Hillary: OEA enviará delegação a Honduras para negociar

WASHINGTON – A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou hoje que a situação em Honduras resultou “em um golpe”. Ela disse que os Estados Unidos estudam qual consequência terá a crise em Honduras para os programas de assistência ao país. Segundo ela, a Organização dos Estados Americanos (OEA) enviará uma delegação à nação caribenha “para começar a trabalhar” com os setores em conflito na restauração do governo constitucional. “É importante que tomemos uma posição a favor do Estado de direito”, afirmou.

Governos de América Latina e Europa condenaram a derrubada do presidente Manuel Zelaya e pediram que o conflito seja resolvido pela via democrática. Brasil e Uruguai afirmaram que não reconhecerão nenhum governo hondurenho que não seja o de Zelaya, deposto e expulso do país. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em seu programa de rádio semanal “Café com o Presidente” que não aceitará nem reconhecerá nenhum governo que não seja encabeçado por Zelaya “porque ele foi eleito diretamente pelo voto, cumprindo as regras da democracia”.

Honduras se arrisca a ficar isolada do resto da América Latina se o mandatário deposto não retornar à presidência, advertiu Lula, que afirmou ter conversado sobre a situação com os presidentes do Paraguai, Fernando Lugo, e do Chile, Michelle Bachelet. “Não podemos aceitar mais na América Latina que alguém queira resolver seus problemas de poder pela via do golpe”, concluiu o brasileiro.

O governo uruguaio informou que não reconhecerá como presidente provisório de Honduras Roberto Micheletti, que foi designado ontem pelo Congresso hondurenho, após o golpe. “A chancelaria uruguaia ratifica o comunicado emitido pelo Mercosul, em apoio à institucionalidade democrática, e manifesta seu mais enérgico repúdio ao sequestro e expulsão do presidente Manuel Zelaya, em aberta violação da ordem constitucional”, afirmou um comunicado publicado hoje no site da presidência.

Condenação

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, também condenou a expulsão de Zelaya e pediu seu imediato retorno ao poder. “A solução para qualquer disputa deve se buscar sempre no diálogo e no respeito às normas democráticas”, afirmou ele, em comunicado. O presidente da Assembleia Geral da ONU, Miguel D”Escoto Brockmann, disse que havia convidado Zelaya a Nova York, para que informe diretamente sobre a situação do país. Segundo D”Escoto, a deposição do líder hondurenho foi um ataque indigno à democracia.

Em Londres, o porta-voz do Escritório de Relações Exteriores Chris Bryant informou que “o Reino Unido condena a expulsão do presidente Zelaya e a restauração do governo democrático e constitucional em Honduras”. Na Alemanha, o ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, disse que a detenção de Zelaya e seu exílio forçoso na Costa Rica “violam a ordem constitucional”.

O secretário geral Iberoamericano, Enrique Iglesias, ex-presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), afirmou que o golpe de Estado “é algo que não pode ser aceito”. Escolhido para o cargo pelos chefes de Estado e de governo dos países da América Latina, mais Portugal, Espanha e Andorra, Iglesias acredita que em Honduras “a vigência da Constituição” será retomada e Zelaya voltará ao poder. “Vamos ver as coisas no bom caminho.”

Iglesias considera que “a reação mundial foi impressionante”, pela rapidez e firmeza. Uruguaio, ele afirmou que “na América Latina temos superado essas etapas de golpes militares”, algo que “ninguém aceita” no continente. O secretário também elogiou o posicionamento do novo governo dos EUA, presidido por Barack Obama. “O governo Obama também teve posição firme e clara”, disse ele, que está no Brasil para um seminário no Rio, preparatório para a reunião de Cúpula Iberoamericana que será realizada em 30 de novembro, em Estoril, Portugal.
agência estado

Rizzolo: Já disse em um comentário anterior mas irei ratificar minha posição novamente. O presidente Manuel Zelaya agiu mal, provavelmente influenciado pelo seu ídolo Hugo Chavez. Tentou conduzir um plebiscito à revelia das normas legais. Com efeito não respeitou a Constituição – tanto que queria fazer um plebiscito inconstitucional – pouco se ateve ao Congresso e desprezou o Judiciário.

Bem, já vimos que Manuel Zelaya bonzinho não é, tampouco coitadinho e injustiçado. Se os países da América Latina entendem que conclamando o povo pobre, que se encanta com as palavras doces dos oportunistas, e com artifícios demogógicos podem golpear, rasgar, e queimar a Constituição de um país, estão eles enganados. Ninguém aqui está defendendo um golpe militar, até porque se os militares ficarem a coisa muda de figura. Agora uma coisa é certa, a democracia não pode subsistir ou ser suplantada com os artifícios da demagogia e do populismo. Isso não. Não é tão fácil, como Hugo Chavez, Morales e sua turma entender ser.

Hillary diz que EUA apoiarão qualquer Governo israelense

Jerusalém, 3 mar (EFE).- A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, começou hoje sua primeira visita oficial a Israel como chefe da diplomacia de seu país ressaltando que os Estados Unidos apoiarão qualquer Governo israelense.

Assim Hillary falou ao presidente de Israel, Shimon Peres, primeiro dirigente israelense com quem a diplomata se reuniu.

Peres, por sua vez, disse a Hillary que “o Governo formado em Israel estará comprometido com o processo de paz e os acordos prévios”.

Israel realizou eleições antecipadas em 10 de fevereiro e, embora o partido Kadima, de Tzipi Livni, tenha conseguido 28 cadeiras, uma a mais que o conservador Likud, a maioria parlamentar de direita levou Peres a encarregar Benjamin Netanyahu de formar o Governo.

Depois da reunião com o presidente, Hillary visitou o Museu do Holocausto, e tem fixados para hoje encontros com Livni, com o designado primeiro-ministro, Netanyahu, e com o ainda chefe de Governo, Ehud Olmert.

folha online

Rizzolo: O problema crucial entre os palestinos e Israel, é o Hamas. Não há como negociar com um grupo que diariamente despeja bombas em Israel, acho até que do ponto de vista político, isso é uma infantilidade, e sem dúvida uma atuação que não vai de encontro aos anseios do povo palestino. Acabam trabalhando contra, não a favor. Os EUA sabem que Israel é uma democracia e um forte aliado, sempre foi, o difícil é conter os radicais de ambos os lados.

Obama anuncia equipe econômica com ‘idéias novas’

O presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta segunda-feira os nomes que vão integrar a equipe econômica de seu futuro governo, que terá início no próximo dia 20 de janeiro.

De acordo com o presidente eleito, os nomes indicados representam “as melhores mentes dos Estados Unidos” para “guiar” os americanos em meio à forte crise econômica que assola o país. Obama acrescentou ainda que sua futura equipe oferece “capacidade de avaliação e idéias novas”.

Entre as principais indicações está a de Timothy Geithner, de 47 anos, que atualmente preside o Federal Reserve (Banco Central) de Nova York e assumirá o Departamento do Tesouro, substituindo o atual secretário, Henry Paulson.

Outro nome anunciado por Obama, durante entrevista coletiva em Chicago, foi o de Lawrence Summers, ex-presidente do Federal Reserve, que será diretor do Conselho Econômico Nacional.

Obama anunciou também a indicação da economista Christina Romer, da Universidade da Califórnia, como chefe do Conselho Econômico da Casa Branca, um órgão responsável por compilar dados relativos à economia do país.

O quarto nome divulgado pelo presidente eleito americano foi o de Melody Barnes, que comandará o Conselho de Política Doméstica.

Obama saudou sua principal indicação, a de Timothy Geithner, como sendo alguém que “conta com uma compreensão sem paralelos da crise econômica”.

Currículo

Timothy Geithner já atuou no Departamento do Tesouro americano como subsecretário para assuntos internacionais durante a gestão de Bill Clinton, de 1999 a 2001.

Geithner ingressou no Tesouro ainda em 1988, servindo, em diferentes funções, sob três presidentes.

Após sair do Tesouro, ele ingressou no Fundo Monetário Internacional (FMI), onde trabalhou como responsável pela Política de Desenvolvimento do órgão até 2003.

A partir de 2003, Geithner assumiu o comando do Federal Reserve nova-iorquino.

Negociador

Geithner teve um papel importante nas negociações que ocorreram antes de o banco de investimentos Lehman Brother decretar concordata e nos acordos que resultaram nos pacotes de auxílio à seguradora AIG.

Os mercados econômicos reagiram positivamente na sexta-feira, quando a imprensa americana vazou a informação de que Geithner seria o novo secretário do Tesouro – o índice Dow Jones subiu mais de 6%.

O principal desafio de Geithner será encontrar meios de atuar para conter a atual crise econômica que assola os Estados Unidos.

Em um pronunciamento transmitido em emissoras de rádio no sábado, Barack Obama afirmou que a turbulência financeira poderá provocar a perda de milhões de empregos no ano que vem, se o governo não agir com rapidez.

Obama disse estar elaborando um plano de estímulo econômico que será implantado ao longo de dois anos e que visa criar 2,5 milhões de novos empregos durante os dois primeiros anos do seu governo. BBC Brasil – Todos os direitos reservados.

Agência Estado

Rizzolo: Timothy Geithner assumindo o Departamento do Tesouro, com ” idéias novas “, acho que a idéia mais nova de Geithner atualmente foi esconder sua condição judaica, comentaristas americanos dizem que ele esconde sua origem. Já Barack Obama pretendendo criar 2,5 milhões de novos empregos nos remete ao PAC. Olha, sinceramente isso tudo, essa mistura de PAC americano com populismo chavista, com pitadas das “melhores mentes” para ” guiar” os americanos, é preocupante. Já comentei que nos EUA até os democratas entendem seu governo e suas propostas como sendo trabalhistas, na linha do Partido Trabalhista Britânico.

Além disso qual é a grande novidade no governo de Obama até agora ? A ” grande novidade ” é Hillary Clinton. Vamos ver as reais grandes mudanças e novidades, por enquanto a grande novidade é apenas a mesmice Hillary. Sei que temos que torcer pelo novo presidente americano, tenho feito um esforço enorme para me entusiasmar. Depois dizem que sou um reacionário, um chato, um judeu ranzinza, mas sinceramente você acha que Obama é experiente ? Eu não acho, é aquela velha história, o camarada é bom de discurso, agora na prática vamos ver.

Obama cristalizou uma questão racial, o que foi muito bom, minha restrição é o populismo, é vender algo romântico numa potência que exige liderança e firmeza em termos de política internacional, e é exatamente nesse vácuo político e inseguro, é que os países inimigos da democracia como Irã e outros poderão se aproveitar de um potencial presidente fraco e dócil.