MP de Minas denuncia goleiro Bruno e mais 8 pelo sumiço de Eliza

SÃO PAULO – O Ministério Público de Minas Gerais afirmou que o promotor Gustavo Fantini, de Contagem, ofereceu nesta quarta-feira, 4, denúncia contra os nove indiciados no caso Eliza Samudio. O órgão não soube informar por quais crimes eles foram denunciados.

Na quinta-feira, 29, a Polícia Civil de Minas concluiu o inquérito que apura o desaparecimento da ex-amante do atleta Bruno Fernandes de Souza. O ex-goleiro do Flamengo foi indiciadas por homicídio, sequestro, cárcere privado, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores. Também foram indiciados pelos mesmos crimes: Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Flávio Caetano de Araújo; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Dayane Rodriques do Carmo Souza, mulher de Bruno; Elenilson Vitor da Silva; Sérgio Rosa Sales; e Fernanda Gomes de Castro.

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado como o assassino de Eliza, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado (motivo fútil, meio cruel e não possibilitou a defesa da vítima), formação de quadrilha e ocultação de cadáver.

Eliza desapareceu no início de junho. Um adolescente de 17 anos, primo de Bruno, disse à polícia que a jovem foi assassinada. O corpo dela ainda não foi localizado. Eliza tentava provar na Justiça que Bruno é pai de seu filho, de 5 meses. A criança está com a avó materna em Mato Grosso do Sul.
estadão

Rizzolo: Na verdade desconhecemos ainda o teor da denúncia, e por quais crimes foram denunciados os acusados. É bom lembrar que o início da ação penal de dá com o recebimento da denúncia pelo juiz, e não pelo oferecimento da mesma. De qualquer forma o promotor que é o titular da ação penal, entendeu que há indícios ou elementos para o oferecimento. Agora vamos aguardar o desenrolar da ação penal se esta for adiante.

Bruno raspa e queima o cabelo para evitar exame de DNA

Principal suspeito do suposto assassinado de sua ex-amante Eliza Samúdio, o goleiro Bruno tomou uma medida drástica nesta quinta-feira. De acordo com informações divulgadas pela Polícia Civil de Minas Gerais, o jogador raspou e, posteriormente, queimou o seu cabelo no Presídio Nelson Hungria, em Contagem-MG, com objetivo de evitar que os fios fossem utilizados em um exame de DNA, considerado essencial para solucionar o caso.

Durante a manhã desta quinta-feira, Bruno pediu para raspar o cabelo com a máquina três, a qual deixa o cabelo com 10 milímetros de comprimento. No entanto, não satisfeito com o resultado, o goleiro solicitou a mudança do corte para o pente de número 1 (três milímetros). Os fios, dispostos no chão, foram queimados à frente do atleta. Também envolvido no caso, o amigo do jogador, Luiz Henrique Romão (Macarrão), tomou a mesma decisão.

Dessa forma, todos os homens suspeitos de envolvimento no caso – além de Bruno e Macarrão, o ex-policial civil, Marcos Aparecido dos Santos, Bola; Wemerson Marques, Coxinha; Flávio Caetano; e Elenilson Vitor da Silva – realizaram o mesmo procedimento para evitar o exame.

O grupo, que conta também com a esposa do atleta, Dayanne Souza, e o primo de Bruno, chegou nesta quinta-feira no Departamento de Investigações de Belo Horizonte e ficará todo o tempo à disposição da Polícia para o prosseguimento das investigações. Os oito suspeitos do sequestro e suposto assassinato de Eliza Samúdio terão suas impressões digitais colhidas para iniciar o indiciamento dos envolvidos.

Advogado de Bruno justifica presença de Eliza em testemunho – Também nesta quinta-feira, o advogado do goleiro, Ércio Quaresma, justificou a presença de Eliza Samúdio na lista das testemunhas de defesa. Segundo Quaresma, o nome da ex-amante do jogador encontra-se no inquérito pelo fato de ele acreditar ?apenas’ no desaparecimento, negando a morte da mãe do filho de Bruno.

A decisão do advogado repercutiu na revolta do pai de Eliza, Luiz Carlos Samúdio. “É vil a maneira como ele está conduzido o caso. Infelizmente temos a certeza de que ela (Eliza) está morta. A minha filha nunca abandonaria o filho, até porque ela tinha um trauma de infância por ter sido abandonada pela mãe”, afirmou para o jornal O Dia, antes de revelar que irá processar o advogado por inserir a antiga amante de Bruno na lista de testemunhas.

“É um drogado louco. Tem que provar o que diz. Inclusive trazer a Eliza, já que ele disse que ela está viva”, disse Luiz Carlos Samúdio.
gazeta esportiva

Rizzolo: Este caso está mal esclarecido, agora essa postura de Bruno do ponto de vista jurídico não é nada boa. Uma pena um atleta chegar a esse ponto.