da Casa Civil, pouca receptividade de cunho indignatório se obtém por parte da grande massa que não lê jornais, e pouco se interessa ou compreende de forma devida o que está ocorrendo.

Dessa forma, o circunspecto populacional participativo da questão nacional, se perde face a pouca cultura e ao baixo nível intelectual da grande maioria da população. Segmento este, que acaba servindo de esteio para num golpe estratégico, dar legitimidade aos líderes populares na manipulação das situações políticas de enfrentamento, sem ao menos saírem com a perda do apoio popular e seu devido prestígio.

Pude observar isso não só no Brasil como na Venezuela, quando lá estive o ano passado a convite para participar de um Congresso em Caracas. Chavez em seu programa de domingo à tarde, fala a linguagem do povo, através de parábolas de fácil entendimento e de palavras populares do dia-a-dia. Os jornais, por sua vez, inserem comentários cuja conceituação interpretativa exige certa reflexão sobre uma seqüencia de fatos, que com certeza o trabalhador Venezuelano não tem como acompanhar face ao nível de compreensão mais apurado dos textos, e muito, em função da digestibilidade mais fácil da versão popular chavista dos fatos, delineada de forma popular. Estaríamos então diante de uma questão crucial, onde a relevância dos escândalos e das questões éticas estão represadas apenas diante de certo contingente populacional, que por tradição, já de plano não aceitam o populismo na sua essência, e já possuem capacidade reflexiva.

O fim das concessões de TV na Venezuelana, a retaliação com as elites, por muitas vezes não são bem compreendidas pelas massas, que apenas acabam se apropriando da argumentação elaborativa revelada através do discurso popular. Tal explicação poderia ser dada ao fato de que, mais vale ao trabalhador pobre brasileiro entender que existe um complô contra Lula, do que entender o mecanismo dos cartões corporativos, e quem seria o culpado pela questão da confecção do dossiê contra FHC; esses problemas, na verdade, não mergulham na análise daquele que ganha um salário mínimo, contudo, um bom discurso agressivo, com um linguajar nordestino, onde se insinua uma luta entre os ricos e pobres, entre os poderosos e aqueles que como Lula lutam em favor dos desvalidos, acaba sim prosperando, em função da capacidade comunicativa identificatória.

Numa análise perfunctória, poderíamos dizer que uma insinuação sobre os evangélicos inserido na novela das oito, tem maior profundidade contestatória nas massas do que um comentário sobre a negativa de Dilma em assumir sua culpa na confecção do dossiê, ou na eventual possibilidade da Polícia Federal entrar no caso, para dar início a uma investigação.

Poderia finalizar afirmando que muito das estratégias neopopulistas contemporâneas observadas nos governos da América Latina, estão enraizadas numa tentativa de sobrevivência em função de que acreditam elas que as oposições, contam muitas vezes com informações estratégicas internacionais, e que, os governos populistas, apenas podem se valer em desqualificar a oposição, e fazer uso de uma dialética popular de empatia, para poderem a todo custo permanecer no poder atráves de novos mandatos com o apoio popular, e ter a necessária governabilidade. Aliás do ponto de vista política estratégico, isso tudo não é novidade, advém de uma velha lição leninista, e da antiga estratégia revolucionaria de Trotsky, nada mais do que isso, apenas implementada e apresentada com uma nova roupagem, e de forma velada.

Fernando Rizzolo

Quando um Raio-x acusa a falta de assunto..

É realmente impressionante como certos setores da direita e da esquerda, se utilizam de situações fantasiosas que beiram a infantilidade em época eleitoral. Por acaso, li uma matéria, que após tive notícia fora publicada na revista Veja, sobre a viagem que Marta e seu marido Favre fizeram com destino a Paris, no vôo 455 da Air France. Alega a matéria, que na terça -feira passada ao embarcarem Marta e Luis Favre, decidiram não passar pela revista de bagagem de mão feita por raios X. Alegam ainda, que o casal furou a fila da Polícia Federal, alegando que no Brasil, para as autoridades não valem as exigências que recaem sobre os brasileiros comuns.

Em primeiro lugar, o assunto é de uma irrelevância política tão grande, que denota a infantilidade jornalística no seu objetivo principal; desqualificar a Ministra como sendo uma ” desiquilibrada”, uma ” geniosa” e por conseqüência, demonstrando é claro, incompetente para lidar com a ” rés pública”. Em nota no Blog do Favre, seu marido, o casal alega que nada disso aconteceu, e nem sequer ouviram a versão oficial do casal sobre o ocorrido. Ora, está mais que patente que a imprensa infantil quer já, antes do horário eleitoral, desqualificar Marta Suplicy. Se existe alguma prerrogativa em termos de Raio-X, para Ministros em aeroportos, nada mais justo do que exercê-la. Qual é o problema? Essas pobres insinuações políticas de cunho maldoso, servem apenas para o não aprofundamento das questões principais no País. Nem é para vender mais revista, mas para simplesmente desqualificar quem não está alinhado com a opinião de uma pequena parcela raivosa. Pura falta de ter o que falar…

Fernando Rizzolo