Nazistas ‘planejaram Holocausto antes do que se pensava’

A descoberta de uma série de diagramas de construção mostrando o campo de concentração de Auschwitz pode indicar que o plano nazista de exterminar em massa os judeus pode ter sido concebido antes do que se imaginava.

O campo de Auschwitz, construído na Polônia, foi o maior campo de concentração nazista. Nesses locais, milhares de judeus e membros de outras minorias foram assassinados durante a Segunda Guerra Mundial.

As plantas, descobertas por um jornalista em Berlim, mostram câmaras de gás e um grande crematório e são datadas de outubro de 1941.

Segundo o repórter da BBC Greg Morsbach, a maioria dos historiadores concorda que a primeira vez que os nazistas criaram um plano sistemático de assassinato em massa de judeus foi em janeiro de 1942.

Naquele ano, os nomes mais importantes do nazismo se reuniram nos arredores de Berlim para planejar a chamada “solução final”, que resultou na morte de milhões de pessoas.

Legítimos

Para David Silberklein, historiador do memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, as plantas são uma prova concreta de que os nazistas planejavam exterminar os judeus antes do que se pensava.

“Aqui você tem uma prova concreta e detalhada do início do plano de expansão, do que viria a ser a solução final, e muitos historiadores agora acreditam que a transição de ‘muitos assassinatos’ para um plano sistemático para assassinar judeus ocorreu naquela época, outubro de 1941”, disse.

O Arquivo Nacional da Alemanha afirmou que os desenhos, divulgados pelo tablóide alemão Bildzeitung, são verdadeiros.

Ralf Georg Reuth, o jornalista responsável pela descoberta, afirmou que conseguiu as plantas com uma fonte na capital alemã.

“Alguns destes documentos são tão insignificantes que não faria sentido falsificá-los”, disse.

“Pesquisamos e analisamos o que existe. Alguns dos documentos que estão disponíveis estão na Rússia e conseguimos fazer a comparação. Isto nos permite ter certeza de que estes (documentos) são autênticos.”

Os mais céticos afirmam que os projetos de Auschwitz descobertos pelo jornalista não significam que a história precisa ser reescrita ou que será alterada a compreensão do Holocausto.

A maioria dos historiadores diz que estes documentos dão a eles apenas uma forma mais precisa de datar o processo de planejamento que levou ao extermínio de judeus.
BBC Brasil- Folha online

Rizzolo: Essa notícia impressiona e denota a crueldade do regime nazista em relação aos judeus e as minorias. Nada é planejado de última hora, e com certeza a clareza e as informações nos novos documentos, mostram que mesmo antes de 1942 já pensava na ” solução judaica”. Ontem estive na casa de uns amigos num bairro judaico de Paris chamado Marais, é impressionante observar que algumas residências, nos antigos prédios, pode-se observar placas em homenagens aqueles que um dia ali residiam, e que foram retirados de suas casas pela Gestapo quando da tomada da França por Hitler; foram adultos e crianças enviados à Auschwitz.

Por outro lado, neste mesmo bairro, vive-se hoje uma cultura judaica intensa, lojas, casas com produtos casher, venda de falafel, sinagogas, museu judaico, enfim o judaísmo ainda é muito forte na França, principalmente Paris. A França conta atualmente com uma população judaica de 750.000 pessoas, perdendo apenas para os EUA e Israel. À noite quando saí de Marais, caminhando pela Rue des Rosiers, percebi algo triste no ar, as placas, o ar frio no meu rosto, as lembranças do passado, enfim, me fizeram refletir sobre o que é o racismo e a intolerância na Europa. Só não sabia que hoje essa nova notícia sobre as atrocidades nazistas, iria me trazer de volta estas tristes lembranças.

Obama planeja julgamento de presos de Guantánamo nos EUA

WASHINGTON – A equipe de assessores do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, prepara uma proposta que permitira a centenas de presos suspeitos de terrorismo ingressarem nos Estados Unidos para enfrentar julgamentos civis. O plano o ajudaria cumprir sua promessa de fechar a prisão de Guantánamo, mas poderia exigir a criação de um novo sistema de justiça.

Durante sua campanha presidencial, Obama qualificou Guantánamo como um “capítulo triste da História americana” e disse que o sistema judicial dos EUA é capaz de julgar os detentos. Mas o presidente eleito revelou poucos detalhes sobre o que planeja fazer após o fechamento da prisão.

Segundo os planos preparados pela equipe de Obama, alguns presos seriam liberados e muitos outros teriam julgamentos em cortes criminais americanas. Um terceiro grupo de detentos, aqueles cujos casos tem implicações em informações secretas, poderiam se apresentar em novas cortes, criadas especialmente para julgar casos de segurança nacional, de acordo com assessores democratas envolvidos nas conversas.

As fontes não puderam ser identificadas, porque os planos ainda se encontram em fase de desenvolvimento. A ação poderia representar uma mudança radical em relação ao governo do presidente George W. Bush, que estabeleceu tribunais militares para processar os presos somente na base naval de Cuba e se opôs firmemente a levar os réus para os EUA.

O rival de Obama na disputa à Casa Branca, o republicano John McCain, também havia prometido fechar a prisão, mas se opunha a realizar julgamentos nos fóruns criminais americanos.
Agência estado

Rizzolo: O que eu acho o mais interessante nessa nova era Obama, é a liberalidade exagerada. Nem bem assumiu, Obama procura dar ao seu governo, uma ” embalagem de bonzinho”, condescendente, o que na realidade pode se transformar num grande problema. A forma que esses julgamentos se dariam ninguém sabe ainda, tampouco quais seriam as competências de cada um; alem disso, essa postura liberal, abrirá oportunidade para que os verdadeiros terroristas atuem de forma mais intensa, até porque, não é pelo simples fato de Obama se propor a ser ” bonzinho”, que os impiedosos terroristas irão se tornar puros. Isso é uma ilusão que Obama vendeu, e que agora irá que entregar ao povo americano.

É como já cansei de dizer neste Blog , o dia em que o povo americano perceber que os EUA se tornaram um País vulnerável com Obama no poder, eles não perdoarão, e terão saudades dos republicanos. Uma potência militar ” boazinha” é tudo que os russos e sua turma desejam. Obama surge como um tipo Jimmy Carter, só que com o imenso apoio dos negros, vamos ver no que vai dar.

Hoje aqui na França o jornal Le Figaro, em sua manchete, analisa a crise mundial e seus efeitos nas montadoras de automóveis, segundo Le Figaro a indústria automobilística mundial atravessa uma grave crise que atingirá 85.000 empregos até o final deste ano. Amanhã será feriado aqui na França, será comemorado o 90º aniversário da assinatura do Armistício que na realidade marcou o fim da Primeira Guerra Mundial, pelo menos o trânsito em Paris ficará melhor. Um leitor me perguntou se era um ” Congresso sobre vinhos ” !! ( risos..)

Tesouro dos EUA: sistema financeiro continua frágil

NOVA YORK – Neel Kashkari, secretário interino do Tesouro dos EUA para Estabilidade Financeira, afirmou hoje que a situação do sistema financeiro ainda é delicada. “Reconhecemos que o sistema financeiro continua frágil e continuamos preparados para prevenir falências sistêmicas”, disse.

Ele também afirmou que o prazo para as inscrições de bancos privados ao Programa de Aquisição de Ativos Problemáticos (Tarp, na sigla em inglês) será prorrogado. “O prazo de 14 de novembro será estendido para os bancos privados, de forma que eles possam ter tempo para se inscrever”, afirmou, acrescentando que o Tesouro alocou “capital suficiente, US$ 250 bilhões, de forma que todos os bancos que se qualificam para o programa, possam participar. Há capital suficiente para todas as instituições que estão sendo avaliadas.”

AIG

A injeção de US$ 40 bilhões para ajudar a seguradora American International Group (AIG), feita dentro do Tarp de US$ 700 bilhões, era essencial para evitar mais turbulências econômicas, disse Kashkari, encarregado de implementar o Tarp.

“Essa ação era necessária para manter a estabilidade do nosso sistema financeiro”, afirmou Kashkari em discurso na conferência da Associação da Indústria de Seguros e Mercados Financeiros (Sifma, na sigla em inglês).

O comprometimento de US$ 40 bilhões do Tarp para a AIG é o maior já feito a uma única instituição e deixa o Tesouro perto de esgotar os US$ 350 bilhões aprovados imediatamente pelo Congresso para o programa. Boa parte dos fundos, US$ 250 bilhões, foram para as nove maiores instituições bancárias.
Agência Estado

Rizzolo: É claro que a situação é de extrema fragilidade, prova disso é o comportamento da Bovespa que iniciou o dia bem, e acabou ruim, com as notícias de que as ações da General Motors despencavam, às 15h05, 24,54%, em meio às crescentes preocupações de que a montadora não terá caixa nos próximos meses e qualquer resgate do governo não será benéfico para os acionistas.

A notícia de que a China está de certa forma procurando estimular sua economia, não foram suficientes para animar o mercado brasileiro. Aqui na França, a bolsa conseguiu manter a valorização, Paris subiu 1,06%, acompanhando os demais países europeus.

Face ao ocorrido no mercado, observamos que o pacote de US$ 586 bilhões anunciado ontem pelo governo chinês, com o objetivo de ampliar investimentos, principalmente em infra-estrutura e de pequenas e médias empresas, parece não ter sido suficiente para animar os emergentes.