Controlando seu Adolescente

*Por Daniel Schonbuch

Controle

À medida que os filhos se movem da infância para a pré-adolescência, têm uma crescente necessidade de adquirir controle sobre seu ambiente. Para satisfazer essa necessidade, deve-se dar aos adolescentes um poder razoável de fazer opções sobre aquilo que comem, com quem brincam, e em quais atividades extra-curriculares desejam participar. Eles precisam ter a oportunidade de fazer escolhas que acham importantes em diferentes áreas de sua vida.

Os pais podem encontram muitas maneiras de habilitar os adolescentes com segurança, sem permitir que façam opções perigosas. Adolescentes podem fazer escolhas seguras quando compram roupas, planejam viagens em família, ou escolhem seus presentes de aniversário.

Na maior parte do tempo a importância das escolhas não importa; até pequenas decisões podem fazer diferença e permitir que sintam que podem satisfazer seu desejo de controle de forma saudável. Seja comer sorvete de chocolate ou baunilha, a que horas reunir-se com os amigos, ou quais dias são melhores para um passeio em família são igualmente importantes. Embora algumas opções pareçam inconsequentes, o que importa é a sensação que os adolescentes têm de que receberam o poder para optar.

Certa vez aconselhei uma família cujo filho mais velho tinha dificuldade em se sentar por um longo tempo na mesa do Shabat. Como primogênito, ele parecia ter um forte desejo de controle e se sentia velho demais para ficar sentado com seus irmãos e irmãs mais novos. Sugeri ao pai que ele fizesse do filho um parceiro administrando a refeição do Shabat e entregando a ele alguma responsabilidade, como dar presentes aos outros filhos pelo bom comportamento. Quase imediatamente, o adolescente se sentiu valorizado à mesa e ficou mais disposto a participar e apreciar a experiência familiar. Foi dada a ele uma maneira de preencher sua necessidade de controle de modo saudável, o que reduziu o conflito pelo poder à mesa que já durava algum tempo.

O controle também pode ser dado em retorno para um adolescente que aceita maior responsabilidade. Eis aqui algumas sugestões para níveis seguros de controle que os pais podem dar ao seu filho adolescente:

* Para adolescentes que desejam usar o carro: Faça uma lista das atividades de manutenção necessárias, como abastecer, trocar o óleo e checar a pressão dos pneus. Explique que quando você vir que eles são responsáveis pelos cuidados com o carro, você discutirá maneiras de deixá-los usar com maior frequência.

* Para adolescentes que desejam comprar suas próprias coisas: Abra uma conta bancária com eles e estabeleça datas limite para guardar o dinheiro para comprar os itens que eles desejam. Você pode também depositar uma semanada na conta, conforme o comportamento deles em casa.

* Para adolescentes que desejam se divertir mais fora de casa: Faça uma lista de deveres dentro de casa pelos quais eles são responsáveis. Recompense seu desempenho monetariamente ou levando-os para atividades divertidas.

* Para adolescentes que querem comprar muitas roupas: Fixe um valor mensal para roupas, um orçamento, e uma lista de preços das roupas que eles querem comprar.

* Para adolescentes que não gostam da escola e desejam trabalhar: Arrume um estágio após a escola num comércio local ou numa profissão.

*Para adolescentes que não gostam de comer junto com a família: Compre um livro de receitas fáceis e faça-os escrever um cardápio semanal das comidas que preferem. Eles também podem ajudar a preparar as comidas que escolheram.

Quando os pais dão aos adolescentes uma saudável quantidade de controle, estão dando a eles a força para entrar no mundo adulto e assumir responsabilidade pelas próprias ações.

Significado

O quinto pilar do mundo interior é aquilo que o eminente psiquiatra e sobrevivente do Holocausto Victor Frankl chamava de “Desejo por um Significado”. Este desejo por um significado implica querer conhecer os porquês da vida e não apenas os “comos”.

A maioria dos adolescentes tem um enorme desejo de saber por que os eventos estão acontecendo a eles. Na verdade, quando os adolescentes são habilitados com significado e entendem os porquês da vida, são mais capazes de negociar os comos e os muitos desafios que a vida apresenta.

Infelizmente, nosso sistema educacional com frequência nega a necessidade de significado a um adolescente. Nossas escolas tendem a dizer aos nossos filhos o que eles têm de fazer, mas não por que tem de fazê-lo. Quando recebem uma resposta do tipo: “porque eu disse que sim”, eles interpretam que o professor não está interessado naquilo que eles estão sentindo ou naquilo que têm para dizer.

Com isso em mente, os pais precisam gastar muito tempo tentando explicar aos adolescentes os porquês da vida. Por exemplo, quando os filhos se sentem negligenciados pela escola, os pais podem ajudar discutindo com eles como uma escola funciona, as pressões financeiras e de organização que enfrenta, e por que os professores nem sempre podem dar aos alunos a atenção que merecem.

Os adolescentes também se beneficiam ao saber o significado por trás do comportamento dos pais. Se você quer que seu filho adolescente vá cedo para a cama, por exemplo, o motivo que pode dar é que ele trabalhou muito o dia inteiro e precisa dormir cedo. E isso é o suficiente. Pelo menos o seu adolescente sabe o que você espera dele, ou dela: que vá dormir e não pense que simplesmente você não o quer por perto.

Lembro-me de ter chegado em casa após um dia duro de trabalho, encontrando uma casa animada cheia de crianças. Eu disse a eles que precisava de uma folga e que ficaria contente em brincar mais tarde com eles. No passado – antes de eu ter aprendido sobre o desejo interior de meus filhos por um significado – eu teria passado muito tempo explicando a eles como eu me sentia. Após aprender mais sobre o mundo interior deles, eu pude me sentar com meus dois filhos mais velhos e dizer: “Quero que saibam que eu os amo muito, e tive um dia de muita pressão no trabalho. Estou com dor de cabeça e preciso de algum tempo para ler um livro e relaxar. Se vocês me derem um pouco de tempo agora, poderei dar mais tempo a vocês depois. Por favor, brinquem entre vocês por mais meia hora. Então eu vou ajudá-los com a lição de casa e poderemos brincar.” Quando expliquei a eles por que não poderiam ter minha atenção imediata, eles ficaram muito menos ofendidos por eu não passar tempo com eles.

Os pais não deveriam se preocupar por terem de dar a resposta perfeita a cada pergunta ou saber o significado por trás de tudo que acontece na vida. Também as respostas não têm de ser uma prova absoluta no sentido filosófico. Se os pais não sentem que têm as respostas corretas, podem sempre dizer aos adolescentes que gostariam de conversar com um expecialista naquela área ou ler mais sobre o assunto. O elemento chave é conscientizar os adolescentes de que você está interessado no mundo deles e disposto a discutir ideias que estão próximas de seus corações.

Quando se concentram no mundo interior de seus filhos adolescentes, os pais podem criar uma conexão mais profunda e facilitar um maior senso de proximidade. Os benefícios desse novo relacionamento incluem:

*Respeito e confiança mútuos
*Empatia – compreensão de um pelo outro
*Ênfase nas conquistas em vez de nas falhas
*Troca de pensamentos e sensações, em vez de escondê-los e guardar ressentimento

Passar tempo qualitativo juntos
Como parte do seu processo de conectar-se com seu adolescente, um passo importante é passar tempo juntos. Sei que, para muitas famílias, passar tempo com uma criança ou adolescente parece uma tarefa assustadora. Porém, esforçar-se por fazê-lo pode ser importante no sentido de construir o seu relacionamento.

Uma das questões que os pais têm é sobre o que acontecerá se eles passarem tempo sozinhos com um adolescente com quem eles brigam. A resposta com frequência é surpreendente. A maioria dos adolescentes aprecia a ocasião especial de passar tempo sozinho com os pais, especialmente fora de casa. Aconselho muitas famílias que têm gritarias diárias com seus adolescentes, mas quando os tiram de casa, o ambiente emocional pode mudar muito rapidamente.

Durante esse tempo com seu filho, os pais deveriam tentar imaginar que estão saindo para um encontro pela primeira vez. Todos sabem que a primeira vez que as pessoas encontram alguém são cuidadosas com suas emoções. Sabem que têm de ser calmas e prestar atenção especial para não se intrometer nos assuntos privados da pessoa. Há uma espécie de distância saudável que protege as pessoas quando elas se encontram pela primeira vez e as ajuda a manter um senso de respeito e reverência.

Quando esiver sozinho com seu adolescente é importante não repisar os mesmos assuntos pelos quais discutiu em casa. Fale sobre ideias gerais sobre assuntos da atualidade, música, esportes ou sobre os sentimentos de seu filho sobre a vida e os relacionamentos; isso é mais produtivo. A ideia principal é passarem juntos um tempo agradável. Desenvolva a conversa da mesmo maneira que faria com um amigo.

Muitos pais pensam que a única maneira de conseguir que seu filho adolescente passe tempo com eles é comendo fora ou fazendo compras. Porém isso não é totalmente verdade. Sugiro aos pais que se conectem com seus filhos encontrando hobbies e atividades de interesse comum. Por exemplo, minha mulher e eu encontramos um estúdio de cerâmica aqui perto onde pais e filhos podem pintar itens de cozinha como canecas de café e bules de chá que são então produzidos profissionalmente num forno. Pintar cerâmica é uma maneira simples e divertida de passar tempo juntos. Você também pode partilhar aquilo que pintou com o restante da família, algo simbólico da natureza produtiva de passar tempo junto com seus filhos.

Rabino Daniel Schonbuch, MA, é Diretor Executivo da Shalom Task Force e autor de um livro intitulado “First Aid for Jewish Marriages”. Ele tem um consultório particular para Terapia em Casamento e Família e reside em Crown Heights, NY, com sua mulher e filhos.

Fonte: site Beit Chabad

Tenham um sábado de paz !!

Fernando Rizzolo

Resgatando os padrões de beleza

*por Fernando Rizzolo

Bem que tentei lembrar o nome dela – acho que era Carla –, mas onde morava sei exatamente até hoje. De qualquer forma, eu passava em frente à casa dela todos os dias, pois fazia parte do meu trajeto até a universidade. Seu rosto era meigo e seu olhar doce. Na época ela devia ter uns 17 anos. Contudo, quando soube da notícia, confesso que fiquei intrigado. Carla era para mim o tipo de menina bonita, daquelas não muito altas, um pouquinho acima do peso, porém de corpo bonito – o conjunto fazia dela, como disse, uma menina bonita, mas fora dos padrões da mídia.

E foi por causa de tanto assistir à TV, de admirar as modelos magérrimas e de olhos cansados que eu soube que a menina de rosto meigo e olhar doce – a Carla –, por não aceitar seu corpo roliço, seu jeito de ser, seu padrão de beleza genético, fora vítima do que se chama em medicina de anorexia nervosa, uma disfunção caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar que resulta em baixo peso corporal. No caso dela, segundo os médicos, a doença estava ligada a problemas de autoimagem, dismorfia. Carla tinha dificuldade de ser aceita pelo grupo de amigas que seguia um padrão de corpo imposto pela mídia – meninas magras, esqueléticas, com olhar semipálido. E é esse mesmo padrão midiático que determina também a forma como se trata a sexualidade das adolescentes nos dias de hoje.

Cada vez mais, jovens como Carla sucumbem aos padrões determinados pela mídia, submetendo-se a dietas rigorosas, numa condição de não aceitação do próprio corpo, de sua forma de ser. Foi com base nessa problemática que a professora de jornalismo e comunicação de massa da Universidade de Iowa (EUA), Meenakshi Gigi Durham, identificou os mitos criados pela mídia no tratamento da sexualidade, com efeitos nocivos para o desenvolvimento das meninas e a liberdade das mulheres. De acordo com a pesquisadora, é imposto às crianças e às jovens um único padrão de beleza possível. E como a imagem de garotas estampadas nas revistas é irreal as meninas têm que comprar produtos que vão de cosméticos a cirurgias plásticas para atingir a “perfeição” a fim de acompanhar este padrão, enquanto outros aspectos de sua vida são relegados a segundo plano.

O grande desafio atual, não só no Brasil, mas em muitos outros países, é encontrarmos mecanismos de controle da mídia no que concerne a essa massificação padronizada em relação ao tipo ideal do corpo feminino, que visa, acima de tudo, aos interesses corporativos na venda de produtos de beleza, levando jovens adolescentes à busca de um padrão de perfeição subserviente às demandas do mercado, aniquilando o conceito natural de beleza e desestruturando-as do ponto de vista emocional. Carla foi mais uma vítima dessa violência e nem sequer se dava conta de que tinha um rostinho meigo e um corpinho bonito.

Fernando Rizzolo

“Chega de corrupção e rolo para deputado federal Fernando Rizzolo- PMN 3318”