PAC vai investir R$ 1 bilhão na urbanização de favelas do Rio

p5-pac.jpg

As obras vão desde saneamento básico e construção de moradias à pavimentação de ruas e instalação de postos de saúde e policiais. A parceria prevê recursos do PAC e contrapartida do governo do Rio

Uma parceria entre o governo federal e o governo do Estado do Rio de Janeiro irá transformar a vida dos cerca de 300 mil moradores das favelas da Rocinha, do Complexo do Alemão e de Manguinhos com o projeto de urbanização das favelas do Rio.

Através do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), o governo federal irá investir R$ 960 milhões que, somados aos recursos do Estado, serão destinados à pavimentação de ruas, obras de saneamento, construção de moradias, escolas, postos de saúde e policiais e de áreas de lazer. Os recursos serão liberados pela Caixa Econômica Federal, e as obras iniciam no dia 22 de outubro.

De acordo com Ícaro Moreno Júnior, presidente da Emop (Empresa de Obras Públicas do Rio de Janeiro), o projeto de urbanização tem como principal objetivo o combate ao tráfico: “A grande virada é exatamente isso. Você vai nas comunidades e quem comanda na sociedade realmente são os traficantes. Então essa mudança para o Estado tutelar, e isso, não só através das intervenções e sim das políticas públicas, o Estado comandando”, afirmou Moreno Júnior, em entrevista ao jornalista Paulo Henrique Amorim, no último dia 18.

ROCINHA

Serão realizadas obras nas três favelas do Rio. À população da Rocinha será entregue um grande presente: uma passarela criada por Oscar Niemeyer, que irá integrar a favela com Gávea e São Conrado. Com 150 mil habitantes, na Rocinha também serão construídos um centro de esporte e lazer e uma unidade hospitalar. Moreno Júnior disse ainda que “nós selecionamos uma área de 5,5 hectares, no meio da Rocinha, onde tem o maior índice de tuberculose, onde tem pouca ventilação, pouca iluminação. E ali nós estamos trabalhando com ruas, transformando, porque ela está muito adensada, e estamos construindo unidades habitacionais de até três andares”.

Já estão previstos 450 apartamentos para acolher os removidos na Rocinha e, em Manguinhos, serão prédios com 2 mil apartamentos. Para o presidente da União Pró-Melhoramentos dos Moradores da Rocinha, William de Oliveira, “ninguém gosta de deixar sua casa. Mas tem horas em que isso é preciso. A comunidade vai apoiar. Esse projeto vai mudar a história da Rocinha”.

No Complexo do Alemão serão investidos R$ 495 milhões, e a principal obra é a construção de um teleférico, que tem a meta de facilitar a acessibilidade dos cerca de 100 mil moradores da comunidade. As ruas serão alargadas e o teleférico será integrado às estações de trem e metrô. “Nós vamos passar, no mínimo, a ter ruas de quatro metros a sete metros”, explica Moreno Júnior.

Segundo a Secretaria de Estado de Obras do Estado, no Complexo do Alemão será criado ainda o Parque Serra da Misericórdia, a construção de um grande lago, e o plantio de árvores em uma área de 400 hectares.

MANGUINHOS

Em Manguinhos, será urbanizada a Avenida Leopoldo Bulhões e a linha férrea será elevada a 3,5 metros de altura, permitindo a construção de um grande parque linear na região e postos para a implantação de políticas públicas. “Nós vamos ter centro de geração de renda”, disse Moreno. “Esse parque é um parque de integração. Nós vamos buscar integrar e abrir. Você não tem mais muros, você abre e integra esse binário da Uranos com a Leopoldo Bulhões”, explica. “O parque vai ligar também com a Avenida Brasil, que hoje é longe”.

Na visita ao Rio de Janeiro, na semana passada, o presidente Lula destacou que “é na concentração de muita gente morando de forma inadequada, em condições inaceitáveis, com criança repartindo lugar com rato e barata, que se forma a cabeça de uma pessoa que nasceu para ser mulher e homem de bem. São essas condições de moradia que levam a descaminhos que não gostaríamos”. No Programa Café com o Presidente, dessa segunda-feira, Lula destacou a expectativa de investimentos proporcionada pelo PAC, e afirmou que “nós vamos colocar R$ 40 bilhões nos próximos três anos e meio na urbanização de favelas e em saneamento básico. A partir deste ano, começa a aparecer esse dinheiro na praça, começam a ser feitos os contratos com as empresas e começa a construção com a geração de emprego e com a distribuição de renda”.

Para o governador Sérgio Cabral, “estamos fazendo um programa social para ocupar meninos e meninas nas comunidades. Vamos começar pelo Complexo do Alemão em função de todo o enfrentamento que estamos tendo naquela região”. Cabral disse ainda que “temos uma parceria muito sólida com o presidente Lula, que vai se desdobrar para as comunidades do Rio em investimentos urbanísticos nunca feitos antes do Estado do Rio de Janeiro”.

JÚLIA CRUZ
Hora do Povo
Rizzolo: É atuando na inclusão social que o problema da criminalidade diminuirá, o tráfico existe porque não existe a presença do Estado, o investimento previsto pelo PAC de R$ 40 bilhões nos próximos três anos e meio na urbanização de favelas e em saneamento básico é um avanço enorme do governo Lula na direção da inclusão social. Agora pra elite, isso é gastar dinheiro à toa, ou então como eles gostam de dizer, ” precisamos ensinar a pescar ” ,” não fazer melhorias “, depois ficam fazendo passeatas a favor da paz etc. O que se precisa é inclusão social, distribuição de renda , e o resto você mesmo sabe o que é necessário, mudar o regime, né .