PAE – Plano de Aceleração Espiritual

Foi um domingo normal, como de costume li todos os jornais da capital paulista, artigos sobre política, economia, política internacional, ciência, enfim, tudo que é reservado a uma manhã de domingo ensolarada lendo e relendo trechos não tão diferentes daqueles que li no decorrer da semana. Foi no caminho, no cumprimento de mais um ritual da manhã de domingo, caminhar no Ibirapuera, que me vi perdido em meus pensamentos, refletindo sobre o nosso desenvolvimento econômico, sobre o que estamos vivenciando nessa era de desenvolvimento brasileiro, quando preliminares apontam que pelo menos R$ 15 bilhões poderão entrar a mais do que o projetado pelo governo no decreto de programação orçamentária, quando novas reservas de petróleo nos enchem de orgulho, ao pensarmos que poderemos entrar no rol daqueles maiores produtores do mineral, que não pára de se valorizar.

O Brasil na era Lula é um País que desponta com uma enorme energia, com um vocação de crescimento nunca antes vista, mas algo me leva a pensar que deveria refletir sobre uma questão maior, uma questão que de tal forma fosse, a justificar a utilização de forma ética e benéfica os recursos públicos e pessoais advindos desta prosperidade. Aí me perguntei, será que entre tantos planos de desenvolvimento econômico, estaríamos programando para nós mesmos um plano maior, visando acompanhar este desenvolvimento material?

Não temos no Brasil uma tradição em valorizar o conteúdo espiritual e religioso das pessoas, até por que tantos foram os problemas que afligiram nossa nação, que os esforços se deram mais na direção do desenvolvimento econômico, contudo, me parece que algo maior nos chama a medida em que materialmente começamos a nos desenvolver. Nos EUA, a tradição espiritual é projetada pela linhagem protestante, cujos líderes sempre procuraram adequar o desenvolvimento material com o espiritual. O que faz dos EUA, uma nação marcada por valores que refletem nos votos, no caráter dos candidatos, e na ética que permeia a democracia. Numa sondagem organizada por uma organização evangélica sediada em Washington DC foi revelado que entre os cristãos, cerca de 82% acreditam que têm uma obrigação moral para apoiar Israel, os evangélicos americanos entendem que Israel significa mais do que um lar judaico, um lar espiritual.

No Brasil, felizmente, aqueles que exercitam a palavra de Deus, de Hashem, não param de crescer, isso significa que, em três anos, quase seis milhões de brasileiros aderiram ao protestantismo, que continua crescendo graças ao trabalho de uma nova geração de pastores. A socióloga da USP (Universidade de São Paulo) Maria Cristina Loureiro Serra afirma que o sucesso do discurso dos novos pastores está relacionado ao fato de enfatizarem a importância da racionalidade, além de mirarem um segmento que começa a crescer: o dos fiéis da classe média. O estudo da FGV indica que a maior parte dos evangélicos no país pertence às classes econômicas mais pobres: enquanto o percentual de evangélicos no Brasil era de 15% em 2000, na periferia e nas regiões metropolitanas ele chegava a 20%.

Não há como conviver com o desenvolvimento econômico, se dentro de nós existe a pobreza espiritual, a violência, a tristeza e a desesperança. Ao contrário daqueles que apregoam o antievangelismo entendo que o caráter espiritual de um povo independe de religião, mas incontestável é a necessidade de viabilizarmos a nós mesmos, um desenvolvimento interior baseado em algo maior, um PAE (Plano de Aceleração Espiritual), para que a ética, a bondade, e os valores de paz integrem o diversos “planos de desenvolvimento”. Quem sabe assim, possamos educar melhor nossas crianças para o convívio com o desenvolvimento material, lançando as espiritualmente ao encontro de Deus, e jamais arremessando-as ao mais baixo nível de amor como o que vimos no caso Isabella.

E assim foi, quando me apercebi pensando nisso tudo, já tinha dado três voltas no Parque do Ibirapuera, e uma proeza: não pensei em política. Cansado ao voltar para casa, entrei na sala e vi a Torah (Bíblia) sobre a mesa, abaixei os olhos e pensei : alguém me acompanhou nessa caminhada…. valeu…

Fernando Rizzolo

Record News estréia para abalar “monopólio” da Globo

lula-edir.jpg

O Teatro Record foi palco, na noite desta quinta-feira (27), da cerimônia que marcou o início das transmissões do canal de notícias Record News. Na presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador de São Paulo, José Serra, o bispo Edir Macedo, concessionário da Record e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, atacou a Globo no discurso inaugural.

“Nós fomos injustiçados por muitos anos por um grupo de comunicação que tinha e mantém o monopólio da notícia no Brasil. Daí nosso desejo de dar um fim a esse monopólio”, afirmou. A referência indireta à emissora carioca é a justificativa para a criação do “primeiro canal exclusivo de notícias 24 horas da TV aberta”. À Folha Online, ao ser perguntado sobre o prazo para quebrar o monopólio da Globo, Macedo comentou: “A gente vai cutucando o fígado até cair”.

A cerimônia começou a ser transmitida às 20 horas com imagens do auditório e do palco do Teatro Record. O evento reuniu o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), o presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), entre outras autoridades. Edir Macedo e Lula acionaram o botão que deu início oficial às transmissões do canal – que ocupa o lugar da Rede Mulher, transmitida em São Paulo no 42 UHF.

No início da cerimônia, o apresentador Celso Freitas lembrou a história da Record, que completou 54 anos nesta quinta e que já esteve, em 1989, à beira da “falência”. Freitas citou que a emissora é “a segunda assistida do Brasil” e que está “a caminho da liderança”. Em seguida, Macedo fez seu discurso, agradeceu a presença das autoridades e citou o objetivo do Record News de “levar informação de qualidade, de graça”.

Lula, exclusivo

Ainda na cerimônia, o presidente Lula defendeu a democratização do acesso à comunicação. “Estou certo que todos os envolvidos na criação da Record News têm competência e dedicação para trabalhar em prol do avanço e maior democratização da comunicação no Brasil”.

Segundo o presidente, a emissora está “trabalhando para levar aos brasileiros, de forma independente e equilibrada, as informações e os debates mais relevantes para o presente e o futuro da sociedade”. Lula pediu para a Record News levar um jornalismo independente e pluralista para a população. “E para refletir em sua programação jornalística toda a pluralidade dos pontos de vista e ideais presentes em nossa nação.”

O presidente encerrou seu rápido discurso com um trecho do Hino à Proclamação da República: “Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós!”. Antes disso, Lula enalteceu a iniciativa dos donos da Record de contribuir para a democratização do acesso à comunicação por levar para a TV aberta algo que só havia antes nos canais por assinatura.

Em entrevista exclusiva e especial para o novo canal, após a cerimônia, Lula não poupou críticas ao seu antecessor Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a quem acusou de não se comportar adequadamente como ex-presidente. “Somos amigos desde 1978. Isso perdurou até ele deixar a Presidência da República e não se comportar adequadamente como um ex-presidente”, respondeu Lula, ao ser questionado sobre o motivo de nunca ter convidado FHC para tomar um café.

O presidente afirmou ainda que chegou a perguntar ao ex-presidente norte-americano Bill Clinton sobre a relação dos democratas com a ação de George W.Bush no Iraque. “Ele me disse que, nos Estados Unidos, os ex-presidentes não dão palpite em tomadas de posições de atuais presidentes. FHC não soube se comportar. Deu palpite o tempo inteiro.”

Lula disse que fez no seu governo o FHC não quis fazer. “E não foi por incapacidade porque ele é intelectualmente preparado. Talvez porque a conjuntura política não tenha permitido ou porque ele não soube aproveitar oportunidades”, disparou. “Se tem alguém que deveria estar feliz era ele. Eu consegui fazer o Brasil que ele não conseguiu.”

O novo canal

Nem só de briga pela audiência vive uma emissora de televisão. Apesar de ser a mais empenhada em ganhar público, a Record se embrenha por um caminho pouco explorado na TV aberta brasileira, ao lançar a Record News. Foram gastos US$ 7 milhões em equipamentos e infra-estrutura.

De acordo com o vice-presidente comercial da TV, Walter Zagari, o “empresário Edir” está empenhado em apostar mais ainda no canal de notícias. Mesmo assim, aproveitou boa parte da estrutura da emissora e os mil jornalistas de que dispõe para tocar o novo projeto, com o reforço de mais 200 repórteres. “Agora vem o investimento em conteúdo e pessoal”, diz o presidente da Record, Alexandre Raposo.

A idéia do diretor de Jornalismo Douglas Tavolaro e sua equipe é fazer um trabalho diferente daquele dos canais abertos e noticiosos da TV paga. “A cobertura das emissoras é insossa, apática e superficial”, criticou ele, referindo-se principalmente à Rede Globo. “Nosso foco vai ser a informação.”

Paulo Henrique Amorim, Celso Freitas, Britto Jr., Christina Lemos e Lorena Calábria estão entre os escalados para ancorar jornalísticos de entrevistas e temáticos no canal. De todos, o primeiro a ter patrocínio foi o de Amorim, Entrevista Record, com tom de entretenimento, exibido na faixa das 22 horas. “Estou bem animado com o programa novo”, contou o apresentador. “Dá para conciliar com a Record sem problema nenhum.”

A previsão de lucros é polpuda, segundo o presidente da Record: R$ 100 milhões de faturamento no primeiro ano. O investimento da emissora na área de jornalismo engrossou nos últimos meses. A Record investiu pesado na compra dos direitos das Olimpíadas de 2012, que pela primeira vez estarão fora da Globo. “O caminho da liderança nunca esteve tão claro para nós”, disse Zagari, reiterando o “mantra” da emissora da Barra Funda. “Quem não é o primeiro tem de procurar ser o melhor.”

A única indefinição na estréia da Record News é a exibição do canal pela Net. Está acertado o sinal na TV aberta e com a TVA, que garantiu a transmissão. “A Net não é obrigada a transmitir o canal, mas esperamos que exiba, porque vai ser cobrada para isso”, afirmou Alexandre Raposo. “Se não exibir, não vou querer mais assinar.” A Net alega que a transmissão da Record News ainda está em negociação e que, portanto, pode não ocorrer.

Da redação, com agências
Site do PC do B

Rizzolo: A estréia da Record News é um novo passo e um avanço, para que o monopólio da Globo fique um pouco mais restrito. Originalmente, Edir Macedo, vem de uma camada social popular, à parte o fato religioso, e seu carisma com a população pobre, sua ascensão deu-se dé forma diferente dos demais proprietário de concessões; Silvio Santos fez- se sobre bases comerciais desde o início de sua ascensão na mídia, Roberto Marinho, através da representatividade da elite, já Edir Macedo sempre dialogou com a população pobre com uma fundamentação ideológica religiosa; o que é bem diferente. O discurso ideológico seja ele político ou religioso percorre outro imaginário nos mais humildes, não é através da compra, nem tampouco da emoção da novela, mas sim de algo espiritual. Talvez, seja este o motivo da opção de “liberalidade democrática” e de visão da realidade social brasileira, mais aguçada. Aqueles que são “contra a inclusão dos 49 milhões de pobres” ficarão de fora do processo de desenvolvimento intelecto econômico brasileiro, e no futuro não mais haverá espaço para estes.

Ademais, os evangélicos, ainda são no Brasil católico, estigmatizados; sempre que posso, muito embora não sou católico, nem evangélico, defendo o caráter de massa dos evangélicos, não posso aceitar que o Papa venha no nosso país, e classifique os evangélicos como “seita”; essa idealização católica em achar que a razão do mundo esta com eles é absurda e já trouxe tragédias comprovadas pela história, como a inquisição, onde milhões de judeus forma mortos. De qualquer forma entendo que os evangélicos têm um papel redentor social que num futuro próximo se revelará através de posturas e posições políticas mais progressistas, ou mais cristã na acepção da palavra.

” Chega de corrupção e rolo, para Deputado Federal Fernando Rizzolo PMN 3318 “

Por que Lula e Temporão incomodam tanto a Igreja Católica

A Igreja brasileira discorda do programa de Lula que instaura a gratuidade dos contraceptivos. Para a instituição, o governo deveria investir os recursos da saúde pública em necessidades mais urgentes da população. A matéria é de Annie Gasnier para o Le Monde deste sábado (9).

A Igreja Católica não gostou nem um pouco do novo programa de planejamento familiar que acaba de ser implantado pelo governo brasileiro, três semanas depois da visita, em meados de maio, do papa Bento 16.

“Trata-se de uma verdadeira febre anticoncepcional, de uma grave infração à lei natural que estabelece um vínculo entre a relação sexual e a transmissão da vida”, estima o bispo de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, Rafael Cifuentes, o presidente da Comissão Episcopal para a vida e a família.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou em 28 de maio, em São Paulo, o lançamento de um programa social para o seu segundo mandato, dotado de uma verba de R$ 110 milhões, que se destina a ajudar as famílias brasileiras “a evitarem gravidezes que não são programadas ou desejadas”.

Trata-se de democratizar o acesso aos métodos contraceptivos, principalmente para as classes sociais as mais desfavorecidas e as menos informadas, uma vez que as famílias de renda mais elevada já planejam há muito tempo o número de filhos desejados.

Desigualdades regionais

No Brasil, a taxa de natalidade é de 2,4 filhos por mulher, mas o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e de Estatísticas) estabelece distinções em relação a essa média. As famílias que vivem com menos de R$ 3 por dia têm 5,3 filhos – e até mesmo 6,3 no Nordeste, uma das regiões mais pobres do país. Enquanto isso, famílias cujo salário mensal está acima de R$ 2.000 têm 1,1 filho – ou seja, uma taxa equivalente à média européia.

Com isso, os custos dos métodos contraceptivos serão reduzidos de maneira drástica. O ministro da Saúde, José Temporão, anunciou a comercialização de cartelas de pílulas, de ampolas para injeções anticoncepcionais e de preservativos com um desconto de 90%, nas farmácias populares e afiliadas credenciadas pelo programa Farmácia Popular.

As pílulas e os preservativos já são distribuídos gratuitamente nos postos de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) – mas o objetivo é ampliar o seu acesso para um público mais vasto. Também serão incentivadas as vasectomias. Essas micro-cirurgias, que já vêm sendo praticadas de modo amplo, custam menos do que as operações de ligaduras de trompas.

Todos esses métodos serão objetos de uma campanha de educação nas escolas, nos centros comunitários, nos centros de saúde e nos meios de comunicação. Um dos seus objetivos é de alcançar as adolescentes das favelas das grandes cidades, onde, segundo o IBGE, os nascimentos aumentaram em 42%, dos quais mais da metade não foi o fruto de uma união estável.

“Cultura da morte”

O aumento da natalidade em favelas urbanas resulta num número cada vez maior de crianças abandonadas que vivem nas ruas. Assim, em qualquer esquina nos bairros residenciais, tais como os da zona sul do Rio de Janeiro, é possível ver moleques, cuja idade, em geral, não passa de 4 a 5 anos, fazendo malabarismos na calçada com bolas de tênis, diante dos veículos parados no farol.

Descalços, encharcados durante a estação das chuvas, trajando geralmente camisetas puídas, eles passam então entre os carros para pedir uma moeda. Nunca o pai ou a mãe aparecem nos arredores.

Três semanas depois da visita do papa, que condenou enfaticamente o aborto e a “cultura da morte”, Brasília fez questão de sublinhar que a sua iniciativa está orientada “em favor da vida”, uma vez que os casais terão a possibilidade de escolha para planejar a sua família.

Bento 16 havia preconizado antes a castidade em discurso que ele pronunciou perante 30 mil jovens reunidos em São Paulo. A reação da Igreja católica foi tanto mais viva que o ministro da Saúde também deu início a um debate sobre a liberalização da interrupção voluntária de gravidez, a qual permanece proibida até hoje – uma questão sobre a qual ele gostaria de organizar um referendo.

Para José Temporão e para o presidente Lula, trata-se de um problema de saúde pública: 1 milhão de abortos clandestinos estariam sendo praticados anualmente no Brasil, e 4 mil mulheres morreriam das conseqüências dessa cirurgia.

Le Monde

Rizzolo: Uma igreja que considera os Evangelicos como seitas, o que se pode esperar ? Um país como o Brasil que no passado perseguia -os, como cristãos de segunda categoria, a mando da Igreja Católica, não pode se deixar manipular pelo fundamentalismo religioso arcaico. A prova esta na Igreja Universal . Quando um líder católico, no Brasil, seria humilhado como foi o evangélico Edir Macedo ? Lula deixou claro que o Brasil é um Estado laico, agora, sinceramente, se o Bento não gostou ou não gosta da política do nosso governo o problema é da Igreja, espero que seja incisivo com as atrocidades cometidas pelos EUA no encontro com Bush. Será que vai ser ? Duvido.