Marina arrecada maior parte dos fundos de campanha com empresas poluidoras

Empresas de segmentos conhecidos por agredir o meio ambiente, como metalurgia, mineração, papel e celulose, fertilizantes e cana-de-açúcar, foram responsáveis pela doação de um montante expressivo da campanha da candidata do Partido Verde (PV) à Presidência da República nas eleições deste ano, Marina Silva: cerca de R$ 3 milhões. O valor corresponde a 12,5% do total arrecadado – R$ 24,1 milhões.

Na área de mineração e metalurgia, o volume arrecadado chega a quase R$ 1 milhão. A Companhia Brasileira de Siderurgia e Mineração doou R$ 300 mil; a Companhia Metalúrgica Prada, R$ 150 mil; e a Urucum Mineradora, R$ 500 mil. No ramo de fertilizantes, as maiores doações foram da Fosfértil (R$ 600 mil) e da Bunge Fertilizantes (R$ 100 mil). No ramo de papel e celulose, a Suzano contribuiu com R$ 532 mil e a Klabin com R$ 250 mil. A Cooperativa de Produtores de Cana de Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo (Copersucar) doou R$ 250 mil e a Cosan, uma das maiores produtoras mundiais de cana-de-açúcar, também doou R$ 250 mil.

O principal segmento que doou para a campanha de Marina foi o da construção, que sozinho respondeu por mais de R$ 3 milhões. As contribuições foram da Andrade Gutierrez (R$ 1,1 milhões), Camargo Correa (R$ 1 milhão) e Construcap (R$ 1 milhão). O segmento bancário também foi expressivo na arrecadação, responsável por quase R$ 3 milhões. O maior doador foi o Banco Alvorada (empresa que doou o maior montante da campanha), com R$ 1,7 milhões, seguido pelo Itaú Unibanco, com R$ 1 milhão, Banco Safra, com R$ 200 mil, e Banco Rodobens, com R$ 50 mil.

correio do Brasil
Rizzolo: Marina infelizmente perdeu a oportunidade histórica de demonstração de coerência com seu passado. Com efeito esperava que diante do seu silêncio ensurdecedor, faria com que o Serra e o conservadorismo se valessem das suas contradições fazendo com que o retrocesso se instalasse. Não foi isso que aconteceu, e diante dos financiadores da sua campanha podemos entender melhor a exegese da sua postura política.

Discurso de Leonardo Boff e Chico Buarque no ato de intelectuais e artistas

Serra acusa Marina de participar no “mensalão”, mas quer os votos do PV

Reunião com aliados mostra força política da candidatura de Dilma

O PT e os partidos aliados, além de governadores, senadores e deputados reeleitos reuniram-se em Brasília nesta segunda-feira (04) e discutiram como será a atuação nos estados até 31 de outubro, data do segundo turno das eleições. A reunião mostrou a força política de Dilma e animou os participantes a recomeçar com fôlego redobrado a campanha presidencial.
Muitas avaliações foram apresentadas para explicar o bom desempenho da candidata do partido verde, Marina Silva, que acabou levando a eleição para o segundo turno.

Para o líder do PT na Câmara, deputado Fernando Ferro, reeleito por Pernambuco, a comparação entre o governo tucano e o de Lula deve ser aprofundada. “Se eles não tiraram FHC do armário nós vamos abrir a porta do armário. Temos que ir para o confronto entre os dois governos”, defendeu.

Aliados no PV

Ferro disse que integrantes do PV e do PSOL já o procuraram para conversar, após o resultados das urnas. Ele defende a aproximação com o PV e acredita que o PT “fará pontes” utilizando seus deputados e senadores.

De acordo com Fernando Ferro, Gilberto Gil, que ocupou a pasta da Cultura nos dois mandatos do governo Lula, e o deputado Zequinha Sarney, lideranças do PV com bom diálogo com o PT, devem ser procurados para essa aproximação. Além disso, o PT buscará diálogos com segmentos da sociedade ligados ao PV e à questão ambiental.

“Marina poderá manter a neutralidade por conveniência política, mas isso não impede o PT de buscar esses diálogos”, disse Ferro. “Se observarmos as propostas de Marina, vamos perceber que está muito mais próxima do PT que do PSDB”, avaliou.

Já outros aliados acreditam que a boa votação de Marina não deveu-se a preocupações ambientais dos eleitores. “Este tema não é prioridade na cabeça do eleitor que optou por Marina, e sim a proposta de ‘um novo jeito de governar’ que a candidata defendeu durante a campanha”, diz um observador da cena política aliado de Dilma e que pediu para não ser identificado.

O governador reeleito da Bahia, Jaques Wagner (PT), defendeu a aproximação dos petistas com os “eleitores apaixonados por Marina” e jogou charme para a candidatado PV. “Marina é maior do que o PV. O PV que me desculpe, mas ela é uma liderança maior. Temos que olhar os eleitores que se apaixonaram por Marina e os que se apaixonaram por Dilma”, afirmou o governador baiano, antes da reunião com o comando da campanha, em Brasília.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB), mostrou-se bastante confiante na vitória de Dilma. “Vamos ganhar no segundo turno e daqui (da reunião) sai a estratégia da vitória”, afirmou, antes de entrar para a reunião.

O governador eleito, Eduardo Campos, no entanto, preferiu ser mais cauteloso. “Veio um recado das urnas. Temos que ouvir, ter humildade e fazer um bom segundo turno. O lado bom disso é que os dois candidatos terão mais tempo para discutirem as propostas, e acho que foi isso que levou a população a forçar um segundo turno”, afirmou.

Dilma destaca proximidades com Marina

Durante a primeira entrevista coletiva após a realização do primeiro turno das eleições, a candidata petista Dilma Rousseff reconheceu que a votação de Marina foi o principal fator que provocou o segundo turno. Dilma disse que ligou para a candidata do PV para parabenizá-la pela disputa e campanha qualificada. “Marina faturou e tirou (votos) do meu adversário”, afirmou.

Sobre o apoio de Marina nesta nova fase da campanha, Dilma afirmou que existem mais proximidades do que diferenças entre as duas, mas que a decisão é de “foro íntimo” da candidata verde e ainda não pediu apoio a ela. “Nao acho adequado especular sobre o que alguém vai fazer. Hoje liguei para cumprimenta-lá. Em um segundo momento vamos conversar”, afirmou Dilma.

A decisão oficial do PV sobre o apoio só será conhecida após uma convenção partidária que deve ser realizada em 15 dias, no máximo. O estatuto da legenda prevê a possibilidade de que aqueles que forem minoria na convenção se manifestem de maneira contrária ao que foi decidido, respeitando a posição majoritária, não sofrendo nenhum tipo de sanção por conta dessa postura.

Isso deixa aberta a possibilidade de que o posicionamento adotado por Marina seja diferente daquela tomado pela maioria. “Eu prefiro fazer uma manifestação partidária”, afirmou ela, em referência à postura de Fernando Gabeira (PV), que declarou nesta quinta apoio à candidatura de José Serra. Marina disse que a decisão de Gabeira é uma postura individual do deputado.

Marta: Serra foi rejeitado como opção

A reunião de governadores e parlamentares da base em Brasília mostra a força política da candidatura de Dilma. Todos acreditam que os votos de Marina Silva tendem a migrar para a petista. A senadora eleita Marta Suplicy (PT-SP) disse que o importante é que o eleitor votou em Marina e não no candidato tucano José Serra.

“Foram muitas coisas que se somaram para ter segundo turno. Mas as pessoas não resolveram votar no Serra. O voto foi para Marina, que é uma pessoa ética e do bem. Então isso não comprometia. E, agora, esse voto vai para Dilma”, disse Marta Suplicy.

O senador eleito Roberto Requião (PMDB-PR) disse que é amigo de Marina Silva, e, se necessário, irá procurá-la para conversar sobre segundo turno. Na mesma linha, o senador eleito do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), disse que os mais de 40% dos votos de Marina no DF vão para Dilma.

“Quase a totalidade dos votos de Marina no DF vão para Dilma, podem ficar certos”, afirmou.

Lula e Dilma convocaram pessoalmente a reunião

Foram o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata Dilma Rousseff que dispararam telefonemas convocando governadores eleitos, presidentes de partidos e senadores para a reunião.

Eles planejam a formação de uma frente de atuação nos estados para o segundo turno. O objetivo é iniciar imediatamente uma ofensiva e reverter a tendência de queda nas intenções de voto observada nos últimos dias da disputa do primeiro turno.

O governador reeleito do Rio de Janeiro , Sérgio Cabral (PMDB), esteve na reunião e comentou que a população deu um recado claro nas urnas com a votação de Dilma e Marina. “A Dilma foi beneficiada por essa parceria (com o PMDB), ela foi líder no Rio. O recado das urnas é claro, o Brasil quer uma mulher para presidente. No Rio, as duas mulheres ficaram na frente, somam 65% dos votos para mulheres. É hora de eleger uma mulher”, afirmou.

Também estiveram na reunião com a candidata do PT o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), e os senadores eleitos Eduardo Braga (PMDB-AM), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Renan Calheiros (PMDB-AL), Eunício Oliveira (PMDB-CE), Delcídio Amaral (PT-MS), entre outros.

Com agências
Rizzolo: Agora o empenho deve ser total, é claro que há necessidade de demonstrar as diferenças entre os dois governos, e trazer à baila a figura de FHC, este sim deve ser o tom da campanha, a aproximação com Marina é essencial, e evidentemente, acima de tudo, fazer uma profunda reflexão sobre as falhas cometidas no primeiro turno, hora de ser humilde.

‘Nós devemos procurar a Marina’, defende Tarso Genro

Governador eleito do Rio Grande do Sul e interlocutor político privilegiado do Palácio do Planalto, o ex-ministro Tarso Genro (PT) defendeu nesta segunda-feira (4), em entrevista em Porto Alegre, a aproximação imediata da candidatura de Dilma Rousseff com a ex-candidata Marina Silva (PV), terceira colocada no pleito presidencial.

“Creio que nós devemos procurar a Marina, devemos conversar com ela, e o método como vai fazer e as pessoas que irão fazer é o que vai ser analisado nessa reunião”, disse Tarso, em referência ao encontro convocado pela coordenação da campanha de Dilma para a tarde de hoje (4) em Brasília com governadores e senadores eleitos .

Com o aval de quem ocupou quatro pastas no governo Luiz Inácio Lula da Silva, duas delas de caráter político (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e Relações Institucionais), Tarso fez elogios à senadora e se dispôs, inclusive, a ser o interlocutor da campanha de Dilma perante a senadora do Partido Verde.

“Se a coordenação [da campanha] me der essa tarefa, farei com o maior prazer. Porque conheço a Marina há mais de 30 anos, nós militamos juntos na clandestinidade, e além disso somos amigos pessoais. Eu adoro a Marina. Do ponto de vista pessoal, gosto igualmente da Marina e da Dilma”, afirmou Tarso, eleito em primeiro turno com 54,35% dos votos válidos.

O ex-ministro também procurou reforçar o que diz ser uma maior identificação de Marina, ex-petista e ex-ministra do Meio Ambiente de Lula, com o projeto governista.

“Sei que é uma pessoa que tem muito mais afinidade com o projeto que Lula e Dilma representam do que com o projeto que o Serra [José Serra, candidato do PSDB à Presidência] representa”, afirmou.

Tarso atribui queda de Dilma a “bombardeio” contra candidata
Em público, o governador eleito do Rio Grande do Sul disse que não irá levar sugestões para a campanha de Dilma porque seria “precipitado”, mas, questionado pelo G1, não se furtou a dar sua avaliação sobre o resultado da campanha para o governo, inferior ao que apontavam pesquisas recentes.

Disse que houve uma “ofensiva pesada, monocórdica, quase totalitária” contra a candidatura da situação. Embora isente Dilma de responsabilidade, apontou os episódios da quebra de sigio fiscal de tucanos, as denúncias de irregularidades na Casa Civil e afirmações sobre a suposta falta de religiosidade da candidata como fatores que, afirma, motivaram migração de votos da candidata petista para Marina, senadora de fé evangélica.

“Primeiro foi a questão do Imposto de Renda [quebra do sigilo fiscal de tucanos], que se esvaziou, não tinha nenhuma prova. Segundo foi a Casa Civil, que até agora não tem nenhum dado que longinquamente vincule a Dilma a qualquer irregularidade que tenha sido cometida lá, e parece que foi. Em terceiro lugar foi essa questão de natureza religiosa, que teve efeito de levar à perplexidade determinados setores que estavam apoiando a candidata [Dilma]”, disse Tarso.

O governador eleito, contudo, afirmou que a candidatura de Dilma é “muito forte” e disse estar “na ponta dos cascos” para uma “grande ofensiva política”.

Governador eleito defende “ajustes no discurso” da campanha de Dilma
Tarso também deu amostras das sugestões que levará à coordenação da campanha, ao afirmar que ajustes de discurso político” serão necessários na campanha do segundo turno.

“Os ajustes de discurso político deverão ser feitos porque agora é uma candidatura que se reporta exclusivamente a um adversário, que também tem sua origem, ideologia política, esteve no governo, tem sua avaliação da população”, afirmou Tarso, sugerindo uma busca por maior polarização no segundo turno.
G1
Rizzolo: É impossível que alguém como Marina Silva que teve um passado de luta no PT, acabe se transformando numa agente da política conservadora desse país. Marina deve ser coerente com seu passado de luta, sua história, e deve de uma vez por todas ela sim fazer uma “mea culpa” e apoiar Dilma no segundo turno. A questão política em São Paulo não é de fácil compreensão, existem núcleos conservadores, e não me refiro à vitória de Alckmin. Observem que jamais ataquei Geraldo Alckmin, até porque entendo que o Geraldo Alckmin foi mais uma vítima de Serra e sua trupe, foi isolado e humilhado, e mais, Geraldo pode se tornar mais socializado, menos neoliberal, ou seja possui “recuperação ideológica”. Em outras palavras, Geraldo sempre foi o que é, mas pode melhorar, agora Marina, precisa fazer uma reflexão do seu passado e ver até que ponto ela efetivamente a cada dia que passa se torna um instrumento do conservadorismo a serviço do Serra. É isso que ela quer ?? Acho que não não é, tampouco seus eleitores assim desejam.

Marina critica plano de banda larga do governo federal

SÃO PAULO – A pré-candidata do PV à Presidência da Republica, Marina Silva, criticou, durante encontro com blogueiros na noite desta segunda-feira, o Plano Nacional de Banda Larga do governo federal, que será coordenado pela estatal Telebrás.

– Não teve discussão (sobre o modelo para expandir a banda larga no país). A participação da sociedade é muito importante. Também acho que é um assunto que não precisaria ser tratado nesse período difícil de disputa eleitoral. Poderia ficar para 2011 ou ter sido feito em 2009. A necessidade de banda larga é inegável. Temos que pensar em um sistema misto. O Estado tem que suprir onde a iniciativa privada não tem capacidade para suprir, mas não tem sentido o estado entrar onde a iniciativa privada tem interesse.

O governo planeja levar o programa a 100 cidades do país neste ano. Durante a conversa, Marina também afirmou que planejava usar a internet para criar ferramentas de transparência para sua campanha e para ajudar na arrecadação de recursos.

– Queremos muitos contribuindo com pouco, não queremos ficar no enquadre de poucos contribuindo com muito.

Para a pré-candidata verde, a transparência das ações governamentais com o uso da internet pode ser uma forma de inibir a corrupção.

Marina respondeu às perguntas de um grupo de 23 blogueiros e representantes de mídias sociais por uma hora e meia. O encontro aconteceu no seu escritório de campanha em São Paulo e teve transmissão pela internet. Cerca de duas mil pessoas acompanharam a conversa.

A pré-candidata do PV afirmou ainda que na era da internet a questão do direito autoral precisa ser discutida.
globo

Rizzolo: Bem pelo menos nem perdi meu tempo, aliás como sabem que apoio a Dilma, nem sequer fui convidado. Mas vale uma reflexeção sobre a candidatura da Marina, que como todos sabem só existe para tentar atrapalhar a candidatura do PT, pura manobra da direita encabeçada pelo PSDB e pelas forças conservadoras. Ora, tudo mundo sabe que pelo discurso do PV, o desafio é a transferência de votos PT para PSDB segundo turno , se houver. Portanto nem vou levar em consideração as elucubrações privatistas de Marina que disse adeus ao seu passado e se jogou nos braços dos poderosos.

Ex-auxiliar de Serra vai coordenar campanha de Marina Silva

A escolha do ex-secretário de Meio Ambiente do governo José Serra (PSDB-SP), o ex-deputado Eduardo Jorge, para coordenar a campanha presidencial da senadora Marina Silva, reforça as especulações de que a candidatura de Marina se tornará uma espécie de linha auxiliar da candidatura tucana à presidência.
O PV nega que Eduardo Jorge seja um serrista. Ele assumiu a secretaria do Governo José Serra em 2007 e foi mantido no cargo pelo prefeito Gilberto Kassab, do DEM, mas o PV alega que ele foi indicado para o cargo pelo partido. Fundador do PT, Eduardo Jorge filiou-se ao PV em 2003, após desentendimentos com a cúpula petista.

Eduardo Jorge confirmou, por meio de sua assessoria, que foi convidado pela própria Marina para integrar a coordenação de sua campanha. O grupo de coordenação da pré-campanha de Marina Silva deve ser anunciado ainda este mês.

O vereador do Rio de janeiro, Alfredo Sirkis (PV),também cotado para integrar a coordenação da campanha, nega as especulações de que Maria seria candidata a vice na chapa de Serra. Ele também afasta as insinuações de que a candidatura de Marina seja linha auxiliar da candidatura Serra. Ele disse ainda que a postura de Maria não é de antagonismo aos demais adversários nas eleições de 2010.

Com informações do Jornal O Globo

Rizzolo: Ora, está na cara que a candidatura de Marina Silva é encomendada pelo PSDB. Eu mesmo pessoalmente estranhei quando convidado para a posse de Kassab constatei a presença de Eduardo Jorge, um dos fundadores do PT, outrora cheio de discurso socialista, e devagarinho foi mudando, mudando e ficou então já tão tucano que foi esverdiando. Isso é a fragilidade ideológica que existe neste país. Eduardo Jorge, quem diria, hein !!!!

Marina critica polarização de debate entre PT e PSDB

BELO HORIZONTE – A senadora Marina Silva (AC), pré-candidata do PV à Presidência, disse hoje que a estratégia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de estabelecer, na eleição de 2010, uma disputa plebiscitária entre seu governo e o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é um “desrespeito à democracia”. Marina afirmou que acredita que o tema do desenvolvimento sustentável, sua principal bandeira como presidenciável, evitará uma polarização entre PT e PSDB.

“Até porque em uma eleição em dois turnos é um erro e um desrespeito à democracia querer fazer uma polarização em relação a quem fez melhor no passado. Nós temos é que apostar em quem pode fazer mais e melhor no presente para viabilizarmos o futuro que queremos”, disse a senadora, após uma palestra para empresários da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, em Belo Horizonte.

Para Marina, se a disputa fosse plebiscitária, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o governador de São Paulo, José Serra, virtuais candidatos do PT e do PSDB, ainda estariam discutindo o “desenvolvimento pelo desenvolvimento”. “Vejo que eles começaram a discutir o desenvolvimento sustentável, a defesa do meio ambiente e até foram para Copenhague. Então existe um terceiro elemento que deve ser considerado, que a opinião pública nacional está considerando, e que com certeza não permitirá que essa eleição seja plebiscitária”, disse.

A pré-candidata do PV reiterou que pretende fazer uma campanha com “proposição” e de respeito ao governo Lula, do qual fez parte. “A gente tem de superar a visão tradicional de oposição pela oposição. A minha visão em relação ao Brasil é que nós tivemos conquistas nos últimos 16 anos de ambos os governos (FHC e Lula). As conquistas devem ser preservadas, mas a história não para”.

Ao falar da COP-15, a conferência mundial sobre o clima, apesar de reconhecer que houve avanço no estabelecimento de metas, ela criticou a atuação do governo brasileiro, considerada modesta. “A convenção teve um resultado pífio, muito aquém das necessidades do planeta e o Brasil poderia ter tido um desempenho melhor”, afirmou.

Segundo Marina, o presidente Lula chegou a Copenhague e tentou “reposicionar as coisas”, concordando com a proposta apresentada por ela e rechaçada por Dilma, de que o Brasil deveria “participar do esforço de recursos para os países vulneráveis”. “Mas quando a gente não faz o dever de casa antes, em cima da hora talvez não dê mais para recuperar o tempo perdido”.

Marina lamentou a decisão do governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), de desistir de sua pré-candidatura presidencial. De acordo com ela, a saída do governador se “constituiu num prejuízo para a fase inicial do debate”. “Obviamente que esse debate interno no PSDB para definir a candidatura teria sido algo muito positivo, dinamizando cada vez mais o debate político em torno de propostas”.

Questionada se teria sido procurada com a proposta de se alinhar à candidatura presidencial do PSDB, Marina ironizou: “Até agora nenhum tucano disse que vai me apoiar, mas estou aberta para o segundo turno”, disse. Na capital mineira, a senadora também se reuniu com lideranças do PV em Minas.
agencia estado

Rizzolo: Essa bandeira da Marina, sobre sustentabilidade, ecologia, é extremamente válida, agora fazer disso prioridade programática de um país é simplesmente apostar num discurso vazio. O Brasil possui inúmeros problemas, inclusive ecológicos, transferir o debate do desenvolvimento, do combate à miséria, da inclusão para o ” verde”, é uma bobagem, com todo o respeito. Temos que polarizar sim o debate, o passado versus o futuro, o simples empenho do capital versus o desenvolvimento. Ou alguém vai alegar ao contrário? Temos que prosseguir na inclusão social, será que o PSDB tem esse discurso?

Se me candidatar, será para chegar ao 2º turno, diz Marina Silva

SÃO PAULO – A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, ainda não confirma sua possível candidatura à presidência nas eleições de 2010, mas, em entrevista concedida ao jornal espanhol El País, ela afirmou que, se disputar, pretende ir pelo menos para o segundo turno.

Questionada com relação a quem daria seus votos no segundo turno – se ao candidato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou à oposição -, Marina respondeu: “Não posso falar como candidata, mas acredito que o debate deve ser sobre ideias e que deve prevalecer a ética. Eu jamais mentiria sobre a honra de alguém para vencer uma eleição. De um ponto de vista político, creio que, se eu me candidatar, será com a aspiração de chegar ao segundo turno”, respondeu.

Na entrevista, disponível na página do El País na internet, Marina Silva defendeu a preservação dos ganhos conquistados nos últimos 16 anos pelo Brasil, desde “o equilíbrio fiscal e a estabilização da moeda à grande inovação introduzida por Lula, que foi a distribuição de renda”.

Sobre sua especialidade, a questão ambiental, Marina declarou que “a Amazônia não é um santuário inviolável” e o objetivo deveria ser aliar preservação do ambiente e desenvolvimento econômico.

“O problema de assumir a economia sustentável como estratégia é algo complicado e não existe até hoje em lugar nenhum do mundo. Nenhum partido assume completamente (essa bandeira). O que eu e o Partido Verde estamos fazendo é inovador e não podemos satanizar os outros por não o terem feito ainda”, observou. Ainda assim, defendeu Marina, “é possível para o Brasil dar esse passo”.
agência estado

Rizzolo: Na verdade este discurso ecológico que é louvável, traz no seu bojo outra intenção do PV, que é fracionar ou minar a candidatura de Dilma Rousseff, e este sim foi a grande perda do PT por enquanto. Marina Silva, com certeza irá canalizar muitos votos de petistas descontentes para si. Os projetos de sustentabilidade, ecológicos, de preservação valem para que eleitores desiludidos com as más posturas petistas se voltem para algo mais subjetivo, até porque a desilusão foi tanta que só se voltando para as coisas da natureza, não é?

CNT/Sensus: Serra lidera todas simulações para 2010

BRASÍLIA – O governador de São Paulo, José Serra, lidera a corrida eleitoral para as presidenciais de 2010 em todos os cenários de primeiro turno na pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira, 8.

Na primeira simulação, composta por Serra, candidato do PSBD, pela ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, do PT, pela ex-senadora Heloísa Helena, do PSOL, e pela senadora e ex-ministra Marina Silva, agora no PV, o tucano lidera com 39,5%. Na sequência, vêm Dilma, com 19%, Heloisa Helena, com 9,7% e Marina Silva, com 4,8%. Sem a candidata do PSOL, Serra teria 40,1%, Dilma, 19,9% e Marina, 9,5%.

Em cenário com Ciro Gomes (PSB-CE) no lugar de Dilma, Serra teria 40,5%, Heloísa Helena, 10,7%, Ciro, 8,7% e Marina, 7,1%.

Em outra simulação, com o deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) no lugar de Dilma e Ciro como candidato da base do governo, Serra teria 42,2%, Heloísa Helena, 10,8%, Marina Silva, 7,4% e Palocci, 7,0%.

Nos cenários em que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, assume o lugar de José Serra como candidato do PSDB, os tucanos têm a vantagem reduzida e até perdem a liderança contra Dilma. Contra Aécio Neves, a ministra Dilma Rousseff lidera as intenções de voto, com 23,3%, seguida pelo tucano, com 16,8%, Heloísa Helena, 13,5%, e Marina Silva, com 8,1%.

Em cenário construído apenas com Dilma, Aécio e Marina, a petista teria 25,6%, o tucano, 19,5% e a senadora verde, 11,2%.

Sem a presença de Dilma, Aécio lidera a disputa, tanto com Ciro Gomes quanto com Palocci como candidatos governistas. No primeiro caso, Aécio teria 17,6%, Heloísa Helena, 16,1%, Ciro Gomes, 12% e Marina Silva, 9,3%. Na simulação com Palocci, Aécio teria 18%, ficando empatado com Heloísa Helena (18%), Marina teria 9,8% e Palocci, 8,5%.

Segundo Turno

Nas simulações para um possível segundo turno, Serra ampliou a vantagem que tinha sobre Dilma desde a última pesquisa, divulgada em maio. O tucano teve 49,9% das intenções de voto ante 25% da ministra, enquanto na pesquisa anterior registravam índices de 49,7% e 28,7% respectivamente.

Na disputa com Aécio Neves, a ministra teve 35,8% das intenções enquanto o tucano, 26%. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 39,4% e Aécio, 25,9%.

O diretor da Sensus, Ricardo Guedes, supõe que a que a queda de Dilma nas duas simulações, com Serra e com Aécio, seja decorrente do efeito Lina Vieira, a ex-secretária da Receita Federal, que disse ter tido uma reunião com a ministra em que Dilma teria pedido para ela “agilizar” a investigação contra o filho do presidente do Senado, José Sarney.

A pesquisa perguntou aos entrevistados se eles ouviram falar do episódio. Do universo pesquisado, 52% disseram que não acompanharam ou não ouviram falar do assunto, enquanto 24% disseram que acompanharam e 17,5% que ouviram falar. Entre as pessoas que acompanharam ou ouviram falar do assunto, 35,9% disseram acreditar que Lina está dizendo a verdade e 23,6% afirmaram que Dilma está dizendo a verdade. O restante informou não saber ou não quiseram responder.

Nas simulações de segundo turno com Ciro Gomes no lugar de Dilma, o governador José Serra aparece com 51,5% das intenções de voto, enquanto Ciro tem 16,7%. Na pesquisa anterior, Serra tinha 51,8% e Ciro, 19,9%.

Num eventual cenário em que disputam Ciro e Aécio, o candidato governista tem 30,1% das intenções e o tucano, 24,2%. Na anterior, Ciro tinha 34,1% e Aécio 27,9%. No cenário em que Palocci é o candidato governista, Serra teria no segundo turno 54,8% e Palocci, 11,3%. Com Aécio, Palocci teria 17,5% contra 31,4% do governador mineiro.

A pesquisa CNT/Sensus foi feita com dois mil entrevistados em 136 municípios de 24 Estados das cinco regiões do País. A margem de erro é de até 3 pontos porcentuais.
agencia estado

Rizzolo: Se o governador Serra for o candidato de escolha do PSDB, as chances são boas. Contudo, como não acredito muito em pesquisa, entendo que Aécio é um candidato forte principalmente no nordeste. Agora em relação a Dilma, a eventual candidata realmente não tem a menor chance. Já era a esta altura do campeonato para seu nome ter decolado, mas como diz o texto, o efeito Lina Vieira a prejudicou. Esse é o problema do PT atualmente, de tanto se armar para projetar um nome fraco, acaba se envolvendo em verdadeiras ” frias”. Já comentei várias vezes que a candidatura de Dilma é um erro político de Lula, com esta insistência nesse devaneio, e nessa ” ficção eleitoral “, levará ele o PT à derrota. Esta aí já os números, e contra fatos não há argumentos.

Congresso em desencanto

Lembro dos anos 70 quando surgiu uma obra de caráter religioso denominada Universo em Desencanto, de um conteúdo filosófico interessante. Sem querer fazer uma analogia do Congresso Nacional com está doutrina – o que seria uma afronta à espiritualidade! – me ocorreu o título deste artigo, pelo impacto realista na caracterização da matéria e seus efeitos no universo.

Na verdade, os acontecimentos ocorridos no nosso universo político nos últimos meses, têm nos demonstrado a estirpe dos políticos que em função da democracia representativa, são eleitos para nos representar. É claro que na sua maioria, independentemente de partido, são políticos profissionais que fazem uso da máquina partidária e que pela estrutura e interesses próprios e dos partidos, não promovem espaço para novos nomes que nos serviriam de opção política. Esse defeito parlamentar faz do quadro político brasileiro uma mesmice de nomes, de atores contumazes, de atos de improbidade pública e que por terem a certeza de que serão os mesmos candidatos nas próximas eleições, deixam o povo e a sociedade sem alternativa.

Dessa forma, restam aos idealistas, os pequenos partidos; estes sem recursos, sem tempo na TV e com pouca permeabilidade política. Assim, com a alma inconformada, novos nomes abandonam a disputa eleitoral, deixando a terra ainda mais fértil aos que dominam o cenário político nacional. Vivemos hoje uma situação no país onde a oposição se mistura com a ética da base aliada e na aferição das posturas dos bons costumes observamos que pouca diferença há entre os representantes do povo; a saída para os impasses acusatórios de alguns, acaba sendo sempre um ” acordão”, pois na verdade todos que praticam os atos reprováveis têm “telhado de vidro” e assim envergonham o Congresso Nacional sob o olhar resignado do povo brasileiro.

Com efeito, sem uma mudança na estrutura partidária atual, aliada a uma real possibilidade de o eleitor conhecer novos nomes, oferecendo maior visibilidade na campanha daqueles que se socorrem dos pequemos partidos, se laçando como uma nova opção ética, honesta, patriótica, disposta a construir um novo paradigma de moralidade no Congresso Nacional, sempre estaremos reféns daquele enorme grupo de profissionais da política, onde os interesses da sociedade sempre são subjugados pela má-fé vergonhosa que impera no quadro político da nossa pobre democracia.

Portanto, nos resta de forma imperiosa, a mudança, sob pena de relembrarmos a frase de Simone de Beauvoir, filósofa francesa que afirmou “O mais escandaloso nos escândalos é que nos habituamos a eles”.” Reconstruir um alicerce moral e ético na política brasileira é tarefa da sociedade. Refazer um universo democrático que está enfraquecido é, enfim, ter a esperança de reconstruir um Congresso que se encontra em desencanto.

Fernando Rizzolo

Para Lula, Mercadante cometeu grave erro político

BRASÍLIA – Em longa e dura conversa com o líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), na noite de quinta-feira,20, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou do petista apoio às decisões do partido e do governo, disse que não admitia ser pressionado e distribuiu broncas. Irritado com a atitude de Mercadante de anunciar pelo twitter – site de microblogs – que apresentaria ontem sua renúncia à liderança do PT, em caráter irrevogável, Lula afirmou que, além de fazer jogo individual, o senador estava cometendo grave erro político.

“Não pense que a militância do PT vai entender isso”, esbravejou ele, no Palácio da Alvorada. O presidente não escondeu de Mercadante que ficou furioso com o fato de o petista ter anunciado que conversaria com ele, jogando a solução do imbróglio em seu colo. Foi por isso que deixou “vazar” a informação de que não apenas não ligava para a renúncia como aprovava a escolha do senador João Pedro (PT-AM) para a vaga. Suplente do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, João Pedro é amigo de Lula e preside a CPI da Petrobras.

“Em política não existe a palavra irrevogável”, disse Lula a Mercadante. Apesar do tom amistoso da nota em que o presidente pede ao líder do PT para não abandonar a liderança do partido, os dois bateram boca em mais de uma ocasião durante a conversa de cinco horas, que entrou pela madrugada de sexta-feira.

Os termos da carta de Lula a Mercadante foram acertados naquela noite para dar argumento ao recuo do senador. O texto passou pelo crivo do ministro da Comunicação Social, Franklin Martins. Antes de viajar para o Acre, na manhã de ontem, o presidente telefonou para o petista e o autorizou a ler a carta da tribuna do Senado. “Está tudo bem. Tivemos uma boa conversa”, afirmou ele, mais tarde, a auxiliares.

Na quinta à noite, porém, Lula disse a Mercadante que sua renúncia seria imperdoável. No seu diagnóstico, além de jogar combustível na crise que pôs em rota de colisão o governo, a bancada do PT e a direção do partido, o gesto daria munição aos adversários e seria interpretado como resultado da luta entre éticos e não-éticos do PT sobre o destino do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Diante do presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), que também participou da conversa, Lula afirmou que Mercadante não tinha o direito de levar mais desgaste para o partido. Disse, ainda, que um líder não podia jogar a toalha nem desistir de sua missão na primeira dificuldade.

“O presidente não fez um apelo. Fez, na verdade, um chamamento à relação de 30 anos que tem com Mercadante”, contou Berzoini.

O senador reagiu às cobranças de Lula e também foi duro nas críticas. Afirmou que o PT e o governo “erraram muito” ao recomendar o arquivamento de todas as denúncias contra Sarney. Garantiu, ainda, que não estava jogando para a plateia nem adotando posição dúbia, de olho na sua própria reeleição, em 2010, ao defender a abertura de investigações no Senado.

Mercadante argumentou que a maioria dos senadores sempre defendeu o afastamento de Sarney e que não leu a nota na qual Berzoini orientava os três integrantes do Conselho de Ética a salvar Sarney porque aquele enquadramento feria os seus princípios. “O senador é um homem de rompantes, mas todos nós sabemos que ele é um importante quadro político”, afirmou um ministro ao Estado.

Rizzolo: Observem que existe um desprezo por parte do PT com a opinião pública, pisoteiam a ética e pouco se importam se os atos do partido contrariam grande parte dos petistas que ainda sustentam os ideais da época de sua fundação. Com certeza os que estão se retirando- e não foi o caso da vergonhosa conduta de Mercadante – constituem idealistas, e ainda não perderam o verniz ético, de honestidade, e de compromisso com seu eleitorado e a sociedade em geral. Essa postura com certeza trará grande prejuízo a imagem do PT, e essa arrogância presidencial em função da popularidade, de mandar e desmandar naqueles que não digerem a podridão, logo enfrentará a nua realidade da inviabilidade eleitoral de Dilma, uma real utopia política, que só prospera na mente do presidente.

Saída de Marina Silva do PT repercute em jornais estrangeiros

A saída da senadora Marina Silva (AC) do PT repercutiu na imprensa estrangeira, que destacou a possibilidade da ex-ministra disputar as eleições presidenciais de 2010.

Os jornais norte-americanos “Washington Post” e “New York Times” salientaram que Marina é conhecida por “proteger a floresta Amazônica contra o desenvolvimento”, e que sua saída do PT é uma perda para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no momento em que ele tenta impulsionar o PT para as eleições de 2010.

Já o britânico “The Guardian” destacou que, após semanas de especulação, Marina decidiu deixar o partido afirmando que os políticos falharam em não dar atenção o suficiente para a causa ambiental.

Os apoiadores da ex-ministra, salientou a publicação, esperam que, ao concorrer à Presidência em 2010, Marina possa “colocar o ambiente de volta à agenda política do maior país da América do Sul”.

O também britânico “Financial Times” lembrou que a senadora provavelmente “dividirá os votos pró-governo naquela que deveria ser uma corrida entre os candidatos do governo e da oposição”.

Para o jornal, sua saída deve agravar a “crise crescente” que assola o governo e o PT. O Times citou o descontentamento dos senadores petistas Flávio Arns e Aloizio Mercadante, e afirmou que, ao apoiar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Lula “dividiu” o partido.
folha online

Rizzolo: A crise do PT já tomou corpo na visão dos analistas internacionais. E não é por menos, a partir do momento em que um partido de luta histórica cerra fileira na defesa da amoralidade no Congresso, a implosão é certa. Assim com certeza ficará no partido apenas aqueles que compactuam com a falta de ética. Os demais farão como Marina Silva, o senador Flávio Arns (PR), e outros que ainda virão.

Em carta, Marina afirma que falta de visão a fez sair do PT

BRASÍLIA – Em carta encaminhada ao presidente do PT, Ricardo Berzoini (SP), a senadora Marina Silva anuncia sua desfiliação do partido e diz que, apesar dos avanços conquistados durante os seis anos em que foi ministra do Meio Ambiente do governo Lula, “faltaram condições políticas para avançar no campo da visão estratégica, ou seja, de fazer a questão ambiental alojar-se no coração do governo e do conjunto das políticas públicas”.

Mais cedo, Marina Silva anunciou à imprensa que está em processo de negociação para se filiar ao PV, mas não quis falar no papel de possível candidata à Presidência da República. A Berzoini, a senadora explica que não deseja mais continuar sua luta ambiental dentro do partido, e sim procurar um grupo que assuma “inteira e claramente um novo padrão de desenvolvimento para o Brasil”.

“É o momento não mais de continuar fazendo o embate para convencer o partido político do qual fiz parte por quase trinta anos, mas sim o do encontro com os diferentes setores da sociedade dispostos a se assumir, inteira e claramente, como agentes da luta por um Brasil justo e sustentável, a fazer prosperar a mudança de valores e paradigmas que sinalizará um novo padrão de desenvolvimento para o País”, diz trecho da carta.

agência estado

Rizzolo: Na verdade essa argumentação ecológica, de procurar um partido onde as questões sócio ecológicas estão mais pontuadas do que internamente no PT, é uma grande balela. A grande reviravolta é que com essa manobra, Marina desestabiliza o PT e Dilma Rousseff, que já escorrega no limbo da falta de densidade eleitoral. Dilma é uma invenção de Lula, e que trará ao PT o caminho da derrota. A cada dia que se passa mais fica patente a inviabilidade eleitoral de Dilma, principalmente no Sul e Sudeste onde a transferência de votos é bem mais difícil. A saída de Marina vem ao encontro da oposição, e irá fragilizar o PT que se agarrará mais ainda no PMDB chancelando as amoralidades do Senado. Hoje não temos representantes dignos no Congresso; tanto na oposição quanto no governo corre a veia da corrupção, da improbidade, da falta de vergonha.