MP de Minas denuncia goleiro Bruno e mais 8 pelo sumiço de Eliza

SÃO PAULO – O Ministério Público de Minas Gerais afirmou que o promotor Gustavo Fantini, de Contagem, ofereceu nesta quarta-feira, 4, denúncia contra os nove indiciados no caso Eliza Samudio. O órgão não soube informar por quais crimes eles foram denunciados.

Na quinta-feira, 29, a Polícia Civil de Minas concluiu o inquérito que apura o desaparecimento da ex-amante do atleta Bruno Fernandes de Souza. O ex-goleiro do Flamengo foi indiciadas por homicídio, sequestro, cárcere privado, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e corrupção de menores. Também foram indiciados pelos mesmos crimes: Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Flávio Caetano de Araújo; Wemerson Marques de Souza, o Coxinha; Dayane Rodriques do Carmo Souza, mulher de Bruno; Elenilson Vitor da Silva; Sérgio Rosa Sales; e Fernanda Gomes de Castro.

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado como o assassino de Eliza, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado (motivo fútil, meio cruel e não possibilitou a defesa da vítima), formação de quadrilha e ocultação de cadáver.

Eliza desapareceu no início de junho. Um adolescente de 17 anos, primo de Bruno, disse à polícia que a jovem foi assassinada. O corpo dela ainda não foi localizado. Eliza tentava provar na Justiça que Bruno é pai de seu filho, de 5 meses. A criança está com a avó materna em Mato Grosso do Sul.
estadão

Rizzolo: Na verdade desconhecemos ainda o teor da denúncia, e por quais crimes foram denunciados os acusados. É bom lembrar que o início da ação penal de dá com o recebimento da denúncia pelo juiz, e não pelo oferecimento da mesma. De qualquer forma o promotor que é o titular da ação penal, entendeu que há indícios ou elementos para o oferecimento. Agora vamos aguardar o desenrolar da ação penal se esta for adiante.

Lula também dá seu apoio ao elenco do Corinthians

Algumas horas depois de os torcedores invadirem o Parque São Jorge para incentivar o time, os jogadores do Corinthians receberam uma visita ilustre neste sábado. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, corintiano declarado, foi ao clube dar seu apoio antes do jogo decisivo contra o Flamengo, quarta-feira, no Pacaembu, pela Libertadores.

Lula, que participou das comemorações do feriado de 1.º de Maio em São Paulo, foi ao Parque São Jorge na tarde deste sábado. Durante a visita, em que estava acompanhado pela primeira-dama Marisa Letícia, ele foi aos vestiários e tirou fotos com quase todos os jogadores e com o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez.

Lulinha, filho do presidente que é auxiliar de preparação física no Corinthians, também acompanhou a visita do pai. O encontro com Ronaldo, Roberto Carlos e companhia durou pouco mais de meia hora. E Lula aproveitou para manifestar sua confiança na vitória corintiana sobre o Flamengo na decisão de quarta-feira.
agencia estado

Rizzolo: O gesto do presidente Lula de ir às comemorações de primeiro de maio foi excelente, agora melhor ainda foi o nosso presidente ter ido ao Parque São Jorge prestigiar o Corinthians, isso é claro, trouxe uma grande alegria a toda nação corintiana. Como esse Blog é imparcial, eu, Rizzolo, jamais direi a que time torço, mas meu coração não me engana, Lula fez um gesto típico de corintiano, rsrs

Parlamentares defendem mulher na disputa eleitoral

BRASÍLIA – Uma sessão festiva do Congresso em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, que teve como estrela a ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, virou uma solenidade em defesa de uma candidatura feminina nas eleições presidenciais de outubro e de repúdio a declarações consideradas machistas do jogador do Flamengo Bruno.

Na solenidade realizada hoje, Dilma ouviu parlamentares defenderem a candidatura de uma mulher e se queixarem que o atacante Adriano teria batido na namorada Joana Machado. As parlamentares também reclamaram que o goleiro Bruno saiu em defesa do colega de time – ele questionou: “Quem nunca brigou ou até saiu na mão com a mulher?” O goleiro, depois, pediu desculpas pela declaração. “Adriano e Bruno, não façam mais isso”, disse a senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), sem cobrar punição.

Em discurso, Dilma evitou a polêmica envolvendo os flamenguistas e aproveitou para expor, de forma discreta, sua plataforma de campanha para o eleitorado feminino. A ministra avaliou que as mulheres são aptas a assumir postos importantes no jogo político e na administração pública porque são “sensíveis”, “práticas” e “sensatas”. “Elas são fortes e não se curvam à dor, são corajosas”, afirmou. “Sempre me perguntam se uma mulher está preparada para assumir a Presidência da República. Eu respondo que o Brasil está preparado para ter uma mulher presidente e as mulheres estão preparadas.”

Sentada à mesa ao lado do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Dilma informou que o governo incluirá no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, que será lançado dia 29, a meta de construir seis mil creches nos próximos três anos. A ministra reconheceu que as 1.788 creches construídas pelo atual governo não atendem a grande demanda.

Ela defendeu maior atenção às grávidas. “A maternidade é usada para desqualificar a mulher”, afirmou. “Devemos proteger as mulheres grávidas e seus filhos.” No momento, está em tramitação na Câmara uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que torna obrigatória a licença maternidade de seis meses. Ao comentar sobre a violência contra mulheres, Dilma disse que o governo não estuda qualquer alteração na Lei Maria da Penha, que prevê punições para agressores de mulheres.

Marina Silva

A senadora e pré-candidata do PV à Presidência, Marina Silva (AC), presente na sessão, se sentou numa das últimas fileiras do plenário. Só depois que Dilma se retirou, Marina subiu à tribuna para discursar. Ela falou sobre sua trajetória política e se queixou do PT. “A razão pela qual saí do partido foi a mesma pela qual fiquei nele durante 30 anos: a defesa da minha causa”, disse. “A minha causa é a defesa de uma sociedade culturalmente mais diversa, politicamente mais democrática e socialmente mais justa.”

A sessão do Congresso também homenageou a cantora Leci Brandão, a psiquiatra Maria Augusta Tibiriça Miranda, a prefeita de Salgueiro (PE), Cleuza do Nascimento, a advogada Andréa Maciel Pachá, a engenheira Clara Steinberg, a ex-secretária municipal da Criança de Curitiba Fani Lerner (falecida) e a criadora da Fundação de Promoção Social de Mato Grosso, Maria Lygia de Borges.
agência estado

Rizzolo: As mulheres no Brasil estão participando mais da vida política e econômica. Basta dizer que na área jurídica representam já 50 % ou mais, não é por acaso que a candidatura de Dilma é bem vista pela vasta população feminina neste Brasil. Eu pessoalmente entendo que as mulheres devem sim participar cada vez mais da vida pública, pois com certeza sabem gerir a rés pública de melhor forma.