DÊ UMA CHANCE AO RIZZOLO !! ESTAMOS NA RETA FINAL, MULTIPLIQUE O SEU VOTO, DIVULGUE O NOME DO RIZZOLO ENTRE SEUS AMIGOS, FAMILARES,VIZINHOS, E VOTE FERNANDO RIZZOLO 3318 PARA DEP. FEDERAL, UM CANDIDATO DE OPINIÃO, PREPARADO, O VERDADEIRO VOTO DA RENOVAÇÃO!!


Foi no ano passado, não me lembro bem do mês, que através de um telefonema recebi um convite para ingressar na política. É claro que ao receber o convite de um partido, mesmo sendo pequeno, ponderei sobre qual poderia ser meu papel na política brasileira, além dos meus textos, da minha formação acadêmica, dos meus pensamentos e ideais de patriotismo.

Nunca exerci um mandato, nunca fui político, mas a sinceridade do convite feito pelo PMN (Partido da Mobilização Nacional) e a deterioração do Congresso Nacional me fizeram pensar que um nome novo como o meu, em face das inúmeras propostas minhas publicadas em mais de 800 artigos pelos jornais do país, dos meus livros que abordam a temática social brasileira e do meu passado íntegro, poderia somar, do ponto de vista político, a uma nova opção eleitoral. Assim sendo, aceitei. Sou candidato a Deputado Federal por São Paulo pelo PMN nº. 3318.

*Minhas propostas para educação, como Deputado Federal

Educação pública ISO 9000 : Um dia a escola pública já foi referência de ensino, quero novamente tornar realidade a qualidade do ensino público no Brasil, universalizando o atendimento público, gratuito, de qualidade e obrigatório na pré-escola, no ensino fundamental de nove anos e no ensino médio. Precisamos também, criar milhares de Escolas de Tempo Integral para assistir a população pobre. Portanto, necessitamos mobilizar gradativamente mais recursos para a educação pública, num patamar mínimo de 9% ao ano do Produto Interno Bruto (PIB), para que possamos tornar viável a implantação disso tudo, além dos cursos profissionalizantes, em nível médio nas escolas públicas. Necessitamos ampliar em 20% ao ano, as vagas nas universidades públicas, sem contar com o essencial: pagar salários dignos aos professores da rede pública e particular.

*Minhas propostas para saúde, como Deputado Federal

Programa de Saúde SPS ( Saúde Preventiva Segmentada ): Não basta investir apenas no tratamento, precisamos investir em medicina preventiva segmentada, prevenindo as doenças de forma eficaz segmentando-a para os jovens, as crianças, as mulheres, os idosos, incidindo a prevenção nas doenças que mais atingem segmento por segmento. Lutarei também para um maior investimento federal na construção de novos hospitais no Estado de São Paulo.

*Minhas propostas para segurança, como Deputado Federal

Programa Segurança para Todos SPT: O programa segurança para todos possui duas vertentes principais: repressão ao crime organizado e educação de base. Hoje existe um consenso de que só remunerando os policiais com salários dignos poderemos implementar os demais programas, inclusive os de inclusão. Portanto reprimir de uma ponta o crime organizado com rigor e policiais bem pagos, e educar os jovens de outra, é a saída a médio prazo para a questão da segurança. Sou a favor também de um forte monitoramento na saída temporária dos presos, pois muitos ficam à mercê do crime organizado nessa circunstância.

*Luta pelo fim do fator previdenciário: Todos sabem da minha luta neste Blog pelo o fim deste fator perverso, assumo aqui compromisso com os aposentados que já me conhecem em intensificar essa luta.

* ENGAJE-SE : Peça votos, fale sobre o Rizzolo, distribua os “santinhos” do Rizzolo para os amigos, colegas de trabalho, de clube, de academia, de faculdade ou da sua igreja, para os vizinhos de sua rua, do seu prédio, do comércio no entorno e nas reuniões de família.

Clique aqui e saiba quem é Fernando Rizzolo

Clique aqui e conheça os artigos de Fernando Rizzolo

FERNANDO RIZZOLO PARA DEPUTADO FEDERAL POR SÃO PAULO Nº 3318 , NA LUTA PELOS JOVENS, PELA PROTEÇÃO AOS ANIMAIS, PELOS DIREITOS DAS MULHERES E NA INTRANSIGENTE DEFESA DOS APOSENTADOS E DAS MINORIAS


“Um novo nome se faz com formação acadêmica, propostas, ética e sensibilidade, por isso eu apoio o Fernando Rizzolo para Deputado Federal”

Claudia Bonfiglioli, presidente da Casa Hope

DOAÇÕES

Um projeto político não é apenas um sonho de uma única pessoa, mas o resultado da ação organizada de muitas outras que se engajam nesse projeto. Como tudo na vida, exigirá meios e formas para que possa ser concretizado. Quanto mais pessoas dele participarem, mais ele atingirá os objetivos para os quais foi traçado: melhorar a vida das pessoas.

Isso implica a necessidade de levantamento de recursos econômicos, dentro da mais estrita legalidade. O meio que a Lei possibilita são as doações.

As doações feitas ao candidato a Deputado Federal Fernando Rizzolo serão utilizadas exclusivamente na campanha eleitoral, nos gastos com material para divulgação da plataforma de campanha e do próprio candidato e todos os demais gastos relacionados com a propaganda política e despesas de campanha, tais como: viagens, combustível, impressão de material, criação e desenvolvimento de temas, dentre outras coisas.

A ajuda dos eleitores e de empresas interessadas é importante para uma campanha política engajada com o meio social, sem gastos demasiados. Fernando Rizzolo pretende arrecadar recursos para realizar uma campanha ecologicamente correta em respeito a seus eleitores e em coerência com a sua plataforma.

Toda pessoa, física ou jurídica, que colaborar com a campanha política do candidato Fernando Rizzolo receberá, no endereço informado, um exclusivo Kit de campanha, como agradecimento pela colaboração.

As doações somente poderão ser feitas por meio de depósito na conta corrente do candidato Fernando Rizzolo.

O recibo eleitoral será emitido assim que o valor doado for creditado na conta bancária

DADOS PARA DEPÓSITO

Correntista: Eleição 2010 Fernando Rizzolo Deputado Federal
CNPJ: 12.179.144/0001-36
Banco Itaú Unibanco
Agência: 8576
Conta- 00004-9

Publicado em últimas notícias, Brasil, cotidiano, economia, geral, http://skaf.com.br/, News, notícias, Política, Principal. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . 7 Comments »

Skaf diz a Meirelles que bancos estão catalisando crise

SÃO PAULO – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, disse hoje ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que as instituições financeiras estão catalisando a crise no Brasil por conta das altas taxas que vêm cobrando dos tomadores de empréstimo. Ele relatou o episódio a jornalistas após almoço com Meirelles e o presidente da Coréia do Sul, Lee Myung Bak, na sede da Fiesp, em São Paulo. “Vocês acham que eu ia perder a oportunidade?”, perguntou aos jornalistas. “Estes juros que estão sendo cobrados são um catalisador para a crise”, afirmou.

Na avaliação de Skaf, o BC tomou medidas corretas para assegurar a saúde do sistema financeiro, como a liberação de compulsório e criação de linhas para bancos que devem ser direcionadas às exportações. Para ele, estas linhas serviram para irrigar o mercado e já houve melhora nesse sentido, mas, de acordo com o presidente da Fiesp, o custo ainda segue alto. “Não adianta a empresa tomar e quebrar. Ou não tem o recurso ou, quando tem, está com um custo que é melhor não tomar. Isso é jogar um catalisador da crise no Brasil”, argumentou. “O setor financeiro está brincando com coisa séria. Está jogando um catalisador na crise brasileira”, reforçou.

Skaf explicou que estas reclamações foram feitas diretamente a Meirelles. “Disse que o Banco Central precisa conversar com estes bancos, inclusive com o Banco do Brasil”, afirmou, acrescentando que o banco estatal, neste momento de turbulência, tem mais obrigações com o País. De acordo com Skaf, Meirelles deu razão à reclamação. Após discurso mais cedo, durante o IV Congresso de Jovens Empreendedores, na própria federação, Meirelles almoçou no local, mas não conversou com os profissionais da imprensa.

As reclamações de Skaf, segundo ele mesmo, não ficaram restritas aos bancos. O presidente da Fiesp comentou que “precisava ser feita alguma coisa em relação aos juros”, independente da Selic. Ele citou que a inflação na Coréia será de 4,% a 5% este ano e que os juros básicos daquele país estão em 2,4% ao ano. No Brasil, a inflação será de 6,00%, segundo o presidente da Fiesp, e a taxa básica está em 13,75%. “Não há dúvidas de que é preciso baixar a Selic. No mundo inteiro os juros caem”, comparou.

Para o presidente da Fiesp, no entanto, o ponto crucial do momento diz respeito ao spread bancário. Ele apresentou um levantamento semanal, realizado pelo próprio Banco Central, especificamente dos dias 29 de outubro a 4 de novembro. Nesse período, de acordo com o levantamento, o Banco Real cobrava para adiantamento de contrato de câmbio (ACC) variação cambial mais 18,2% ao ano. “Isso é altíssimo”, avaliou. No mesmo período, o Banco Itaú cobrava variação cambial mais 21,6% ao ano, enquanto o Unibanco mais 12,5% e o Banco do Brasil, 8,7%. Já o Bradesco cobrava 6,3% mais variação e o Santander, 7,1%. “A origem do funding é a mesma. A pergunta que faço é a seguinte: por que um banco pode cobrar 6,3% e o outro tem que cobrar 21,6%”, questionou.

Perguntado se essa reclamação não era improcedente, já que os bancos atuam no livre mercado, assim como a indústria, e, portanto, o tomador poderia buscar o menor custo para obter financiamento, Skaf argumentou que é difícil para uma empresa alterar o banco com o qual trabalha de uma hora para outra. “Para uma empresa, mudar de banco é complicado.” Ao final da entrevista, o presidente da Fiesp disse que a reclamação também será feita individualmente a cada instituição financeira.
Agência Estado

Rizzolo: É impressionante como o governo brasileiro privilegia o setor bancário financeiro. A explanação de Skaf é realmente clara e precisa; de nada adianta o empresariado tomar um empréstimo a uma taxa inviável. Como ele mesmo afirmou, é melhor não contrair o empréstimo, do que tomá-lo e não ter condição de honrá-lo. A situação piora quando os bancos estatais, como o Banco do Brasil, que deveria ter uma postura não mercenária do ponto de vista do lucro, se porta como um banco privado.

O governo do PT é realmente “sui generis”, tem um discurso socialista mas tem como base de sustentação os banqueiros, que até hoje foram os que mais se beneficiaram das políticas de altas taxas de juros implementadas pelo BC. E não venham me dizer que o governo nada pode fazer porque o BC é autônomo, essa é a velha desculpa utilizada por aqueles que querem sufocar o pobre empresário brasileiro, refém dos bancos e agora da crise. Agora será que o Meirelles não conhece as taxas de juros cobradas no exterior em relação às taxas no Brasil ? Precisa o Skaf informá-lo ?

Paulo Skaf: ”Bancos estão ganhando com a crise”

Empresário quer medidas mais duras do BC para impedir que os grandes bancos retenham dinheiro que deve ir para o crédito

Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), diz que a sua “paciência está esgotada”. Durante as inúmeras reuniões com os dirigentes do Banco Central (BC) nas últimas semanas, ele ouviu insistentemente que era preciso paciência para que as medidas adotadas pela autoridade monetária surtissem efeito no restabelecimento do fluxo de crédito para as empresas. “Só que a paciência agora se esgotou, porque a situação está se agravando.” O que falta, na opinião de Skaf, para que a crise de crédito seja debelada é o BC punir os grandes bancos privados e públicos que estão “dormindo em cima do dinheiro e estão ganhando com a crise”. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Como o sr. avalia o impacto da crise financeira na indústria?

Até setembro a atividade da indústria foi absolutamente normal, com setores batendo recordes de faturamento e de rentabilidade. Mas, a partir da primeira quinzena de outubro, começamos a sentir a falta de crédito, primeiro nos setores dependentes de financiamento. Na segunda quinzena, notamos que outros setores não dependentes diretamente de crédito começaram a se ressentir.

A crise atual de crédito é a pior dos últimos tempos?

O crédito no Brasil nunca foi farto. O que assistimos agora foi a redução repentina e um aumento de custo muito grande. Não me lembro que tenho ocorrido algo parecido nos últimos 20 anos.

Por que ninguém quer emprestar?

É uma boa pergunta para ser feita aos bancos. Certamente eles devem estar numa situação cômoda porque têm como aplicar em títulos do Tesouro com taxa Selic, obviamente uma taxa mais baixa do que pegariam no mercado, mas com segurança absoluta.

O que falta para irrigar o mercado de crédito?

O que está faltando é o Banco Central pressionar o setor financeiro, principalmente os grandes bancos. Não posso culpar os pequenos bancos porque eles não estão com recursos disponíveis. Por isso, uma saída seria uma forte redução na taxa Selic, não a manutenção da taxa em 13,75% ao ano, como ocorreu na reunião da semana passada. Com isso, a remuneração ficaria pouco atrativa. Outra alternativa seria o governo penalizar o banco que não estiver emprestando no mercado. Vai custar caro essa atitude de o setor financeiro não emprestar e continuar nessa situação cômoda, dormindo em cima do dinheiro, emprestando dinheiro para o governo e o governo aceitando essa situação. É hora de o BC reagir fortemente, pressionando os grandes bancos. Quando falo em grandes bancos incluo o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal a emprestarem a custos razoáveis. O Banco do Brasil está cheio de dinheiro, a Caixa Econômica Federal está cheia de dinheiro, grandes bancos particulares estão cheios de dinheiro e o mercado, não só a indústria, está com muita dificuldade de obter crédito, sejam empresas grandes ou pequenas.

Os bancos estão em situação melhor na crise?

Nesse momento eu diria que os grandes bancos só estão ganhando.

O BC acaba de editar uma medida que pune os bancos que não comprarem a carteira de instituições menores. Isso resolve?

Isso não irriga o mercado, só ajuda o banco pequeno. É uma medida para preservar o sistema financeiro e algum banco pequeno que esteja desencaixado. Os recursos não chegam à indústria, ao comércio e ao consumidor. Esse mesmo espírito de penalidade deveria ser usado pelo BC para obrigar os grandes bancos a emprestarem. É hora de o BC reagir fortemente. Faz três semanas que tivemos várias reuniões com o BC e inúmeras vezes eu disse que não adiantava somente as medidas serem tomadas se os recursos não fossem repassados às empresas. O que eu ouvi nessas reuniões era que tivéssemos paciência, porque as medidas eram muito novas e havia necessidade de alguns dias para que elas fossem efetivadas e virassem realidade. Só que a paciência agora se esgotou porque a situação está se agravando.

Como o sr. avalia a intenção de 57% da indústria de cortar investimento em 2009?

Se houver crédito, será possível atenuar a redução dos investimentos.
Agência Estado

Rizzolo: Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), está coberto de razão. A relação do governo petista com os Bancos, privilegiando-os sob todos os aspectos, é algo que este Blog há muito vem afirmando. O que não podíamos esperar, é que num momento de crise, a passividade e a submissão aos interesses dos banqueiros fosse atingir este patamar.

É evidente que os bancos mais uma vez estão muito mais interessados em preservar sua liquidez, do que irrigar o crédito principalmente à pequena ou a média indústria, preferem eles como afirma Skaf, aplicar em títulos do Tesouro com taxa Selic – muito embora a uma taxa mais baixa – e passar pela crise tranquilos e incólumes.

Não podemos esquecer que o BC e Meirelles sempre estiveram comprometidos com o sistema financeiro, com os Bancos, e nada mais óbvio que manter a política macroeconômica de juros altos, tornando as aplicações financeiras mais atraentes do que os investimentos na produção. Falta coragem para o governo petista, face ao seu comprometimento político com os bancos, em punir e agir com severidade com o setor, para que os recursos cheguem ao comércio à indústria e ao consumidor.

As alegações dos bancos, de que ” temos que ter paciência”, são contempladas com a passividade do governo, que nada faz no sentido de punir os banqueiros, que por interesses próprios, não emprestam os recursos e estrangulam o pobre empresariado já em dificuldades, dado à retração do mercado internacional. São vozes como de as de Paulo Skaf que fazem a diferença em momentos de crise.

Publicado em últimas notícias, Bancos não emprestam dinheiro, Brasil, comportamento, construtoras em crise, cotidiano, Crise, Crise Financeira, crise imobiliária no Brasil, crise nos bancos brasileiros, cultura, Direito Internacional, economia, estatização dos bancos no Brasil, Fiesp, geral, imóveis, mundo, News, notícias, Paulo Skaf, Política, política internacional. Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Leave a Comment »

O Confins não está em pauta , hein !

É impressionante como a falta de argumentação dos defensores implacáveis da CPMF se desmonta quando a interpelação vem acompanhada do efeito surpresa. Talvez advenha da falta de preparo, pois foi desenhada e mais voltada a questão, para a mobilização no vazio ideológico. O Dr. Jatene, pai da CPMF, levantou não só diante de Skaf a maliciosidade da intenção de se acabar com a CPMF, mas foi além, levantou seu dedo de cirurgião em riste, como que este ato emblemático, atingisse na forma de um bisturi, a insensibilidade de certa parte da elite egoísta, que em rompantes de posse, ignoram o real sentido e destinação de um imposto justo, e que do ponto de vista de arrecadação dificulta a sonegação.

Quanto surpreendeu Skaf no jantar do Figueira, com a pergunta, Por que não o Confins ? Desnudou sim, a incompreensão sistêmica do organismo da elite brasileira, transpôs a barreira de dissimulação que existe entre aqueles que acreditam e entendem que no Brasil existem dois povos num mesmo pais, os ricos a que tudo tem direito inclusive de sonegar, e os pobres que nada merecem muito menos recursos advindos de impostos pagos pelos que detêm o capital.

Mais uma vez, fica patente e comprovada, a intenção daqueles que fazem uso das organizações patronais ou corporativas para alavancar causas que vão na contra mão do povo brasileiro, daquele que trabalha por um salário humilde, que pouco sabe o que é conforto, que se alimenta mal, que sofre nas filas nos hospitais. O Dr. Jatene como pai da CPMF fez o que os pais dos filhos da elite não fizeram, chamar a atenção e lembrar que os pobres dependem de impostos como CPMF, para que o Estado gere o desenvolvimento que o egoísmo e a posse condenam.

Fernando Rizzolo

Publicado em Política. Tags: , . Leave a Comment »