Lula pede otimismo após queda do PIB, diz empresário

BRASÍLIA – Um dia depois do anúncio da queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 3,6% no último trimestre de 2008, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva citou o exemplo do vice José Alencar, que se recupera de uma cirurgia de retirada de tumores, para pedir otimismo ao mercado e ao próprio governo. Em audiência hoje no Palácio do Planalto com representantes do setor de alumínio, Lula pediu “coragem” aos empresários, segundo Franklin Feder, presidente da Alcoa América Latina e Caribe. “Ele (Lula) disse que o caso do vice deve inspirar os ministros e a iniciativa privada”, relatou Feder em entrevista.

Os representantes da Alcoa, da Albrás e da BHP Billiton disseram a Lula que vão manter um investimento total de R$ 8 bilhões no período 2008 a 2010. Os investimentos, observou Franklin Feder, são de longo prazo, como a construção de usinas de alumínio e hidrelétricas.

A entrevista dos empresários foi organizada pelo próprio Planalto, que, em meio à crise, tenta aproveitar ao máximo anúncios positivos na área econômica. Na conversa com os jornalistas, os empresários, no entanto, não esconderam o desânimo com a queda no preço do alumínio no mercado externo. Franklin Feder informou que a tonelada do alumínio, que era de cerca de US$ 3.400 em julho, desabou para US$ 1.300. “É o menor preço dos últimos 50 anos”, disse. “Temos a crença de que essa crise vai passar; os investimentos são de longa maturação”, completou. “Sabemos que as coisas são difíceis, mas vamos manter o otimismo.”

agência estado

Rizzolo: Ah! Mas com todo o respeito ao presidente, comparar o otimismo pessoal, de caráter personalíssimo de Alencar no enfrentamento da sua doença, com um otimismo econômico, que depende mais do governo do que de Deus, não é aconselhável, e não denota bom senso. A verdade é que o governo demorou muito para admitir a crise, tentou ver até onde ela ia, se comportou de forma refratária em relação a um corte maior nas taxas de juros, enfim só otimismo de nada adianta, muito menos nas comparações no âmbito da saúde. Otimismo demais faz mal a economia. O ministério deveria advertir…