Pacotes nos EUA fracassam em estimular negócios e Bolsas europeias caem

As Bolsas europeias operam em baixa nesta quarta-feira. A aprovação do pacote de estímulo à economia dos EUA no Senado e o anúncio de um novo programa para resgatar o setor bancário americano fracassaram em trazer otimismo para os mercados financeiros.

Às 10h38 (em Brasília), a Bolsa de Londres estava em baixa de 0,39% no índice FTSE 100, indo para 4.196,75 pontos; a Bolsa de Paris caía 0,67% no índice CAC 40, indo para 3.000,57 pontos; a Bolsa de Frankfurt tinha baixa de 0,13% no índice DAX, operando com 4.499,90 pontos; a Bolsa de Amsterdã tinha baixa de 0,19% no índice AEX General, que estava com 250,88 pontos; a Bolsa de Zurique, estava em baixa de 0,65%, com 5.111,14 pontos no índice Swiss Market; e a Bolsa de Milão tinha baixa de 0,78% no índice MIBTel, que ia para 14.418 pontos.

Na Ásia, as medidas também não animaram os investidores. A Bolsa de Hong Kong recuou 2,46%; a de Xangai caiu 0,19%; a de Sydney (Austrália) perdeu 0,41%; e a de Seul (Coreia do Sul) caiu 0,72%. A Bolsa de Tóquio (Japão) não abriu devido a um feriado. Nos EUA, as duas ações do governo pouco adiantaram para impedir as quedas nos principais indicadores do mercado financeiro americano. O índice Dow Jones Industrial Average, da Nyse (Bolsa de Valores de Nova York, na sigla em inglês), teve queda de 4,62%.

Geithner anunciou ontem um plano conjunto do Departamento do Tesouro, do Federal Reserve (Fed, o BC americano) e do setor privado para resgatar os bancos que tiverem problemas com títulos “podres” (de alto risco de calote). O programa pode movimentar mais de US$ 1,5 trilhão.

A falta de detalhes sobre como funcionará exatamente o plano de resgate dos bancos foi apontado como o fator que causou o desânimo dos investidores. “Não estamos impressionados e o mercado também parece não ter se impressionado”, disse o estrategista Ryan Larson, da Voyageur Asset Management, ao diário “International Herald Tribune”.

“O que estamos vendo (…) é que não há otimismo suficiente no horizonte para uma alta significativa no curto prazo”, disse ao diário, por sua vez, o analista Christoph Riniker, da corretora Julius Baer, em Zurique (Suíça). “Os ganhos que vimos até agora sugerem que 2009 será um ano fraco na maioria dos setores. Ainda há muita incerteza.”

Recessão

Também afeta o humor do mercado financeiro europeu o anúncio, feito pelo Banco da Inglaterra (BC britânico) hoje, de que o Reino Unido está em uma “profunda recessão”. “As projeções mostram que um relaxamento maior da política monetária pode ser necessário. Isso provavelmente vai incluir ações destinadas a aumentar a oferta de dinheiro a fim de estimular a normalização de gastos”, disse o presidente do BC britânico, Mervyn King.

O Reino Unido não deve voltar a apresentar crescimento econômico até o fim deste ano, segundo as projeções do banco. Até lá, a queda nos juros, o aumento da oferta de dinheiro, a queda da libra em relação a outras moedas, os recuos já registrados nos preços das commodities e os esforços combinados no mundo todo para descongelar os mercados de crédito devem começar a dar frutos, segundo o BC britânico.

No mês passado, o ONS (Escritório Nacional de Estatísticas) informou que, no quarto trimestre do ano passado, o PIB (Produto Interno Bruto) britânico registrou uma contração de 1,5% em comparação com o trimestre anterior, período também marcado por um índice negativo. Trata-se da primeira vez desde 1991, depois que a economia do país registrou forte desaceleração nos últimos dois trimestres de 2008, arrastada pela crise financeira global.

O ONS informou hoje que a taxa de desemprego no Reino Unido chegou a 6,3% da população ativa no último trimestre de 2008, segundo dados oficiais divulgados nesta quarta-feira. Trata-se da pior taxa desde 1998. O número de pessoas desempregadas no período aumentou em 146 mil em relação ao trimestre anterior e chegou a 1,97 milhão.
Folha on line

Rizzolo: A forma pela qual a explicação de Geithner foi interpretada causou uma confusão total. O plano é mal redigido e confuso, o que levou o mercado a interpretá-lo como pouco transparente. A intenção de fazer com que os bancos passem por um teste de estresse, para ver se estão com saúde financeira para receber uma injeção de capital público, é complicada, até porque o que poderia ocorrer se tal não passasse no teste? O problema é a total falta de transparência num governo em que prometeu ser claro e cristalino. Só conversa, viu!

Problemas na economia global se aprofundam

LONDRES – Dados econômicos desanimadores na Europa e números frustrantes de vendas do varejo em dezembro nos Estados Unidos abatiam os mercados financeiros nesta quinta-feira e aumentavam o espaço para mais estímulo dos governos e cortes de juro.

O Banco da Inglaterra, que cortou a taxa básica de juro de 2,0 por cento para o patamar recorde de 1,5 por cento, avaliou que a economia mundial parece estar passando por um raro declínio sincronizado.

“Medidas para a confiança do empresário e do consumidor fracassaram notavelmente. O crescimento do comércio mundial neste ano tende a ser o mais fraco por um tempo considerável”, informou o Banco Central britânico em comunicado.

O Wal-Mart, maior varejista do mundo, divulgou vendas fracas em dezembro e cortou sua previsão de lucro trimestral, enquanto muitos outros varejistas também advertiram que seus lucros podem ser piores que o esperado no quarto trimestre, que inclui a temporada-chave de compras de fim de ano.

A Comissão Européia divulgou mais cedo que a confiança nos 15 países da zona do euro caiu para patamar recorde de baixa em dezembro, em meio ao aumento da taxa de desemprego.

A Alemanha mostrou que as encomendas no setor manufatureiro caíram mais que o esperado, em 6,0 por cento em novembro, golpeadas pelo colapso da demanda doméstica e externa. As exportações também tiveram baixa recorde em novembro, enquanto a demanda por veículos e outros produtos de grande peso recuou.

A maior economia européia e maior exportadora do mundo divulgou a maior queda mensal em suas exportações desde sua reunificação em 1990, levando o euro a cair frente o dólar.

Os dados econômicos pessimistas também devem reforçar as expectativas de uma redução profunda do juro pelo Banco Central Europeu (BCE) no dia 15.

Enquanto isso, o número de desempregados na Espanha superou 3 milhões pela primeira vez e as perspectivas são de uma piora desses dados em 2009, segundo o governo.

Por outro lado, o número de trabalhadores norte-americanos que deram entrada em novos pedidos de auxílio-desemprego caiu inesperadamente em 24 mil na semana passada, mostraram dados do governo.

O número de pessoas que continuam recebendo o benefício, no entanto, aumentou para um novo recorde em 26 anos.

Os dados de auxílio-desemprego não foram suficientes para amenizar os temores de que um relatório mais abrangente, que será divulgado pelo governo na sexta-feira, pode mostrar a maior queda nos números de emprego em 59 anos.

Agência Estado

Rizzolo: Os dados econômicos não mentem a Alemanha por exemplo, divulgou que em novembro houve uma redução de 10% nas exportações na comparação com outubro. As importações também caíram 5,7%. Isso fez com que o superávit comercial do país, que é o principal motor da Europa, despencasse de 16 bilhões para 9 bilhões de euros. Restultado muito pior que a estabilidade prevista pelos economistas.

Também em novembro, o desemprego na Zona do Euro subiu para 7,8%. Na Espanha, a taxa está acima de 13%, o que siginifica mais de 3 milhões de pessoas desempregadas. Para se ter uma idéia do tamanho do problema, quase 1 milhão de pessoas perderam o emprego ao longo de 2008. Já no Japão, a empresa de componentes eletrôncios TDK anunciou que vai demitir 8 mil pessoas de suas fábricas no exterior.

No que diz respeito ao Brasil, segundo o Financial Times, o Brasil está ” bem colocado” para enfrentar a crise, há um ano o Brasil parecia a muitos investidores “como um modelo de descolamento (decoupling)”, explicando que o sistema financeiro do país “tinha pouco contato com a crise do subprime dos Estados Unidos ou investimento bancário no mundo desenvolvido”. Isso pode ser verdade em parte, contudo hoje o Brasil passa por uma crise de confiança principalmente em alguns setores como o imobiliário, que sofre com a crise que atinge as construtoras, um problema sério e preocupante.

Iochpe confirma demissão de 1.100 na divisão ferroviária

O diretor de Finanças e de Relações com Investidores da Iochpe Maxion, Oscar Becker, confirmou hoje que a empresa iniciou um processo de ajustes no quadro de pessoal que deverá demitir 1,1 mil funcionários da divisão de vagões ferroviários, que tem atualmente 4 mil empregados. Considerando a divisão de produtos automotivos, a companhia emprega cerca de 10 mil funcionários. Segundo o executivo, a empresa, que tem capacidade para produzir 10 mil vagões por ano, concedeu férias coletivas de 30 dias para os funcionários em meados de dezembro para adequar a produção à redução do mercado brasileiro, onde os principais clientes são a Vale, MRS e ALL. A companhia encerrou 2008 com 4.615 entregas realizadas e mantém em carteira pedidos para 446 vagões para 2009. “Esperamos que até o final de março já possamos ter uma visão melhor de como deverá ficar esse mercado neste ano”, disse.

Agência Estado

Rizzolo: A Iochpe-Maxion afirma que motivo é a crise que afeta o setor siderúrgico. Segundo a empresa, a situação será muito ruim, com uma queda estimada na produção de 60%. A Iochpe-Maxion produz vagões comerciais do Brasil e seus principais clientes são a Vale e as empresas de siderurgia, que estão enfrentando queda forte de produção. Isso vem de encontro aos prognósticos, na verdade a produção industrial em novembro, divulgada ontem pelo IBGE, foi de 5,2%. O número de outubro foi revisto e, por isso, a queda em dois meses foi de 7,8%: uma queda do mesmo tamanho da que aconteceu em nove meses no ano de 2003. Vai mal não é ?

Produção industrial tem maior queda em 13 anos, aponta IBGE

RIO – A produção de veículos automotores no País caiu fortemente em novembro e puxou a atividade da indústria brasileira para baixo no mês. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira, 6, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção industrial caiu 5,2% em novembro ante outubro, a maior queda desde maio de 1995. Em outubro, a produção já havia recuado 2,8%, segundo dados revisados pelo IBGE.

O setor de veículos foi afetado pelo agravamento da crise financeira mundial, que gerou uma escassez de crédito no mercado internacional e afetou o consumo de bens duráveis. Para ajustar os estoques à nova demanda – menor que a registrada até setembro -, a indústria teve que diminuir o ritmo. Muitas montadoras concederam férias coletivas para seus funcionários, tanto no Brasil quanto em diversos outros países do mundo.

A produção do setor caiu 22,6% em novembro ante outubro e recuou 18,3% na comparação com novembro do ano passado, representando o principal impacto negativo para a produção industrial em todas as bases de comparação.

Outros impactos negativos importantes, em novembro ante outubro, vieram de máquinas e equipamentos (-11,9%), edição e impressão (-14,8%), indústrias extrativas (-10,9%) e metalurgia básica (-10,2%). Na comparação com novembro de 2007, outros impactos importantes foram dados por produtos químicos (-13,0%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (-20,5%) e máquinas para escritório e equipamentos de informática (-29,7%).

Categorias

Com um tombo expressivo de 20,4% no segmento de bens de consumo duráveis, todas as categorias de uso pesquisadas pelo IBGE registraram queda na produção em novembro, na comparação com o mês anterior.

Entre os bens de capital – que sinalizam os investimentos -, o recuo foi de 4,0%, enquanto houve declínio de 3,9% em bens intermediários. Em bens de consumo, a queda foi de 4,9% e em bens de consumo semi e não duráveis, de -0,7%.

Comparação anual

Na comparação com o mesmo período de 2007, o quadro foi ainda pior. A produção de novembro ficou 6,2% abaixo do verificado em novembro de 2007. Essa foi a queda mais acentuada, neste tipo de comparação, desde os 6,4% de retração registrados em dezembro de 2001, “evidenciando um aprofundamento do ritmo de queda da atividade e um alargamento do conjunto de segmentos com decréscimo de produção”, afirmou o IBGE.

Avaliando o comportamento da indústria por categorias de uso, apenas os bens de capital sustentaram um ritmo de expansão na comparação anual, com alta de 3,6%. A produção de bens de consumo duráveis caiu 22,1%, seguida por bens intermediários, com queda de 7,5%, e bens de consumo semi e não-duráveis, com retração de 2,8%.

Apesar dos fracos números, a indústria brasileira ainda acumula de janeiro a novembro um avanço de 4,7% na produção. Nos últimos 12 meses, a alta acumulada foi de 4,8%, acrescentou o IBGE.

Agência Estado

Rizzolo: Os dados do IBGE não mentem, a economia brasileira está sendo afetada de forma nada branda como alguns insistem em dizer. A queda na produção industrial de 5,2% em novembro ante outubro, denota a dimensão da retração. A política de juros, a escassez de crédito e a falta de confiabilidade são os fatores que contribuem para este quadro.

O cenário para este ano não é nada animador, as commodities ainda serão maioria nas exportações, mesmo com a queda das cotações. Mas esta queda nas cotações vai reduzir as exportações dos países da América do Sul e, em consequência, vai provocar uma redução de 15% nas exportações do Brasil para a região.

Haverá também uma queda na corrente de comércio de 16,7%, passando de US$ 371 bilhões em 2008, o equivalente a 29,5% do PIB, para US$ 309 bilhões em 2009, representando 24,8% do PIB. Realmente não dá para ser otimista.

Inadimplência dos consumidores atinge maior nível desde 2003

BRASÍLIA – A inadimplência dos consumidores chegou a 7,8% em novembro, o maior nível desde agosto de 2003, segundo dados do Banco Central divulgados nesta terça-feira, 23. A taxa entre as pessoas jurídicas foi de 1,7% no mesmo período, resultando em uma inadimplência total do crédito livre estável em 4,2% no mês.

Em entrevista para comentar os dados, o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, ressaltou a importância da inadimplência para pessoas físicas. “Este é um dado que tem que se observar porque vem aumentando”, afirmou. Em 12 meses, a inadimplência teve recuo de 0,3 ponto porcentual.

Cenário para 2009

O aumento da taxa de inadimplência prevista para 2009 não preocupa a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Segundo o economista-chefe da entidade, Rubens Sardenberg, a manutenção do crescimento da economia brasileira no próximo ano, mesmo que em proporção menor do que a registrada em anos anterior, fará com que o indicador apresente expansão menos abrupta do que poderia ocorrer em cenários de forte queda na atividade industrial. A Febraban prevê que a taxa de inadimplência em 2009 atingirá 4,88%, acima da marca de 4,2% registrada este ano.

“Haverá um salto, mas é importante destacar que essa variação levará o indicador para nível próximo do visto em 2007, de 4,71%”, afirmou o executivo, durante apresentação realizada na sede da entidade, em São Paulo.

Para Sardenberg, o cenário para 2009 pode ser considerado positivo. “O número (de inadimplência) está dentro da expectativa e acho que não compromete a saúde do sistema”, destaca.

Na visão da Febraban, o aumento da taxa de inadimplência deverá refletir os prazos menores das operações de créditos disponíveis no mercado. Outro fator determinante para esse indicador, segundo Sardenberg, é o cenário de emprego e renda no País.

Agência Estado

Rizzolo: O pior nesse cenário de aumento na inadimplência, é o apregoamento por parte do governo no consumo. Com isso poderemos criar um contingente de inadimplentes no próximo ano. Acredito que a cautela nesse cenário crítico da economia, é primordial; incitar a população a consumir mais, à primeira vista, pode parecer bom, mas se capacidade de renda cai com o desemprego, nos veremos numa inadimplência terrível. Entendo esta política um pouco perigosa face ao processo econômico em que passamos. Enfim tudo em nome da popularidade, não é ?

Dólar descola de cenário externo e fecha em alta

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em alta de quase 1 por cento frente ao real nesta segunda-feira, mesmo com um leilão do Banco Central e o cenário mais otimista nos mercados globais.

A moeda norte-americana fechou na cotação máxima do dia, de 2,50 reais, com avanço de 0,81 por cento.

Nos primeiros negócios, o dólar chegou a cair quase 2 por cento seguindo o otimismo disseminado pelos mercados a partir da expectativa de um pacote de investimento do governo dos Estados Unidos em infra-estrutura e de ajuda a montadoras.

Na segunda parte da sessão, entretanto, o mercado de câmbio reverteu a tendência, dando margem para a realização de um leilão de venda de dólares pelo Banco Central.

“Acho que o mercado estava chamando o BC”, afirmou o diretor de câmbio de uma corretora em São Paulo que preferiu não ser identificado.

Analistas têm apontado como principal causa da forte volatilidade apresentada pelo mercado de câmbio nos últimos dias uma espécie de “disputa” entre investidores e BC, num contexto de saída de recursos.

“Tem um componente bastante forte: os investidores estrangeiros, que apresentam uma posição muito elevada apostando no dólar pressionado”, observou Hélio Ozaki, gerente de câmbio do banco Rendimento.

Segundo os dados mais recentes atualizados pela BM&F, os investidores estrangeiros sustentavam mais de 13 bilhões de dólares em posições compradas no mercado futuro de dólar. Na prática, essa exposição significa uma aposta na alta da moeda norte-americana.

Ainda nesta segunda-feira, o Banco Central realiza uma pesquisa de demanda para a realização de um eventual leilão de contratos de swap cambial na terça-feira, com o objetivo de rolar um lote de contratos que expira no início de janeiro.

Folha online

Rizzolo: O governo não está conseguindo controlar o alta do dólar. Em relação à flutuação cambial, não é verdadeira a idéia de que, em qualquer circunstância, um país pode ter vantagens com o câmbio flutuante. A China, por exemplo, que teoricamente sofreria mais com a crise internacional que o Brasil, pois sua economia depende mais das exportações, tem a vantagem de sua moeda não ter sido desvalorizada frente ao dólar nesta crise. Foi a única moeda dos países emergentes. A crise atual está colocando em xeque o próprio sistema de câmbio flutuante adotado pelo Brasil. O problema não é a flutuação, mas a forte volatilidade que está ocorrendo.

Crise global pode elevar Brasil a 8ª economia do mundo

– A crise econômica global pode elevar a economia brasileira da décima para a oitava posição no ranking das maiores economias do mundo, segundo um estudo divulgado nesta semana pela consultoria britânica CEBR (Centro para Pesquisas Econômicas e de Negócios).

De acordo com o estudo, que faz previsões sobre o comportamento das principais economias do mundo neste e no próximo ano, o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil ultrapassaria os PIBs de Espanha e Canadá, dois países fortemente atingidos pela crise.

O CEBR prevê uma queda ligeira do PIB brasileiro entre 2008 e 2009 em dólares (de US$ 1,7 trilhão para US$ 1,6 trilhão), mas ainda assim bem menor do que a maioria das principais economias globais.

O estudo prevê ainda uma queda acentuada da Grã-Bretanha no ranking das maiores economias globais, da quinta para a sétima posição, e do Canadá, que passaria da nona para a 13ª posição.

Além do Brasil, a Índia também ganharia duas posições no ranking entre 2007 e 2009, tornando-se a décima maior economia mundial em termos absolutos.

Ajuste

O estudo do CEBR não leva em consideração a chamada “paridade do poder de compra”, que ajusta os valores absolutos do PIB de acordo com o custo de vida em cada país.

No ranking das maiores economias do mundo feito pelo Banco Mundial, levando em consideração a “paridade do poder de compra”, o Brasil já seria hoje a nona economia do mundo, pouco atrás da Grã-Bretanha.

Se esse ajuste for levado em consideração, a economia brasileira poderá ultrapassar a da Grã-Bretanha até 2009, segundo a análise do CEBR.

Mais prejudicadas

O CEBR prevê que as economias da Grã-Bretanha e da Itália devem ser as mais prejudicadas pela atual crise econômica. Segundo o estudo, os PIBs de ambos países devem levar 18 trimestres para retornar ao nível registrado no pico.

A Espanha teria 16 trimestres com o nível econômico abaixo do pico, a Alemanha passaria 14 trimestres nessa situação e o Canadá, 12. No caso dos Estados Unidos, a retomada econômica seria mais rápida, com nove trimestres nos quais o PIB ficaria abaixo do seu maior nível já registrado.

O Brasil, por sua vez, seria um dos menos atingidos, passando dois trimestres com seu PIB em dólares abaixo do nível registrado no pico, segundo o estudo.

Das dez maiores economias atualmente, apenas a China escaparia de uma queda no PIB. BBC Brasil / Agência Estado

Rizzolo: É uma ótima notícia só que em face à crise mundial. Ainda temos muito que se fazer no Brasil, muito embora melhores que outros, o maior problema atualmente, são as despesas públicas de custeio e de pessoal que subiram muito nos últimos anos, criando uma restrição fiscal ao aumento do investimento público como forma de ajudar a reativar a economia. A promessa do presidente, de não gastar um centavo de custeio, chega tarde e há aumentos salariais já garantidos aos funcionários públicos, que vão elevar em R$ 40 bilhões a folha salarial nos próximos anos.