Coreanos homenageiam o líder Kim II Sung, fundador da República Popular Democrática

No 13º aniversário do falecimento do presidente da República Popular Democrática da Coréia, Kim Il Sung, no dia 8 de junho, a população de Pyongyang e de toda a nação homenageia o grande líder, lembrado como uma das maiores figuras da história da Humanidade. Dedicou cada instante de sua vida desde os 13 anos de idade à Coréia Socialista.

O Patriarca da nação coreana, nascido em 15 de abril de 1912, foi o líder que comandou a heróica luta pela independência do país, dirigiu a revolução que expulsou os invasores – japoneses e depois ianques, detentores de duas poderosas máquinas de guerra – e comandou a construção do socialismo até 1994, ano de seu falecimento.

Kim II Sung comandou a revolução que derrotou os invasores japoneses depois de um duro embate iniciado com ações de guerrilha a partir da região ao redor do monte Bektu e prosseguiu com a grandiosa “Árdua Marcha”. A Coréia conquistou essa gigantesca vitória quando seu líder tinha apenas 33 anos. Fortalecido e com o povo coreano organizado e consciente, Kim II Sung liderou a luta contra a agressão norte-americana, que se seguiu imediatamente à expulsão dos japoneses e durou de 25 de junho de 1950 a 27 de julho de 1953.

Mobilizando milhões de coreanos para combater o invasor, numa atuação precisa e firme, o Exército Popular repeliu as tropas ianques até o extremo sul da península, obrigando-os a assinar um acordo de armistício com a Coréia.

Após derrotar todas as tentativas norte-americanas e japonesas de submeter a Coréia Popular aos seus ditames, Kim II Sung construiu, junto com o bravo povo coreano, uma poderosa e pujante economia, superando a penúria que os invasores – que queriam saquear as riquezas da Coréia – haviam deixado.

REUNIFICAÇÃO DA CORÉIA

O líder coreano legou ao seu povo os princípios do seu anseio mais profundo, superar a divisão causada pela guerra e garantir a reunificação da Pátria, hoje firmemente defendida pelo dirigente Kim Jong II e pelo partido do Trabalho de Coréia, enfrentando a política imperial de Bush. A questão militar foi outro fundamental aspecto que Kim II Sung resolveu na RPDC. Quando a revolução coreana atravessava duras provas, o dirigente levantou a bandeira do Songun que determina a importância decisiva das Forças Armadas para defender a soberania.

O Exército Popular, criado em 1942, e comandado pelo grande líder político e militar, cresceu, se integrou com o povo e é a garantia do desenvolvimento da Nação quando a quadrilha belicista que ocupa a Casa Branca ameaça os povos que não se submetem aos seus interesses.

A RPDC tornou-se um país soberano, independente e culto. Desenvolveu uma poderosa tecnologia e a ciência. Siderurgia, máquinas-ferramentas, robótica, computadores, locomotivas, navios, veículos, eletroeletrônica, aviões, tecnologia nuclear para fins pacíficos e para dissuadir as ameaças do Império, química e aços finos, metalurgia não ferrosa, biotecnologia. Assim é a moderna economia norte-coreana.

Há mais de cinco décadas a linha mestra que vem sendo aplicada sob comando de Kim II Sung e, depois de sua morte, de Kim Jong II, é a do desenvolvimento auto-sustentado, com domínio da técnica mais avançada, em beneficio de seu povo e integrado com a manutenção da indispensável capacidade de defesa do país, aplicando. Saiu da condição de um país escravizado pela ocupação japonesa para se tornar soberano, auto-suficiente e pujante.

VITÓRIAS HISTÓRICAS

Teria sido impossível ao povo coreano ter enfrentado os agressores e alcançado as históricas vitórias contra os imperialistas japoneses e norte-americanos, sem que tivesse posto como principal a conquista da independência ideológica. O amor pela Pátria, pelos seres humanos, é, ao mesmo tempo, a fonte e o resultado dessa consciência.

Numa frase, poderia se dizer que a contribuição de Kim II Sung à Humanidade foi sublinhar, como ninguém antes dele, o papel decisivo e imprescindível da consciência e da unidade na luta pela libertação do jugo imperialista, contribuição que ele deu com seus escritos teóricos, desenvolvidos depois por Kim Jong II – seu filho e sucessor -, e com sua vida, encabeçando o combate vitorioso contra os ocupantes da sua Pátria; como governante, dirigente do Partido do Trabalho da Coréia e fundador da República Socialista na Coréia.

Hora do Povo

Rizzolo: Essa é a trajetória de um povo com determinação que não se deixou abater, expulsou os invasores – japoneses e depois os americanos; da condição de um país escravizado pela ocupação japonesa para se tornar soberano, auto-suficiente. Pena que o regime de transformou numa ditadura da pior espécie.