Ao assumir lugar de Fidel, Raul acena com mudanças

20080220115207080220cuba203.jpg

A Assembléia Nacional de Cuba reuniu-se, neste domingo (24), para “eleger” o “novo” presidente da ilha. Eleição, como sempre, sui generis. Nada de novo no front cubano. O candidato era único e conhecido. Confirmou-se no comando o general Raul Castro, 76, que já respondia pelos negócios de Cuba há nove meses, desde que Fidel, seu irmão mais velho, recolhera-se ao estaleiro.

De novo, apenas uma promessa. Ou, por outra, dois acenos. Raul prometeu “eliminar proibições” e rever o tamanho da máquina estatal cubana, tornando-a “mais eficiente.” Que proibições serão revogadas? Ele não disse. Qual será, doravante, o tamanho do Estado? Tampouco informou.

Sabe-se, por meios de vagas impressões e sentimentos dispersos, que a Cuba de Raul Castro caminha para uma transição de modelo. O que não se sabe é para onde transitará a ilha.

Diz-se que o irmão de Fidel é fã do modelo chinês, que mistura abertura econômica e fechamento político. A dissidência exilada em Miami espera pouco, mas pede muito: “Raul governa Cuba junto a Fidel há 49 anos. Não vemos nada de novo, somente a continuidade do regime”, diz, por exemplo, Janisset Rivero, do Diretório Democrático Cubano.

“As mudanças em Cuba somente vamos ver quando liberarem os presos políticos, quando forem legalizados os partidos políticos e forem convocadas eleições livres, não esta farsa eleitoral que fazem, e quando forem democratizados os meios de comunicação”, acrescenta Rivero.

O primeiro mandatário estrangeiro a felicitar o “novo” presidente cubano foi Hugo Chávez. Se depender do presidente venezuelano, Raul Castro deslizará rumo à mesmice: “Raúl sempre esteve ali, praticamente invisível, mas trabalhando o mais possível, fiel à revolução, ao povo cubano e fiel até a medula ao seu irmão mais velho, Fidel Castro.”

Blog do Josias/ Folha online

Rizzolo: Na verdade a mudança vai ocorrer mais do ponto de vista formal, não no conteúdo político; a idéia de uma dinamização do Estado, tornando-o menor e mais produtivo é essencial, até porque isso nunca foi feito. Num primeiro passo, acredito que Cuba seguirá um tipo de socialismo de mercado nos moldes da China, onde o poder centralizador continuará durante um bom tempo determinando as condutas econômicas. Chavez tem contribuído com petróleo barato, mas pouco pode interferir em questões primordiais como a suspensão do embargo americano.

Fica patente que se um governo democrático for eleito nos EUA, e quando digo democrático, neste caso me refiro a Barak Obama, que em suas declarações se diz a favor da suspensão desse imbecil embargo, a situação irá melhorara; os EUA tem interesse nos 11 milhões de consumidores cubanos.

O regime cubano, no meu entender, terá um dia uma democracia participativa, até por influência de outros países parceiros como a Venezuela. Contudo, na essência do pensamento político cubano ainda existem elementos pouco ambientados a liberdade de expressão, ao exercício do pensar, efeitos do anacronismo stalinista que imperou na ilha ceifando as idéias da intelectualidade. Talvez aquilo que os apreciadores da Lei de Imprensa pretendam um dia aqui impor, a mão pesada da Justiça para aqueles que se expressam contrários aos seus interesses.