Após 8 anos, balança comercial fecha o mês com saldo negativo

SÃO PAULO – A balança comercial fechou o mês de janeiro com saldo negativo de US$ 518 milhões. O resultado vem de exportações de US$ 9,788 bilhões e importações de US$ 10,306 bilhões. Trata-se do primeiro resultado negativo mensal após uma série 93 meses de superávits consecutivos – desde março de 2001, quando a balança foi deficitária em US$ 274 milhões. Em 12 meses, o saldo acumulado na balança comercial continua positivo em US$ 23,305 bilhões.

Em janeiro de 2008, a balança registrou um superávit de US$ 922 milhões. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira, dia 2, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, pelo critério da média diária, o déficit registrado no primeiro mês deste ano (média diária de -US$ 24,7 milhões) representa um desempenho 158,9% menor que a média diária registrada em janeiro de 2008 (US$ 41,9 milhões).

A média diária exportada no mês (US$ 466,1 milhões) representou uma queda de 22,8% em relação ao desempenho médio diário registrado em janeiro de 2008 (US$ 603,5 milhões). Já as importações fecharam o mês com média diária de US$ 490,8 milhões, com queda de 12,6% na comparação com janeiro do ano passado (US$ 561,6 milhões).

Em relação a dezembro passado, a média diária exportada registrou queda de 25,8% e a média das importações foi 6,3% inferior.

O ministério ainda não estabeleceu uma meta para as exportações deste ano por causa dos efeitos imprevisíveis da crise, principalmente no primeiro trimestre. Por isso, o governo desenhou cinco cenários.

No melhor deles, as exportações vão atingir US$ 202 bilhões e no pior cenário, US$ 158 bilhões. O alento é que as importações também devem cair por causa da queda na atividade doméstica, afirmou na semana passada o economista-chefe da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), Fernando Ribeiro. O que garante o superávit anual.

Agência Estado

Rizzolo: O motivo para isso foi o pequeno superávit de US$ 127 milhões na última semana do mês, face a desastrosa medida de exigir a licença prévia de importação para cerca de 60% dos produtos que o país compra lá de fora. O resultado foi claramente influência da medida. Basta ver as médias da última semana do mês para as outras. Na realidade, temos um trimestre negro pela frente, o resultado só deve começar a mudar, se mudar, a partir de março, com o embarque da soja precoce, no Rio Grande do Sul.

Publicado em últimas notícias, balança comercial saldo negativo, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, déficit comercial., demissões em massa, economia, FHC: crise vai crescer de forma exponencial, Fiesp, geral, governo quer punir quem demite, greve na GM, LUla e a popularidade, mercado imobiliário em crise, News, notícias, Política, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

INDÚSTRIA: Apesar da demanda melhor, empresário está pessimista

SÃO PAULO, 30 de janeiro de 2009 – A perpecpção de aumento da demanda contribuiu para que a confiança dos industriais apresentasse discreta melhora em janeiro, se comparado com o cenário visto em dezembro, entrentanto, a expectativa de uma situação ruim no futuro continua forte entre os empresários. A constatação faz parte da Sondagem da Indústria de Tranformação divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Segundo o levantamento, em janeiro, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou praticamente estável face dezembro, ao passar de 74,7 para 75,1 pontos. Este é terceiro pior patamar da série iniciada em abril de 1995. “Apesar de registrar a primeira variação positiva após quatro recuos mensais consecutivos, a leitura do resultado de janeiro ainda não pode ser considerada favorável”, destaca a FGV em nota.

O avanço se deve ao Índice da Situação Atual (ISA) que aumentou 2,6%, influenciado pela melhora das avaliações a respeito do nível de demanda. Entre dezembro e janeiro, a proporção de empresas que o avaliam como forte aumentou de 2,2% para 8,3%, enquanto a parcela das que o consideram fraco elevou-se de 35,6% para 36,3% do total.

Em sentido oposto, o Índice de Expectativas atingiu o nível mais baixo da série histórica iniciada em abril de 1995, influenciado pelo indicador que mede o grau de otimismo em relação aos seis meses seguintes. Das 1.104 empresas consultadas, 12,8% prevêem melhora e 35,8%, piora da situação dos negócios no primeiro semestre de 2009. No mês passado, nas previsões feitas para o semestre entre dezembro de 2008 e maio de 2009, estes percentuais haviam sido de 25,3% e 37,6%, respectivamente. (Vanessa Stecanella – InvestNews)

Rizzolo: O importante é a análise do semestre, motivos ainda não sobram para que o empresariado fique pessimista. As perspectivas para a evolução da atividade econômica continuaram se deteriorando desde a última reunião do Copom, ainda que os dados de atividade na indústria venham em parte refletindo processo de redução de estoques, que tende a se esgotar. Note-se particularmente que, diante dos efeitos da crise internacional sobre as condições financeiras internas, a contribuição do crédito para a sustentação da demanda doméstica arrefeceu de forma intensa. Adicionalmente, a intensificação da crise internacional tem exercido influência negativa sobre a confiança dos consumidores e dos empresários.

Publicado em últimas notícias, Banco Central, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, construtoras dão notebook, construtoras dão notebook e som, construtoras em crise, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise no Brasil, déficit comercial., demissões em massa, economia, geral, News, Nossa Caixa Desenvolvimento, notícias, Política, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Governo confirma aperto na fiscalização de importações

BRASÍLIA – O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior confirmou nesta terça-feira, 27, que passou a exigir nesta semana licenças prévias de importação para 17 setores, entre eles plásticos, borracha, ferro e aço, bens de capital,máquinas e aparelhos elétricos.

A justificativa é de que a partir de agora o ministério quer que o importador identifique minuciosamente o que está sendo importado, para saber o que está entrando no mercado brasileiro. O prazo legal da licença prévia é de 60 dias, mas a Secretaria de Comércio Exterior garante que vai liberar a licença automaticamente.

A decisão foi divulgada por meio de nota no sistema de controle de comércio exterior, Siscomex e teria sido tomada em conjunto com a Fazenda, segundo técnicos do MDIC.

Nesta terça, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, vai se reunir às 16 horas com o ministro interino do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, para discutir a balança comercial que já soma um déficit de US$ 645 milhões em janeiro.

agencia estado

Rizzolo: A decisão do governo de recriar a licença de importação é um retrocesso, uma decisão ridícula, que mostra a insegurança do governo pela volta do déficit comercial. O déficit, é decorrente da crise internacional, é muita ingenuidade, entender que assim evitará o saldo comercial negativo, isso uma demonstração de incompetência, só falta voltarmos a Cacex que proibia a importação de inúmeros itens no Brasil e outros dependiam de licença prévia e essa licença ficava presa na gaveta da Cacex. Isso é o PT.

Publicado em últimas notícias, Bancos não emprestam dinheiro, barreira as importações brasileiras, Brasil, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise no Brasil, déficit comercial., demissões em massa, economia, Fiesp, geral, greve na GM, News, notícias, Política, política internacional, Principal, problema do câmbio. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Crise levará juro ao menor patamar da história, diz pesquisa do BC

Os economistas ouvidos pelo Banco Central na pesquisa Focus esperam que a taxa básica de juros termine o ano no menor patamar da história. De acordo com o levantamento realizado na semana passada, a previsão para a taxa básica de juros no final do ano caiu de 11,25% para 11% ao ano.

A mudança ocorreu após a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) na última quarta-feira (21), quando o BC decidiu cortar a taxa Selic de 13,75% para 12,75% ao ano. Foi o maior corte de juros em cinco anos, motivado pela desaceleração da economia verificada nos últimos meses.

Após anunciar o corte, o BC indicou que os juros devem continuar caindo, mas com cortes menores.

Agora, os economistas esperam que os juros sejam reduzidos para 12,25% na reunião do Copom de março; 11,75% em abril; 11,25% em junho; e fique em 11% ao ano a partir de julho (o Copom se reúne a cada 45 dias, aproximadamente). Em 2010, a taxa chegaria a 10,75% ao ano.

PIB

A queda maior dos juros deve ser impulsionada pela desaceleração da economia neste ano, devido aos efeitos da crise econômica.

Foi mantida a previsão de crescimento da economia em 2009 de 2%, abaixo dos 3,2% estimados pelo BC e dos 4% previstos no Orçamento deste ano para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas). Para 2010, está previsto um crescimento de 3,8%.

A estimativa para a produção industrial caiu de 2,15% para 2%. Para o próximo ano, recuou de 4,3% para 4,05%.

A previsão para o dólar no fim deste ano ficou em R$ 2,30. Para 2010, está em R$ 2,28.

Inflação

Em relação às previsões de inflação, a expectativa para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que serve como meta para o BC, caiu de 4,80% para 4,64% (2009) e está em 4,5% para 2010. A meta de inflação é de 4,5%, podendo chegar a 6,5% no intervalo de tolerância (teto da meta).

Para este ano, a expectativa do mercado para o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna) caiu de 4,91% para 4,49%; o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) recuou de 4,77% para 4,41%. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômica) caiu de 4,54% para 4,50%.

A estimativa para o saldo da balança comercial ficou em US$ 14,5 bilhões. A expectativa para o déficit em conta corrente neste ano ficou em US$ 25 bilhões.

As previsões de investimentos estrangeiros diretos ficaram em US$ 23 bilhões. A previsão para a relação dívida/PIB caiu de 36,75% para 36,45%.

Folha online

Rizzolo: A crise que desponta terá como efeito uma forte diminuição da atividade econômica, e com certeza, muito embora o ” spread” bancário continuará alto face à inadimplência, a tendência dos juros na sua taxa básica será de diminuição. Custou o Copom entender que a desaceleração da economia é maior do que os efeitos da alta do dólar no início do processo de crise. É bem verdade, que nessa tendência de diminuição dos juros básicos, tem um componente político do governo, dos empresários, e da classe sindical. Observem que o presidente, já não apregoa o consumo à população até porque já deve ter percebido que com isso irá constituir uma ” mar de inadimplentes” e inadimplentes significa spread bancário alto.

Publicado em últimas notícias, Banco Central, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, construtoras e o " efeito Incol", construtoras em crise, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, economia, FHC: crise vai crescer de forma exponencial, Fiesp, geral, mundo, News, Nossa Caixa Desenvolvimento, notícias, Política, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »