Resultado da pesquisa do Ibope surpreende tucanos

A pesquisa Ibope, que mostrou Dilma com 39% das intenções de voto contra 34% de Serra e 7% de Marina, surpreendeu o comando da campanha do PSDB, ao mesmo tempo que o resultado foi comemorado discretamente no PT e no Palácio do Planalto. No QG, a expectativa era que os números registrassem um empate técnico, mas, internamente, a avaliação é que não há fatos que justifiquem a diferença entre essa pesquisa e o levantamento do Datafolha da semana passada , em que Serra e Dilma apareciam empatados tecnicamente.

A cúpula tucana deve analisar os novos números e há quem defenda que Serra deve evitar o confronto direto com Dilma e partir para uma campanha mais propositiva.

“Essa não é uma boa pesquisa para nós. Nossas informações indicam que Serra e Dilma estão empatados. Mesmo assim, vamos refletir sobre os dados”, disse o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).

Na campanha de Dilma, os números foram recebidos com cautela. Para o presidente do PT, José Eduardo Dutra, é preciso evitar o “salto alto”, já que este é um cenário indefinido. Ele sugeriu ainda que o discurso bélico de Serra pode ser um dos fatores que tenham influenciado para esse resultado do Ibope.

“Essa pesquisa Ibope está dentro do esperado. Independentemente das divergências de números entre institutos, o que há de concreto é uma tendência de crescimento de Dilma e uma pequena queda de Serra. Mas este é um cenário indefinido”, disse Dutra. “Mas uma coisa é certa: se esse discurso que o Serra tem feito não fez ele cair, também não fez subir”.

O presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), disse que a eleição está empatada e que será decidida a partir do programa eleitoral no rádio e na TV. Para Rodrigo Maia, Serra deve explorar os pontos fracos do governo Lula e deve reforçar sua atuação no Ministério da Saúde, por exemplo.

“A eleição está empatada. O importante é saber que a eleição vai ser decidida a partir de agora, com o início dos debates”, disse Rodrigo Maia, lembrando que Serra está sempre acima dos 30% e perto dos 40%.
correio do Brasil

Rizzolo: A postura do PT em receber com cautela o resultado boa. Na verdade ainda é cedo para se comemorar mas da forma em que os resultados se apresentam, o PSDB se vê numa situação cada vez mais complicada. Já em São Paulo, Alckmin desponta como o favorito e entendo que as chances do tucano no Estado são boas. Serra infelizmente faz uso da tática do terror, do medo, e isso o povo não gosta, o que o eleitorado quer são propostas e a garantia que os projetos de inclusão irão permanecer, mas isso ele não fala, ou é reticente, esse é o problema.

Pesquisa Ibope mostra Serra com 36% e Dilma com 29%

Uma nova pesquisa Ibope encomendada pelo jornal Diário do Comércio aponta variação positiva de dois pontos porcentuais à favor do pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, em relação à sua principal adversária, a petista Dilma Rousseff. O levantamento, feito entre os dias 13 e 18 de abril, mostra o tucano com 36% das intenções de voto, sete à frente da petista, que seria a escolhida por 29% do eleitorado. No ultimo levantamento, a diferença era de 5 pontos.

Em terceiro lugar estão empatados o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) e a senadora Marina Silva (PV-AC), com 8% das intenções de voto cada um. A porcentagem de votos em branco e nulos somou 10% e os que disseram não saber em quem votarão atingiram 9%.

Na simulação de um eventual segundo turno entre os pré-candidatos do PSDB e do PT, Serra lidera com 46% e Dilma tem 37%. A maior rejeição apontada pela pesquisa é de Ciro, com 48%, seguido de Marina, com 43%, Dilma, com 34%, e Serra, com 32%.

O último levantamento Ibope, divulgado em 17 de março e encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrava o tucano com 35% das intenções, seguido pela pré-candidata do PT, com 30%. Ciro registrou 11% e Marina teve 6%. Naquela sondagem, o porcentual de votos em branco e nulos alcançou 10% e dos que disseram não saber em quem votar ou não quiseram responder somou 8%. De acordo com o “Diário do Comércio”, os levantamentos encomendados pela CNI e pela ACSP usam a mesma base de apuração e, logo, podem ser comparados entre si.

No cenário sem Ciro, a pesquisa Ibope/Diário do Comércio aponta Serra com 40%, Dilma com 32%, Marina com 9%, branco e nulos 11% e não sabem ou não opinaram, 9%.

Continuidade

A pesquisa Ibope/Diário do Comércio mostra também crescimento na popularidade do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para 76% dos entrevistados, a gestão de Lula é ótima ou boa; para 18%, é regular, e 5% afirmaram ser ruim ou péssima. Na última edição do levantamento, 75% dos entrevistados avaliavam a gestão do presidente como ótima ou boa.

A mostra indagou ainda o que os eleitores gostariam que o próximo presidente fizesse. Do total de entrevistados, 35% querem a total continuidade da atual administração, 30% desejam pequenas mudanças com continuidade, 24% querem a manutenção de apenas alguns programas com muitas mudanças e 9% desejam a mudança total do governo do País.

Para 75% dos entrevistados, Lula é confiável, enquanto 21% disseram não confiar nele. A pesquisa, divulgada nesta quarta-feira, 21, pela página do jornal “Diário do Comércio” na internet, e que será publicada nesta quinta, 22, pela edição impressa, foi realizada com 2.002 eleitores em 141 municípios de todo o Brasil.

A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos. Esta pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob o protocolo 9070/2010.

Com informações de Gustavo Uribe, da Agência Estado

Rizzolo: Com efeito, a pesquisa mostra uma realidade do momento. Serra está politicamente exposto há décadas, e Dilma há meses. Se levarmos em consideração a diferença, podemos imaginar o potencial de Dilma Rousseff na plenitude da campanha. Saber analisar com vista ao aspectos técnicos é o mais importante, paixões eleitorais de nada servem, devemos ser frios, apontar os erros e avançar sem polêmicas. Falta muito ainda para levarmos a sério pesquisas, no momento apenas a observação.