Funcionários da GM param em protesto contra demissões

Os funcionários do primeiro turno da General Motors (GM) de São José dos Campos, no Vale do Paraíba, pararam as atividades na manhã desta terça-feira, 13, em protesto às 802 demissões anunciadas pela montadora nos últimos dias.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, os trabalhadores pararam a produção entre 5h50 e 6h50 tanto no setor do MVA, onde são fabricados carros como o Corsa, quanto na S-10, numa atividade que é a primeira de uma denominada “escalada de mobilizações” contra as demissões.

Ainda segundo o sindicato, na assembleia, os metalúrgicos aprovaram por unanimidade a exigência de que a empresa readmita os trabalhadores dispensados e conceda estabilidade no emprego a todos. Os trabalhadores ainda reivindicaram a atuação dos governos federal, estadual e municipal contra as demissões e em favor dos empregos dos metalúrgicos.

O sindicato buscará negociar com a empresa o mais rápido possível. Uma nova assembleia com os trabalhadores do segundo turno está marcada para às 14 horas desta terça, no pátio da S-10 (portão 4).

agência estado

Rizzolo: Um mês após a decisão do governo de reduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis para estimular as vendas no mercado interno, eis o resultado. O governo demorou muito para agir achando que a crise no Brasil não passava de uma ” marolinha” ademais ao invés de nas últimas semanas agir com mais firmeza, o presidente apenas apregoava um otimismo infantil . Esse efeito demissionário poderá se alastrar entre o empresariado em virtude da fragilidade do cenário econômico mundial e interno, bem como a inércia perceptível na tomada de decisões.

Há de se promover uma suspensão do pagamento de tributos e também segurança jurídica para os acordos trabalhistas setoriais que estão sendo firmados entre empresas e trabalhadores para evitar demissões. O difícil é conter a inércia na tomada de decisões por aprte do governo.

Publicado em últimas notícias, Banco Central, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, construtoras dão notebook, construtoras dão notebook e som, construtoras e o " efeito Incol", construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, demissões em massa, economia, FHC: crise vai crescer de forma exponencial, Fiesp, geral, greve na GM, Lula, News, notícias, Paulo Skaf, Petrobras em crise ?, Política, política internacional. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Alta do gás vai provocar demissões, afirma Fiesp

A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) afirma que o reajuste extraordinário de até 19,55% do preço do gás canalizado no Estado vai provocar demissões e inflação de preços em setores dependentes desse insumo para o processo de produção, como a indústria cerâmica, do vidro, de fertilizantes e têxtil.

Conforme a Folha antecipou no domingo, a Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo) anunciou ontem reajuste no preço do gás natural canalizado distribuído pela Gás Natural São Paulo Sul e pela Comgás, a maior distribuidora do país.

Os reajustes passaram a vigorar desde o dia 20. As companhias alegavam desequilíbrio econômico-financeiro do contrato devido à disparada do dólar e ao custo de aquisição do gás natural junto à Petrobras.

A Fiesp agora cobra compensações: “Com a queda no preço do barril de petróleo de US$ 150 para menos de US$ 40, deveria haver boa vontade da Petrobrás, criando condições que evitassem a necessidade de aumento neste momento tão inoportuno. É lamentável. Agora precisamos de medidas compensatórias”, disse o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Segundo Antônio Carlos Cavalcante, diretor de infra-estrutura da federação, a Fiesp quer agora medidas compensatórias para os setores atingidos pelo aumento, como linhas de crédito em condições diferenciadas da Nossa Caixa (enquanto não for repassada ao Banco do Brasil), alongamento de prazo para o pagamento do ICMS e uma ampla negociação para indústrias com problemas de pagamento do gás.

‘Esse ainda não é um problema generalizado, mas já existem, mesmo antes do reajuste, indústrias com dificuldades para pagar a conta do gás. Imagine o que poderá acontecer agora com esse aumento’, disse Cavalcante. Ele explicou que esses pedidos já foram apresentados verbalmente ao governo de São Paulo.

A idéia, disse ele, é que isso seja feito formalmente no início de janeiro. Ele voltou a dizer que o reajuste poderia ter sido evitado se houvesse uma postura menos intransigente da Petrobras. Procurada pela Folha, a direção de gás e energia da estatal preferiu não comentar a acusação.

O aumento

Os mercados mais afetado pela decisão da Arsesp foram o industrial, o comercial e o veicular. A agência informou, em nota, que o aumento atingirá 10 mil consumidores comerciais e mais 1,3 mil indústrias abastecidos pelas duas concessionárias. A Arsesp afirmou que os consumidores residenciais foram poupados da medida devido à pouca participação no desequilíbrio do contrato das concessionárias, motivo do repasse extraordinário.

Os clientes industriais da Comgás receberão repasses de 10,25% a 17,56%, dependendo do volume consumido. Entre os consumidores comerciais, a alta irá variar entre 6,29% a 7,76%. O repasse aos postos de GNV será de 22,17%, o que deve representar aumento de 14% a 15% na bomba.

Na região atendida pela Gás Natural São Paulo Sul, a indústria pagará entre 11,36% a 19,55% de reajuste, conforme o consumo. O gás para o mercado comercial sofrerá alta de 7,35% e 8,42%. O aumento para os postos de GNV será de 24,8%, o que deve significar alta de 16% a 17% na bomba.

Folha online

Rizzolo: Realmente é um absurdo numa época de contenção, a Petrobras aumentar substancialmente o preço do gás. Essa medida atingirá 10 mil consumidores comerciais e mais 1,3 mil indústrias abastecidos pelas duas concessionárias. É impressionante a falta de sensibilidade da empresa. Justa é a crítica de Paulo Skaf em relação a essa questão, e procedente é pedido de medidas compensatórias.

Decisão do Copom frustra empresários e trabalhadores

SÃO PAULO E BRASÍLIA – Embora esperada pelo mercado, a manutenção pelo Banco Central da taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano recebeu críticas do empresariado e de sindicalistas, que ainda tinham esperanças de que a redução poderia ter início neste mês, para diminuir os impactos da crise internacional. A decisão, na visão deles, frustra as expectativas de mudança do cenário para o início de 2009.

Para Armando Monteiro Neto, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a crise seria amenizada se o Copom tivesse optado por um corte na taxa de juros em vez de mantê-la inalterada. ” perda de intensidade da atividade econômica, em virtude dos efeitos da crise financeira internacional e das dificuldades do mercado de crédito, justificaria plenamente uma ação nesse sentido.”

Na opinião do dirigente, um corte na taxa de juros “acompanharia inclusive a política monetária de diversos países nesse momento de necessidade de ações coordenadas em escala internacional”. Para o presidente da CNI, um juro menor amenizaria os efeitos da crise global sobre o nível de atividade e emprego domésticos, sem prejuízo do controle inflacionário. Além disso, daria consistência aos esforços de preservar as condições de liquidez e de acesso das empresas ao crédito.

O presidente da Ford, Marcos de Oliveira, gostaria que os juros tivessem diminuído, mas acredita que em janeiro isso deve ocorrer. “Se não cair, será um erro estratégico do Banco Central que pode ter impacto no crescimento da economia em 2009. No mundo inteiro as taxas estão caindo. No Brasil, a preocupação com a inflação não existe mais, diante da retração do mercado.”

Abram Szajman, presidente da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomércio) considerou a decisão como ?dissociada da realidade econômica mundial?. Em sua avaliação, mesmo parada, a Selic subiu até 2% nos últimos meses, na comparação com os juros cobrados nos EUA e na Europa. “Enquanto isso, o nosso BC ignora o risco do contágio pela recessão mundial e se preocupa com o perigo mais imaginário do que real da inflação.”

“O Brasil perdeu uma oportunidade de dar uma injeção de ânimo e de sinalizar que está preocupado com a desaceleração da economia”, afirmou o consultor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Julio Sérgio Gomes de Almeida. “O BC contempla a economia no padrão do terceiro trimestre, de um glorioso 6,8%. Mas a economia já transitou para a desaceleração e está beirando a recessão.”

Na opinião de Almeida, com a manutenção da taxa de juros, o governo terá de tentar estimular a economia com mais gastos públicos. “O Brasil vai ter de fazer política fiscal e tomara que faça gastos de melhor qualidade, que é o investimento.”

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres, chamou de desastrosa a decisão do Copom. “Lamentamos a decisão, que só serve para impedir o acesso ao crédito, permitir que os bancos continuem alimentando-se de taxas abusivas, aumentando seus lucros, enquanto a produção segue com o freio de mão puxado diante das incertezas geradas por uma política econômica distante da realidade e das necessidades do País.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rizzolo: Realmente é frustrante a decisão do Copom, e não existe uma lógica econômica plausível para a manutenção da taxa de juros neste patamar. Com efeito, esta decisão vem na contramão das medidas econômicas adotadas pela maioria dos países. O corte nas taxas de juros, é medida de protocolo no manejo das conseqüências da crise que se aproxima com maior rigor no próximo ano. Bem verdade é o fato, de que a brusca desvalorização do real, teria um efeito no componente inflacionário, contudo isso é compensado pela escassez de crédito e pela diminuição dos preços das commodities.

Muito se tem falado na estranha lógica macroeconômica das decisões do Copom, mas acredito que à parte as ilações de conteúdo ideológico, que com certeza não deixam de ter suas argumentações acolhidas, havia espaço para um corte nas taxas, até porque o efeito da medida é lento e surtiria seus efeitos só nos próximos meses, que poderão ser tenebrosos.

O interessante a observar na reunião de ontem, foi a demora do comitê para a divulgação do resultado, sinalizando que houve muita discussão apesar da decisão unânime. É uma pena que o BC acolha sempre os interesses dos especuladores e banqueiros de plantão, aliás são eles que na sua maioria compõem e influenciam as decisões do Copom. Já o presidente Lula, como sempre terá a desculpa da autonomia do BC. E assim caminhamos..

Lula estuda limitar autonomia do BC sobre juros

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aguardará a decisão do Banco Central nesta semana sobre a taxa de juros para tomar uma decisão mais importante. Lula estuda agora uma eventual interferência política pública e assumida para forçar uma queda da taxa básica de juros caso o BC insista em manter os juros no atual patamar ou não sinalize que vai baixar a taxa no ano que vem.

A Selic está hoje em 13,75% ao ano. O Copom (Comitê de Política Monetária), órgão do BC que se reúne a cada 45 dias para fixar os juros, terá o último encontro deste ano nestas terça e quarta-feiras.

Lula avalia estabelecer limites à autonomia formal concedida ao BC desde quando o petista chegou ao poder, em 2003. De lá para cá, houve embates entre Lula e o BC, mas o presidente nunca questionou a autonomia da instituição. Engoliu decisões das quais discordava.

Recentemente, Lula fez fortes pressões nos bastidores e deu duas declarações públicas dizendo que acha que os juros precisam cair. Falou que estavam acima do que indicava o bom senso e também disse que era hora de reduzir juros e preços.

Lula deseja uma queda de 0,25 ponto percentual da taxa de juros, como sinal de que será iniciado um processo que ajudaria a animar os agentes econômicos. Lula vende otimismo em relação ao desempenho da economia no ano que vem e acha que uma sinalização do BC de queda dos juros o ajudaria nessa tarefa. Alguns auxiliares falam até em viés de baixa: o BC manteria a Selic em 13,75%, mas deixaria claro que poderia reduzir a taxa a qualquer hora antes da próxima reunião do Copom.

Não seria correto manter a Selic em 13,75% ao ano e ponto final, pensam conselheiros econômicos do Palácio do Planalto. Lula enfrenta uma enorme crise econômica internacional sem precedentes em seu tempo de governo. Uma crise que poderá desidratar conquistas econômicas e sociais dos seus quase seis anos de administração. Lula ainda tem muito tempo de poder, dois anos. No entanto, esse é um espaço de tempo curto para tomar decisões econômicas e vê-las surtir resultados.

Conselheiros do presidente na área de economia são unânimes: o BC já perdeu o timing para reduzir os juros. O modelo econométrico que os diretores do BC julgam um oráculo não faria mais sentido porque haveria uma outra economia no planeta de meados de setembro para cá. Não valeriam grande coisa os dados cumulativos que são analisados a cada reunião do Copom e que são cruzados com mais recentes para se chegar a um diagnóstico econômico e fixar a política monetária.

Bancos centrais de países mais desenvolvidos, países que têm como amenizar impactos sociais negativos decorrentes de uma crise econômica, já saíram na frente. Derrubaram suas taxas de juros a porretadas.

No Brasil, o BC sinaliza que talvez não reduza os juros, que ainda é preciso ver se a inflação realmente está domada, que ainda não dá para saber se a economia desacelerou mesmo neste final de ano.

Lula tem uma decisão difícil e solitária pela frente. O presidente faz as seguintes reflexões. É ele quem foi eleito em 2006. É ele quem tem 70% de aprovação (índice bom e ótimo) no Datafolha. É ele quem será cobrado pelo desempenho da autonomia. Como foi ele quem concedeu a autonomia formal ao BC, seria a hora de limitá-la, retirá-la ou confirmá-la?

por Kennedy Alencar /Folha online

Rizzolo: A autonomia do BC sempre serviu ao planalto como desculpa para sua não interferência na questão das taxas de juros. Com efeito existe uma autonomia do BC, porém esta autonomia deve ser questionada quando existe uma ameaça eminente de crise, e não se vê uma visão desenvolvimentista econômica por parte do BC. A postura do presidente de limitar a autonomia do BC é de bom alvitre, e vem de encontro ao inconformismo de várias correntes dentro e fora do governo em diminuir as taxas de juros para evitar um mal maior diante a crise. Leia também: Natal triste poderá sensibilizar Meirelles

Natal triste poderá sensibilizar Meirelles

Nem tudo na vida e na economia ocorrem com a devida lógica. Para o povo brasileiro, e para aqueles que apontam o absurdo das altas taxas de juros aplicadas no Brasil ao olhar insensível do Banco Central, existe uma esperança: o Natal. Com efeito, um Natal de vendas fracas no final deste ano, poderá ser um fator decisivo para que o Banco Central inicie uma incursão a baixar a Selic, atualmente em 13,75%.

A lógica natalina, época em que os mais duros corações se tornam tenros, está no fato de que se as vendas forem boas, e o Natal alegre, o comércio ficará praticamente sem estoques no início do ano. Assim sendo, conseqüentemente, novas encomendas serão feitas à indústria, o que estimulará o crescimento do PIB. Por outro lado, face ao dólar alto podemos também ter inflação, e Banco Central terá então uma boa desculpa para impedir a queda dos juros, alegando o componente inflacionário da alta do dólar, e os manterá nas alturas.

Mas observem que se as vendas de Natal forem fracas, e o povo vivenciar um natal triste, sem muitos presentes, o efeito do repasse do dólar para os preços não será uma potencial ameaça, e poderá fazer então, com que o Banco Central ou Meirelles, num gesto de sensibilidade, se consternem enfim, e cortem os juros atendendo aos empresários da Fiesp e a todos aqueles de bom senso.

É claro que um Natal ruim, poderá ser desestimulante à produção industrial e ao PIB, contudo poderemos ter enfim um tão sonhado presente de Natal do Banco Central, presente muito mais devido a um Natal ruim, do que devido a todas manifestações dos empresários, da Fiesp, e do povo brasileiro. Nada como um Natal triste para sensibilizar os mais duros corações. Que a lógica natalina faça o Banco Central presentear o povo brasileiro, mesmo num Natal bom, afinal todos são filhos de papai-noel. Ou não são?

Fernando Rizzolo

Pioram previsões para 2009: PIB desacelera, inflação e juros sobem

A previsão sobre o cenário da economia brasileira para o ano que vem está piorando em todas as áreas, segundo pesquisa semanal do Banco Central com analistas de mercado. Para eles, o país vai crescer menos, ter inflação mais alta e mais juros.

A economia do Brasil deve crescer menos de 3% no próximo ano, segundo o levantamento do BC. Dados da pesquisa Focus mostram que os especialistas consultados reduziram a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 de 3% para 2,8%.

Para 2008, os analistas mantiveram a previsão de crescimento de 5,24%.

Quanto à inflação oficial, medida pelo IPCA, os analistas elevaram a previsão de 5,20% para 5,25%.

O mercado também aumentou a expectativa para os juros no ano que vem. Antes os especialistas previam que a taxa básica de juros (a Selic) iria terminar 2009 a 13,31%. Agora, subiram para 13,5%.

No Boletim Focus apresentado nesta segunda-feira, consta ainda dólar a R$ 2,20 no fechamento deste calendário e a R$ 2,15 no término do ano que vem. As taxas superam aquelas apresentadas no relatório passado, de R$ 2,10 para ambos períodos.

Em dezembro, o dólar deve ficar em R$ 2,20, superior aos R$ 2,10 projetados antes.

Para a balança comercial, os analistas mantiveram a expectativa de saldo positivo de US$ 23,6 bilhões em 2008, mas revisaram para baixo o prognóstico para o ano seguinte, de superávit de US$ 13,71 bilhões para US$ 13,66 bilhões.

Sobre a conta corrente, os agentes repetiram a projeção contemplada no documento passado, de déficit de US$ 30 bilhões em 2008. Quanto os 12 meses à frente, prevêem resultado negativo de US$ 30 bilhões e não de US$ 30,03 bilhões.

Foi conservada mais uma vez a expectativa de ingresso de US$ 35 bilhões em investimento estrangeiro direto neste ano e de US$ 25 bilhões em 2009.

Para a produção industrial, a previsão é de ampliação de 5,76% neste calendário e de 3,10% nos 12 meses seguintes.
Folha online

Rizzolo: Bem até aí nada de novo, a perspectiva para 2009 em relação à economia brasileira, acompanha o cenário internacional. O interessante a observar, é que no início da crise, acreditava-se que os emergentes estariam imunes à uma recessão, alguns diziam até em ” marolinha”. Agora com uma visão econômica mais realista, acredita-se que os efeitos da crise na economia real irão se aprofundar no próximo ano. O pior para o Brasil, é que precisamos criar 5 milhões de empregos por ano, para absorver a mão-de-obra disponível, e num cenário como este é difícil concretizarmos esta meta. Hoje no Brasil, o mais importante é o governo reduzir os gastos públicos, ter uma visão da crise real sem se preocupar com os aspectos políticos que dela poderão surgir, e isso o PT não sabe fazer.

Skaf diz a Meirelles que bancos estão catalisando crise

SÃO PAULO – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse hoje ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que as instituições financeiras estão catalisando a crise no Brasil por conta das altas taxas que vêm cobrando dos tomadores de empréstimo. Ele relatou o episódio a jornalistas após almoço com Meirelles e o presidente da Coréia do Sul, Lee Myung Bak, na sede da Fiesp, em São Paulo. “Vocês acham que eu ia perder a oportunidade?”, perguntou aos jornalistas. “Estes juros que estão sendo cobrados são um catalisador para a crise”, afirmou.

Na avaliação de Skaf, o BC tomou medidas corretas para assegurar a saúde do sistema financeiro, como a liberação de compulsório e criação de linhas para bancos que devem ser direcionadas às exportações. Para ele, estas linhas serviram para irrigar o mercado e já houve melhora nesse sentido, mas, de acordo com o presidente da Fiesp, o custo ainda segue alto. “Não adianta a empresa tomar e quebrar. Ou não tem o recurso ou, quando tem, está com um custo que é melhor não tomar. Isso é jogar um catalisador da crise no Brasil”, argumentou. “O setor financeiro está brincando com coisa séria. Está jogando um catalisador na crise brasileira”, reforçou.

Skaf explicou que estas reclamações foram feitas diretamente a Meirelles. “Disse que o Banco Central precisa conversar com estes bancos, inclusive com o Banco do Brasil”, afirmou, acrescentando que o banco estatal, neste momento de turbulência, tem mais obrigações com o País. De acordo com Skaf, Meirelles deu razão à reclamação. Após discurso mais cedo, durante o IV Congresso de Jovens Empreendedores, na própria federação, Meirelles almoçou no local, mas não conversou com os profissionais da imprensa.

As reclamações de Skaf, segundo ele mesmo, não ficaram restritas aos bancos. O presidente da Fiesp comentou que “precisava ser feita alguma coisa em relação aos juros”, independente da Selic. Ele citou que a inflação na Coréia será de 4,% a 5% este ano e que os juros básicos daquele país estão em 2,4% ao ano. No Brasil, a inflação será de 6,00%, segundo o presidente da Fiesp, e a taxa básica está em 13,75%. “Não há dúvidas de que é preciso baixar a Selic. No mundo inteiro os juros caem”, comparou.

Para o presidente da Fiesp, no entanto, o ponto crucial do momento diz respeito ao spread bancário. Ele apresentou um levantamento semanal, realizado pelo próprio Banco Central, especificamente dos dias 29 de outubro a 4 de novembro. Nesse período, de acordo com o levantamento, o Banco Real cobrava para adiantamento de contrato de câmbio (ACC) variação cambial mais 18,2% ao ano. “Isso é altíssimo”, avaliou. No mesmo período, o Banco Itaú cobrava variação cambial mais 21,6% ao ano, enquanto o Unibanco mais 12,5% e o Banco do Brasil, 8,7%. Já o Bradesco cobrava 6,3% mais variação e o Santander, 7,1%. “A origem do funding é a mesma. A pergunta que faço é a seguinte: por que um banco pode cobrar 6,3% e o outro tem que cobrar 21,6%”, questionou.

Perguntado se essa reclamação não era improcedente, já que os bancos atuam no livre mercado, assim como a indústria, e, portanto, o tomador poderia buscar o menor custo para obter financiamento, Skaf argumentou que é difícil para uma empresa alterar o banco com o qual trabalha de uma hora para outra. “Para uma empresa, mudar de banco é complicado.” Ao final da entrevista, o presidente da Fiesp disse que a reclamação também será feita individualmente a cada instituição financeira.
Agência Estado

Rizzolo: É impressionante como o governo brasileiro privilegia o setor bancário financeiro. A explanação de Skaf é realmente clara e precisa; de nada adianta o empresariado tomar um empréstimo a uma taxa inviável. Como ele mesmo afirmou, é melhor não contrair o empréstimo, do que tomá-lo e não ter condição de honrá-lo. A situação piora quando os bancos estatais, como o Banco do Brasil, que deveria ter uma postura não mercenária do ponto de vista do lucro, se porta como um banco privado.

O governo do PT é realmente “sui generis”, tem um discurso socialista mas tem como base de sustentação os banqueiros, que até hoje foram os que mais se beneficiaram das políticas de altas taxas de juros implementadas pelo BC. E não venham me dizer que o governo nada pode fazer porque o BC é autônomo, essa é a velha desculpa utilizada por aqueles que querem sufocar o pobre empresário brasileiro, refém dos bancos e agora da crise. Agora será que o Meirelles não conhece as taxas de juros cobradas no exterior em relação às taxas no Brasil ? Precisa o Skaf informá-lo ?

Crise já mexe com mercado de emprego no mundo todo

São Paulo – A crise, que começou no mercado imobiliário norte-americano, atingiu o mercado financeiro e reduziu a oferta de crédito no mundo, chegou de vez à economia real. As empresas já anunciam corte de vagas de trabalho e investimentos. Em breve, haverá queda da renda. Com este cenário, não há mais dúvidas de que o mundo passará por um período de recessão.

No Brasil, o consenso é que a economia vai desacelerar. Para muitos setores, esta realidade já começou. O mercado automotivo e imobiliário dão os primeiros sinais. A Cyrela Brazil Realty, por exemplo, admitiu nesta sexta-feira que fará demissões no quarto trimestre para reduzir despesas administrativas.

“Assim que fizermos (as demissões) vamos informar a magnitude ao mercado”, disse hoje o diretor de Relações com Investidores da companhia, Luis Largman, em teleconferência com analistas e investidores. No terceiro trimestre, as despesas gerais e administrativas da Cyrela cresceram 96,2%, para R$ 58,8 milhões, na comparação com o mesmo período do ano passado.

As novas demissões vão abranger a Seller, empresa de vendas da Cyrela. “A Seller é um pilar importante para a Cyrela, mas se vai vender menos, também vai reduzir pessoal”, disse o presidente da Cyrela, Elie Horn. A Cyrela reduziu sua previsão de Valor Global de Vendas (VGV) de lançamentos para 2008 para a faixa de R$ 5,25 bilhões a R$ 5,6 bilhões, ante estimativa anterior de R$ 7 bilhões. A meta de vendas caiu de R$ 5,5 bilhões para entre R$ 4,675 bilhões e R$ 4,95 bilhões. Para 2009, as projeções estão sendo revistas.

As mudanças na Cyrela abrangem também a redução do prazo de pagamento dos imóveis aos compradores. “Estamos oferecendo menos prazo ao mercado em razão da crise, até que isso passe”, disse o presidente da companhia. No caso da Living, braço da Cyrela para a baixa renda, o valor a ser pago até a entrega das chaves aumentou de 20% para 25%, de acordo com Horn. Nas unidades com preço até R$ 350 mil a empresa está buscando mais repasses dos clientes para os bancos. “Acima da faixa do SFH (Sistema Financeiro da Habitação) nada mudou”, acrescentou Largman.

Vale já sente crise

Outra empresa que já sente efetivamente o cenário pessimista que há vários meses impera no exterior é a Vale. O diretor-executivo de Finanças da mineradora, Fábio Barbosa, na primeira apresentação da companhia para investidores em Londres, admitiu que a empresa não esperava um ajuste tão rápido na demanda por aço na China, o que afeta diretamente o mercado da Vale.

“Não antecipamos a gravidade da crise.” Segundo o diretor, até setembro o mercado chinês operava dentro da normalidade, tanto que os embarques foram recordes nesse mês e a companhia ainda tentava conseguir novo reajuste de preços, confiando na força da demanda.

A Vale começou a perceber que a situação tinha se alterado em outubro, conforme Barbosa. A estratégia de nova elevação dos valores na China foi abandonada e, além disso, a empresa retirou o acréscimo de 12% que já havia sido acertado com japoneses e coreanos, como revelou recentemente. Barbosa lembrou que 51% do consumo de aço na China vem do setor de construção, muito abalado atualmente pela escassez de crédito. “O cenário de curto prazo não é bonito, para dizer o mínimo.”

Bancos internacionais

No cenário internacional, a crise já provoca estragos maiores. O Citigroup começou uma nova rodada de demissões e está aumentando as taxas de juros para os clientes de cartões de crédito, numa tentativa de melhorar a rentabilidade da companhia, de acordo com o Wall Street Journal.

Nesta semana, o Citigroup cortará pelo menos 10 mil funcionários de seu banco de investimentos e de outros setores da companhia em todo o mundo, segundo fontes. Pandit, instruiu os executivos da empresa a diminuir em pelo menos 25% os gastos com salários.

Nos últimos quatro trimestres, o Citigroup demitiu 23 mil pessoas, enxugando o quadro de funcionários para 352 mil até 30 de setembro. O corte anunciado recentemente foi o maior até o momento. De acordo com uma fonte, o objetivo é reduzir o número de empregados do Citigroup para 290 mil até o ano que vem.

Na Europa, o Royal Bank of Scotland (RBS) planeja cortar três mil empregos em seus segmentos de mercados e atividades bancárias globais, informou a BBC, nesta sexta-feira. O banco, que emprega cerca de 170 mil pessoas, das quais 100 mil no Reino Unido, não falou diretamente sobre os cortes. “Nós constantemente revemos nosso modelo operacional para ter certeza de que ele é apropriado para as condições do mercado” De acordo com a BBC, os cortes ocorrerão durante as próxima semanas.

Carros e tecnologia

A Nissan Motor informou nesta sexta que estenderá os planos de cortar a produção de automóveis em meio à desaceleração dos gastos do consumidor, reduzindo a produção no Japão em 72 mil veículos a partir de dezembro. A terceira maior montadora japonesa em vendas disse que o corte significará a perda de 500 empregos de curto prazo nas operações japonesas em 2009.

Na área da informática, a Sun Microsystems informou nesta sexta que cortará entre 5 mil e 6 mil empregos. A crise econômica aumentou os problemas enfrentados pela companhia devido à fraca demanda por computadores sofisticados. A Sun informou que o corte de empregos representa de 15 a 18 por cento de sua força de trabalho e faz parte de um plano mais amplo de reestruturação, que pretende economizar entre 700 milhões e 800 milhões de dólares.

A empresa espera registrar um total de gastos em uma faixa entre 500 milhões e 600 milhões de dólares nos próximos 12 meses, em linha com o plano de reestruturação, que também inclui o realinhamento de sua divisão de software.

A Nokia também se pronunciou nesta sexta e afirmou que prevê queda nos volumes da indústria em 2009. As possíveis demissões não foram citadas diretamente, mas a empresa comentou a desaceleração das principais economias do mundo. A maior fabricante de celulares do mundo afirmou que o mercado de telefonia móvel deve ser mais fraco do que o esperado no quarto trimestre por causa da crise econômica e que deve recuar mais em 2009.

Agência Estado

Rizzolo:
Tenho observado que a realidade no enfrentamento da crise é unanimidade em todo o mundo. Observo também aqui na Europa, um realismo maduro, apolítico, pró ativo. Contudo no Brasil, seguindo o raciocínio folclórico entusiasta do governo, poucas são as empresas que assumem publicamente como a Cyrela a situação real do mercado. Por vezes podemos inferir que o empresário brasileiro pouco aculturado, não assume a tremenda crise financeira brasileira, por receio de piorar a situação, è o tipo do raciocínio pequeno e que tem por objetivo encorajar o consumidor a entrar ” numa fria”.

O próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje ” que a recessão no mundo já está dada, mas não no Brasil”. Ora, todos sabem que já vivemos um período recessivo, os dados acima não mentem, o índice de inadimplência do consumidor brasileiro avançou 7,5% de janeiro a outubro na comparação com o mesmo período de 2007, informou hoje a Serasa. A alta do Indicador de Inadimplência Pessoa Física em outubro alcançou 6,9% na comparação com mês equivalente de 2007, enquanto em relação a setembro o avanço representou 4,9%. A crise atingiu em cheio alguns segmentos, principalmente o imobiliário, investimento de pouca liquidez e altíssimo risco no momento.

Crise já afeta emprego da indústria paulista em outubro

SÃO PAULO – Preocupada com os efeitos da crise financeira internacional sobre a economia brasileira, a indústria paulista antecipou um movimento esperado só para os meses de novembro e dezembro: começou a diminuir os turnos de produção e a dispensar empregados contratados de forma temporária.

A percepção dos empresários é a de que a produção direcionada para atender as vendas de fim de ano já se esgotou, e como a expectativa é a de que 2009 será um ano de demanda mais fraca e crescimento econômico menor que o deste ano, é preciso se adaptar a uma produção menor, que exigirá, portanto, menos trabalhadores.

Em outubro, a queda do nível de emprego na indústria paulista foi de 0,41% em relação a setembro, sem ajuste sazonal, e de 0,13% com ajuste sazonal, segundo dados divulgados esta manhã pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Foi a primeira queda do indicador para um mês de outubro desde 2003, quando o emprego caiu 0,63%. Dos 21 segmentos que compõem a indústria paulista, dez, praticamente metade, registraram demissões em outubro, número que só costuma aparecer nos dois últimos meses do ano, quando se encerra a safra da indústria sucroalcooleira.

Embora os números não sejam considerados trágicos, eles traduzem uma tendência que preocupa a indústria paulista, que é a redução do emprego de forma disseminada. “O emprego em outubro não foi bom como nos meses anteriores nem terrível como alguns analistas esperavam”, disse o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini. “Mais do que o valor numérico, a importância do resultado fica realmente na alteração do padrão do comportamento do emprego. Temos agora uma tendência de queda no nível de emprego, uma inflexão na curva”, acrescentou.

Francini explicou que ainda não é possível prever em que padrão a produção industrial vai se estabilizar, mas a demissão de trabalhadores desde já traduz o início de uma fase de transição “conturbada”, que inclui reprogramação de produção e administração de estoques. O último resultado do Indicador do Nível de Atividade (INA) da indústria paulista, de setembro, não apresentou redução, e a prévia de outubro indica estabilidade.

Dólar

Nem mesmo a desvalorização do real ante o dólar nos últimos dois meses justificou a manutenção dos empregos da indústria no Estado. A Fiesp admitiu que a indústria será beneficiada por um câmbio mais competitivo, mas a volatilidade cambial permanece, o que dificulta o planejamento dos empresários. Além disso, o real desvalorizado não alivia a expectativa de um ano com menor demanda.

Agência Estado

Rizzolo: As notícias que circulam na Europa em relação aos emergentes, e aos empregos não são nada boas. Podemos já inferir os efeitos na indústria paulista, e a tendência é piorar em 2009. Não há como o Brasil ficar imune a uma crise de cunho internacional, a demanda externa e interna irá diminuir e os empresários terão forçosamente de promover demissões.

O crédito está cada vez mais escasso e mais caro, segundo pesquisa da Fundação Procon de São Paulo (Procon-SP) divulgada hoje a taxa de juros registrada em novembro é a mais elevada desde 2003. Com isso, o órgão, vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado, recomenda ao consumidor cautela ao contratar empréstimos. A taxa de juros mais alta para empréstimo pessoal foi registrada no Banco Real, de 8,15% mensais. A mais baixa, na Caixa, de 4,49%. No cheque especial, os juros mais altos, de 12,30% ao mês, estão no Safra e os mais baixos, de 7,98%, também na Caixa.

Quem apostava na ” marolinha” já está vendo os efeitos desse vendaval. Como não estou no momento no Brasil, não tenho a noção exata do que está ocorrendo nos bastidores da economia, porem amigos me afirmam que coisa por aí está ficando preta, informam que o Banco Central voltou ao mercado de câmbio e operou, com diferentes instrumentos, em quatro oportunidades. No fechamento da quarta-feira (12), o dólar estava cotado em R$ 2,29 – que já era a maior taxa dos últimos 20 dias. Um absurdo, hein !!

Inflação pelo IPCA volta a subir, após quatro meses em queda

A inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) voltou a subir, depois de quatro meses em queda, informou nesta sexta-feira o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em outubro, o índice teve alta de 0,45%, acelerando frente aos 0,26% verificados em setembro.

No ano, o IPCA tem alta de 5,23%. Em igual período em 2007, a alta havia chegado a 3,30%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 6,41%, acima dos 6,25% identificados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em outubro de 2007, a inflação pelo IPCA havia subido 0,30%.

Os alimentos voltaram a subir, depois de dois meses em queda. Apresentaram alta de 0,69%, ante queda de 0,18% constatados no mês anterior. A contribuição negativa deste grupo representou 0,16 ponto percentual do IPCA, 35% do total.

No ano, os alimentos tem inflação acumulada de 10,04%. De janeiro a outubro de 2007, a alta acumulada dos alimentos era de 7,76%.

Entre os alimentos, o destaque entre as altas ficou entre os feijões (5,66%) e as carnes (3,61%). O aumento do preço das carnes foi responsável pela maior contribuição individual no mês, com 0,08 p.p.

Ao mesmo tempo, caíram os preços da cebola (-15,19%), cenoura (-14,94%), ovos (-4,12%), óleo de soja (-3,38%) e farinha de trigo (-2,84%).

Os produtos não-alimentícios subiram 0,38% em outubro, desacelerando em relação aos 0,42% de setembro. Apresentaram redução os custos de transporte (de 0,39% para 0,02%). Os custos de saúde e cuidados pessoais também caíram (de 0,46% para 0,26%) e despesas pessoais (0,80% para 0,68%) também desaceleraram.

O preço da gasolina caiu 0,18%, após alta de 0,69% em setembro. O álcool também desacelerou, de 1,20% em setembro para 1,08% no mês passado.

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), calculado entre as famílias com renda mensal até seis salários mínimos, ficou em 0,50% em outubro, ante 0,15% de setembro. Nos 12 meses encerrados em outubro, o indicador acumula elevação de 7,26%, acima dos 7,04% relativos aos 12 meses imediatamente anteriores.

Folha online

Rizzolo: É claro que o aumento dos custos financeiro manifestado pela seletividade e aumento dos juros, fez com que na composição de preços fosse absorvido esses custos. Outro fator que contribuiu para a alta da inflação, foi a brusca desvalorização do real, fazendo com que os preços de alguns insumos também aumentasse. As medidas propostas pelo governo parecem não ser suficientes para resolver a escassez de crédito. Fala-se muito em utilizar recursos via BNDES, como se o banco tivesse recursos inesgotáveis.

A utilização do FAT que é um fundo compulsório com a destinação específica de garantir o seguro desemprego, e que pode ficar deficitário até 2010. Seus recursos não são inesgotáveis. O pior daqui para frente, é sentirmos em 2009, o efeito de uma eventual recessão com inflação. Além do setor imobiliário, do automotivo sentirem já os efeitos da crise, agora é o setor de transporte, principalmente o de cargas, já começa a sentir os efeitos da crise. Segundo o presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Clésio Andrade, já há diminuição na demanda por transporte, principalmente entre quem trabalha com commodities. A situação não está nada boa.

Lucro do Unibanco cai 41,3% e soma R$ 704 mi no terceiro trimestre

O lucro líquido do Unibanco ficou em R$ 704 milhões no terceiro trimestre deste ano, queda de 41,3% em relação ao lucro do terceiro trimestre de 2007 (R$ 1,199 bilhão). Os dados fazem parte do balanço auditado do banco, divulgado hoje –no dia 24, antes da fusão com o Itaú, o Unibanco antecipou alguns números.

Já o lucro recorrente, que exclui efeitos extraordinários, também ficou em R$ 704 milhões no terceiro trimestre, mas em alta de 5,5% sobre o lucro recorrente do ano passado, de R$ 667 milhões.

Itaú e Unibanco anunciaram na segunda-feira a fusão, que formará o maior banco do país e o maior grupo financeiro do Hemisfério Sul. Segundo comunicado divulgado pelos bancos, o “valor de mercado fará com que ele [grupo] fique situado entre os 20 maiores do mundo”. O total de ativos combinado é de mais de R$ 575 bilhões –contra R$ 403,5 bilhões do Banco do Brasil, e R$ 348,4 bilhões do Bradesco.

No balanço de hoje, o Unibanco informou que a carteira de crédito total encerrou setembro com R$ 74,3 bilhões, avançando 32,9% sobre o fechamento do terceiro trimestre do ano passado. Já os ativos cresceram 33,3% no mesmo período, para R$ 178,5 bilhões.

O banco ainda informou no comunicado ao mercado que suas operações com derivativos indexados à variação cambial atingem cerca de R$ 10,5 bilhões. Porém, segundo o banco, “essas operações não acarretam nenhum impacto no resultado, uma vez que as marcações a mercado dos derivativos é anulada com a variação cambial sobre os investimentos no exterior.”

Sobre a concessão de crédito, o Unibanco informou em comunicado ao mercado que está mais seletivo. “O menor crescimento no trimestre é fruto da maior prudência adotada na concessão de crédito, principalmente, nas parcerias com varejistas no segmento de baixa renda”, explica o banco.

No segmento varejista, a carteira de crédito estava em R$ 3,493 bilhões no terceiro trimestre, 12,2% acima do registrado em setembro de 2007, mas só 0,4% superior ao do segundo trimestre.

O Unibanco é dono das financeiras Fininvest, PontoCred e LuizaCred.
Folha online

Rizzolo: A crise aportou no setor financeiro, e muito das fusões que ora são comemoradas, tem relação próxima com os resultados desanimadores. Uma forte recessão é prevista para o primeiro trimestre de 2009, alguns setores contudo, já apontam os efeitos devastadores, as vendas de veículos novos no mercado brasileiro somaram 239,2 mil unidades em outubro de 2008, o que representa uma queda de 11% em relação a setembro e de 2,1% em comparação ao mesmo mês de 2007, e o mercado imobiliário brasileiro já sofre com a escassez de crédito.

É claro que existe um componente pessimista na elaboração do cenário econômico, em períodos de expansão o lado positivo dos fatos é maximizado e em períodos de retração o pessimismo toma conta gerando um impacto sobre os ativos maior que o real gerando por fim a manutenção de uma alta volatilidade. Um exemplo é o corte de juros pelo BC inglês por cortar 150 pontos a ” leitura”. Se corta é porque o cenário é ruim. O mercado não faz uma análise positiva das medidas, mas sempre negativa e desconfiada.

Paulo Skaf: ”Bancos estão ganhando com a crise”

Empresário quer medidas mais duras do BC para impedir que os grandes bancos retenham dinheiro que deve ir para o crédito

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), diz que a sua “paciência está esgotada”. Durante as inúmeras reuniões com os dirigentes do Banco Central (BC) nas últimas semanas, ele ouviu insistentemente que era preciso paciência para que as medidas adotadas pela autoridade monetária surtissem efeito no restabelecimento do fluxo de crédito para as empresas. “Só que a paciência agora se esgotou, porque a situação está se agravando.” O que falta, na opinião de Skaf, para que a crise de crédito seja debelada é o BC punir os grandes bancos privados e públicos que estão “dormindo em cima do dinheiro e estão ganhando com a crise”. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Como o sr. avalia o impacto da crise financeira na indústria?

Até setembro a atividade da indústria foi absolutamente normal, com setores batendo recordes de faturamento e de rentabilidade. Mas, a partir da primeira quinzena de outubro, começamos a sentir a falta de crédito, primeiro nos setores dependentes de financiamento. Na segunda quinzena, notamos que outros setores não dependentes diretamente de crédito começaram a se ressentir.

A crise atual de crédito é a pior dos últimos tempos?

O crédito no Brasil nunca foi farto. O que assistimos agora foi a redução repentina e um aumento de custo muito grande. Não me lembro que tenho ocorrido algo parecido nos últimos 20 anos.

Por que ninguém quer emprestar?

É uma boa pergunta para ser feita aos bancos. Certamente eles devem estar numa situação cômoda porque têm como aplicar em títulos do Tesouro com taxa Selic, obviamente uma taxa mais baixa do que pegariam no mercado, mas com segurança absoluta.

O que falta para irrigar o mercado de crédito?

O que está faltando é o Banco Central pressionar o setor financeiro, principalmente os grandes bancos. Não posso culpar os pequenos bancos porque eles não estão com recursos disponíveis. Por isso, uma saída seria uma forte redução na taxa Selic, não a manutenção da taxa em 13,75% ao ano, como ocorreu na reunião da semana passada. Com isso, a remuneração ficaria pouco atrativa. Outra alternativa seria o governo penalizar o banco que não estiver emprestando no mercado. Vai custar caro essa atitude de o setor financeiro não emprestar e continuar nessa situação cômoda, dormindo em cima do dinheiro, emprestando dinheiro para o governo e o governo aceitando essa situação. É hora de o BC reagir fortemente, pressionando os grandes bancos. Quando falo em grandes bancos incluo o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal a emprestarem a custos razoáveis. O Banco do Brasil está cheio de dinheiro, a Caixa Econômica Federal está cheia de dinheiro, grandes bancos particulares estão cheios de dinheiro e o mercado, não só a indústria, está com muita dificuldade de obter crédito, sejam empresas grandes ou pequenas.

Os bancos estão em situação melhor na crise?

Nesse momento eu diria que os grandes bancos só estão ganhando.

O BC acaba de editar uma medida que pune os bancos que não comprarem a carteira de instituições menores. Isso resolve?

Isso não irriga o mercado, só ajuda o banco pequeno. É uma medida para preservar o sistema financeiro e algum banco pequeno que esteja desencaixado. Os recursos não chegam à indústria, ao comércio e ao consumidor. Esse mesmo espírito de penalidade deveria ser usado pelo BC para obrigar os grandes bancos a emprestarem. É hora de o BC reagir fortemente. Faz três semanas que tivemos várias reuniões com o BC e inúmeras vezes eu disse que não adiantava somente as medidas serem tomadas se os recursos não fossem repassados às empresas. O que eu ouvi nessas reuniões era que tivéssemos paciência, porque as medidas eram muito novas e havia necessidade de alguns dias para que elas fossem efetivadas e virassem realidade. Só que a paciência agora se esgotou porque a situação está se agravando.

Como o sr. avalia a intenção de 57% da indústria de cortar investimento em 2009?

Se houver crédito, será possível atenuar a redução dos investimentos.
Agência Estado

Rizzolo: Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), está coberto de razão. A relação do governo petista com os Bancos, privilegiando-os sob todos os aspectos, é algo que este Blog há muito vem afirmando. O que não podíamos esperar, é que num momento de crise, a passividade e a submissão aos interesses dos banqueiros fosse atingir este patamar.

É evidente que os bancos mais uma vez estão muito mais interessados em preservar sua liquidez, do que irrigar o crédito principalmente à pequena ou a média indústria, preferem eles como afirma Skaf, aplicar em títulos do Tesouro com taxa Selic – muito embora a uma taxa mais baixa – e passar pela crise tranquilos e incólumes.

Não podemos esquecer que o BC e Meirelles sempre estiveram comprometidos com o sistema financeiro, com os Bancos, e nada mais óbvio que manter a política macroeconômica de juros altos, tornando as aplicações financeiras mais atraentes do que os investimentos na produção. Falta coragem para o governo petista, face ao seu comprometimento político com os bancos, em punir e agir com severidade com o setor, para que os recursos cheguem ao comércio à indústria e ao consumidor.

As alegações dos bancos, de que ” temos que ter paciência”, são contempladas com a passividade do governo, que nada faz no sentido de punir os banqueiros, que por interesses próprios, não emprestam os recursos e estrangulam o pobre empresariado já em dificuldades, dado à retração do mercado internacional. São vozes como de as de Paulo Skaf que fazem a diferença em momentos de crise.

Publicado em últimas notícias, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, comportamento, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise nos bancos brasileiros, cultura, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, Fiesp, geral, imóveis, mundo, News, notícias, Paulo Skaf, Política, política internacional. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »