Neonazistas planejavam matar Obama, diz governo dos EUA

WASHINGTON – O governo dos Estados Unidos informou nesta segunda-feira, 27, que desarticulou uma conspiração de neonazistas, que planejavam os assassinatos do candidato democrata à Presidência americana, Barack Obama, e de mais 102 afro-americanos no Mississippi. O complô foi desmantelado por agentes do Escritório para Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos. A campanha do democrata não comentou a notícia.

O porta-voz do órgão americano se negou a fornecer mais detalhes e disse que outras informações serão fornecidas à medida que uma investigação avançar. As autoridades de Jackson, no Tennessee, informaram que Daniel Cowart, de 20 anos, e Paul Schlesselman, 18, foram presos na semana passada pelo incidente. Eles descreviam como defensores da supremacia da raça branca e se conheceram pela internet através de um amigo em comum, segundo a emissora CNN.

Os dois foram acusados por posse ilegal de armas, conspiração para furtar uma loja autorizada de venda de armas e por ameaçarem um candidato presidencial, informa a rede americana. De acordo com fontes consultadas pela Agência Efe, os dois membros de grupos neonazistas conhecidos como “cabeças raspadas” planejavam atacar uma escola de Ensino Médio predominantemente negra e roubar uma loja de armas de fogo de Tennessee.

Obama, que pode se tornar o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, está à frente do republicano John McCain nas pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial, marcada para 4 de novembro.

Agência Estado

Rizzolo: Nada justifica essa barbárie, o nazismo existe e está latente na sociedade americana, européia, e latino americana. Não é a cor, etnia, sexo, tampouco a religião que vão determinar a capacidade de governar um País. Os governos devem estar atentos a estes grupos. Não há mais espaço no mundo para a intolerância, seja ela da onde vier. É uma notícia que impressiona, por se tratar de um candidato à presidência dos EUA. Muito triste, isso. No Brasil as autoridades e o governo, tem dado um exemplo no combate ao anti-semitismo, ao racismo, e à intolerância, e isso é preciso reconhecer.