CNI/Ibope: doença supera candidatura na citação a Dilma

BRASÍLIA – A doença da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, é mais conhecida entre os entrevistados ouvidos pela pesquisa CNI/Ibope que sua pré-candidatura à Presidência da República. Segundo o levantamento, divulgado hoje, o linfoma da ministra é a terceira notícia mais lembrada espontaneamente pelos entrevistados, com 10% das citações, enquanto a pré-candidatura teve 4% das menções.

A primeira notícia, com 15% das menções, é sobre a crise financeira internacional e seus efeitos no Brasil, seguida do lançamento do programa do governo de construção de casas populares, o Minha Casa Minha Vida, com 11% das citações. Os entrevistados eram questionados sobre quais foram as duas principais notícias sobre o governo que saíram na imprensa.

Também estão entre as mais citadas as viagens do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à China e à Turquia; os casos de gripe suína no Brasil; a criação da CPI da Petrobras; a redução do IPI para produtos como geladeira, fogão e máquina de lavar roupas; a doença do vice-presidente, José Alencar; e as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A pesquisa foi feita entre os dias 29 de maio e 1º de junho, em 143 municípios.
agencia estado

Rizzolo: Realmente a doença da ministra ficou muito relacionada com a sua imagem. E isso é natural, como já mencionei em outro comentário, a ministra a ainda é uma desconhecida pelo povo brasileiro, e logo após suas aparições ao lado de Lula, surgiu a sua doença. Nada desmerecedor, ou que implique no avanço de sua candidatura, apenas uma anotação normal do ponto de vista midiático. O problema é que aqueles que torcem pela sua derrocada, aplaudem notícias como esta que pouco significam do ponto de vista eleitoral, pelo menos por hora.

O pacto

*Rabino Chefe da inglaterra, Professor Jonathan Sacks

Pessoas gordas teriam de fazer dieta se quisessem consultar o médico, li em uma reportagem no jornal. A proposta sendo lançada era a de que pacientes teriam de assinar contratos com seus médicos, comprometendo-se a perder peso, ou parar de fumar, ou fazer mais exercícios, e aqueles que deixassem de fazê-lo perderiam o direito a tratamento grátis. Xiii… pensei eu, lembrando minha batalha perdida contra alguns kilos a menos. Que idéia maluca – perder os serviços de seu médico quando você mais precisa deles.

Mas então lembrei-me de Maimônides, o notável rabino da Idade Média, e um dos mais destacados médicos de seu tempo. E o mais fascinante é que ele fez a mesma sugestão há mais de 800 anos. Ele escreveu uma obra pioneira de medicina preventiva – com conselhos fortes e corretos sobre dieta, exercício, higiene e sono. E o estranho é que ele não fez isso como um manual da boa forma, mas como parte de seu clássico código da lei judaica. O corpo é um presente de D’us, e portanto ele afirmava que temos o dever religioso de cuidar dele. Um dos erros mais comuns que cometemos, dizia ele, é levar uma vida não saudável e depois culpar D’us quando ficamos doentes.

Em breve estaremos celebrando a Festa de Shavuot – quando nos lembramos da entrega dos Dez Mandamentos a Moshê e aos judeus, o ponto culminante da jornada de sete semanas do Egito ao Monte Sinai, da escravidão ao grande momento da revelação – a jornada dos direitos às responsabilidades da liberdade. Ao outorgar aos israelitas um conjunto de leis, foi como se D’us estivesse dizendo: “Eu os protegerei, mas vocês precisam fazer sua parte. Eu os ajudarei, mas vocês têm de me ajudar a ajudar vocês.”

A Torá tem um nome para este tipo de parceria. Chama-se pacto, significando que ambas as partes se comprometem mutuamente, cada qual concordando em manter seu lado do acordo. E eu sempre senti que pacto é um modelo não apenas para nosso relacionamento com D’us, mas para os relacionamentos em geral – com nosso parceiro no casamento com quem partilhamos a vida, com os professores que cuidam de nossos filhos, e com os médicos que cuidam de nossa saúde.

Portanto, talvez a idéia de um pacto entre médicos e pacientes não seja tão maluca, afinal. Eles nos ajudam, mas temos de ajudá-los a nos ajudar. Então, apesar do fato de que as Festas Judaicas geralmente envolvem uma boa quantidade de comida, este ano vou optar por um pouco menos de alimento para o corpo e um pouco mais para a alma – na esperança de que meu médico continuará a me atender, ou melhor ainda, de que não precisarei vê-lo.

fonte: site do Beit Chabad

Tenha um ótimo sábado e uma semana feliz !

Fernando Rizzolo

Chiquinho Scarpa segue internado em UTI, sem previsão de alta

Ele teve complicações decorrentes de operação para reduzir estômago.

Empresário está internado em hospital de SP desde 20 de abril.

O empresário Chiquinho Scarpa, de 57 anos, continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês, no Centro de São Paulo, onde recebe tratamento médico desde 20 de abril. Ele teve complicações decorrentes de uma operação para reduzir o estômago. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, não há previsão de alta.

A mãe do empresário, Patsy Scarpa, afirmou nesta quinta-feira (28) ao G1 que o filho apresenta melhora em seu estado de saúde. “Ele está bem, melhorando, a gente está com muita esperança”, disse. Ela contou que o empresário conversa com a família. Scarpa segue internado na UTI, segundo Patsy, porque ainda apresenta sinais de infecção.

Scarpa sofreu complicações após uma operação para reduzir o estômago, realizada em 15 de abril. O empresário teve uma infecção na região do abdome. Ele passou por três cirurgias após retornar ao hospital no dia 20 de abril.

Roberto Tullii, médico e amigo de Scarpa, disse no fim de abril que o empresário foi levado às pressas ao hospital porque bebeu em excesso, de uma só vez, suco de pêssego. Isso teria dilatado demais a região abdominal, recém-operada. “Ele estava com o abdome excessivamente dilatado, vomitava e tinha muita dor”, contou.

Globo

Rizzolo
: O Chiquinho sabe que o Brasil inteiro torce pela sua recuperação, tenho observado pelo número de acessos aos posts sobre a saúde do Chiquinho, que o povo brasileiro acompanha de perto sua recuperação. Vamos torcer todos por ele. Preces é que não faltam, de todos inclusive minhas e da Tatá (Claudia Bonfiglioli).

Morre o ‘pai do Viagra’ aos 92 anos

Robert Furchgott, um dos principais cientistas americanos cujo trabalho ajudou no desenvolvimento da droga contra a impotência Viagra morreu em Seattle aos 92 anos de idade. Ele recebeu um prêmio Nobel em 1998 por sua pesquisa no campo da fisiologia.

O estudo se concentrava em gases, em especial o óxido nítrico que descobriu ser um importante regulador do sistema cardiovascular. Furchgott concluiu que o gás alarga os vasos sanguíneos do corpo, ajuda a pressão e o fluxo do sangue.

A pesquisa forneceu a base teórica para a criação do medicamento Viagra. Nascido na carolina do Sul, o cientista mostrou desde cedo um interesse por pássaros e conchas. Formado em química, ele fez um doutorado em bioquímica. Antes de se mudar para a Califórnia nos anos 50, lecionou em Washington.
globo

Rizzolo: Muitos devem muito ao velho cientista Robert Furchgott, que provavelmente um dia será canonizado ( risos..)

Milionários preferem dar dinheiro para caridade do que deixar para os filhos

Pesquisa mostra que 62% dos pesquisados com ativos de mais de US$ 800 mil planejam deixar seu dinheiro para organizações beneficentes para incentivar os filhos a trabalhar.

O interesse crescente em filantropia entre os mais ricos do Reino Unido e dos Estados Unidos indica que a próxima geração de multi-milionários talvez não faça justiça ao título. Segundo uma pesquisa divulgada agora, muitos milionários – e até bilionários – pretendem deixar menos dinheiro como herança para seus filhos.

Pesquisa da Richard Harris, fundadores do serviço de testamento online, descobriu que 62% das pessoas com ativos estimados em mais de US$ 800 mil planejam gastar seu dinheiro com obras de caridade ou simplesmente doá-lo para as organizações.

Com isso, os milionários estariam seguindo os passos de ricos “do bem” como Bill Gates e Duncan Bannatyne, que decidiram doar a maior parte de suas fortunas para causas nobres a fim de iincentivar os filhos a iniciar uma carreira e pagar suas próprias contas.

Segundo o próprio Richard Harris, “filantropos ricos, principalmente empreendedores multi-milionários, são firmes em dizer que querem que seus filhos tenham um incentivo para trabalhar duro como eles fizeram em suas vidas. E uma forma de fazer isso é limitando suas heranças”.

“Os pais não querem tirar a ambição dos filhos”, diz. “Em vez de deixar suas fortunas para trás, eles estão repassando a maior parte do dinheiro para causas sociais que eles já defendem e nas quais acreditam. Eles estão colocando mais ênfase em deixar um legado que beneficie a sociedade.”

“Há uns dez anos, 75% da lista dos mais ricos do jornal Sunday Times eram compostos por gente que havia herdado dinheiro de família. Hoje, essa proporção é inversa”.

Tanto é verdade que a lista dos filantropos inclui nomes de prestígio do mundo dos negócios.

– Duncan Bannatyne – Empreendedor que faz parte do programa de TV inglês “Dragon’s Den”, em que milionários dizem se vão ou não investir no negócio de novos empreendedores. Pai de seis filhos. Ele criou um fundo para beneficiar suas crianças, mas já avisou aos filhos que eles terão de demonstrar fibra moral suficiente antes de receber sua parte do quinhão.

– Peter Jones – Empreendedor que também faz parte do programa “Dragon’s Den” já disse aos cinco filhos que eles terão de trabalhar, mas prometeu que um fundo vai dobrar sua renda a cada ano e se eles decidirem trabalhar com organizações de caridade (terceiro setor) ou assumirem um trabalho socialmente responsável, o fundo pagará três vezes seu salário anual.

– Bill Gates – O fundador da Microsoft planeja doar a maior parte de sua fortuna antes de morrer, mas quer deixar US$ 10 milhões para cada um dos três filhos. O resto vai direto para obras de caridade nas quais está envolvido com a Fundação Bill e Melissa Gates. Ele é especialmente atraído para projetos de educação em países menos desenvolvidos.

– Warren Buffet – O mega-investidor americano, segundo homem mais rico do mundo atrás somente do amigo Bill Gates, tem uma fortuna estimada em US$ 62 bilhões. Ele já declarou que vai deixar aos filhos “o suficiente para que eles possam fazer qualquer coisa, mas não tanto que não queiram fazer nada na vida”.

– Barron Hilton – O avô da patricinha Paris Hilton prometeu doar 97% da sua fortuna de US$ 2,3 bilhões para entidades beneficentes.

Época

Rizzolo: Com efeito, no mundo a tendência dos afortunados é cada vez mais se vincularem às causas que envolvam a caridade e a filantropia. No Brasil essa parcela ainda é pequena, contudo cresce a cada ano a conscientização de que doar para a caridade ou tzadaká (hebraico) é a melhor forma de se empregar o dinheiro aqui no mundo terreno, e ao mesmo tempo, de limitar aos herdeiros os volumes de recursos que muitas vezes são gastos de forma pródiga. Instituições sérias, íntegras e com visão empresarial como a Casa Hope,fazem parte do elenco de opção hoje disponíveis no Brasil; e o reconhecimento que a caridade faz bem, e está na pauta mundial dos negócios, foi a presença das 1500 pessoas na festa da inauguração da sua sede própria no dia 12 de maio. São os milionários do Brasil seguindo a nova tendência da filantropia mundial.

Ministra Dilma Rousseff segue internada sem previsão de alta

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, segue internada no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde deu entrada na madrugada de terça (19) em razão de dores nas pernas decorrentes do tratamento para combater um câncer no sistema linfático.

De acordo com a Globo News, médicos responsáveis pelo tratamento da ministra informaram que ela deve passar ainda de dois a três dias em repouso e a agenda da ministra foi cancelada até o final da semana.

Segundo a assessoria de imprensa do hospital, não há previsão de alta da ministra nem de um novo boletim médico. A assessoria de imprensa da ministra diz que apenas os eventos externos com a presença de Dilma foram cancelados.

Boletim

Boletim médico divulgado na terça-feira (19) informou que Dilma Rousseff “encontra-se estável com o uso de medicação analgésica”.

As dores que levaram à internação da ministra começaram na segunda (18), em Brasília, enquanto ela trabalhava.

Segundo informou o “Jornal Hoje”, a ministra teve dores “lancinantes e teve de ser medicada com analgésicos derivados de morfina. Exames de sangue tiveram resultados normais.

O comunicado do hospital informou que as dores foram motivadas por um quadro de “miopatia”. Segundo a assessoria do Sírio-Libanês, trata-se de uma inflamação muscular decorrente do tratamento de quimioterapia.

Ao chegar ao hospital, Dilma foi submetida a uma ressonância magnética. Um boletim médico divulgado às 3h36 informou que o resultado do exame “mostrou-se dentro da normalidade”.

A ministra está tratando um linfoma, um câncer no sistema linfático, e realizou, até o momento, duas sessões de quimioterapia.

Lula

Na China, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu a notícia da internação da ministra Dilma. Ele afirmou que recebeu um telefonema com notícias de que a ministra tinha tido uma reação à quimioterapia, mas que estava se recuperando bem.

Boletim

Veja a íntegra do boletim divulgado pelo hospital nesta terça (19):

“A Sra. Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, segue internada no Hospital Sírio-Libanês desde a madrugada desta terça-feira (19/05), para tratamento de dores nos membros inferiores, causadas por quadro de miopatia.

A paciente encontra-se estável com o uso de medicação analgésica.

Dr. Antônio Carlos Onofre de Lira

Diretor Técnico Hospitalar

Dr. Riad Younes
Diretor Clínico”

Rizzolo: Como já comentei anteriormente, o importante é o restabelecimento da ministra. Quem vai dar o tom do rítimo da campanha serão os médicos, aliás, a ministra está cercada de ótimos profissionais do Hospital Sírio Libanês. Vamos torcer pela sua recuperação.

Para líder do PT, não há necessidade de afastar Dilma

BRASÍLIA – O líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP), disse não ver necessidade de afastamento da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, do governo, enquanto ela estiver sob tratamento de quimioterapia para enfrentar um câncer linfático. “O principal é a ministra tratar de sua saúde. O tratamento é um sucesso quase absoluto. Não tem sentido se afastar. É uma decisão técnica, dos médicos, não é uma decisão política. Ela está no meio do tratamento, que tem mais dois meses”, afirmou. A ministra está internada em São Paulo para tratar de fortes dores nas pernas decorrentes da quimioterapia.

Já o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, afirmou que torce para que a ministra não precise reduzir a jornada de trabalho por causa de tratamento. Segundo ele, só os médicos vão poder dizer se Dilma precisa ou não diminuir sua carga de trabalho. “Nós torcemos para que isso não seja necessário pois é bom para o País que ela trabalhe muito”, disse. Ele lembrou que os próprios médicos disseram no início do tratamento que era bom para a recuperação da ministra que ela continuasse dedicada ao trabalho.
agência estado

Rizzolo: Entendo que o principal é a saúde da ministra. É claro que quem vai determinar o rítmo, são os médicos, e não a classe política. Só faltava, não é ? O câncer atualmente tem tratamento, e as chances de cura são altas, como no caso da ministra. Vamos trocer para que ministra vença a doença. Hoje, a presidente da Casa Hope, Claudia Bonfiglioli esteve no Hospital Sírio Libanês, onde entregou uma carta de soledariedade da Casa Hope, em nome da presidência e das crianças, desejando uma breve recuperação à ministra.