Famílias de área inundada no Piauí foram orientadas a voltar para casa na sexta-feira

Famílias de Cocal e Buriti dos Lopes, municípios do Piauí que foram inundados nesta quarta-feira após o rompimento da barragem Algodões 1, foram orientadas por órgãos estaduais e municipais na última sexta-feira (22) a deixarem os abrigos públicos e voltarem para suas casas, após o engenheiro responsável pela construção da obra e técnicos da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi) garantirem que não havia mais risco de rompimento da barragem.

Cerca de 2.500 pessoas haviam sido removidas dos municípios por conta do risco de rompimento da Algodões 1. Na sexta-feira, entretanto, numa ação conjunta da Emgerpi, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Defesa Civil e as prefeituras de Cocal e Buriti dos Lopes, as famílias começam a ser levadas de volta para suas casas.

Na tarde desta quarta-feira, segundo informações do governo do Estado, a Defesa Civil e Corpo de Bombeiros retirou famílias que moram numa área próxima da barragem.

Hoje, ao menos 500 famílias tiveram suas casas destruídas pelas águas. A cidade está sem energia elétrica desde as 20h de ontem. Uma área de 50 km² do município está completamente alagada. Dois adolescentes estão desaparecidos, segundo informações da Defesa Civil do Estado.

A Companhia Energética do Piauí (Cepisa) cortou a energia para evitar acidentes, já que vários postes de luz foram carregados pelas águas. Neste momento, um gerador mantêm o abastecimento de água.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), chegou por volta das 9h ao município de Cocal. Acompanhado do secretário estadual de Defesa Civil e deputado estadual, Fernando Monteiro (DEM), do coronel da Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, e de técnicos do Estado, o governador afirmou que “nada faltará para as famílias (atingidas), e o que elas precisarem, terão”.

Mais de 100 militares, entre bombeiros e policiais de Teresina e de Parnaíba, estão no local com lanchas e cinco helicópteros para resgatar as vítimas. Durante toda a noite, pessoas em situação de risco foram resgatadas, segundo a administração estadual. A BR-343, com destino ao litoral do Estado, não sofreu danos. As cidades de Parnaíba, Luís Correia, Cajueiro da Praia e Ilha Grande não foram afetadas pelo rompimento.

De acordo com autoridades do Estado do Ceará, a tromba d’água repentina que provocou o rompimento de um trecho de 50 metros da barragem é decorrente de fortes chuvas que caem ininterruptamente nos últimos dias em municípios cearenses, nas regiões de Viçosa e Sobral, onde estão as nascentes do rio Pirangi.

Agência estado

Rizzolo: O rompimento da Barragem de Algodões a 250 km de Teresina foi uma tragédia, o Rio Poty subiu tanto que desbarrancou em várias partes. Essa questão tem que ser observada com mais atenção porque esse episódio está dando vários sinais antecedentes do que pode vir a acontecer na cidade no cenário que os cientistas temem com o aquecimento global.

A mudança climática provocará eventos mais extremos e mais frequentes. Um desses eventos são as inundações. As cidades todas precisam se preparar para isso. Piauí, Santa Catarina e todo o Nordeste recentemente tiveram exemplos de como estamos todos despreparados para as ameaças do clima. Todo cuidado é pouco.