Governo lamenta crise entre Venezuela e Colômbia e fala em mediação

BRASÍLIA – O assessor de Assuntos Internacionais do Palácio do Planalto, Marco Aurélio Garcia, lamentou a decisão do governo venezuelano de romper relações diplomáticas com a Colômbia. Em entrevista há pouco no Palácio do Itamaraty, Garcia disse ter convicção que a situação irá se “recompor” com a posse do novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

Principal interlocutor do presidente Lula com autoridades latino-americanas, Garcia informou que o governo brasileiro está ajudando por meio de conversas a resolver o impasse. “Há disposição (de conversar) dos dois governos no futuro próximo, com a posse do presidente Santos”, disse. “Estou convencido de que haverá vontade das duas partes de resolver isso”, completou.

As declarações foram dadas após Garcia participar de almoço com o presidente Lula e o primeiro-ministro do Kwait, xeque Nasser Al Sabah.

Crise

Nesta quarta-feira, a Colômbia apresentou na OEA indícios de que a Venezuela abriga 1,5 mil guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seu território.

Em seguida, o presidente venezuelano Hugo Chávez anunciou o rompimento das relações diplomáticas com a Colômbia. O governo de Álvaro Uribe lamentou a decisão. Os EUA criticaram a medida de Chávez. A OEA pediu calma e diálogo a ambas as partes.

Com informações da Efe e da AP

Rizzolo: A questão principal em si, não é acusação, mas sim os desdobramentos que isso pode tomar. O papel do Brasil sempre foi o de mediador, e nesse momento, é importante que o Brasil amenize os efeitos do conflito e restabeleça a paz e a tensão gerada pelo ocorrido. O presidente Lula, e seu interlocutor Garcia, sempre foram dados ao entendimento, e hoje o Brasil tem um peso na América Latina para desempenhar bem esse papel.

Chávez se solidariza com chuvas no nordeste do Brasil e oferece ajuda

CARACAS- A Venezuela expressou nesta terça-feira, 22, sua solidariedade com o Brasil, especialmente com os habitantes de Pernambuco e Alagoas, pela tragédia causada pelas fortes chuvas que atingiram os estados na última semana e que já deixaram ao menos 41 mortos e 607 desaparecidos.

“O presidente Hugo Chávez transmite suas mais sentidas condolências aos familiares e amigos das milhares de vítimas, e manifesta seu profundo pesar pelos numerosos danos materiais causados por este fenômeno”, afirmou um comunicado da chancelaria venezuelana.

Segundo o texto, o “governo bolivariano” colocou à disposição do Brasil “os meios humanos e materiais que modestamente possam contribuir modestamente para salvar vidas e aliviar as dificuldades provocadas por esta catástrofe”.

Além disso, Caracas expressou sua confiança em que o povo brasileiro “saberá superar esta adversidade graças a seu espírito combativo e solidário.
agência estado

Rizzolo: É nesse momento que realmente encontramos os países solidários e amigos. Quando muitos apregoam a desunião, o fim do Mercosul, lançam verbalizações demoníacas contra Hugo Chavez, surge a Venezuela nos estendendo a mão. Eu não vi até agora nenhum país europeu, se solidarizar com a catástrofe do nordeste. A união dos países da América do Sul e o respeito que devemos ter com a democracia participativa venezuelana são prerrogativas essenciais a um candidato à presidência. Devemos enxergar a solidariedade bolivariana como um a demonstração de carinho ao nosso povo, agora os radicais não gostam , não é ? Para eles o povo do nordeste que se dane, e romper com os nossos vizinhos é o sonho de verão de todo radical de plantão. Eu conheço a Venezuela, suas favelas, e o avanço social que o Chavez empreedeu, antes de falar mal sugiro: vão lá e vejam.

‘Chávez terá de chegar a acordo com o mundo’, diz Peres

SÃO PAULO – O presidente de Israel, Shimon Peres, afirmou hoje que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, terá de chegar a um acordo com o mundo, “pois o mundo não vai seguir o seu exemplo”. Peres fez essa afirmação em entrevista coletiva concedida após evento realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na qual foi questionado sobre a possibilidade de a Venezuela vir a integrar o Mercosul – bloco com quem Israel está firmando um acordo bilateral. “Não acredito que o Mercosul adotará políticas de Hugo Chávez, é ele quem tem de adotar políticas do Mercosul, de cooperação, e não de ódio”, afirmou.

O tratado que prevê relações bilaterais do Brasil com Israel foi aprovado hoje pela Câmara e seguiu para o Senado. Se for aprovado, será o primeiro acordo com um país fora do bloco. Peres afirmou que, no mundo globalizado, “não existe nenhuma nação ou economia única”, e apenas aquelas que “querem ficar pobres” se mantêm individuais”. “As que querem ficar ricas têm de cooperar”, afirmou.

Shimon Peres também voltou a fazer críticas ao presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, dizendo que seu governo adota políticas “irresponsáveis e fanáticas”. Ele evitou, entretanto, comentar a visita que Ahmadinejad fará ao Brasil em duas semanas.

Também não respondeu a afirmação feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de que só se constrói a paz conversando com todas as forças políticas e religiosas que querem a paz. “Não acho apropriado comentar sobre o que o presidente brasileiro falou”, afirmou. Mas, em seguida, ele reafirmou algumas das críticas já feitas durante sua visita ao Brasil. “Não acho que as pessoas iranianas sejam nossos inimigos, mas nenhum país tem o direito de impedir a jurisdição do outro”, afirmou.

Peres também atacou o fato de o governo iraniano negar o holocausto. E também fez acusações em relação à intenção do Irã de desenvolver bombas nucleares. “Por que eles estariam investindo tanto dinheiro na construção de mísseis para carregar bombas, se não pretendessem fabricar essas bombas?”, questionou, lembrando que o Irã tem um índice elevado de desemprego. “Um líder que não tem visão positiva do futuro não tem futuro”, afirmou.

Shimon Peres afirmou que o presidente Lula pode ser um importante mediador a favor da paz no Oriente Médio, por causa de sua “voz especial, respeitada em todo o mundo”. “Os países hoje são interconectados. Todos ouvem uns aos outros, e uma voz respeitada como a do Lula seria importante, seria ouvida”, afirmou. Segundo Peres, ninguém duvida da boa vontade do presidente brasileiro e, portanto, seu chamado pela paz teria relevância.
agencia estado

Rizzolo: Peres é um político moderado e de bom senso. Entendo que a sua postura ao visitar o Brasil foi coerente, cordial, e de contudo humanista. Em relação a Hugo Chavez houve mais ironia do que ataques.

Lula ‘chegou como Cristo, anunciando a boa nova’, diz Chávez

CARACAS – O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse nesta sexta-feira, 30, que o presidente Lula chegou ao país “como Cristo, anunciando a boa nova”, referindo-se à aprovação da entrada da Venezuela no Mercosul pela comissão do Senado brasileiro.

“É benéfico para todos. Criar um grande mercado para a América do Sul. O Mercosul vai se transformar em um novo polo de poder econômico”, afirmou Chávez aos jornalistas na pista do aeroporto de El Tigre, onde recebeu Lula para um novo encontro trimestral entre ambos.

O protocolo de adesão da Venezuela, do qual só resta uma votação no plenário do Senado brasileiro, já foi ratificado nos Parlamentos argentino e uruguaio, e está pendente de debate no Paraguai. “Considero do ponto de vista moral, econômico, político, que a Venezuela já é território do Mercosul”, acrescentou o presidente venezuelano, se mostrando esperançoso de que o Paraguai dê também o sinal verde. “O Paraguai tem seus próprios ritmos. Acho que mais cedo do que tarde conseguiremos que o Paraguai aprove a entrada da Venezuela”, nesse bloco, declarou Chávez.

Lula qualificou de “extraordinária” a aprovação da entrada da Venezuela no Mercosul por uma comissão do Senado, ao inaugurar em Caracas, pouco após sua chegada, o novo Consulado do Brasil na capital.

Em sua sétima reunião trimestral, os dois presidentes selarão acordos para a operação conjunta de uma refinaria em Pernambuco e tratarão assuntos da agenda bilateral, assim como questões internacionais, como o acordo de bases militares entre Colômbia e os EUA e a resolução do impasse político em Honduras.
agencia estado

Rizzolo: Chavez sempre tem uma forma especial de manifestar. Na verdade o ingresso da Venezuela no Mercosul é excelente para o Brasil do ponto de visto econômico, principalmente para o norte e nordeste do país. Não faz sentido estarmos atrelados a questões ideológicas deixando para trás a geração de empregos, as exportações e a integração do Mercosul.

Oposição usa crise em Honduras contra Venezuela no Mercosul

A votação sobre a entrada da Venezuela no Mercosul, que deve acontecer na próxima semana, no Senado, ficou ainda mais “complicada” com o agravamento da crise em Honduras, de acordo com a oposição.

O argumento é de que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, contribuiu para o retorno do presidente deposto, Manuel Zelaya, a Honduras – causando um “problema” para o Brasil.

O fato é citado no parecer do relator, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Depois de quase seis meses de análise, o senador concluiu que a Venezuela não deve ser aceita no bloco.

“Mais uma vez Chávez é responsável por dificuldades e embaraço ao governo brasileiro”, diz o texto, referindo-se ao retorno de Zelaya e à escolha da embaixada brasileira como “destino final”.

Há cerca de três meses, Jereissati chegou a considerar um parecer favorável “com ressalvas”.

O texto final será apresentado nesta quinta-feira, na Comissão de Relações Exteriores.

O parecer traz ainda uma série de outras críticas ao presidente da Venezuela. Entre elas, afirma que Chávez contribui para a “discórdia” na região e que sua gestão traz “incertezas” quanto ao cumprimento de compromissos.

Adiamento

O documento será apresentado nesta quinta-feira, mas é provável que a base governista faça um pedido de vista, adiando a votação para a próxima semana.

O pedido de vista também permite que um novo parecer, inclusive com diferente teor, seja apresentado e aprovado na Comissão. O documento costuma ajudar os senadores na votação em plenário, sobretudo entre aqueles que não acompanham de perto a discussão.

O presidente da Comissão, senador Eduardo Azeredo, diz que o impasse em Honduras colocou o governo “em contradição”.

“O governo defende com afinco a democracia em Honduras e ao mesmo tempo quer abrir o Mercosul para a Venezuela, que atualmente segue uma linha autoritária”, diz.

Segundo ele, há “claros indícios” de atentados à democracia e à liberdade de imprensa no país vizinho.

O tema também foi abordado no parecer de Jereissati, que inclui um anexo com relatórios da Organização dos Estados Americanos (OEA) citando casos de descumprimento à carta democrática identificados na Venezuela.

O texto questiona ainda a legitimidade das eleições no país vizinho, “onde políticos são proibidos de concorrer” e a forma “quase ditatorial” de governar do presidente Chávez.

‘Constrangimento’

O parecer do relator diz que o governo coloca o Congresso em situação “constrangedora”, pois se vê obrigado a analisar um protocolo de adesão que “ainda carece de documentos”.

O texto refere-se ao fato de a Venezuela ainda não ter cumprido todos os pré-requisitos dentro dos prazos estabelecidos.

“A decisão de não incorporar os seus resultados no texto do Protocolo de Adesão impõe, sem dúvida, um constrangimento indevido ao Congresso Nacional”, diz o parecer.

Segundo o documento assinado pelo senador Jereissati, “na União Européia, aos candidatos a membros se impõe uma lista de condições e enquanto não as cumprem não são aceitos”. BBC Brasil – Todos os direitos reservados.
BBC/ agencia estado

Rizzolo: Bem, a grande discussão é saber se a Venezuela deve ou não fazer parte do Mercosul. O grande erro nessa história, é a oposição misturar questões políticas com econômicas. Não é possível integrarmos o Mercosul, avançarmos em direção a uma interação comercial maior na América Latina, sem a Venezuela. E olha que eu sou um dos maiores críticos do chavismo. Conheço a Venezuela, critico a política chavista, mas sinceramente misturar as coisas denota uma insensibilidade política e econômica sem tamanho. Não concordar com um regime, com posições políticas, não invalida as questões maiores que dizem respeito ao comércio bilateral. Se assim fosse, não teríamos relações comerciais coma China, e outros países autoritários.

Certa vez ouvi de um empresário brasileiro uma afirmativa muito coerente, quando perguntei a ele sobre os pesados investimentos siderurgicos que fazia seu grupo na Venezuela de Chavez, e ele apenas me respondeu: ” Chavez passa, a Venezuela fica “. Nesse prisma que precisamos ter o foco, o resto é bobagem da oposição, que diga-se de passagem, não tem mais discurso, e usa este tema para ter ganho secundário eleitoral. Quem sofre é o empresariado que quer vender e ter uma participação maior no mercado venezuelano. Uma pena.

Venezuela inicia campanha chavista contra campos de golfe

NOVA YORK – Após a incursão do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, contra o golfe pela televisão no mês passado, já que considerou a modalidade como um “esporte burguês”, as autoridades venezuelanas se mobilizaram para fechar dois dos melhores campos de golfe do país, segundo o jornal americano The New York Times.

“Vamos deixar isso claro. Golfe é um esporte burguês”, disse Chávez em seu programa semanal de domingo, citando os carrinhos que levam os jogadores pelo campo como um exemplo da “preguiça” do esporte. Segundo o jornal, os campos de Maracaibo e da cidade costeira de Caraballeda são os principais alvos das autoridades.

Se os campos realmente forem fechados, o número de locais que pararam de funcionar nos últimos três anos totalizará nove estabelecimentos, segundo Julio L. Torres, diretor da Federação Venezuelana de Golfe. Um projeto na Ilha Margarita, feito pelo arquiteto americano Robert Trent Jones Jr. e desenvolvido para ser o melhor campo da América do Sul, teve de ser paralisado por conta de problemas financeiros.

A maioria dos campos fechados estão em áreas onde predominam as empresas petroleiras e foram inicialmente construídos para os americanos que trabalhavam nessas companhias. Os partidários de Chávez vêm os campos como locais de concentração da velha elite.

Mas não é a primeira vez que os chavistas atacam o esporte. Juan Barreto, um ex-prefeito de Caracas, tentou tomar o controle do maior campo da capital para construir milhares de residências populares em 2006, mas perdeu a disputa judicial.

Críticos da política anti-golfe de Chávez argumentam que Cuba, a maior aliada da Venezuela, vai na direção oposta. Segundo eles, investidores canadenses e europeus planejam construir até dez campos de golfe na ilha, o que faz parte de um plano do governo cubano para aumentar o faturamento com turismo.

“A China tem mais de 300 campos de golfe, e olhe o que está acontecendo lá”, disse Torres, citando outro país comunista com o qual a Venezuela tem boas relações. “Estamos indo de 28 para 18 campos”, finalizou.

Em Maracaibo, as autoridades querem transformar o campo em um campus da Universidade Bolivariana de Chávez. Em Caraballeda, o campo será transformado em um parque recreativo.

Chávez, por sua vez, diz não ter planos para proibir o golfe legalmente. “Respeito todos os esportes. Mas há esportes e há esportes. O golfe é um esporte popular? Não, não é”, respondeu o venezuelano à própria pergunta.
agência estado

Rizzolo: Realmente Chavez é de uma pobreza de espírito gigantesca. Imagine atacar um esporte, só porque a maioria dos americanos gostam e o praticam. É um discurso tão bobo e tão antigo que nem em Cuba mais se exercita essa argumentação. Aliás por falar em esporte, e se o golfe segundo Chavez é esporte de preguiçosos, o que dizer de um militar como ele com aquela barriga enorme. Agora triste mesmo, é ver o governo brasileiro se debatendo para agradar esses tiranos da América Latina, que dão guarida à Rússia, Irã e Coréia do Norte e China, e tem mais, cada base americana na Colômbia deveria ser festejada por todos aqueles que amam a democracia e que gostam de golfe como eu, é claro (risos..).