Supremo decide processar Azeredo por mensalão tucano

BRASÍLIA – O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira, 3, abrir processo criminal contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). A partir de agora, o congressista tucano é réu numa ação penal e será julgado por suspeita de envolvimento com os crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Por 5 votos a 3, o STF aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal. Para a acusação, Azeredo teria participado de um esquema de desvio de recursos públicos e de caixa 2 na campanha de 1998, quando tentou se reeleger governador de Minas Gerais, mas perdeu a disputa para Itamar Franco.

No julgamento – que começou em novembro, foi interrompido por um pedido de vista e concluído nesta quinta -, prevaleceu o voto do ministro relator, Joaquim Barbosa, para quem houve desvio de recursos de empresas estatais para a campanha de Azeredo. Três dos 11 ministros do STF faltaram à sessão.

“Temos comprovadamente a saída de recursos estatais que foram canalizados para uma campanha. Isso está documentado num laudo imenso que consta dos autos”, disse Barbosa. “Não há a menor dúvida de que ocorreram desvios das estatais. Não há menor dúvida de que houve aparentemente uma lavagem de dinheiro”, afirmou. “O Supremo não é cemitério de inquéritos e ações penais contra quem quer que seja”, afirmou o ministro Marco Aurélio Mello, que concordou com Barbosa.

O ministro Carlos Ayres Britto, que integra o STF e preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aproveitou o julgamento para passar um recado: “Caixa 2 é um modelo maldito de financiamento de campanha em nosso país. É uma desgraça no âmbito dos costumes políticos eleitorais brasileiros”, disse.
Mesmo script

Ayres Britto observou que o modelo do suposto caixa 2 foi usado em outras ocasiões. “O esquema parece até reprise de um filme. Já vimos esse filme, o script foi um modelo que parece que fez escola. Os protagonistas, o modus operandi, o tipo de benefício, um agente central nesse processo que não entendia nada de publicidade, mas entendia tudo de finanças”, afirmou, numa referência ao suposto operador do esquema Marcos Valério, que protagonizou o escândalo do mensalão do PT, em 2005.

De acordo com Barbosa, há indícios de que Azeredo teria sido o responsável pelo planejamento e pela execução dos atos que resultaram nos supostos desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, que teriam sido viabilizados supostamente por empresas do publicitário Marcos Valério.

Segundo o ministro, há similitude entre o esquema do mensalão mineiro e o federal. O primeiro seria o “embrião” do segundo. Por esse motivo, Barbosa defendeu que o processo sobre o esquema em Minas Gerais seja julgado juntamente com a ação aberta pelo tribunal em 2007 contra 40 acusados de participação no mensalão federal.

Bate-boca

Barbosa ficou visivelmente contrariado com o voto do novato no STF, o ministro José Antonio Dias Toffoli, primeiro a se posicionar a favor de Azeredo. Ex-integrante do governo Lula, Toffoli concluiu que não há indícios de que o ex-governador de Minas Gerais tenha se envolvido com o esquema do mensalão mineiro.

Ex-subchefe da Casa Civil da Presidência da República e ex-advogado-geral da União no governo de Lula, Toffoli disse que leu detalhadamente o inquérito e não encontrou nenhum ato praticado por Azeredo. “Também não vi na própria denúncia a participação de Azeredo”, afirmou Toffoli. “A denúncia imputa-lhe os fatos apenas por ele ter sido na época o governador”, disse.

Toffoli afirmou que tudo indica que é falso um recibo anexado que comprovaria o recebimento de R$ 4,5 milhões do empresário Marcos Valério. O ministro comparou ainda os gastos de campanha de Azeredo com os de outros candidatos que disputaram o governo mineiro, em 1998.

Relator do inquérito no STF, o ministro Joaquim Barbosa reagiu publicamente no plenário ao voto do colega. “Vossa Excelência está fazendo comparações absolutamente impertinentes”, afirmou. Toffoli pediu licença para continuar seu voto. Barbosa voltou a intervir: “Nessa fase não se examina se tal recibo é ou não falso.”

Toffoli também reagiu e disse que tinha ouvido Barbosa por dois dias – que foi o tempo consumido pelo relator para ler o seu voto, em novembro. “Não ouviu meu voto, não leu os autos”, acusou Barbosa. Além de Toffoli, votaram contra a abertura da ação penal contra Azeredo o presidente do STF, Gilmar Mendes, e o ministro Eros Grau. “Eu também não consigo encontrar base para receber a denúncia por peculato e lavagem de dinheiro”, disse Gilmar Mendes.
agencia estado

Rizzolo: Opiniões divergentes sempre existem nos tribunais, agora bate-boca é algo desagradável. Por bem o STF entendeu pelo recebimento da denúncia o que no meu entender foi acertado. Azeredo terá no devido processo penal o amplo direito do contraditório, o importante é que o povo brasileiro tenha uma resposta firme do judiciário, se assim for procedente a ação penal . Vamos ver, ninguém mais agüenta tanta corrupção, ainda mais aquelas perpetradas pela oposição moralista.

Tucanos querem pôr na conta de Lula a ladroeira de Azeredo

images10.jpg

Pego no flagra, Azeredo tira sono da mídia e da cúpula do PSDB

“Mensalão” foi cortina de fumaça para encobrir o tucanoduto abarrotado com dinheiro público

Em defesa do até há pouco tempo presidente do PSDB, Eduardo Azeredo, o líder tucano no Senado, Arthur Virgílio, comparou a sua situação à do presidente Lula: “Os dois incorreram em caixa 2 de campanha. Lula diz que não sabia e Azeredo não sabia mesmo, mas o fato é que ambos se beneficiaram do caixa 2”. Outros próceres do PSDB argumentaram que “na hipótese de as acusações do mensalão de Minas e do mensalão do PT serem verdadeiras, não dá para indiciar o Azeredo sem indiciar o Lula”.

É muito bom que eles sejam forçados a admitir, ainda que por um oportunismo nauseante, que a hipótese do “mensalão do PT”, exaustivamente testada pela mídia golpista, e com a qual tucanos e ex-pefelistas comprometeram o último vestígio de sua raquítica credibilidade, possa não ser verdadeira.

De fato, não é. O caixa 2 – “recursos não contabilizados” – organizado pelo ex-tesoureiro do PT, que assumiu responsabilidade integral pelo fato, não se destinava a pagar deputados para que votassem com o governo.

A mídia procurou fazer crer que fosse, por duas razões singelas: para legitimar o uso da sugestiva expressão “mensalão” em sua cruzada anti-Lula, e por considerar que vincular o caixa 2 à campanha eleitoral do presidente não colaria, não daria Ibope e não configuraria um delito capaz de justificar o seu afastamento.

Não houve um caso sequer em que o uso desses recursos para o aliciamento de deputados – ou seja, o mensalão – ficasse demonstrado. Trata-se portanto de matéria vencida, ao menos para os cérebros capazes de conectar mais de dois neurônios.

Aquele caixa 2, criado depois da campanha de Lula, seguiu a norma tolerada e praticada por todos os aspirantes a cargos eleitorais no Brasil, guardadas as devidas e indevidas exceções: “despesas não declaradas” pagas com “recursos não contabilizados” obtidos através de doações privadas.

A eleição de Azeredo em 1998 é um caso típico de exceção indevida. Conforme demonstra o relatório da Polícia Federal, o seu caixa 2 estava abarrotado de dinheiro público, criminosamente desviado para esse fim. O relatório mostra também, de forma inequívoca e com minúcia de detalhes, a responsabilidade direta do então governador de Minas – ele próprio – no assalto perpetrado contra o erário.

Azeredo foi pego com a boca na botija, a partir de uma acusação, comprovada e ampliada pela investigação da Polícia Federal, que partiu do próprio operador do esquema, o sr. Cláudio Mourão. Queixoso por ter recebido um calote de Azeredo, Mourão abriu o jogo e apresentou parte dos documentos.

Não há como escapar dessas evidências. O que resta ver é se o senador mineiro vai para a forca sozinho ou se subirá os degraus do patíbulo acompanhado de elementos da alta cúpula tucana, que ele sem maiores sutilezas já ameaçou entregar, caso se sinta abandonado.

Os punhais estão desembainhados nos arraiais tucanos.

Para evitar o derramamento de sangue, a base governista até poderia examinar a proposta de trocar a impunidade de Azeredo por um refresco para o presidente Lula. Os tucanos parariam de acusar o presidente daquilo que ele não fez e a base relevaria os malfeitos de Azeredo. Afinal, um salafrário a mais ou a menos não é o que faz a diferença na situação do Brasil.

O problema é que os tucanos não estão dispostos a cumprir a sua parte nesse acordo humanitário.

E Azeredo, se não sabe, desconfia.

S.R
Hora do Povo

Rizzolo: Ah! Mas o camarada Azeredo foi pego com boca na botija através de um ótimo trabalho da Polícia Federal, era dinheiro grosso do erário público, criminosamente desviado para o caixa 2, ele mesmo foi o responsável direto. A situação do PSDB é crítica e a ” ética tucana” se desespera, não há dúvida que o fato do caixa dois de Azeredo, irrigado com recursos públicos, de empreiteiras e de bancos, que beneficiou 159 políticos ligados à sua candidatura levará muita gente a reboque; na lista de Claudio Mourão o caixa da campanha, Aparece quem? Nada mais nada menos o então deputado federal e atual governador do Estado Aéco Neves, receptando R$ 110 mil, ora, Esses são os “guardiões da ética tucana?”

Agora, cuidado com Azeredo, ele sabe muito, e todos irão como já a reboque. Esses são os que não gostam da democracia plena, gostam da “relativa”, da mídia golpista e também do dinheiro do caixa dois. A direita está muito bem representada não ?

FHC não sabia de nada, afirmam líderes do PSDB

0927azeredo1.jpg

As declarações do senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG), envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no esquema de caixa-dois de sua campanha para o governo de Minas Gerais em 1998, causaram um terremoto dentro do partido, desencadeando uma operação para isolar e silenciar Azeredo o mais rápido possível. Lideranças tucanas fizeram fila, quarta-feira, para rebater as declarações do senador mineiro.

Por Marco Aurélio Weissheimer, na Carta Maior*

“O senador não poderia ter dito isso. Está me obrigando a responder algo surrealista. Envolver o presidente (FHC) nesse episódio é o mesmo que envolver o presidente Bush”, disse Arthur Virgílio (AM), líder do PSDB no Senado. Virgílio não explicou porque seu colega de partido “não poderia” ter dito o que disse. O presidente nacional do PSDB, Tasso Jereissati (CE), recorreu à psicologia para explicar as declarações de Azeredo.

Segundo ele, as declarações de Azeredo ao jornal Folha de São Paulo são uma demonstração de indignação e transtorno mental. Azeredo, garantiu Jereissati, é um homem honesto, correto, que ficou transtornado e saiu falando o que veio à cabeça. Já o senador tucano de Goiás, Marconi Perillo, foi mais direto: “FHC e o PSDB nacional não têm nada a ver com isso”, assegurou.

FHC mantém silêncio

O site nacional do PSDB silencia sobre o assunto. Os recados a Azeredo estão sendo dados pela imprensa e diretamente através de alguns interlocutores. O governador de São Paulo, José Serra, negou que esteja em curso no PSDB uma operação para silenciar e isolar Azeredo. Segundo Serra, o senador mineiro é um homem íntegro e honesto e jamais existiu algo como um “mensalão mineiro”. Azeredo não está abandonado pelo partido. É só uma sensação, não a realidade, filosofou Serra.
Já o governador mineiro, Aécio Neves (PSDB), tirou o corpo fora e jogou a batata quente no colo de seu companheiro de partido, dizendo que Azeredo deve prestar contas à sociedade pelas acusações de caixa-dois na campanha de 1998.

Até a manhã de quinta-feira, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ainda não havia se manifestado sobre o caso. Segundo lideranças do PSDB, FHC está no exterior. Incomunicável, aparentemente. Os tucanos não quiseram comentar a validade do argumento utilizado por eles e pelo próprio FHC, segundo o qual o presidente Lula não poderia dizer que “não sabia”, no caso do envolvimento de petistas com o mensalão.

“Fica uma coisa nebulosa”…

No dia 29 de agosto, o ex-presidente FHC afirmou que o presidente Lula não poderia “fazer de conta que não é com ele”, referindo-se à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em aceitar a denúncia contra os denunciados no caso do mensalão. “É com ele sim. Não estou dizendo que ele seja responsável, mas enquanto ele não repudiar, dá a sensação que está conivente, ou leniente, para usar uma expressão mais branda”, disse FHC, durante um evento promovido pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), em São Paulo.

O presidente Lula, acrescentou FHC, “tem a obrigação de dar uma palavra à nação sobre o assunto”. “Caso contrário fica uma coisa nebulosa e dá a sensação que ele está passando a mão na cabeça dos envolvidos”, emendou.

Site do PC do B

Rizzolo: As explicações para o “Mensalão Mineiro” que pra mim é ” Mensalão do PSDB “, lançando mão da psicologia, ou até da psicanálise para justificar as declarações de Azeredo, por parte de Tasso Jereissati (CE), como sendo uma demonstração de “indignação e transtorno mental” me lembra o caso do Rabino Henry Sobel. Agora o silêncio é total, inclusive da mídia. Aécio Neves foi mais esperto, jogou e decarrgou tudo no Azeredo, pelo menos é um postura mais aceitável; o mais interessante é que ao mesmo tempo que um joga tudo em cima do Azeredo ( Aécio), o outro, senador tucano de Goiás, Marconi Perillo, afirma que: “FHC e o PSDB nacional não têm nada a ver com isso”. Contradições Tucanas em face à ” transtornos mentais “. O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), vai marcar um encontro com o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, para conversar sobre as denúncias contra o senador e ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo (MG) de participar do ” Mensalão do PSDB “, “Tenho que ver como deve agir a Corregedoria nesse caso”, alegou o senador do DEM nesta quarta-feira (26). O procurador-geral está analisando as informações sobre o caso para decidir se oferece ou não denúncia contra Azeredo. Vamos acompanhar, hein !