Dieese: criação de vagas em SP foi recorde em outubro

SÃO PAULO – A região metropolitana de São Paulo registrou a criação de 162 mil novas vagas de emprego em outubro, na comparação com setembro, de acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), divulgada hoje pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Este foi o melhor resultado para um mês de outubro desde que a PED começou a ser realizada na região, em 1985.

“O número é inédito e inesperado para esse período”, afirmou Alexandre Loloian, coordenador da equipe de análise da PED. Na comparação com o mesmo período do ano passado, houve crescimento de seis mil postos de trabalho. O nível de ocupação na região cresceu 1,8% em outubro, para 9,194 milhões de pessoas. Já a taxa de desemprego caiu para 13,2%, ante 14,1% em setembro.

Em termos proporcionais, a indústria foi o setor que mais criou empregos em outubro, de acordo com a PED. A ocupação na área aumentou 2,4% em outubro ante setembro, embora tenha registrado queda de 7,4% na comparação com o mesmo período do ano passado. “A indústria de São Paulo é muito voltada para a exportação”, explicou Loloian. E, segundo ele, a indústria metal-mecância (de máquinas e equipamentos) ainda não se recuperou totalmente da crise.

Comércio e serviços

O setor de comércio praticamente equiparou o nível de ocupação com 2008 ao registrar crescimento de 1,8% em outubro ante setembro. No setor de serviços, que mesmo durante a crise vinha mantendo o nível de emprego, o crescimento foi de 1,6%. O setor representa mais de 50% da força de trabalho da Região Metropolitana de São Paulo. Nos demais setores, a elevação foi de 1,9%.

O coordenador da PED chamou atenção para o fato de o número total de trabalhadores assalariados ter crescido 2,7%, devido ao aumento do setor privado (189 mil novas ocupações). Essa alta mais que compensou a redução de 24 mil empregos no setor público. “O número de bons empregos aumentou”, afirmou Loloian. O rendimento médio dos assalariados, no entanto, caiu 1,0% ante setembro.

Regiões

O recorde de empregos criados em outubro na Região Metropolitana de São Paulo também gerou um resultado histórico no conjunto das seis maiores regiões do País, que inclui ainda Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Recife (PR) e Distrito Federal.

O emprego aumentou no conjunto das regiões com a criação de 225 mil novas vagas de trabalho, o melhor resultado da série histórica das seis regiões, iniciada em 1998. Por conta disso, a taxa de desemprego recuou para 13,7% em outubro, ante 14,4% em setembro. De acordo com Patrícia Lino Costa, economista do Dieese, a taxa de outubro é a menor do ano desde janeiro, quando esteve em 13,1%.
agência estado

Rizzolo: É um número excelente. Na verdade vários fatores contribuíram para esse dado, primeiramente a volta da confiança nos índices econômicos, a retomada nas exportações, e a proximidade do Natal. A confiança do empresariado na economia, faz a retomada das contratações, o que na realidade gera um ciclo virtuoso de maior consumo e renda. Medidas como isenção do IPI para alguns segmentos também contribuiu para um aumento indireto de criação de vagas.

Inflação para mais ricos supera a dos mais pobres em maio

SÃO PAULO – A taxa de inflação para a população de maior poder aquisitivo foi mais expressiva do que a verificada para a população de menor renda na capital paulista em maio. Conforme levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) por meio do Índice do Custo de Vida (ICV), enquanto a variação média do indicador foi de 0,23%, o indicador específico para os mais ricos registrou taxa de 0,29% e o que engloba o custo de vida dos mais pobres apresentou variação de 0,17% no mês passado.

Além do ICV geral, o Dieese calcula mensalmente mais três indicadores de inflação, segundo os estratos de renda das famílias da capital paulista. O primeiro grupo corresponde à estrutura de gastos de um terço das famílias mais pobres (com renda média de R$ 377,49); e o segundo contempla os gastos das famílias com nível intermediário de rendimento (renda média de R$ 934,17). Já o terceiro reúne as famílias de maior poder aquisitivo (renda média de R$ 2.792,90).

No primeiro grupo, o ICV de maio foi 0,32 ponto porcentual inferior à variação de 0,48% de abril. No terceiro, de maior renda, a taxa de inflação foi 0,04 ponto mais elevada do que a do mês anterior, de 0,25%. No grupo intermediário, o ICV passou de 0,36% para 0,14% entre abril e o mês passado.

De acordo com o Dieese, os reajustes ocorridos no grupo Despesas Pessoais – que subiu 6,65% e representou 0,25 ponto porcentual do ICV geral – tiveram origem no aumento dos cigarros (16,24%), em resposta à alta da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Para o instituto, esta política tributária foi “extremamente regressiva” para a renda familiar, trazendo um agravamento da inflação maior para o grupo de menor poder aquisitivo, do primeiro e do segundo estratos, com contribuições no cálculo de suas taxas de ICV de 0,40 ponto porcentual e de 0,30 ponto, respectivamente, em relação à do terceiro estrato, cuja representação foi de 0,19 ponto porcentual.

Em contrapartida, a taxa média elevada de 0,45% do grupo Habitação foi consequência, segundo o Dieese, do aumento no item Serviços Domésticos e Condomínio, que resultou em maior contribuição, de 0,17 ponto porcentual, no cálculo da taxa do terceiro estrato. No primeiro estrato, a Habitação gerou até um alívio, de 0,01 ponto, enquanto, no intermediário, a contribuição foi de apenas 0,02 ponto porcentual para o ICV destas famílias.

Em Saúde, o subgrupo Assistência Médica foi o responsável pela alta média de 0,27% deste grupo, uma vez que os medicamentos e produtos farmacêuticos indicaram ligeira deflação em seus valores. Dada a forma de despender das famílias de maior poder aquisitivo, estas foram mais impactadas por estes aumentos, que contribuíram com 0,05 ponto no cálculo de sua taxa, em relação aos dos demais estratos: de 0,02 ponto para o primeiro e de 0,03 ponto porcentual para o segundo.

Um grande destaque que ajudou o ICV dos mais pobres foi o comportamento do grupo Alimentação, que apresentou deflação geral de 0,34% em maio. De acordo com o Dieese, a baixa aliviou a inflação das famílias do primeiro estrato em 0,21 ponto porcentual e a do segundo em 0,15 ponto porcentual. Para as dos terceiro estrato, o alívio foi um pouco menor, de 0,05 ponto.

Já o grupo Transporte, que mostrou queda geral de 0,33% no mês passado, amenizou mais a inflação dos mais ricos, em 0,06 ponto porcentual. Para os mais pobres e o setor intermediário, os alívios foram de 0,02 ponto e de 0,04 ponto, respectivamente.

“As variações de preços em maio afetaram as famílias de forma diversa. As pertencentes ao primeiro estrato foram as mais beneficiadas com as quedas nos alimentos e, por outro lado, as mais prejudicadas pelos reajustes do fumo. As de maiores renda, do estrato 3, foram as mais favorecidas pelas baixas no Transporte e mais afetadas pelos reajustes ocorridos na Habitação e Saúde”, disseram os técnicos do Dieese. “As diminuições de valores dos alimentos, transporte e equipamentos, vieram a beneficiar mais as famílias do segundo estrato, as quais também foram bem prejudicadas com o aumento dos cigarros”, complementaram.

agencia estado

Rizzolo: O fato dos mais pobres terem se beneficiado em relação à inflação, denota que a alimentação está em deflação, e isso é um bom sinal. O grande diferencial desta amostragem, nos remete a uma análise do comportamento econômico virtuoso em relação aos mais pobres, vindo de encontro com a política macroeconômica do governo. A inflação quando atinge as camadas mais pobres, tem seu efeito desastroso, corroendo os salários e desestruturando as políticas de inclusão. Para os pobres é uma notícia boa.