PT busca um empresário para ser o vice de Marta

O PT tenta transformar infortúnio em vantagem política. Como não conseguiu atrair nenhum partido de relevo para a campanha de Marta Suplicy, o petismo ficou livre para escolher o companheiro de chapa que bem entender.

A solução mais simples seria pinçar um vice dos quadros do PT. O partido decidiu, porém, fugir do convencional.

Tenta acomodar na cédula, ao lado de Marta, um nome que traga enganchado na biografia algo além da militância política.

Discute-se nos subterrâneos a hipótese de convidar para o posto de vice de Marta um empresário. Os operadores políticos do PT voltam os olhos para o “Comitê pró-Lula”.

Trata-se de um grupo de empresários que apoiou Lula nas campanhas de 2002 e de 2006. Na primeira campanha, somavam 30. Na segunda, reduziram-se a menos de duas dezenas.

Soprada nos ouvidos de petistas que assessoram Lula, no Planalto, a idéia foi bem recebida. Foi vista como chance de transformar limão da falta de alianças em limonada.

Um auxiliar do presidente citou ao blog um nome que reuniria os predicados que freqüentam os sonhos do PT de São Paulo: Lawrense Pih.

É dono do maior moinho de trigo da América Latina: o Moinho Pacífico. Funcionou como espécie de coordenador do Comitê pró-Lula.

Mal comparando, tenta-se repetir com Marta uma fórmula adotada por Lula. Foi ao Planalto, em 2002, tendo o dono da Coteminas, José Alencar. Repetiu a dose em 2006.

Na seara paulistana, a escolha do vice ganha relevo especial. Embora não admita, Marta deseja voar alto em 2010. Mira o governo de São Paulo. Cultiva ambições presidenciais.

Ou seja, se for eleita, Marta, hoje a mais bem-posta nas pesquisas de São Paulo, dificilmente exercerá o mandato de prefeita até o final, em 2012.

De resto, se tiver êxito na estratégia de acomodar um “nomão” ao lado de Marta, o PT imagina que oferecerá aos eleitores um diferencial que seus adversários não terão como igualar.

Geraldo Alckmin (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM) estão amarrados em costuras tradicionais.

Alckmin deve ter como vice o deputado estadual Campos Machado, presidente do PTB em São Paulo. Kassab terá de absorver um indicado de Orestes Quércia, mandachuva do PMDB.

Resta agora saber se, uma vez convidado, um empresário vai topar a troca dos rigores da atmosfera privada .
Blog do Josias

Rizzolo: Marta fez uma ótima administração quando esteve à frente da prefeitura de São Paulo, é competente muito embora tenha um gênio extravagante. A proposta em ter como vice um empresário é excelente, até porque é extremamente saudável para a imagem de Marta se descolar do PT, ou seja, da matéria-prima humana petista que como todos já sabem é problemática. Até mesmo Lula prefere nomes que não tenham participação política petista, como Dilma Roussef, enfim Marta deve seguir o exemplo e ficar o máximo possível longe dos políticos de carteirinha do partido. Marta está caminhando bem, deve-se aproveitar a máquina petista, o prestígio de Lula, e distância dos petistas. Apenas o lado bom, no fundo é a operação ” despetizar “, agrega-se empresários ligados ao PT e não petistas.

Alckmin e Marta lideram disputa pela Prefeitura de SP, diz Datafolha

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e a ministra Marta Suplicy (PT) lideram hoje a corrida pela Prefeitura de São Paulo, revela a primeira pesquisa Datafolha do ano, publicada na Folha deste domingo (17) –que chegou às bancas de jornal neste sábado (16). A íntegra da pesquisa está disponível somente para assinantes do jornal e do UOL.

De acordo com a pesquisa, Alckmin aparece com 29% das intenções de voto, contra 25% de Marta. Os dois estão tecnicamente empatados, já que a margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), tem 12% das intenções de voto. Com esse desempenho, Kassab está tecnicamente empatado com Paulo Maluf (PP) e Luiza Erundina (PSB) –que têm 10% e 8% das intenções de voto, respectivamente.

Na pesquisa anterior, realizada em novembro, Alckmin tinha 26% das intenções de voto, contra 24% de Marta. De uma pesquisa para outra, o percentual de intenção de votos de Alckmin oscilou três pontos para cima, enquanto o de Marta evoluiu um ponto.

Kassab –que tinha 13% das intenções de voto– oscilou um ponto para baixo. Com isso, a diferença na taxa de intenção de voto de Alckmin para Kassab subiu para 17 pontos.

Os dois querem disputar a eleição para a Prefeitura de São Paulo, em outubro. Se nenhum deles desistir da candidatura, a aliança histórica entre PSDB e DEM será rompida. Integrantes do PSDB já chegaram a defender apoio à reeleição de Kassab em prol da manutenção dessa aliança. Em troca, o DEM apoiaria a candidatura de Alckmin para o governo de São Paulo, em 2010. Mas Alckmin quer disputar a eleição de outubro para não ficar muito tempo afastado das articulações políticas.

Folha online

Rizzolo: Tenho dito com freqüência neste Blog, que a viabilidade da candidatura de Alckmin jamais deveria ser deixada de lado como alguns tucanos no início apregoavam. Cheguei a escrever um pequeno artigo intitulado Que tal o Geraaaaldo ?, sobre as conveniências de Alckmin face a sua maior “digestibilibidade” junto ao eleitorado paulista. A pesquisa da Datafolha vem corroborar o meu entendimento. Quanto a Marta, infelizmente fica na população a marca do estigma petista; por mais que os defensores do PT tentem justificar a lama de corrupção, de gastança, e de falta de gestão, acusando a mídia de golpista, os efeitos não prosperam, vez que os escândalos como os do cartões corporativos, saltam aos olhos. E o pior, desde já membros do PT como o secretário-geral do partido José Eduardo Cardoso, descaradamente admitem de forma pública, o que o partido escondia; o vergonhoso escândalo do mensalão. Como se isso fosse natural !

Conheci o ex. governador Alckmin num jantar de amigos em comum, e tivemos a oportunidade de durante duas horas conversarmos sobre o Brasil. Apesar de não concordar com toda sua visão política ideológica, por muitas vezes, durante o jantar, ele me surpreendeu com colocações mais à esquerda do que o nosso presidente. Pensei comigo ” Só aos mortos não é dado o direito a mudar de idéia “, e parace que ele está mudando…para melhor. Num eventual segundo turno entre Alckmin e Marta, o tucano venceria a eleição com 52% das intenções de voto, contra 40% da petista, segundo a mesma pesquisa.