A Alma da Arte

O Rebe, um educador nato, perguntou ao jovem se ele tinha um passatempo. O rapaz disse que gostava de pinturas. O Rebe então perguntou: “O que é mais preciso, uma fotografia ou uma pintura?”

“Claro que é uma foto,” disse o rapaz. “Uma foto capta exatamente qualquer cena, algo que uma pintura jamais poderia fazer.”

“Qual delas vale mais?” continuou o Rebe a inquirir.

“Uma pintura. Enquanto uma foto custa alguns dólares, uma pintura de uma cena idêntica pode chegar a milhões de dólares.”

“Por quê?” perguntou o Rebe. “Não parece justo. A foto acurada deveria custar mais dinheiro, não?”

“Porque a maioria das fotografias,” explicou o jovem, “são itens inanimados, sem vida. Uma foto capta e congela uma pessoa ou uma cena como é. Por outro lado, uma pintura contém a riqueza da imaginação humana, a profundidade da emoção humana e a estética da criatividade humana. É isso que dá à pintura seu grande valor. É o que chamamos de arte.”

O Rebe sorriu e disse: “Esta é a resposta à sua pergunta. Anjos são fotos, enquanto que os seres humanos são peças de arte.”

Os anjos são criaturas impecáveis; como as fotos, são reproduções perfeitas das realidades espirituais. Como as fotos, jamais erram. Porém é exatamente o drama flutuante da existência humana, o perpétuo conflito entre nossa luz interior e as trevas, e o vazio interior humano procurando significado e verdade – que torna nossa vida, a todo momento, uma obra de arte.

O Báal Shem Tov ensinou que tudo que fazemos é significativo. Cada ação nossa, cada palavra que dizemos, até um simples pensamento que temos, provoca um efeito que reverbera em todos os mundos e através de toda a história. Com todo pensamento e ação, você é capaz de transformar sua vida em arte.

Somente nas câmaras atormentadas do coração humano D’us pode descobrir obras de arte genuínas e inspiradoras. São a bondade e o idealismo que emergem da dúvida e do conflito humano que concedem à humanidade uma dignidade e esplendor que o mais elevado dos anjos
jamais pode atingir.

Fonte : site Beit Chabad

E viva a arte de ser humano !! Prestigiem o Festival de Cinema Francês em São Paulo !!

Tenha um sábado de paz

Fernando Rizzolo

Os Anjos

*Por Moshe Miller

Maimônides escreve que tudo que D’us criou pode ser dividido em três categorias: aquelas que são composto de substância e forma mutáveis; aquelas de forma e substância imutáveis; e aquelas criaturas que são forma mas não substância. Essas últimas são os anjos. Não são corpos nem seres físicos, mas sim formas separadas umas das outras pelos princípios que eles representam. Assim, “forma” nesse caso não significa estrutura dimensional, mas sim um princípio espiritual claramente definido, ou permutação da energia Divina. Anjos… são separados uns dos outros pelos princípios que eles representam.

Os seres angélicos se enquadram em duas categorias gerais – aqueles que foram criados durante os seus dias da Criação (chamados de “anjos ministrantes”) e aqueles que são criados numa base diária para cumprir várias missões neste mundo. Os nomes dos anjos mudam de acordo com sua missão.

Quando os anjos são enviados a este mundo como emissários do Eterno para cumprir uma missão específica, se revestem num corpo formado pelo elemento do ar ou do fogo. Os anjos também podem aparecer na forma humana. Uma vez que tenham completado seus deveres terrenos, eles se despem do corpo e retornam ao antigo estado espiritual.

Existem anjos que habitam cada um dos quatro mundos: Ofanim no mundo de Asiya; Chayot no mundo de Yetzira; Serafim no mundo de Beriya. Também existem anjos no mundo de Atzilut.

Os anjos são ainda subdivididos segundo a sefirá da qual derivam. Os anjos são assim divididos em “campos” segundo a divisão das sefirot. O anjo Michael e seu “campo”, por exemplo, deriva da sefirá de chessed, e o anjo Gabriel e seu “campo” derivam da sefirá da gevura, e assim por diante.

Mais detalhes:
A palavra para “anjo” em hebraico, “malach”, também significa “mensageiro”. Como seu nome em hebraico significa, a natureza do anjo é ser um enviado a certo grau, constituindo então um contato permanente entre os mundos. As missões de um anjo transpiram em duas direções: ele pode servir como um emissário de D’us para o terreno, para outros anjos e criaturas abaixo no mundo de Yetzira, e/ou podem também servir como aquele que leva de baixo na direção do céu, de nosso mundo para os mundos superiores.

A verdadeira diferença entre homem e anjo não é o fato de que o homem tem um corpo, porque a comparação essencial é entre a alma humana e o anjo. A alma do homem é mais complexa e inclui um mundo inteiro de elementos existenciais diferentes de todos os tipos, ao passo que o anjo é um ser de essência única e portanto num certo sentido, unidimensional. Além disso o homem, por causa de sua natureza multifacetada e sua capacidade de conter contradições (incluindo seu dom do poder interior da alma) tem a capacidade de distinguir entre o bem e o mal. É essa capacidade que torna possível para ele elevar-se a grandes alturas, e pelo mesmo critério cria a possibilidade de falhar e retroceder, o que não ocorre com um anjo.

Sob o ponto de vista de sua essência, o anjo é eternamente o mesmo. É estático, uma existência imutável, seja temporária ou eterna, fixado dentro dos limites rígidos de qualidade devido à sua própria criação.
fonte: Beit Chabad

Tenha um sábado de paz !

Fernando Rizzolo

Os Anjos não Deixam Pegadas

Por mais santificados que sejam os anjos, eles o são por terem sido criados desta forma. Sua santidade não é fruto de suas próprias ações. Os anjos não conseguem aperfeiçoar-se. Não se podem tornar ainda mais santificados do que quando foram criados; são estacionários, nem progridem nem retrocedem.

Os seres humanos, por outro lado, não são criados com santidade. Pelo contrário, são criados com um corpo físico que tem fortes impulsos e desejos de agir em total contraste com a santidade. Quando os homens exercem controle sobre suas urgências físicas e agem de acordo com a moral e a ética, tornam-se espirituais e santificados por obra de seu próprio empenho e mérito.

Contrapondo-se aos anjos que são estacionários, os seres humanos caminham, podendo, portanto, progredir. É por esta razão que os ensinamentos de nossa Torá nos dizem que os homens são superiores aos anjos. Quando as pessoas progridem espiritualmente, elas causam forte impacto ao ambiente que as rodeia. Sua família, seus amigos e sua comunidade são influenciados por sua espiritualidade. Eles assim possibilitam que outros sigam seus passos, suas pegadas. Daí o título de meu trabalho, “Os anjos não deixam pegadas”. As pessoas, sim, deixam sua marca.

Uma pessoa pode minimizar o efeito de seus atos. “O que eu fizer não mudará o mundo”. Isto é um grave erro. Se agirmos moralmente e espiritualmente, estaremos elevando o mundo; se nos comportarmos de forma imoral, faremos com que o mundo se degenere.

Nossa responsabilidade, enquanto povo que recebeu a Torá, é a obra de Tikun Haolam, a retificação do mundo. Trata-se de uma assombrosa responsabilidade, mas uma responsabilidade à qual não ousamos nos furtar.

De modo semelhante a outros seres vivos, o homem, por natureza, busca o prazer. Em nome do comportamento ético e moral, com freqüência temos que nos privar de certos prazeres. Nossa mente tem enorme capacidade de racionalização.

O Rei Salomão, em seus Provérbios, diz: “Os caminhos do homem são justos a seus próprios olhos”. Ou seja, conseguimos encontrar justificativa para o que quer que seja de nossa vontade, para o que desejarmos.

Se usarmos nosso intelecto apenas para encontrar formas de aumentar o nosso prazer e justificar nossos atos, seremos exatamente aquilo pelo qual a ciência nos identifica: homo sapiens, animais inteligentes.

A perspectiva da Torá é muito diferente. Estamos aqui para ser criaturas espirituais, cujo comportamento é determinado pelo que é certo ou errado – e não por aquilo que desejamos. Não devemos satisfazer-nos com aquilo que somos. Devemos empenhar-nos em ser aquilo que podemos vir a ser.

Dr. A Twerski
Fonte Beit Chabad

Tenha um sábado de muita paz, e uma semana feliz.

Domingo voltarei ao Brasil, hoje passarei o Shabat na Grande Synagogue de la Victoire em Paris !!

Shabat Shalom !

Fernando Rizzolo