Após eleição, Obama recebe notícias ruins na economia

NOVA YORK – Um dia após sua histórica vitória nas urnas, o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, ouviu apelos por medidas urgentes contra a crise financeira global ao receber na quarta-feira notícias negativas sobre o nível de emprego e o setor de serviços.

Obama, primeiro presidente negro do país, ouviu um coro de congratulações do mundo todo, mas também alertas sobre a iminência de uma recessão global, que deve dominar os primeiros meses do seu governo, a partir de 20 de janeiro, junto com as guerras do Afeganistão e Iraque.

Investidores e líderes mundiais manifestaram esperança de que Obama possa guiar a comunidade internacional, enquanto os mercados aguardam avidamente o anúncio do novo secretário do Tesouro, que será responsável pela execução de um pacote de 700 bilhões de dólares para a compra de ativos podres e a recapitalização de instituições financeiras.

“O presidente-eleito terá de agir rapidamente para garantir uma transição suave e rápida. Suas primeiras nomeações devem focar na equipe econômica”, disse Mohamed El-Erian, executivo-chefe do fundo de investimentos Pimco, que administra uma carteira de 830 bilhões de dólares.

Entre os nomes mais cotados para o cargo estão Lawrence Summers, que já o ocupou; Paul Volcker ex-presidentes do Federal Reserve (Banco Central); e Timothy Geithner, presidente do Federal Reserve de Nova York.

Obama propõe um novo pacote de estímulo econômico, com ênfase para a ajuda a mutuários endividados. A bancada democrata da Câmara também está preparando um segundo plano de incentivo econômico.

“Precisamos de um ‘new deal’ para um novo mundo”, disse o presidente da Comissão Européia (Poder Executivo da UE), José Manuel Barroso. “Espero sinceramente que sob a liderança do presidente Obama os Estados Unidos da América unam forças à Europa para promover este ‘new deal.'”

Os mercados, que estiveram animados no dia da eleição, mudaram de comportamento na quarta-feira. A alta de terça-feira no índice industrial Dow Jones 3,3 por cento, foi a maior já registrada num dia eleitoral nos EUA. Na quarta-feira, esse índice caiu 5 por cento.

O petróleo, que havia subido mais de 10 por cento na véspera, perdeu 7 por cento e foi cotado na quarta-feira a cerca de 65 dólares por barril, devido à redução da demanda e à divulgação de que aumentou o estoque de combustível do governo dos EUA.

O VIX, índice de volatilidade considerado o principal termômetro de Wall Street sobre o medo dos investidores, subiu 15 por cento na quarta-feira, após um declínio similar na véspera.

No primeiro dia de Obama como presidente eleito, foi revelado que foram reduzidos 157.000 postos de trabalho em outubro no setor privado, enquanto as contratações no setor de serviço caíram acentuadamente.

Agência Estado

Rizzolo: Bem, agora que já está passando a festa, as notícias começam a surgir e o mercado internacional começa a se preocupar. Uma coisa é um discurso emocionante, uma promessa ao novo, as propostas de mudança; o novo, o inusitado, atrai e desperta a esperança. Contudo a realidade é bem outra, as promessas feitas ao povo americano, dificilmente serão concretizadas face à crise, e quando alguém faz uso de um discurso populista em época de crise, para apenas ganhar eleições, os pobres se vingam. Na realidade os mercados reagiram mal, nada mudou a não ser uma aposta na capacidade de Obama e sua equipe em cumprir os sonhos prometidos. Será ele capaz? Vamos torcer.

Aposentados ou ortodoxos, judeus da Flórida são disputados na reta final

Chove em Miami Beach, e a cerimônia para lembrar o holocausto de mais de 60 anos atrás tem de ser transferida para a sinagoga, afinal, todos vão se molhar no palco armado em frente do monumento local que lembra a perseguição nazista, uma mão gigante cheia de cadáveres, de uma feiúra que contrasta com o art-deco do distrito.

Na porta do templo, um segurança de quipá na cabeça avisa que não se pode entrar. Diz que ninguém vai falar sobre as eleições presidenciais, que acontecem amanhã. Mas ele acaba falando no assunto em que todos falam nos EUA. “Aqui todo mundo vota em McCain, porque ele defende Israel. Você viu o nome do meio de Obama: Hussein. Isso é árabe”, diz Allon, que prefere não dar o sobrenome.

Miami Beach é o reduto do setor ortodoxo da comunidade judaica da Flórida, uma das maiores dos EUA. Calcula-se que eles representam cerca de 7% dos votos do Estado, que tem um histórico de disputas muito apertadas. Em 2000, a diferença foi de apenas 0,009% em favor de George Bush, e muitos aposentados judeus se equivocaram ao votar porque a cédula era muito complicada, principalmente em Palm Beach.

Estima-se que 80% da comunidade judaica votem em Obama (em 2004 apenas 22% apoiaram os republicanos, 19% em 2000, 16% em 1996 e 11% em 1992). De qualquer forma, se persegue um aumento do perfil mais conservador. Por isso, a campanha é acirrada dos dois partidos. Por um lado, a comediante televisiva Sarah Silverman (tem um seriado que passa no Brasil e já participou de episódios de Seinfield) lançou uma campanha para que os jovens judeus viajem para a Flórida para convencer seus parentes que desfrutam a aposentadoria no calor a votarem no democrata.

“Se Barack Obama não vencer, eu vou culpar os judeus”, diz ela no vídeo de campanha viral na Internet. Ela brinca também que se os avôs dizem que amam tanto seus netinhos, então que pelo menos os escutem. O sul da Flórida é um paraíso para os velhinhos do Norte. Eles povoam condomínios em localidades com nomes como Boca Raton, Delray Beach e Boynton Beach.

Neste último, a simpatizante democrata Pearl Saleh, 75, saiu de Chicago e adiantou sua viagem de veraneio para convencer suas amigas a votarem em Obama. “Tem muita gente com pensamento muito estreito. Escutam qualquer coisa e já se fecham para um candidato como o nosso.” Muitos são bombardeados pela propaganda de difamação.

A entidade Coalizão Judaica Republicana comprou horário nas TVs da Flórida e Ohio mostrando duas declarações da época das primárias democratas em 2007. Em um dos trechos, Obama aparece respondendo que irá negociar pessoalmente com líderes do Irã, Síria, Venezuela, Cuba e Coréia do Norte. No trecho seguinte, Hillary Clinton, que foi sua adversária dentro do partido, diz que a fala do rival mostrava sua visão “irresponsável e francamente ingênua” das relações internacionais do país. A peça publicitária termina com o locutor dizendo: “Hillary está certa.”

“Investimos US$ 1 milhão nessa campanha para mostrar que a política de Obama é perigosa para Israel. Os EUA precisam experiência”, afirma Matt Brooks, diretor da organização republicana. Outro anúncio mostra uma imagem de Mahmoud Ahmadinejad, presidente iraniano, com os dizeres: “Ele quer destruir Israel e Obama fala que vai se reunir com ele?você não fica preocupado?”

Como resposta, o rabino Steven Bob lançou um site chamado Rabinos por Obama, apoiado por 562 assinaturas de colegas, afirmando que votar no democrata é “kosher”, ou seja, tem a reverência do líder espiritual hebraico. Por seu lado, John McCain convocou o senador de origem judaica Joe Lieberman para conseguir votos na comunidade, se reunindo em cafés da manhã com avós e avôs em Fort Lauderdale. Lieberman esteve como vice na chapa democrata de 2000, ao lado de Al Gore, mas se bandeou para a campanha do republicano e se anuncia independente.

Já Obama escolheu como seu vice Joe Biden, um interlocutor respeitado pela comunidade judaica. Biden se apresentou como um “zadi” (avô) e criticou as campanhas contra Obama. “As acusações de que ele é muçulmano são ridículas”, disse. As famílias do pai e do padrasto do candidato democrata são muçulmanas, mas ao contrário do que afirma um dos e-mails difamatórios, Obama não estudou em colégio islâmico quando morou ainda criança na Indonésia (na verdade, freqüentou uma escola católica de Jacarta).

Perambulando pelas ruas cheias de palmeiras e brisas, Haile Soifer, 29, tenta convencer seus similares em Coconut Creek. “Obama nunca pôs em xeque o alinhamento norte-americano com Israel. Nós sofremos discriminação, então, temos que ser os principais advogados de Obama”, argumenta com um casal idoso. Os judeus do Estado formam 650 mil dentro do universo de 10 milhões de eleitores potenciais (nos EUA, o voto é facultativo).

O único levantamento de opinião dentro da comunidade na Flórida, feito pelo apartidário Comitê Judaico Norte-Americano, dava vitória com 57% a Obama, apesar de seu nome e das dúvidas quanto a sua política em relação ao Estado de Israel. Mas isso foi no início de outubro. Com tantas campanhas de republicanos e democratas, o resultado só vai ser descoberto nas apurações desta terça à noite.

Folha Online

Rizzolo: As chances de Obama ganhar são grandes, e a comunidade judaica americana está dividida. Pessoalmente entendo MacCain mais competente, suas chances são poucas, o discurso populista de Obama “encanta” os incautos e ingênuos. O populismo de Obama segue o clichê de Chavez, Correa, Morales e outros. Acredito contudo, que os judeus mais conscientes votarão em MacCain, até porque a figura de Obama não inspira “confiança judaica”.

Eu pessoalmente não daria meu voto a ele (Obama). Os EUA precisam de um presidente forte, patriota, e de coragem e isso chama-se MacCain. Vamos ver se na hora “H” o bom senso vai predominar, pelo menos entre os judeus. Este é o jogo saudável da democracia, qualquer um que vença será a expressão da liberdade de um País livre como os EUA.

Resultado das eleições deixa PT sem sucessor claro, diz jornal argentino

Os resultados das eleições municipais deixaram o PT sem um sucessor claro para Lula, segundo reportagem publicada nesta terça-feira pelo jornal argentino Página 12.

O jornal afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não conseguiu transferir sua popularidade para todos os seus candidatos, e avalia que a derrota da candidata do PT Marta Suplicy para a prefeitura de São Paulo “foi o golpe mais duro”.

“O triunfo da oposição em São Paulo volta a perfilar o governador José Serra como aspirante presidencial”, diz a reportagem, para quem o cenário das eleições presidenciais de 2010 “ficou complicado” para o PT.

O jornal comenta as derrotas do PT em São Paulo, Salvador e Porto Alegre, e afirma que “essas derrotas abriram uma grande interrogação sobre quem será o candidato que vai suceder Lula nas próximas eleições presidenciais”.

Na Espanha, o El País concorda que Serra saiu fortalecido como o principal candidato da oposição para as eleições de 2010.

“Serra foi derrotado por Lula nas eleições de 2002, mas as pesquisas o apontam como um dos candidatos com mais opções nas eleições presidenciais de 2010, às quais Lula não poderá concorrer, a não ser que reforme a Constituição, medida que já descartou.” O jornal ainda afirma que a eleição de Gilberto Kassab, em São Paulo, com 61% dos votos é a prova da popularidade de Serra.

BBC / Folha online

Rizzolo: Não há dúvida que a derrota do PT em cidades como São Paulo, Santo André, Salvador e Porto Alegre foram um duro golpe no PT. As análises e as probabilidades tão otimistas na capacidade de transferência de votos por parte do presidente Lula terão que ser revistas. A “mãe do Pac”, a ministra Dilma, surge agora como menos expressiva que Marta, ou seja, menos popular que Kassab, o que sem dúvida arrepia os cabelos e faz transpirar as camisetas vermelhas do PT com seus bonés.

O grande elenco dos 11 ministros que acreditavam na vitória de Marta com Lula no palanque, estão agora solitários e pensando como será a vida sem um sucessor claro. Essa reflexão nem precisava vir da Argentina ou da Espanha, é só assistir e ver o clima estrondoso da vitória de Kassab e Serra no Estado mais rico do País. Como eu sempre afirmo: quem afunda o PT são os próprios petistas radicais, cercados de stalinistas e trotskistas. Depois da vitória de Serra e Kassab vencendo o aparato petista, fico a imaginar o destino da ministra Dilma e de outros.

Kassab vence eleição com folga em São Paulo

SÃO PAULO – As urnas confirmaram as últimas pesquisas e o prefeito Gilberto Kassab (DEM) venceu o segundo turno da capital paulista.

Com os votos de 86,57 por cento das seções totalizados, Kassab tem 61,40 por cento dos votos válidos, contra 38,60 por cento da ex-prefeita Marta Suplicy (PT).

Considerando as projeções de abstenções e de votos em branco e nulos, Marta não tem mais como alcançar o prefeito.

Agência Estado

Rizzolo: A derrotas do PT na capital paulista, Santo André e Santos, foram um forte golpe no governo Lula. As afirmações de que as “elites” se organizaram um movimento para derrotar a candidatura do PT na eleição municipal, ou que “houve uma frente das elites de São Paulo para derrotar a candidata do PT”, como afirmam alguns petistas desesperados, denota o aspecto inconformado daqueles que entendiam que o presidente Lula transferia votos.

O que ocorreu nesta eleição, foi a forte perda da substância política do PT no País de uma forma geral. Em São Paulo, a petista perdeu votos em praticamente todas as zonas eleitorais e, no total, acabou com 254.776 votos menos que na última eleição que disputou com José Serra. Isso indica já um problema real para uma eventual candidatura de Dilma. Pensar que Lula empresta seu prestígio aos seus indicados é ledo engano, portanto o PT deve esquecer essa fantasia.

É bom lembrar que Marta elegeu-se em 2004 apenas porque havia uma rejeição maior ainda à Maluf, e Mario Covas havia dado seu total apoio á candidatura petista. O povo brasileiro não aceita o monopólio partidário, mas a sim pluralidade partidos e idéias, e esta foi a resposta das urnas. Parabéns a Kassab e ao governador Serra.

Kassab criou ‘apartheid social’ nas favelas, diz Marta

SÃO PAULO – A candidata do PT à Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, afirmou hoje em seu programa eleitoral gratuito na televisão que o prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM), criou um “apartheid social” com seus projetos de urbanização de favelas. Segundo ela, os prédios dos conjuntos habitacionais não acabam com as favelas, que são separadas por muros. “A realidade é diferente da realidade mostrada na propaganda do Kassab”, disse. Em tom dramático, foram apresentadas cenas de famílias sendo despejadas e barracos derrubados por grandes tratores, com uma música triste ao fundo.

O programa da candidata da coligação “Uma Nova Atitude para São Paulo” (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB) também teve a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante um comício, ele declarou que a Marta sofre preconceito pois “embora tenha sido prefeita de todos, ela teve preferência pelo povo mais pobre dessa cidade”.

Kassab destinou grande parte de seu programa eleitoral na televisão de hoje para mostrar seus projetos de urbanização na favela de Paraisópolis, na zona sul. Os conjuntos habitacionais exibidos, pintados e decorados, contavam, segundo a campanha, até com pista de skate e quadra de futebol. Foi apresentado o depoimento de um pedreiro que trabalhou na obra de construção de sua própria casa. “Aqui não é mais favela, é um bairro”, disse o morador.

O candidato da coligação “São Paulo no Rumo Certo” (DEM-PR-PMDB-PRP-PV-PSC) aproveitou para criticar a gestão da adversária. Um locutor acusou Marta Suplicy de deixar um rombo R$ 2 bilhões na Prefeitura, além de 37 quilômetros de obras abandonadas.
Agência Estado

Rizzolo: É visível o desespero, e a decepção da equipe petista e do próprio presidente Lula, ao constatar que Marta está visivelmente se perdendo nas pobres argumentações e nas monótonas acusações à gestão Kassab. O grande fato novo imprevisto neste segundo turno, foram as insinuações de baixo nível a uma eventual postura homossexual do candidato. Kassab soube incorporar essa questão na discussão, desmoralizando ainda mais a campanha de Marta.

A triste constatação, de que Lula não é capaz de transferir votos à Marta, em São Paulo, chocou e desmoralizou os petistas e comunistas. Observa-se nos rostos dos integrantes da campanha petista, a decepção o desconforto e o peso de uma realidade: São Paulo não é uma cidade ” apreciadora de petistas”; portanto o quadro do segundo turno dificilmente ira se alterar. Dessa disputa tira-se uma lição: o eleitor paulista é diferenciado, e não aceita preconceitos e discriminações como argumentos eleitoreiros. Mais uma observação: o povo pobre não relaciona partido político e sim a pessoa, e Marta apoiou-se muito no PT partido e em Lula, que não transfere votos.

Lula diz que Serra deveria lhe pedir desculpas por acusar PT

São Paulo – Em sua última participação na campanha da ex-ministra Marta Suplicy (PT) à Prefeitura de São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado, dia 18, que o governador José Serra (PSDB) deveria lhe pedir desculpas por ter acusado o PT e os movimentos sindicais de insuflarem o protesto de policiais na cidade, na quinta-feira. A uma semana do segundo turno, Lula defendeu a petista, que, na sua avaliação, é vítima de preconceito “raivoso e rançoso”. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou na manhã deste sábado de ato de campanha da candidata do PT à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy. O encontro aconteceu na Casa de Portugal, na Liberdade.

O encontro do presidente e de Marta com representantes de movimentos sociais e sindicalistas transformou-se em uma manifestação de desagravo à campanha da petista. Lula disse ter comido “o pão que o diabo amassou” em 2005, mas advertiu que, em nenhum momento, jogou a culpa por suas dificuldades nas costas dos outros. “Quem não quer ser cobrado que não seja governo”, afirmou.

Na platéia, formada por cerca de 1.700 militantes, havia policiais civis. O presidente disse que sempre recebe reivindicações de trabalhadores. “Isso é democracia. Por que vou ficar nervoso quando um sindicalista vai a Brasília fazer passeata?”

Na quinta-feira, Serra acusou o PT, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), de incentivar o protesto de policiais com o objetivo de influenciar o segundo turno da eleição, no dia 26. Disse não ter dúvidas de que a manifestação, que terminou em conflito entre policiais civis e militares nas proximidades do Palácio Bandeirantes, tinha participação ativa de petistas e das duas centrais, que apóiam Marta.

Na avaliação do presidente, o governador não mediu as palavras e agiu de forma “insensata”. Um dia antes, o chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, chegou a dizer que se sentiu “ofendido” com o ataque desferido pelo governador. “Lamento que ele não devolva com a mesma generosidade o carinho com que tem sido tratado pelo Palácio do Planalto”, comentou Carvalho.

Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presente ao evento de Marta, interveio para evitar que um grupo de policiais entregasse um documento ao presidente. “Se trouxéssemos esse assunto para o Lula hoje, politizaríamos a greve. É tudo o que o Serra quer”, afirmou.

PRECONCEITO

Em tom veemente, Lula afirmou que nunca viu alguém sofrer tanto preconceito quanto Marta e, de forma indireta, mencionou a propaganda eleitoral do PT que perguntava se o prefeito Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição, era casado e tinha filhos.

“Dizem agora que essa mulher é contra os homossexuais, justamente ela, que, quando havia preconceito, estava na TV Mulher defendendo as minorias”, insistiu o presidente. Lula disse ainda que transformaram “uma guerreira defensora das minorias em acusadora”. “Eu ainda vou criar o Dia da Hipocrisia neste país”, afirmou.

O presidente lembrou que repassa recursos federais para São Paulo independentemente dos partidos dos governantes e lamentou que Marta tenha administrado a cidade em uma época de penúria financeira. Foi nesse momento que ele criticou o governador tucano.

Em conversas reservadas, Lula afirmou que Kassab só pode apresentar à cidade vistosas obras nas áreas de transporte e saneamento porque recebeu “generosos” recursos federais.

O discurso de Lula marcou sua última participação na campanha de Marta. Desde o primeiro turno, o presidente subiu no palanque da petista em outras duas ocasiões: em São Miguel Paulista (zona leste), onde desfilou em carro aberto ao lado da candidata, e num comício em Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte.

Afilhado político de Serra, Kassab desdenhou do apoio de Lula a Marta: afirmou que, embora o aval do presidente tenha peso, “não é novidade” para os eleitores e, portanto, pode não se transformar em novos votos. (Colaborou José Maria Tomazela)
Agência Estado

Rizzolo: Primeiramente o PT e outros partidos, contribuíram sim e muito para o desfecho da crise; isso todo mundo sabe, e quem estava lá, pode constatar. Agora Serra errou, conduziu de forma errada as negociações, não recebeu os líderes, e isso é imperdoável. Agora afirmar que a Marta é vítima de preconceito isso já é demais; a dinâmica petista de se fazer propaganda política, ferindo e constrangendo as pessoas, a privacidade, com argumentos insinuadores é lamentável. Infelizmente, se PT acreditava na capacidade do presidente Lula em transferir votos, se enganaram redondamente. Lula é a estrela, só ele; os outros por ele indicados, são apenas referências, o povo não se impressiona com as recomendações de Lula. É uma realidade que o PT não sabia e descobriu.

Cabos do PT levam às ruas questionamento sobre vida de Kassab

SÃO PAULO – O tiroteio da campanha de Marta Suplicy, do PT, sobre a vida pessoal de seu adversário do DEM, o atual prefeito Gilberto Kassab, saiu da campanha na televisão e foi para as ruas. Em atividades de campanha nesta manhã, tanto na zona Sul quanto na Leste, cabos eleitorais da petista passaram a hostilizar Kassab e a questionar sua vida pessoal.

Até então, esta questão não era discutida nas ruas. Entretanto, o foco do debate mudou logo após a veiculação de uma inserção – que já foi retirada do ar por ordem do comando da campanha – que questionava a vida pessoal do prefeito. A peça publicitária exibia uma foto de Kassab em branco e preto, enquanto o locutor fazia indagações sobre o seu passado. As últimas perguntas eram: “É casado? Tem filhos?” E concluía: “Para decidir certo é preciso conhecer bem.”

Marta tentou encerrar a discussão. “Não tenho mais nada a dizer sobre esse assunto”, disse, categórica. O clima acirrado nas ruas também provocou o início de um tumulto com um casal, que foi hostilizado por cabos eleitorais petistas, por defender a candidatura Kassab. O incidente ocorreu após o ato de apoio organizado por frentistas em um posto de saúde no bairro da Aclimação, na zona Sul. Marta já havia deixado o local, quando o casal passou e gritou: “Kassab! Kassab!” Ao ser informada sobre o ocorrido, Marta disse: “Grosseria e baixaria eu acho um horror, e se isso ocorreu, eu peço desculpas ao casal.”

Pouco depois, enquanto Marta fazia corpo-a-corpo no bairro de Ermelino Matarazzo, na zona Leste, cabos eleitorais que a acompanhavam continuaram a desferir ataques à vida pessoal de Gilberto Kassab, inclusive com xingamentos.

Agência Estado

Rizzolo: O comportamento da militância petista é lamentável, o pior é que parece haver uma aceitação de forma velada para os insultos à vida pessoal de Kassab. De nada adianta os dirigentes petistas reprovarem esse problema criado, vez que todos já sabiam de antemão e haviam previamente aprovado esse tipo de “approach” político. Com isso, quem ganha a simpatia do povo é o candidato Kassab, que passa a ter por parte da população, uma visão paternal e protetora em relação a ele, e isso não é bom, até porque esvazia o debate, as idéias. Alckmin já integrou a campanha de Kassab, é ao que parece, Marta está se isolando na campanha experimentando o veneno criado pelo próprio PT. O ideal seria ela desculpar-se publicamente admitindo o erro, mas acho que isso é muito para ela.

Lula reprova comportamento de Marta em ataques a Kassab

BRASÍLIA – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reprovou o comportamento agressivo da candidata petista à prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, que fez insinuações de ordem pessoal na propaganda eleitoral gratuita ao adversário e atual prefeito Gilberto Kassab (DEM).

Um dia após o locutor do programa dela questionar o estado civil de Kassab, o Palácio do Planalto desvinculou qualquer participação na nova fase de campanha da candidata. O ataque de Marta a Kassab ocorreu depois do ingresso oficial de Lula na campanha da petista, na última sexta-feira.

Em viagem ao exterior, Lula avaliou em conversas por telefone com assessores que a candidata errou no tom dos ataques. No Planalto, a preocupação é dissociar a entrada na campanha de Marta do chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, à nova fase de ataques a Kassab. Eles observaram que Gilberto entrou oficialmente ontem na campanha e os ataques foram definidos por marqueteiros dias antes. Tanto Gilberto, um ex-seminarista reconhecido no Planalto pela gentileza e simpatia, quanto o presidente mantêm relações de respeito com Kassab.

Antes de embarcar para a Espanha, Lula já havia se queixado do temperamento “difícil” de Marta. Numa conversa no final de semana com o vice-presidente José Alencar e duas pessoas próximas, Lula considerou que a disputa em São Paulo está perdida e ressaltou que Kassab soube fazer política, segundo um dos participantes do encontro.

Lula citou uma polêmica recente de Marta com o pastor Samuel Ferreira, da Assembléia de Deus do Brás. Ela entrou com um processo contra ele, porque não teria tido direito de resposta numa enquete promovida por uma rádio ligada à igreja.

“Perguntaram se eleita ela iria continuar processando as pessoas. Ela respondeu que se errassem, iria. Eu disse: ‘Marta, não faça isso'”, relatou o presidente.

Em junho, numa conferência de homossexuais em Brasília, Lula fez discurso contra o preconceito, pediu que as pessoas “arejassem a cabeça” e propôs o “Dia Nacional da Hipocrisia”, numa crítica a políticos “conservadores”.

No último dia 19 de setembro, em entrevista à TV Brasil, ele defendeu o casamento de pessoas do mesmo sexo.

“Tem homem morando com homem, mulher morando com mulher e muitas vezes vivem bem, de forma extraordinária. Constróem uma vida juntos, trabalham juntos e por isso eu sou favorável”, disse na entrevista.

Pessoas próximas do presidente observaram ontem as “contradições” da política. Enquanto Lula se esforçou para mudar o discurso, deixando de lado as piadas com conotação homossexual, mesmo nas conversas reservadas, a socióloga Marta Suplicy e seu marqueteiro João Santana se desesperaram e recorreram a afirmações preconceituosas de adversários de projetos dela na área das minorias.

O presidente aproveitou para se queixar do compromisso político com o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), que pediu a ele gravar para o programa do candidato à prefeitura carioca Eduardo Paes, um dos mais ferrenhos críticos do Planalto durante a crise política de 2005. “Eu gravei o programa, mas disse para o Sérgio que o (Fernando) Gabeira vai desmontar facilmente o meu depoimento”, avaliou. “Gravei porque me pediu.”
Agência Estado

Rizzolo: Lula continua sendo um grande estadista, todos sabem das minhas críticas em relação à condução da política econômica, agora, em termos de percepção e sensibilidade Lula surpreende. Já disse várias vezes que o problema de Lula é o PT, sua gente, o rancor da luta de classes, o baixo nível, e o despreparo. Realmente me decepcionei com a Marta, apesar de conhecê-la pessoalmente e saber de seu gênio, não imaginava que fosse tão longe.

O fato dela chancelar os ataques petistas de insinuação homossexual à Kassab, são lamentáveis, e preconceituosos. Não é possível que se faça uma campanha baseado em ataques pessoais, constrangendo o adversário, e sem prova de absolutamente nada, apenas isinuando. E com essas e aquelas, quem sabe um dia Lula se descola dessa turma petista, e fique para a posteridade. Leia artigo meu: Disputa eleitoral em SP: observações pouco éticas

Disputa eleitoral em SP: observações pouco éticas

Não tenho formação em marketing, muito menos entendo de marketing político, área por sinal, que vem se desenvolvendo muito no Brasil; contudo no seu conteúdo argumentativo, ela tem se deteriorado de forma assustadora. O que observamos na campanha eleitoral do PT em São Paulo, salta aos olhos; as insinuações em relação à vida pessoal do prefeito Gilberto Kassab, nas alusões de cunho interpretativo, semeando dúvidas à população em relação à sua “condição civil” – se ele é casado ou tem filhos -, joga a discussão política e a ética, na lama da pobreza preconceituosa tão perigosa quanto preocupante.

No mesmo esteio pouco ético, reportagens em jornais de grande circulação, exortam os conservadores, exalando puro preconceito, nas manifestações tendenciosas e opiniões sobre Luis Favre, marido da candidata à prefeita Marta Suplicy. O primeiro estaria elaborado com endereço certo; desqualificar Gilberto Kassab através de sua vida pessoal, insinuando pertencer Kassab a uma minoria. O outro via indireta, ao comentar o jornal, a vida amorosa da candidata, sua separação, sua moral, e a nacionalidade de seu marido.

É claro que no tocante à Gilberto Kassab, o PT pode, por questões éticas, e a pedido da candidata, realmente rever esse ponto pobre da forma de se fazer o marketing político. Já em relação ao jornal, cabe a seu marido e a Marta demonstrarem suas insatisfações, rechaçando o artigo, publicamente; caso as informações não procedam.

Contudo, antes de qualquer medida do casal, é de bom alvitre, até pelo incômodo vivenciado pela invasão da vida pessoal de ambos, Marta Suplicy recriminar a atitude da propaganda preconceituosa petista em relação a Kassab, por conta que seria um contra senso, aquiescer sobre esse ataque publicitário ao prefeito, e lamentar os comentários do jornal.

Só para terminar, ao ser indagada sobre o teor da propaganda eleitoral petista, Marta disse acreditar que não há insinuações de homossexualismo na campanha na TV. “É uma pergunta como outra qualquer”. A que ponto chegamos, hein !

Fernando Rizzolo

PT usará projetos de Lula como arma no segundo turno

O Diretório Nacional do PT preparou munição para os 15 candidatos do partido que disputam o segundo turno das eleições municipais. Eles e os cabos eleitorais petistas receberam um dossiê com todos os investimentos feitos e a fazer, até 2010, pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas cidades brasileiras, particularmente naquelas em brigam pela vitória no dia 26. Só o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tem obras no valor total de R$ 503,9 bilhões.

O mesmo documento preparado pelo PT mostra a distribuição das bolsas do Universidade para Todos (ProUni), por município, onde estão os 10 milhões de empregos criados desde a primeira posse de Lula, em janeiro de 2003, o número de beneficiados pelo Bolsa Família, em cada município, repasses para saneamento básico, educação, dragagem de rios e assinatura de convênios que envolvem a construção de pequenos ginásios de esportes e centros de saúde nos mais longínquos lugares. O forte, mesmo, são as obras do PAC. Elas estão nos 15 municípios em que o PT disputa a reeleição.

De acordo com um petista que atua no Diretório Nacional, a idéia de fazer o resumo de todos os investimentos do governo nos municípios surgiu ainda no primeiro turno e foi reforçada agora no segundo. Havia, de acordo com ele, queixas de petistas de que não conseguiam levar para suas campanhas as bondades feitas pelo governo federal. O material foi então resumido e posto à disposição dos petistas, na página do partido na internet. Mas, para acessá-lo, é preciso que a pessoa seja filiada ao PT, pois exige senha e o número do documento de filiação.

De acordo com o trabalho de orientação para os candidatos petistas, o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) passou de R$ 19,3 bilhões em 2003 para R$ 33,9 bilhões em 2007; a partilha da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (imposto do combustível) passou de R$ 322,1 milhões em 2004 para R$ 465,4 milhões em 2007; os recursos para a saúde saíram de R$ 13 bilhões em 2003 para R$ 19 bilhões em 2007; o salário-educação, de R$ 1,6 bilhão em 2004 para R$ 2,3 bilhões em 2007. No transporte escolar, os investimentos eram de R$ 241,9 milhões em 2004, e passaram para R$ 291,9 milhões em 2007.
Agência Estado

Rizzolo: Bem, os projetos elencados na “propaganda política”, na verdade, exceto os que já foram concluídos, são apenas “projeções”, até porque com a crise em que estamos vivenciando, é de bom alvitre a redução dos gastos públicos, o que na verdade influenciará em toda planificação orçamentária. O que precisamos insistir, é no fato real de revermos a nossa condição de investimentos face à crise; não fazer de conta que ela não nos atingiu, e “panfletar” projetos que com certeza serão à frente reconsiderados do ponto de vista orçamentário.

Se o governo não fizer a devida contenção imediata dos gastos públicos, obrigará o setor privado a fazer um ajuste ainda mais severo. Se pretendemos reduzir o impacto da crise sobre o bem-estar social, o aumento da poupança pública é um dos poucos instrumentos de suma importância, pois reduz o custo do ajuste, além de auxiliar a política monetária. Não há como evitar a escassez externa, mas o governo pode, ao menos, poupar para que a população não tenha de fazê-lo em seu lugar. Infelizmente essa é a realidade, prometer o chamado ” pé no acelerador” nessa crise imensa é no minimo ” propaganda enganosa”.

Lula e o efeito placebo

Quando todos imaginavam que poderiam contar com um “maná” vindo dos céus, como o ocorrido no deserto relatado pelo Antigo Testamento, ao receberem os resultados das urnas, tristemente constataram os apadrinhados que, posar ao lado do presidente, pouco efeito produz de concreto ao candidato apoiado; porém por outro lado, muito resultado é auferido ao próprio presidente, que com isso, acaba ganhando de certa forma mais popularidade.

Aliás num exercício de analogia, de nada adianta um cantor popular de música sertaneja se postar à platéia, e ao invés de cantar, pedir ao público que se encantem com seu outro amigo cantante; o público quer sim ouvir o cantor principal, não o recomendado. A transferência de votos tão apregoada e tão temida, perdeu-se na realidade das urnas. A condição dos indicados de Lula no palanque, indica também a derrota na emprestabilidade de seu prestígio a outros. Constata-se que a popularidade de Lula é sim de caráter personalíssimo.

O imaginário do eleitor em relação à popularidade de Lula, não se mistura com um outro candidato apoiado pelo presidente. Como que reconhecesse que estaria Lula prestando apenas uma deferência, ou um reconhecimento pessoal, o eleitor rechaça a transferência de voto e faz uma leitura pequena do gesto em si. Uma prova disso é o fato de o presidente ter tido pouca influência na eleição do Rio de Janeiro, assim como no resultado da candidatura de Marta, em São Paulo, bem como com Luiz Marinho em São Bernardo; embora tenha havido todos os esforços empreendidos, constatou-se um resultado muito abaixo do que o próprio presidente previa.

A análise de que as eleições municipais estão mais ligadas aos problemas do dia-a-dia do município, é procedente; contudo a pauta das propostas dos candidatos apoiados por Lula, eram centradas na essência do pensamento petista de desenvolvimento dos municípios, e nem assim essa combinação entre a proposta e a imagem, sensibilizou os eleitores. O melhor exemplo ocorreu em Natal, onde a adversária do PT foi eleita já no primeiro turno, o que foi uma derrota para Lula.

Da forma em que foram constatados os resultados das eleições municipais no país, e a participação da presença de Lula no palanque como fator de transferância de votos, podemos já prever que Dilma Roussef enfrentará problemas; talvez menores do que a decepção petista em São Paulo, ou em outras capitais. A lição do palanque sugere um remédio talvez na verdade, bem mais forte do que aquele experimentado e vivenciado pela mágica de Lula em gerar votos aos seus apadrinhados.

Fernando Rizzolo

Obama ataca política econômica republicana por crise bancária

WASHINGTON – O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, tentou envolver oposição republicana na crise financeira americana no dia em que a população acordou com a notícia de que dois dos maiores bancos de investimento do país desaparecerão do mercado financeiro. Ele afirmou que a economia americana enfrenta sua maior crise desde a depressão de 1929 e chamou de irresponsáveis as pessoas em Wall Street e Washington.

No que já está sendo considerado como as últimas 24 horas mais extraordinárias em Wall Street desde os anos 1920, o banco Lehman Brothers, quarto maior banco de investimento americano, anunciou que pedirá concordata após incorrer em perdas milionárias relacionadas a valores hipotecários. No mesmo dia, outra instituição-símbolo de Wall Street, o banco Merrill Lynch, concordou em ser vendida para o Bank of America por cerca de US$ 50 bilhões para evitar prejuízos maiores. Notícias dão conta ainda de que a seguradora AIG pediu ao banco central americano, o Federal Reserve, um empréstimo de US$ 40 bilhões.

Em comunicado emitido após o anúncio de concordata do Lehman Brothers, Obama afirmou que não culpa McCain diretamente, mas “critica sua filosofia econômica, que é a mesma que o país tem há oito anos”. “Os desafios que o nosso sistema financeiro enfrenta são hoje uma evidência maior de que muitas pessoas em Washington e em Wall Street foram irresponsáveis”, afirmou. “Esta crise é uma grande ameaça para a nossa economia e sua habilidade para criar postos de trabalho com bons salários e ajudar os trabalhadores americanos a pagar suas contas, poupar para o futuro e pagar as hipotecas”.

O Lehman Brothers, quarto maior banco de investimento dos Estados Unidos, anunciou que vai pedir concordata nesta segunda-feira em Nova York, após incorrer em perdas bilionárias em decorrência da crise financeira global. Segundo a BBC, o anúncio, que vinha sendo aguardado ansiosamente por investidores e cerca de 25 mil funcionários, é mais um sinal negativo para a confiança dos mercados – e não o único do fim de semana.

No domingo à noite, o Merrill Lynch, um dos principais bancos de investimento americanos, concordou em ser comprado pelo Bank of America por US$ 50 bilhões para evitar prejuízos maiores. O Bank of America e o britânico Barclays desistiram de adquirir o Lehman Brothers.

Agência Estado

Rizzolo: Uma coisa é certa, a política não específica dos republicanos, mas a visão pura de que não há necessidade de nenhuma intervenção do Estado como agente regulador da economia, está desacreditada. Os EUA estabeleceram uma política econômica demasiadamente liberal, e, é claro, os irresponsáveis e aproveitadores do mercado, levaram a economia à bancarrota. Não se trata em si de política econômica partidária, mas conceituação econômica por demais neoliberal. Agora contudo, a visão é outra, e o mais interessante é o apregoamento da não participação do Estado regulador quando as coisas andam, mas quando nada dá certo socorre-se ao Estado protetor. Isso não chancela a opinião de Obama tentando capitalizar os problemas econômico em votos, A inexperiência de Obama dificilmente saberia de forma eficiente contornar problemas deste vulto. Falar é fácil.

McCain lidera com 47% das intenções de voto nos EUA

SÃO PAULO – Pesquisa divulgada hoje pela empresa Gallup mostra que o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, tem ligeira vantagem – com 47% dos eleitores registrados – sobre o democrata Barack Obama, que conta com 45% das intenções de voto, caso a eleição fosse realizada hoje.

Estes números, baseados em entrevistas realizadas entre os dias 11 e 13 de setembro, são os mesmos divulgados em relatório de ontem. McCain aparece em vantagem nos últimos dias de até 5 pontos porcentuais, mas a margem se reduziu para um empate estatístico nas três últimas pesquisas, de acordo com o site do Gallup.
Agência estado

Rizzolo: É como este Blog sempre diz, quero ver na hora “H” a coragem de alguém em votar em Obama. Está mais do que claro que Barack Obama é um cidadão com um bom discurso apenas, fala em futuro, no novo, mas de experiência mesmo e de concreto nada fez. Há tempos, mesmo quando todos ainda falavam e se encantavam com Obama já tinha eu pulado fora desse barco. Sento o ” cheiro” de ” fria”, não sou cidadão americano, contudo se o fosse jamais votaria em Obama. Não é de confiança e uma excelência em incompetência.

Ah! Mas o Rizzolo é um cara traiçoeiro, no início apoiava Chavez, e de repente mudou, no início apoiava Obama, mas depois mudou, no início aplaudia Lula e depois surgiu restrições. Sou assim mesmo, tenho a coragem de me retratar quando erro, assumo e não tenho vergonha. Só é dado aos mortos o direito de não mudar de idéia. A esquerda que se dane com suas opiniões. Quando reconheço de quem quer que seja uma proposta boa, seja de esquerda ou direita, apóio. Não tenho compromisso com ninguém, sou livre, ninguém me patrocina ou me apóia, nenhum jornal, nenhum meio de comunicação, nada, aliás querem mais é que eu suma, afinal 190.000 hits em 16 meses dá para incomodar. Problema deles!

John Rich – Raisin’ McCain Music Video

Apoio mesmo, e daí ? Se aqui eu não posso apoiar ninguém, estou amordaçado, nos EUA não !! Isso chama-se democracia !!

3 AM

Você não escolheria MacCain, depois desta declaração de Hillary ?

McCain anuncia visita da esposa à Geórgia

SACRAMENTO – O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, disse hoje a uma multidão, durante um evento para arrecadação de verbas de campanha, que sua esposa, Cindy McCain, já partiu para a Geórgia, país do Cáucaso que está em crise com a Rússia. O anúncio ocorreu algumas horas antes do discurso da esposa do seu rival político Barack Obama, Michelle Obama, na abertura da convenção nacional do Partido Democrata.

“Cindy não está aqui hoje e eu peço desculpas a vocês. Ela está a caminho do pequeno país da Geórgia”, afirmou McCain. O candidato republicano é um dos mais resolutos partidários da Geórgia, país que em 7 de agosto atacou a sua província separatista da Ossétia do Sul, provocando uma forte reação militar da Rússia. “A Geórgia foi uma das primeiras nações cristãs”, disse McCain.

“No século III d.C., o rei da Geórgia converteu-se ao cristianismo. Existem lá igrejas que datam do século IV d.C.”, afirmou. Segundo o republicano, é importante apoiar a Geórgia porque a nação é uma democracia e também porque um importante oleoduto atravessa o país.
Agência Estado

Rizzolo: Uma das características de MacCain é sua autenticidade. Admite com tranqüilidade aquilo que para os “bonzinhos é feio falar”, ou seja, apoiar claramente a Geórgia Quando MacCain fala que sua esposa vai à Geórgia, os ‘conservadores democráticos’ que são muitos, gostam desse “atrevimento”. Já disse várias vezes que todo norte-americano no fundo é um republicano, um conservador. A verdade é que ser uma potência militar, econômica tem seu preço. A Rússia sabe disso e quer recuperar no estilo dos EUA, atuando em áreas que antes sempre foram de domínio dos EUA, como a América Latina. Para isso conta com seus representantes esquerdistas como Chavez e outros.

No início da campanha americana me entusiasmei com Obama, o novo, o negro, o discurso inflamado; mas uma potência tem seu preço, e acima de tudo precisa de um líder experiente e isso o filho de muçulmano não tem. Então no mais alto estilo mudei. Mudo mesmo. “Ah! Mas o Rizzolo segue o voto judaico ortodoxo. Quando percebeu que o Brooklyn e os rabinos mudaram para MacCain mudou também”. Olha, sempre ouvi meus rabinos, e eles sempre influenciaram minha vida, mas como uma influência boa, humana, ética. Repito, não confio em Obama, falem o que quiser, expresso meu pensamento à vontade, neste espaço com meus 1.200 amigos leitores que frequentam este blog por dia, a maioria não judeus; são estudantes, intelectuais, de direita, de esquerda, anarquistas, fascistas, sionistas, malandros, prostitutas, órfãos, militares, políticos, enfim o povo brasileiro, a massa. E mais, não tenho e não quero apoio de ninguem. Sou livre, eu e minhas reflexões. Não tenho a vergonha de mudar de idéia . Só aos mortos não é dado o direito de mudar de opinião. A política é dinâmica, e eu também, desta vez voto em MacCain !!