Câmara aprova lei que considera alimentação um direito social

O plenário aprovou, nesta quarta-feira (3), em segundo e último turno, a PEC 47/03, do senador Antonio Carlos Valadares (PSB /SE), que inclui o direito à alimentação como um dos direitos sociais previstos no artigo 6º da Constituição. A proposta vai à promulgação em sessão do Congresso.
Atualmente, o texto constitucional prevê como direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, e a assistência aos desamparados.

Segundo o relator da comissão especial que analisou a proposta, deputado Lelo Coimbra (PMDB/ES), a inclusão atende a tratados internacionais aos quais o País aderiu, garantindo que as ações de combate à fome e à miséria se tornem políticas de Estado e não estejam sujeitas a mudanças administrativas.

Combate à miséria

Coimbra argumentou que a inclusão do direito à alimentação vai garantir a manutenção ou criação de políticas de apoio aos segmentos vulneráveis e também de políticas de combate à miséria.

Entre essas políticas, ele destacou as de renda; de uso de técnicas de produção sustentáveis; de promoção de práticas de boa alimentação; de garantia de água e alimentação em tempos de crise; e do direito à qualidade nutricional dos gêneros alimentícios. (Fonte: Agência Câmara)

Rizzolo: É claro que de forma mais genérica o direito à alimentação já está previsto na Constituição, porem a PEC 47/03, sublinha e reforça esse direito sagrado. Observem que de tudo faz o governo para garantir que os avanços sociais perdurem, mesmo que governos neoliberais voltem ao poder. Aliás esse é no meu entender, o maior receio do povo brasileiro , ou seja um retrocesso social promovido por um governo mais interessado no capital do que nas pessoas.