Confiança do consumidor cai 4,2%, para o menor nível da série

RIO – Após cair fortemente em outubro, a confiança do consumidor seguiu trajetória negativa em novembro e atingiu o menor nível da série histórica iniciada em setembro de 2005. É o que revelou o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) desse mês, que caiu 4,2%, em comparação com a retração de 10% em outubro. O dado foi anunciado nesta terça-feira, 25, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O índice é composto por cinco quesitos da “Sondagem das Expectativas do Consumidor”, apurada desde outubro de 2002 (com periodicidade trimestral, até julho de 2004, quando passou a ser mensal).

Na comparação com novembro do ano passado, o ICC caiu 15,2%. No mês passado, o ICC apresentou queda de 10,4% no mesmo tipo de comparação. Com o resultado, o desempenho do indicador, que é calculado com base em uma escala de pontuação entre 0 e 200 pontos (sendo que, quando mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor), passou de 101,1 pontos em outubro para 96,9 pontos em novembro – o menor nível da história do indicador.

Na avaliação da FGV, houve piora tanto na avaliação atual do consumidor sobre o cenário de hoje, como em suas projeções para o futuro.O ICC é dividido em dois indicadores: o Índice de Situação Atual (ISA), que apresentou queda de 5,7% em novembro, após registrar taxa negativa de 12,7% em outubro, e o Índice de Expectativas (IE), que apurou taxa negativa de 3,3% esse mês, em comparação com a queda de 8,5% em outubro.

No caso do ISA, em termos de pontuação, o índice passou de 104 pontos em outubro para 98,1 pontos em novembro. Já o IE caiu de 99,5 pontos para 96,2 pontos de outubro para novembro. Ainda segundo a FGV, na comparação com novembro do ano passado, os dois índices componentes do ICC também apresentaram quedas, de 11,9% para o indicador de situação atual; e de 17% para o de expectativas.

O levantamento abrange amostra de mais de 2.000 domicílios, em sete capitais, com entrevistas entre os dias 31 de outubro a 19 de novembro. Às 11h a FGV concede coletiva de imprensa sobre o indicador.
Agência Estado

Rizzolo: O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), é um dado importante. Observem que em relação a novembro do ano passado, o ICC caiu 15,2%. É natural que num ciclo de crise mundial o consumidor se retraia. Fica patente contudo, que alguns setores ou segmentos são mais afetados pela confiança do consumidor. Com o crédito escasso e as taxas de juros altas, bem como a vulnerabilidade financeira de alguns segmentos como o imobiliário, o consumidor não contrai dívidas nem compromissos.

As montadoras e o setor da construção civil já sentem isso; é bem verdade que todas as iniciativas para vascularizar a economia seus efeitos só surgem após um período. A preocupação é o primeiro trimestre de 2009, de qualquer forma é um dado preocupante mas que está dentro da perspectiva da crise.

Por outro lado o governo brasileiro está anunciando que vai fazer uma campanha de publicidade para combater a crise econômica mundial. O principal objetivo é estimular o consumo na véspera do Natal. Para o governo que insiste em não falar em crise face à sua preocupação em perder a popularidade, se lançar numa campanha de consumo é no mínimo uma inconsequência, até porque incitar o consumidor a gastar diante dessa turbulência financeira, é constituir inadimplentes logo à frente. Coisas do PT.

Ganho de empresas de capital aberto cai 60% no 3º trimestre

SÃO PAULO – Os lucros recordes das empresas de capital aberto nos últimos anos deram lugar a uma seqüência de resultados negativos no terceiro trimestre por causa da crise financeira. Levantamento feito pela Economática mostra que o ganho médio dessas companhias despencou 60,2% entre julho e setembro comparado a igual período de 2007. Do total de 254 empresas analisadas, 85 delas registraram prejuízo no trimestre e 44 inverteram resultado (de lucro para prejuízo). As empresas que conseguiram se manter em terreno positivo tiveram ganhos menores.

A deterioração do resultado trimestral é reflexo da valorização de quase 20% do dólar ante o real, explica o presidente da Economática, Fernando Exel. No início de julho, o dólar estava cotado em R$ 1,597 e saltou para R$ 1,902, em 30 de setembro. Isso teve impacto direto na dívida das empresas em moeda estrangeira e elevou a despesa financeira de R$ 1,3 bilhão, em setembro de 2007, para R$ 19,5 bilhões este ano.

Na Braskem, por exemplo, essas despesas subiram de R$ 39,5 milhões para R$ 1,9 bilhão, segundo dados da Economática. A empresa teve prejuízo de 849,2 milhões no período. “Essas companhias precisam marcar a dívida a mercado a cada período fechado para balanço”, afirma o analista da Spinelli Corretora, Jaime Alves. Ele lembra ainda que o dólar provocou perdas milionárias para empresas, como Sadia e Aracruz, que apostaram nos chamados derivativos “tóxicos”.

Agência Estado

Rizzolo: Essa notícia já era por se esperar, face à valorização de quase 20% do dólar ante o real, já em relação ao mercado acionário, existe agora um componente maior: à confiabilidade. A aversão ao risco com os países emergentes está jogando abaixo as ações de Vale do Rio Doce, Petrobras, siderurgia e bancos. O que está levando à aversão ao risco dessa vez é a situação de Equador e Argentina. Neste cenário sombrio da queda dos ganhos de empresas de capital aberto, há a possibilidade de que o Brasil possa entrar em recessão no 1º trimestre de 2009. Não restam dúvidas que há riscos de retração no último trimestre deste ano e no primeiro do ano que vem, o que configuraria uma recessão clássica também no país, a exemplo do que já aconteceu com Alemanha, Japão, Itália e Zona do Euro. Ou seja, um cenário ruim para 2009, principalmente para alguns setores como o da construção e o imobiliário cujos investidores desapareceram no último trimestre.

Crise já mexe com mercado de emprego no mundo todo

São Paulo – A crise, que começou no mercado imobiliário norte-americano, atingiu o mercado financeiro e reduziu a oferta de crédito no mundo, chegou de vez à economia real. As empresas já anunciam corte de vagas de trabalho e investimentos. Em breve, haverá queda da renda. Com este cenário, não há mais dúvidas de que o mundo passará por um período de recessão.

No Brasil, o consenso é que a economia vai desacelerar. Para muitos setores, esta realidade já começou. O mercado automotivo e imobiliário dão os primeiros sinais. A Cyrela Brazil Realty, por exemplo, admitiu nesta sexta-feira que fará demissões no quarto trimestre para reduzir despesas administrativas.

“Assim que fizermos (as demissões) vamos informar a magnitude ao mercado”, disse hoje o diretor de Relações com Investidores da companhia, Luis Largman, em teleconferência com analistas e investidores. No terceiro trimestre, as despesas gerais e administrativas da Cyrela cresceram 96,2%, para R$ 58,8 milhões, na comparação com o mesmo período do ano passado.

As novas demissões vão abranger a Seller, empresa de vendas da Cyrela. “A Seller é um pilar importante para a Cyrela, mas se vai vender menos, também vai reduzir pessoal”, disse o presidente da Cyrela, Elie Horn. A Cyrela reduziu sua previsão de Valor Global de Vendas (VGV) de lançamentos para 2008 para a faixa de R$ 5,25 bilhões a R$ 5,6 bilhões, ante estimativa anterior de R$ 7 bilhões. A meta de vendas caiu de R$ 5,5 bilhões para entre R$ 4,675 bilhões e R$ 4,95 bilhões. Para 2009, as projeções estão sendo revistas.

As mudanças na Cyrela abrangem também a redução do prazo de pagamento dos imóveis aos compradores. “Estamos oferecendo menos prazo ao mercado em razão da crise, até que isso passe”, disse o presidente da companhia. No caso da Living, braço da Cyrela para a baixa renda, o valor a ser pago até a entrega das chaves aumentou de 20% para 25%, de acordo com Horn. Nas unidades com preço até R$ 350 mil a empresa está buscando mais repasses dos clientes para os bancos. “Acima da faixa do SFH (Sistema Financeiro da Habitação) nada mudou”, acrescentou Largman.

Vale já sente crise

Outra empresa que já sente efetivamente o cenário pessimista que há vários meses impera no exterior é a Vale. O diretor-executivo de Finanças da mineradora, Fábio Barbosa, na primeira apresentação da companhia para investidores em Londres, admitiu que a empresa não esperava um ajuste tão rápido na demanda por aço na China, o que afeta diretamente o mercado da Vale.

“Não antecipamos a gravidade da crise.” Segundo o diretor, até setembro o mercado chinês operava dentro da normalidade, tanto que os embarques foram recordes nesse mês e a companhia ainda tentava conseguir novo reajuste de preços, confiando na força da demanda.

A Vale começou a perceber que a situação tinha se alterado em outubro, conforme Barbosa. A estratégia de nova elevação dos valores na China foi abandonada e, além disso, a empresa retirou o acréscimo de 12% que já havia sido acertado com japoneses e coreanos, como revelou recentemente. Barbosa lembrou que 51% do consumo de aço na China vem do setor de construção, muito abalado atualmente pela escassez de crédito. “O cenário de curto prazo não é bonito, para dizer o mínimo.”

Bancos internacionais

No cenário internacional, a crise já provoca estragos maiores. O Citigroup começou uma nova rodada de demissões e está aumentando as taxas de juros para os clientes de cartões de crédito, numa tentativa de melhorar a rentabilidade da companhia, de acordo com o Wall Street Journal.

Nesta semana, o Citigroup cortará pelo menos 10 mil funcionários de seu banco de investimentos e de outros setores da companhia em todo o mundo, segundo fontes. Pandit, instruiu os executivos da empresa a diminuir em pelo menos 25% os gastos com salários.

Nos últimos quatro trimestres, o Citigroup demitiu 23 mil pessoas, enxugando o quadro de funcionários para 352 mil até 30 de setembro. O corte anunciado recentemente foi o maior até o momento. De acordo com uma fonte, o objetivo é reduzir o número de empregados do Citigroup para 290 mil até o ano que vem.

Na Europa, o Royal Bank of Scotland (RBS) planeja cortar três mil empregos em seus segmentos de mercados e atividades bancárias globais, informou a BBC, nesta sexta-feira. O banco, que emprega cerca de 170 mil pessoas, das quais 100 mil no Reino Unido, não falou diretamente sobre os cortes. “Nós constantemente revemos nosso modelo operacional para ter certeza de que ele é apropriado para as condições do mercado” De acordo com a BBC, os cortes ocorrerão durante as próxima semanas.

Carros e tecnologia

A Nissan Motor informou nesta sexta que estenderá os planos de cortar a produção de automóveis em meio à desaceleração dos gastos do consumidor, reduzindo a produção no Japão em 72 mil veículos a partir de dezembro. A terceira maior montadora japonesa em vendas disse que o corte significará a perda de 500 empregos de curto prazo nas operações japonesas em 2009.

Na área da informática, a Sun Microsystems informou nesta sexta que cortará entre 5 mil e 6 mil empregos. A crise econômica aumentou os problemas enfrentados pela companhia devido à fraca demanda por computadores sofisticados. A Sun informou que o corte de empregos representa de 15 a 18 por cento de sua força de trabalho e faz parte de um plano mais amplo de reestruturação, que pretende economizar entre 700 milhões e 800 milhões de dólares.

A empresa espera registrar um total de gastos em uma faixa entre 500 milhões e 600 milhões de dólares nos próximos 12 meses, em linha com o plano de reestruturação, que também inclui o realinhamento de sua divisão de software.

A Nokia também se pronunciou nesta sexta e afirmou que prevê queda nos volumes da indústria em 2009. As possíveis demissões não foram citadas diretamente, mas a empresa comentou a desaceleração das principais economias do mundo. A maior fabricante de celulares do mundo afirmou que o mercado de telefonia móvel deve ser mais fraco do que o esperado no quarto trimestre por causa da crise econômica e que deve recuar mais em 2009.

Agência Estado

Rizzolo:
Tenho observado que a realidade no enfrentamento da crise é unanimidade em todo o mundo. Observo também aqui na Europa, um realismo maduro, apolítico, pró ativo. Contudo no Brasil, seguindo o raciocínio folclórico entusiasta do governo, poucas são as empresas que assumem publicamente como a Cyrela a situação real do mercado. Por vezes podemos inferir que o empresário brasileiro pouco aculturado, não assume a tremenda crise financeira brasileira, por receio de piorar a situação, è o tipo do raciocínio pequeno e que tem por objetivo encorajar o consumidor a entrar ” numa fria”.

O próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje ” que a recessão no mundo já está dada, mas não no Brasil”. Ora, todos sabem que já vivemos um período recessivo, os dados acima não mentem, o índice de inadimplência do consumidor brasileiro avançou 7,5% de janeiro a outubro na comparação com o mesmo período de 2007, informou hoje a Serasa. A alta do Indicador de Inadimplência Pessoa Física em outubro alcançou 6,9% na comparação com mês equivalente de 2007, enquanto em relação a setembro o avanço representou 4,9%. A crise atingiu em cheio alguns segmentos, principalmente o imobiliário, investimento de pouca liquidez e altíssimo risco no momento.

Construção: criatividade para acalmar a crise

A hora do aperto é o momento das estratégias de venda criativas. O blog recebeu hoje e-mail da assessoria de imprensa de uma construtora que está oferecendo um notebook e um aparelho de som para quem comprar um imóvel até o dia 16 deste mês. Para isso, basta dar uma entrada de R$ 5 mil e ter o crédito aprovado para o financiamento bancário. Os clientes receberão os aparelhos, garante a construtora, após a entrega das chaves.

O setor da construção civil está sentindo os efeitos da crise. Com a falta de crédito para empresas e consumidores, as construtoras e entidades do setor estão prevendo já menos lançamentos para este ano e números ainda menores em 2009. Aí, usam a criatividade para vender.

E você, já viu alguma promoção criativa, não só na construção civil, mas em outros setores, desde que se instalou a crise?

do blog Miriam Leitão

Rizzolo: Imagine a que ponto chegou a crise imobiliária, uma assessoria de imprensa enviou uma proposta ao blog da Miriam Leitão para informar sua promoção ! Como venho afirmando desde o início da crise, o setor imobiliário brasileiro será um dos mais atingidos. Na verdade não precisa ser economista para saber que várias construtoras podem sofrer o ” efeito Incol”. Ademais, da forma em que está o mercado, ninguém de bom senso irá investir em imóveis com esta crise, ativo este cuja liquidez é baixíssima. Por mais que os ” marqueteiros” tentem induzir o investidor a comprar um imóvel, o crédito escasso, e as taxas de juros nas alturas, de pronto fazem o investidor incauto e entusiasmado a não cometer este engano, por hora. O momento como já disse anteriormente, é de apenas observar, não de comprar. Está aí a Miriam Leitão que não me deixa omitir.