Crise terá longa duração e magnitude inédita, afirma Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta terça-feira que a crise terá longa duração e magnitude inédita, segundo informações da Agência Brasil, órgão de divulgação do governo federal.

“Vamos ter um forte impacto na atividade econômica, na economia real, e no mundo todo vai desacelerar e isso está ficando nítido agora”.

Mantega se disse impressionado como o travamento do crédito pode se transmitir rapidamente para a economia real. Ele lembrou que está prevista uma recessão e até uma retração econômica, que se espera, não se transforme em depressão.

“Esse é um desafio que têm os países avançados. O pacote de medidas adotadas nos Estados Unidos e na Europa apenas mitigou o problema. O problema da liquidez do crédito não está resolvido e portanto vai afetar seriamente a economia real”.

O ministro participa do 3º Encontro Nacional da Indústria (Enai), promovido em Brasília pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
Folha online

Rizzolo: Provavelmente a afirmação do ministro Guido Mantega tem a ver com a confiança do consumidor americano que desabou ao menor nível desde 1967 quando o indicador começou a ser apurado recuando a 38.0 ante 61.2 de setembro e 52.0 das expectativas. O problema principal hoje no Brasil, é a escassez de crédito que afeta a economia real, o que por sua vez, acarretará uma forte retração econômica. Em relação ao câmbio, a situação parece estar mais sob controle, neste segmento a atuação do Banco Central foi fundamental: houve uma intervenção na hora certa, e sua decisão de anunciar que estava preparado para fazer US$ 50 bilhões de swap cambial trouxe certa calmaria ao mercado.

O grande desafio portanto é o crédito que despareceu, principalmente para as pequenas e médias empresas exportadoras, que são as que mais sofrem o impacto. Outro problema que surge no desenlace da crise, é a alta dos estoques e o fato de que todas as expectativas para os próximos meses estão menos otimistas. Contudo, as estratégias do Banco Central nem sempre surgem efeitos desejados, principalmente aquelas em que envolve os banqueiros, que por falta de liquidez açambarcaram o dinheiro do compulsório.

Ora, já era de se esperar que os bancos fossem “passar a mão” nessa dinheirama e aplicar em títulos públicos; desde o início este Blog já previa esta verdadeira apropriação indevida. Ou o presidente Lula tem excesso de boa-fé, ou a equipe econômica ” aprecia a liquidez dos bancos em detrimento ao povo brasileiro “, e isso este Blog já vem afirmando isso há muito tempo.

Não é à toa que o pobre empresário brasileiro da pequena e média empresa se vê em apuros, nas mãos dos banqueiros que além de segurar os recursos que estão sendo liberados pelo Banco Central, estão aumentando absurdamente as suas taxas de juros. Para se ter uma idéia, o desconto de uma duplicata que tinha uma taxa de 1,7% ao mês e agora está em 3,5% ao mês.

Além disso, logo será o governo que enfrentará a redução em suas contas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que o governo cogita a dilatação do prazo de pagamentos de tributos federais, com isso acredito que minhas previsões irão se concretizar, ou seja o PAC, vai empacar e a arrecadação vai despencar. Sei que não é renúncia fiscal, mas pode se transformar num imenso calote. Cuidade que isso é um caminho sem volta, hein !

Publicado em últimas notícias, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias, Política. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Perda de empresas com o câmbio pode chegar a US$ 20 bi, diz Mantega

SÃO PAULO – A Aracruz deve solucionar nos próximos dias o problema de crédito para equacionar o prejuízo bilionário por conta de operações com derivativos de câmbio. A informação foi dada hoje pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que disse que a economia brasileira estaria apta a absorver “com tranqüilidade” um rombo de até US$ 20 bilhões em perdas das empresas com este tipo de instrumento financeiro.

Ele fez questão de salientar, no entanto, que o governo não irá ajudar essas empresas a cobrir seus prejuízos.

“As empresas que ousaram terão que pagar por sua ousadia”, disse o ministro.

Porém, Mantega lembrou que as companhias expostas aos chamados “derivativos exóticos” irão precisar de crédito para zerar os prejuízos e que o papel do governo é irrigar o mercado para que o funding possa ser oferecido.

Sem revelar projeções, Mantega disse acreditar que as perdas anunciadas por Votorantim (R$ 2 bilhões), Aracruz (R$ 1,9 bilhões) e Sadia (R$ 765 milhões) são as maiores do país e que, segundo ele, os “casos menores” estão sendo negociados “em condições normais”.

Mantega informou ainda que o governo vem solicitando informações para a Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), Câmara de Custódia e Liquidação (Cetip) e bancos de empresas na busca do valor total das perdas com derivativos, montante ainda desconhecido.

Folha online

Rizzolo: A situação das empresas que de uma forma ou de outra participaram das operações de câmbio é realmente complicada. Mas é válido dizer que essas operações de venda de dólares via exportação e aplicação no mercado brasileiro, foi sim estimulada pela política econômica de altas taxas de juros. Culpar os empresários, não é uma boa conduta, o empresariado age de acordo com a lógica do mercado. Outra questão é a situação econômica do Brasil que não é nada boa como apregoam os petistas otimistas.

O Brasil lidera com o pior desempenho dentre as economias emergentes, o quadro é o seguinte: houve uma desvalorização de 36,25%, aumento de 190 pontos na taxa do DI janeiro de 2010, 62,63% de queda no valor do Bovespa em dólares e queda do índice de confiança ao menor nível desde 2006 traçam um cenário que não tem respaldo nos fundamentos da economia brasileira, mas, mostra equívocos no enfrentamento da crise em seu início, e de forma alguma justifica qualquer otimismo.

Hoje,o BC anunciou uma nova medida: o banco que antecipar o dinheiro do Fundo Garantidor de crédito terá desconto no compulsório. Enfim mais uma medida, se reunirmos e somarmos tudo que já foi anunciado pelo BC, teremos já um “pacotão”, mas Lula não quer ouvir falar em pacote; provavelmente tem trauma em relação à palavra. Só para terminar, hoje foi a primeira vez desde novembro de 2005 que o mercado brasileiro de ações encerra um pregão abaixo dos 30 mil pontos. Notícia péssima.

Publicado em últimas notícias, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 1 Comment »

Quando o Liberalismo se torna pouco Liberal

Os mais dignos expoentes da teoria marxista, sempre se ativeram ao estudo das mais diversas formas de como a partir do capitalismo, atingirmos um ideal socialista. Para tanto, desde os escritos de ” O Capital” de Marx até os postulados de Lênin, a perspectiva de uma sucessão de ocorrências, e a observação pontual de cada uma delas levaria, segundo eles, a uma convergência ao socialismo; ou em última instância, à uma economia planificada onde o Estado seria a viga mestre da inspiração de uma sociedade mais justa.

Ainda me lembro jovem, como inocênte útil, quando das discussões sobre o papel do Estado se faziam presentes na Universidade ; se éramos surpreendidos com um questionamento liberal ao acaso, a respostas vinham de forma concreta. ” Você está com muitas contradições “, afirmavam os mais velhos socialistas, de olhar sombrio, sobre as velhas cadeiras em reuniões nos chamados ” coletivos”. O tempo passou. E quem diria ? Aquelas contradições, a que os mais ferrenhos comunistas se rebelavam, tornou-se hoje o menor caminho entre dois pontos. Entre o liberalismo e o estatismo.

Quando os estudiosos do socialismo poderiam prever que, ao invés das lavagens cerebrais, dos gritos de ordem, das lutas armadas no sentido de combater a exploração do “homem pelo homem”, aquelas idéias liberais reacionárias, poderiam se tornar o melhor instrumento para um repensar no papel do Estado na sociedade liberal ?

A regulação dos setores financeiros pelo Estado, sua participação, e seu papel agora apregoados pelos liberais em pânico, surpreenderam a esquerda no mundo. De certo as medidas acabaram ” esvaziando” um pouco a legitimidade ideológica esquerdista, pois que partiu-se dessa feita, a participação do Estado, de uma análise empírica, e até financista, sem nenhum componente propriamente social, mas o pior, de uma visão conservadora de se manter um sistema capitalista em ” frangalhos”.

Uma nova estirpe de economistas e pensadores surgem no esteio pensante de Paul Krugman, Nobel de Economia . A dos economistas que, embora não defendam uma economia planificada, entendem que o mercado não só precisa ser regulado, mas que de certa forma, é incapaz de promover o bem-estar social sozinho. Fico imaginando como seriam as discussões de outrora, se algum comunista sugerisse deixar o mercado à vontade, e tentasse com isso provar que tal medida levaria o liberalismo a o Estatismo. Provavelmente seria fuzilado, ou na pior das hipóteses morto como Trotsky, que por sinal, também jamais ousou pensar nessa teoria, assim ” tão reacionária “. (risos..)

Fernando Rizzolo

Publicado em Artigos de Fernando Rizzolo, últimas notícias, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Confiança do consumidor cai 10% em outubro, diz FGV

Rio de Janeiro – A confiança do consumidor sofreu uma forte queda em outubro, influenciada pelo pessimismo das respostas do brasileiro quanto à situação econômica em sua cidade. É o que revelou o Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que caiu 10% esse mês, após registrar alta de 4,2%, em setembro. O dado foi divulgado nesta quinta-feira, 23, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O índice é composto por cinco quesitos da “Sondagem das Expectativas do Consumidor”, apurada desde outubro de 2002 (com periodicidade trimestral, até julho de 2004, quando passou a ser mensal).

A parcela dos entrevistados que avaliam, atualmente, a situação econômica local como boa caiu de 16,9% para 10,1%, de setembro para outubro, segundo a FGV. No mesmo período, o porcentual dos pesquisados para cálculo do ICC que avaliam a situação como ruim subiu de 34,2% para 48,2%.

A FGV também destacou que, em outubro, houve piora das expectativas em relação aos próximos seis meses. O porcentual de entrevistados que esperam melhora da situação econômica local caiu de 31,3% para 23,1%, de setembro para outubro. A dos que projetam piora, para os próximos meses, subiu de 13,1% para 30,6%, no mesmo período.

Na comparação com outubro do ano passado, o ICC caiu 10,1%. Em setembro, o ICC havia subido 3,4% na comparação com igual período de 2007. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos (sendo que, quando mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), passou de 112,7 pontos em setembro para 101,4 pontos em outubro. Esse foi o menor nível para o índice desde junho de 2006 (101,0 pontos).

Futuro

Na avaliação da FGV, houve piora tanto na avaliação atual do consumidor sobre o cenário de hoje, como em suas projeções para o futuro. O ICC é dividido em dois indicadores: o Índice de Situação Atual (ISA), que caiu 12,7% em outubro ante setembro após elevar-se 7,9% no mês passado, e o Índice de Expectativas (IE), que apurou taxa negativa de 8,5% em outubro, após registrar avanço de 2,1% em setembro. No caso do ISA, em termos de pontuação, o índice passou de 119,3 pontos em setembro para 104,2 pontos em outubro. Já o IE caiu de 109,2 pontos em setembro para 99,9 pontos em outubro.

Ainda segundo a FGV, na comparação com outubro do ano passado, os dois índices componentes do ICC também apresentaram quedas, em outubro deste ano, de 2,3% para o indicador de situação atual; e de 14% para o de expectativas. O levantamento abrange amostra de mais de 2.000 domicílios, em sete capitais, com entrevistas entre os dias 1 e 20 de outubro. Às 11 horas a FGV concede coletiva de imprensa sobre o indicador.
Agência Estado

Rizzolo: É natural que a confiança do consumidor caia em função desta forte crise. O pior desta falta de confiança em relação ao futuro, é que o consumidor não mais investe e tenta se resguardar da crise consumindo menos, o que por conseqüência, acaba gerando mais crise. O temor de recessão segue cada vez maior entre os investidores e contribuiu para o avanço do dólar e o desabamento das Bolsas, nesta quinta-feira, a moeda americana avançou 6,01%, cotada a R$ 2,524 na venda pela manhã.

A grande discussão hoje é a Medida Provisória, as construtoras temem que o governo passe a controlar parte do setor. O que elas querem para passarem bem pela crise é financiamento; bem isso aí todos querem, o setor imobiliário não está por hora em situações de exigir nada, e sim deixar o governo fazer sua parte, como os outros países assim o fizeram, até para evitar um mal maior, e restituir a confiança do investidor.

“Não há bancos quebrando”, diz Mantega ao explicar MP da estatização

Em entrevista coletiva em Brasília nesta manhã, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, explicaram a medida provisória que permite a estatização de instituições financeiras, públicas ou privadas, sediadas no país. Mantega negou que haja bancos brasileiros prestes a quebrar.

“Quero deixar claro que não há banco quebrando. O sistema financeiro brasileiro é um dos mais sólidos do mundo, justamente porque é menos alavancado, mais prudente e mais rentável. Só que isso não o isenta de ter problemas de liquidez. Estamos apenas criando alternativas e irrigando o sistema para que o país não tenha problemas e estamos dando conta disso”, disse Mantega.

Como o governo tem dito que não faria pacotes, mas só tomaria medidas pontuais quando elas fossem necessárias, a autorização para estatização de bancos significaria que já haveria instituições com risco de quebra, diferentemente do que analistas e governo afirmavam antes.

O ministro Mantega foi questionado sobre isso na entrevista. Também foi indagado quais seriam essas instituições que deveriam ser salvas de imediato com a compra estatal.

Ele negou qualquer risco de quebra já. Mantega preocupou-se apenas em dizer que bancos pequenos e médios podem vir a ter problemas de falta de dinheiro em caixa e, por isso, o governo criou as novas medidas.

“A idéia é não interromper a liquidez da economia brasileira. O problema da liquidez está dado. É claro que isso pode trazer falta de liquidez para algumas instituições, de médio porte, de pequeno porte.”

Ele disse que, apesar de não haver bancos quebrando, a medida foi tomada para dar “mais uma alternativa” ao mercado.

Mantega declarou que, apesar da autorização para estatização, isso pode não acontecer. Segundo ele, apenas é uma abertura para interesse das instituições, se for o caso.

O ministro disse que, depois de recuperados, os eventuais bancos comprados poderiam ser revendidos à iniciativa privada, da mesma forma que prevêem os pacotes de resgate da Europa e dos EUA.

Questionado sobre como a sociedade brasileira poderia ter certeza de que essas operações de fusões bancárias seriam transparentes, Mantega afirmou que qualquer negociação desse tipo será realizada com base em regras e preços de mercado.

“Todas as ações que o governo brasileiro está tomando são transparentes. Não demos nenhum subsídio ou socorro específico. Apenas queremos dar alternativas e tranqüilidade para os bancos que possam vir a ter dificuldades. Mas as regras serão claras”, afirmou.

Recursos
A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil possuem recursos suficientes se precisarem fazer compra de outros bancos, segundo Mantega.

“O governo não fará nenhum aporte de capital no BB ou na CEF, porque não é necessário. Eles já têm recursos suficientes”, disse.

Sobre a medida que autoriza os bancos públicos a atuarem em outros segmentos, por exemplo com a compra de instituições previdenciárias, o ministro da Fazenda afirmou que essa operação também é uma forma de elevar a liquidez no país, sem entrar em detalhes.

Folha online

Rizzolo: Como comentei anteriormente, a medida é boa, porém traz no seu bojo a dimensão da crise financeira que atinge certos bancos. Não há dúvida que a medida tem endereço certo, ou seja, muito embora mais uma vez o governo não admita, a extravagância da medida em si denota a preocupação existente. Não há uma explicação plausível para a urgência da medida, a não ser o direcionamento a certas instituições que já estão no fundo do poço e em sentido de espera. Agora a grande incógnita é saber quais são estas que serão beneficiadas; com certeza isso gera mais pânico no mercado e insinua a gravidade da crise. Quando se fala em ” comprar bancos em dificuldade” o investidor e o empresariado entendem o recado, e retraem ainda mais seus investimentos.

A notícia é boa do ponto de vista de manejo da crise, e péssima do ponto de vista do mercado financeiro brasileiro. Em três dias, a moeda subiu 12,52%. No ano, a alta acumulada é de 33,99%, donde se conclui que, “até agora o BC está apenas está enxugando gelo” . Na verdade tenho sérias críticas em relação aos chamados Leilões à vista, ou seja, quando o Banco Central vende dólar físico, queimando as reservas internacionais. É uma operação que não tem volta, portanto, o BC deve tomar cuidado ao se desfazer dos recursos estrangeiros que o País possui, esses leilões, visam principalmente resguardar as empresas que especularam.

Publicado em últimas notícias, Brasil, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Governo autoriza estatização de instituições privadas no País

SÃO PAULO – O governo mostrou mais uma vez seu comprometimento para evitar que a crise financeira atinja com força o Brasil. Nesta quarta-feira, 22, o Diário Oficial da União traz uma medida provisória, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que autoriza o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal a comprarem ações em instituições financeiras privadas. Na prática, a MP permite aos bancos estatizar as instituições com problemas.

De acordo com a medida, os dois bancos federais poderão comprar participações em instituições financeiras, públicas ou privadas, sediadas no Brasil, incluindo empresas dos ramos securitário, previdenciário e de capitalização, entre outras. Além disso, o negócio poderá ser realizado sem qualquer licitação para isso.

A MP 443 autoriza ainda a criação da empresa Caixa – Banco de Investimentos S.A., sociedade por ações, subsidiária integral da Caixa Econômica Federal, com a finalidade de explorar atividades de banco de investimento.

A última determinação da medida, que entra em vigor já nesta quarta, é que o Banco Central poderá realizar operações de swap (contratos que trocam os rendimentos em juros pela oscilação da moeda estrangeira) de moedas com bancos centrais de outros países, nos limites e condições fixados pelo Conselho Monetário Nacional.

O presidente do BC, Henrique Meirelles, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, darão uma entrevista coletiva a partir das 11 horas, na sede do Ministério da Fazenda em Brasília, para explicar a Medida Provisória.

Agência Estado

Rizzolo: A medida é boa e poderá amenizar o problema de falta de liquidez de algumas instituições financeiras. Observem que o problema todo gira em torno da confiabilidade no mercado, quanto mais o governo sinalizar nas propostas que pautam a segurança do financeira, melhor será as reações inclusive na questão cambial, que é alavancada pela especulação. Nesse mesmo esteio de proposta, os bancos europeus agiram para conter a crise. Hoje existe de forma acentuada um caráter endógeno de geração de crises no capitalismo, e demora na participação do Estado como elemento regulador pode causar danos irreparáveis.

Publicado em últimas notícias, Brasil, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, economia, estatização dos bancos no Brasil, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Bolsas asiáticas desabam seguindo perdas de Wall Street

TÓQUIO – As Bolsas asiáticas fecharam em baixa as operações desta quarta-feira, 21, seguindo Wall Street que fechou em queda na terça-feira. O temor sobre a situação da economia americana aumentou depois que um grupo de empresas importantes dos EUA advertiram sobre maiores complicações no futuro por causa da crise.

O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio desabou 631,56 pontos (6,78%), para 8.674,69. Já o índice Topix, que reúne todos os valores da primeira jornada, caiu 67,41 pontos (7,04%), aos 889,23.

Em Seul, o índice Kospi perdeu 61,51 pontos (5,14%), aos 1.134,59. Enquanto que o indicador de valores tecnológicos Kosdaq caiu 15,44 pontos (4,40%), para 335,53.

Os outros mercados ásiaticos também fecharam no vermelho. Hong Kong perdeu -5,42%; Bangcoc -1,95%; Jacarta -4,32%; Manila – 1,12%; Cingapura -4,93% e Xangai -3,58%. A bolsa australiana amargou perda de -3,09%.
Agência Estado

Rizzolo: Os dados concretos de que a economia americana caminha para uma recessão derrubou os mercados, companhias como a Caterpillar, a DuPont e a Sun Microsystems divulgaram na terça-feira resultados piores do que os esperados. Esse fato com certeza repercutirá mal no mercado brasileiro nesta quarta-feira. O nosso problema cambial se agrava, à medida que o crédito escasso e o clima de desconfiança dos empresários brasileiros aumentam. Alguns setores como o imobiliário, já enfrentam dificuldades e o socorro às construtoras ainda parece longe de ser o suficiente.

Ontem Mantega afirmou que o governo não vai arcar com prejuízos de empresas obtidos em operações de derivativos. “Não vamos cobrir nenhum tipo de prejuízo”, afirmou. Segundo ele, essas empresas tiveram lucros nessas operações anteriormente e agora, com a desvalorização do real, tiveram prejuízos, com os quais devem arcar e “seguir a vida”, ou seja, já está de uma forma clara dizendo ao empresariado, ” virem-se”. O governo só esquece que ele também contribuiu para esse quadro, quando “induziu” – do ponto de vista mercadológico -, essas empresas a fazer tais operações face às altas taxas de juros. É como eu sempre digo, a economia vive de ambiente confiável, afirmações como esta apenas pioram o ambiente financeiro.

Publicado em últimas notícias, Brasil, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise na China, crise nos bancos brasileiros, cultura, economia, mundo, News, notícias, política internacional, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »