Lula critica viagens de Serra em reunião da base aliada

BRASÍLIA – Um dia depois de pedir paz à oposição, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, do bombardeio dos adversários e pôs na berlinda as viagens do governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Na primeira reunião do ano com o Conselho Político – formado por representantes de 14 partidos da base aliada -, Lula questionou a ida de Serra a Cascavel (PR), na última sexta-feira, onde o tucano participou de um show rural. A oposição critica Dilma porque ela vai a inaugurações de obras. E o que Serra estava fazendo em Cascavel? Que obra o Estado de São Paulo tem lá??, perguntou o presidente, com uma pitada de ironia. Dilma é pré-candidata do PT à sucessão de Lula e deve enfrentar Serra, que pleiteia a indicação do PSDB.

Lula tirou o caráter eleitoral das viagens e afirmou que Dilma, por ser a coordenadora do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tem a obrigação de verificar o andamento das obras. Ao negar que o governo esteja antecipando a campanha de 2010, ele garantiu que o Planalto não se intimidará com as queixas do PSDB e do DEM. Contrariado com as críticas, Lula afirmou que não vai deixar de governar nem de levar Dilma a tiracolo nas viagens por causa da eleição de 2010. Foi nesse momento que citou Serra.

Na sexta-feira, questionada sobre os ataques da oposição, que a acusa de pôr o PAC no palanque, a ministra mostrou que tem recebido treinamento político para escapar das polêmicas. Fui para a cozinha fazer o prato e é natural que esteja presente na hora de servir, reagiu a chefe da Casa Civil. Estou no palanque desde o dia em que lancei o PAC, em janeiro de 2007, pois minha atividade no palanque é intrínseca à minha função. Este governo tem a mania de falar com o povo. Tem gente que não gosta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Rizzolo: A verdade é que a campanha para 2010 já começou, tanto o PT quanto o PSDB – este ainda tímido já se articulam e vendem as imagens dos candidatos. O problema é que o PT já tem candidato definido, e o PSDB como sempre, ainda vive a ” síndrome da divisão interna”, aliás parece que existes dois ” PSDBs”, o do Serra e o do Aécio.

Os argumentos Lula são válidos, ou seja, questões de “cunho interpretativo”. Já o governador de São Paulo, José Serra, informou aos dois principais dirigentes do PSDB que aceita medir forças com o governador de Minas, Aécio Neves, numa eleição prévia para 2010. É bom resolver logo isso, Dilma já está na frente, pelo menos na campanha.

Serra: governo Lula faz menos do que mostra propaganda

SÃO PAULO – O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), disse hoje que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) investe menos no País do que faz parecer nas propagandas. Em discurso para anunciar o repasse de R$ 13,4 milhões para reforma de postos de saúde no Estado, Serra fez questão de alfinetar o PT. E foi aplaudido pela plateia de mais de 450 prefeitos e secretários de saúde paulistas.

“Setenta por cento dos investimentos do Brasil não são feitos pelo governo federal, mas pelos Estados e municípios”, disse o governador. “Às vezes, com toda essa propaganda, pode se pensar o contrário.” Logo depois, em entrevista, disse que o Poder Federal tem usado de sutilezas para divulgar seus investimentos. “A propaganda não diz que o governo federal faz. Fica implícito.”

O governador tentou se posicionar como o oposto do governo federal nesse quesito, ao afirmar que dava ênfase a programas que “não dão mídia”. “Nada disso (evento com secretários de saúde) é para fazer mídia. É uma reunião de trabalho”, disse. “Não dá notícia, mas melhora muito o atendimento às pessoas.”

Serra fez questão de dizer ainda aos prefeitos e secretários que a verba para reforma de unidades de saúde iria para todos os municípios com menos de 50 mil habitantes no Estado, independentemente da “coloração partidária” de seus dirigentes. “Exatamente ao contrário do que o PT faria”, completou, ponderando nessa crítica, que esse é o comportamento dos petistas no Estado de São Paulo. “Na esfera federal não tem tido esse tipo de problema.”

agencia estado

Rizzolo: A crítica de Serra é procedente, ou seja, setenta por cento dos investimentos do Brasil não são feitos pelo governo federal, mas pelos Estados e municípios, contudo ao olhar do povo, em função à propaganda federal tudo se parace como “vindo do Lula”.

Realmente é difícil a demonstração do que é de quem. Serra está investindo pesado na saúde, aliás o fez muito bem quando como Ministro da Saúde, como a adoção dos medicamentos genéricos e a diminuição de impostos sobre medicamentos de uso continuado, ambas destinadas a reduzir o preço dos medicamentos.

Além disso, foi Serra foi quem revolucionou a campanha contra a Aids, considerada modelo em todo o mundo, e o aumento de equipes dos programas de agentes comunitários de saúde e de saúde da família.