Só 6% controlam geração de renda no Brasil

Os meios de produção de riqueza do país estão concentrados nas mãos de 6% dos brasileiros. É uma das conclusões apresentadas no livro Proprietários: Concentração e Continuidade lançado na última quinta-feira (2), na sede do Conselho Regional de Economia (Corecon), em São Paulo.

A publicação é o terceiro volume da série Atlas da Nova Estratificação Social do Brasil, produzida por Marcio Pochmann, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e vários economistas do órgão. Do livro, consta um levantamento que revela que, de cada 20 brasileiros, apenas um é dono de alguma propriedade geradora de renda: empresa, imóvel, propriedade rural ou até mesmo conhecimento – também considerado um bem pelos pesquisadores.

Em entrevista coletiva organizada para o lançamento do livro, Pochmann afirmou que a concentração das propriedades no Brasil é antiga e remete aos tempo da colonização. Desde a concessão das primeiras propriedades agrícolas, passando pela industrialização ocorrida no século 20, até o aumento da atividade financeira, os meios de produção sempre estiveram sob controle da mesma e restrita parcela da população nacional.

“A urbanização aumentou o número de propriedades e de proprietários, mas não acompanhou o aumento da população. A concentração permanece. Nós [brasileiros] nunca vivemos uma experiência de democratização do acesso às propriedades no nosso país”, disse.

De acordo com o livro, os proprietários brasileiros têm um perfil específico comum. A grande maioria tem entre 30 e 50 anos de idade, é de cor branca, concluiu o ensino superior, e não tem sócios.

Para Pochmann, o quadro da distribuição das propriedades brasileira é grave. O Brasil tem seus meios produção de riqueza mais mal distruídos entre os países da América Latina, por exemplo. E isso não deve mudar em um curto prazo, segundo o economista.

“Estamos fazendo reforma agrária desde os anos 50 e nossa distribuição fundiária é pior do que a de 50 anos atrás; nossa carga tributária onera os mais pobres; a única coisa que vai bem é a educação”, afirmou ele, citando dados que apontam que o percentual dos jovens que frequenta a universidade passou de 5,6%, em 1995, para cerca de 12%, em 2007.

Pochmann disse porem que mesmo com o aumento dos índices da educação, ele ainda está muito aquém do encontrado na Europa, onde 40% dos jovens têm diploma universitário. Ressaltou também que a mudança da distribuição das propriedades por meio da educação é a forma mais lenta de justiça.

Agência Brasil

Rizzolo: Conheço Pochmann pessoalmente e o considero um dos grandes pensadores do Brasil. Há muito o IPEA já apontava que proporcionalmente que os pobres pagam mais impostos no Brasil. Muito há que se fazer em termos de democratização dos meios de produção de riqueza do país. Agora há muita relação dessa má distribuição com a política macroeconômica no Brasil, que sufoca o pequeno empresário com as altas taxas de juros, a falta de crédito, e falta de uma política de fortalecimento do mercado interno.

As remessas de lucros e dividendos, na verdade ultrapassam os investimentos reais do exterior no Brasil. Em fevereiro, segundo divulgou o Banco Central na terça-feira, o saldo do que entrou no país de capital estrangeiro foi US$ 1,563 bilhão, enquanto foram remetidos para fora US$ 2,629 bilhões em lucros declarados ou ocultos sob outro nome. Desigualdade social se combate com o desenvolvimento da indústria nacional, fortalecimento do mercado interno, política macroeconômica desenvolvimentista, e formação de mão-de-obra especializada através de cursos técnicos, bem como um eventual protecionismo light em produtos sensíveis. Só uma observação, reforma agrária e distribuição fundiária se faz dentro dos limites da legalidade, não podemos aceitar posturas como as do MST, com invasões e badernas ao arrepio da Lei.

Weg Motores terá redução de jornada e salários em SC

PORTO ALEGRE – Os funcionários da Weg, da unidade motores, aprovaram ontem proposta da empresa de reduzir em 24% a jornada de trabalho e em 20% os salários durante 90 dias a partir de 20 de abril. A votação na empresa, em Jaraguá do Sul e em Guaramirim, em Santa Catarina, durou todo o dia e terminou com o terceiro turno, às 2 horas da manhã de hoje.

O resultado foi divulgado pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Jaraguá do Sul e Região. A proposta foi votada por 6.489 empregados e teve cerca de 70,20% de votos favoráveis (4.492) e 28,22% contrários (1.957). Os demais foram nulos e abstenções. Para ser aprovada, precisava de maioria simples.

O presidente do sindicato, Vilmar Garcia, disse que outras três empresas metalúrgicas de Jaraguá do Sul (União Motores, Metalúrgica Floriani e Metalúrgica Hame) também têm propostas de redução de jornada. “Em 2008, nesse período, as empresas estavam absorvendo um elevado número de trabalhadores”, afirmou o dirigente sindical.
agência estado

Rizzolo: A Weg Motores é uma das empresas deste Grupo. É bom lembrar que a Weg é uma empresa nacional, que começou do nada, e se transformou numa multinacional brasileira. A medida adotada pela empresa, é socialmente responsável em função à crise em que nos encontramos.

Uma empresa nacional que se transformou em uma multinacional de nacionalidade brasileira, nos dá a idéia de que, se prestigiarmos a empresa nacional, os pequenos empresários, o potencial empreendedor do povo brasileiro podemos ir longe.

De que adianta uma política voltada à entrada de recursos de multinacionais do exterior; em fevereiro as multinacionais enviaram às suas matrizes US$ 2,629 bilhões. Entre entradas e saídas, as perdas de recursos para o país chegaram a US$ 1,66 bilhão !

Vejamos as contas de fevereiro:

1) Entraram US$ 1 bilhão e 968 milhões em “investimento direto estrangeiro” (IDE), ou seja, em dinheiro para comprar empresas.

2) Saíram US$ 1 bilhão e 881 milhões que estavam aplicados na Bolsa ou em títulos públicos – o chamado “investimento estrangeiro em carteira” (IEC).

3) Entraram US$ 1 bilhão e 477 milhões em “outros investimentos estrangeiros”, item que inclui os empréstimos de bancos estrangeiros em moeda.

4) Portanto, o saldo do capital estrangeiro que entrou foi de US$ 1 bilhão e 563 milhões.

5) Entretanto, o total de saídas do país nos itens “serviços” e “rendas”, que incluem as remessas de lucros declaradas e as disfarçadas, em fevereiro, foi de US$ 2 bilhões e 629 milhões.

6) Portanto, o país, entre entradas e saídas de recursos, perdeu em fevereiro US$ 1 bilhão e 66 milhões, transferidos para o exterior.

Precisamos acreditar na empresa nacional e na sua capacidade tecnológica, precisamos dar subsídios a expansão internacional de pequenas e médias empresas brasileiras. Não se trata de xenofobismo, ou nacionalismo bobo, são fatos, e contra fatos não há argumentos.

Publicado em últimas notícias, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, comportamento, cotidiano, Crise, crise atinge a Weg, Crise Financeira, crise no Brasil, crise nos bancos brasileiros, defesa do mercado nacional, demissões em massa, economia, em defesa da indústria nacional, Embraer demissões, emergentes, faz bem para o Brasil., FHC: crise vai crescer de forma exponencial, geral, greve na GM, mundo, News, notícias, perder o emprego, Política, Principal, protecionismo, protecionismo light é bom, protecionismo na dose certa, Weg demissões, Weg Motores. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

Weg fecha fábrica de motores em Guarulhos e demite 370

SÃO PAULO – A Weg, empresa especializada na fabricação e comercialização de motores elétricos, anunciou hoje o fechamento de sua fábrica de motores para eletrodomésticos na cidade de Guarulhos, na Grande São Paulo, com a demissão de 370 funcionários. Segundo a empresa, o sindicato da categoria já foi informado, em reunião, sobre a decisão e a maioria dos empregados atingidos pela medida já está em licença remunerada.

Segundo a Weg, o encerramento da produção na unidade faz parte de um plano de reestruturação para a área de motores elétricos para eletrodomésticos. “Com o objetivo de conseguir maior produtividade e competitividade neste segmento e tendo em vista a atual situação econômica e consequente retração de consumo, a Weg decidiu, após análise detalhada, aumentar a centralização da produção e encerrar as atividades produtivas na unidade fabril em Guarulhos, uma das três fábricas de motores para eletrodomésticos operadas pela Weg no Brasil”, informou a companhia.

“Embora o crescimento das receitas neste primeiro trimestre esteja ainda próximo de nossa expectativa inicial, principalmente pelo desempenho dos projetos já em andamento de grandes máquinas elétricas para o setor de energia, a visibilidade das condições de mercado para os próximos trimestres não melhorou em relação ao fim de 2008. Desta forma, estamos adotando medidas para enfrentar em melhores condições este cenário econômico”, disse em comunicado o diretor-presidente da Weg, Harry Schmelzer Junior.

Entre os produtos fabricados em Guarulhos, segundo a companhia, os motores para ar-condicionado sofreram retração mais acentuada da demanda, em razão da alteração ocorrida na política industrial de referência da Zona Franca de Manaus. De acordo com a Weg, até o primeiro semestre de 2007 a política industrial era orientada para o adensamento das cadeias produtivas nacionais, incentivando a utilização de componentes produzidos no mercado doméstico.

Com a alteração introduzida por portaria interministerial, passou-se a admitir a atividade industrial baseada em CKD (kits desmontados), que permite a importação com incentivos fiscais de componentes estrangeiros, dispensando a utilização dos mesmos produtos fabricados no Brasil. “Apesar do caráter inicialmente temporário das alterações, estas têm sido renovadas”, explicou a Weg.

A Weg informou ainda que o plano de reestruturação para a área de motores para eletrodomésticos inclui, entre outras ações, a reavaliação de atividades nas áreas produtivas e administrativas, a suspensão temporária de novas contratações e possíveis negociações para adoção de medidas alternativas para enfrentar redução de produção em áreas que forem mais afetadas pela queda de mercado.

agência estado

Rizzolo: A Weg é uma empresa nacional que surgiu nos anos 60 em Santa Catarina. A política expansionista e de multinacionalização da empresa, pouco atraída pelo mercado interno e disposta a disputar mercados internacionais, fez com a crise a atingisse. Não há dúvida que a grande saída para as empresas nacionais ainda é o potencial do nosso mercado interno, para isso é necessário uma nova visão tributária e de proteção ao nosso mercado nacional. No caso da Weg precisa-se saber quantos funcionários a empresa demitiu no exterior, para se ter a real dimensão do problema.

Em Jaragua do Sul sua sede, Weg demitiu 430 funcionários em janeiro e fevereiro. As rescisões foram homologadas pelo sindicato dos metalúrgicos. A empresa, que não se pronunciou ontem sobre o assunto, emprega aproximadamente 14.500 trabalhadores na cidade.

A verdade, é que muitos não gostam da palavra ” proteção” , mas a cada dia as pessoas estão se dando conta que em épocas de crise, com o acirramento nas disposições internacionais ao protecionismo, temos também que cuidar do nosso mercado. Ademais, países como a China por conta da crise, despejarão sua produção excedente a preços abaixo do mercado, aí eu quero ver, os condenam um protecionismo seletivo. Leia também artigo meu: Um novo olhar sobre o mercado interno

Publicado em últimas notícias, Banco Central, barreira as importações brasileiras, Brasil, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise na China, crise no Brasil, déficit comercial., defesa do mercado nacional, demissões em massa, economia, emergentes, FHC: crise vai crescer de forma exponencial, geral, mundo, News, notícias, Política, política internacional, Principal, protecionismo, protecionismo light é bom, protecionismo na dose certa, Weg demissões, Weg resultado negativo. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »