Chávez atribui triunfo de Dilma a mobilização do “Brasil profundo”

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, definiu nesta segunda-feira a eleição de Dilma Rousseff como uma “grande onda de justiça e igualdade social” que, segundo disse, atravessa a América Latina, e avaliou que o “Brasil profundo” foi determinante no resultado das urnas.
Segundo um comunicado da Presidência da Venezuela, a vitória de Dilma “é fruto de uma extraordinária mobilização das forças populares do Brasil profundo”.

“Com seus sindicatos e movimentos sociais, estudantis, intelectuais e artísticos, o Brasil ratificou sua vontade de seguir no caminho do desenvolvimento e progresso social aberto pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, acrescenta a nota.

O comunicado, no qual também são enviadas “efusivas felicitações do Governo e do Povo da Venezuela à Dilma Rousseff”, qualifica a eleição de domingo de “histórica jornada democrática”, por ser a primeira vez que uma mulher chega à Presidência do Brasil.

“A vitória da presidente Dilma é garantia de que o processo de união dos povos de nossa região seguirá se consolidando em espaços como o Mercosul, a Unasul e a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos”, afirma a nota, que acrescenta que “o Brasil seguirá aproximando-se dos povos irmãos do continente”.

A Presidência venezuelana indicou ainda que Dilma “contribuiu para a transformação do Brasil em um país com maiores oportunidades para todos, acesso à saúde, à educação e à moradia digna, parte integrante e motor fundamental da grande onda de justiça e igualdade que atravessa a Nossa América”.

No domingo, pouco após ser divulgada a vitória de Dilma, Chávez enviou um beijo e felicitações à presidente eleita durante seu programa de rádio e televisão “Alô Presidente!”.

Terra
Rizzolo: Por bem a vitória da Dilma irá fazer com que a amizade entre o Brasil e os países da América do Sul irá prevalecer. O grande receio de toda a América Latina seria uma desastrosa vitória de Serra, que com certeza isolaria o Brasil dos demais países no eixo Sul . Com efeito foram as forças do Brasil mais carente, dos estudantes , dos intelectuais que alavancaram a candidatura de Dilma, que significa um grande de avanço do povo brasileiro. Chavez é um amigo do Brasil e deve ser tratado com respeito e solidariedade.

TSE concede direito de resposta ao PT contra a revista ‘Veja’

Por quatro votos a três, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgou procedente, nesta segunda-feira, o pedido de resposta do PT contra a revista Veja, por conta de reportagem sobre as declarações do candidato tucano à vice-presidência da República pela coligação liderada pelo PSDB, Indio da Costa (DEM-RJ). Em entrevista a um site do PSDB, o vice na chapa de José Serra associou o PT às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

De acordo com a decisão do TSE, a resposta deverá ser publicada em uma página da próxima edição da revista.

Os ministros divergiram em sua análise do caso, que levantou uma discussão sobre a liberdade de imprensa. O ministro Arnaldo Versiani votou a favor da concessão do direito de resposta dizendo que a publicação “antecipou um juízo de valor” ao afirmar que o candidato a vice estaria correto em suas afirmações.

Para ele, a liberdade de imprensa não seria afetada pela concessão do direito de resposta. “A liberdade de imprensa existe, tanto que a matéria foi divulgada. E também não se trata de censura, tanto que (a matéria) foi divulgada”, disse. Para ele, “se acontecem essas ofensas, o direito existe exatamente para punir aqueles excessos que foram cometidos”.

A ministra Cármen Lúcia, que votou contra a concessão do direito de resposta, argumentou “não haver clareza” sobre a ofensa. “O que pode aparentar ofender seria extraído de uma certa leitura feita de matéria jornalística”, avaliou. “Não havendo clareza, o princípio que deve prevalecer, a meu ver, é o da liberdade de imprensa”.

Além de Carmén Lúcia, também votaram contra o direito de resposta os ministros Marco Aurélio Mello e Aldir Passarinho. Eles foram vencidos pelos votos de Versiani, Hamilton Carvalhido, do relator, Henrique Neves, e do presidente do TSE, Ricardo Lewandowski.

Terra

Rizzolo: Chegamos num nível de democracia no Brasil, que não podemos mais aceitar um jogo antigo conservador de delação sem provas com o simples objetivo de desqualificar o opositor com denúncias levianas. Com efeito, não é assim que se ganha uma eleição, mas acima de tudo com propostas. O medo como fator de aterrorizar o povo com intuito de ganho secundário político, já foi descrito por Hanna Arendt em seu livro “As Origens do Totalitarismo”, e ao que tudo indica Serra e seu vice, andam vagando nesse patamar ideológico perigoso e deplorável. Por bem o TSE, com seu costumeiro acerto decidiu pelo direito de resposta do PT. Democracia se faz assim , com justiça e liberdade de imprensa com responsabilidade.

Uribe critica comentários de Lula sobre crise com Venezuela

O gabinete do presidente colombiano, Alvaro Uribe, emitiu nota criticando os comentários do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a crise com a Venezuela.

” Deploramos que Lula, com quem temos as melhores relações, tenha se referido à crise como um caso pessoal e ignore a ameaça que representa a presença de guerrilheiros das Farc na Venezuela”, diz a nota.

“É deplorável que Lula, com quem temos as melhores relações, tenha se referido à crise como um caso pessoal e ignore a ameaça que representa a presença de guerrilheiros das Farc na Venezuela”, diz a nota.

“Ainda não vi conflito. Eu vi conflito verbal, que é o que nós ouvimos mais aqui nessa América Latina”, afirmou Lula ontem após se reunir com o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.

Lula se encontrou no começo da semana com o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, com quem discutiu a crise. Ontem, o presidente indicou que pretende negociar uma distensão entre Colômbia e Venezuela com o presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, que toma posse no próximo dia 7, e Chávez.

A Colômbia acusa a Venezuela de abrigar, com a anuência do governo do presidente Hugo Chávez, guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), incluindo vários líderes do grupo. Caracas nega que dê proteção à guerrilha.
efe

Rizzolo: Bem, acho que por hora o que o presidente Lula fez foi o suficiente. Ora, se não queremos tensão, crise, conflito, temos que levar as coisas de uma forma amena. E na verdade está bem claro que Uribe antes de acabar seu mandato quer mesmo gerar um conflito com a Venezuela. Agora, o Brasil como país que tem tradição no entendimento, apregoa a paz, a mediação, evidentemente tenta distensionar as partes, o que é natural. O Brasil não deve se indispor com vizinhos, e para isso mantem sempre sua postura independente e conciliatória, mas parece que Uribe quer mesmo confusão a todo preço, desestabilizando a região. Bom mesmo por hora é o Brasil ficar longe disso, e acompanhar o desenrolar dos fatos.

Governo lamenta crise entre Venezuela e Colômbia e fala em mediação

BRASÍLIA – O assessor de Assuntos Internacionais do Palácio do Planalto, Marco Aurélio Garcia, lamentou a decisão do governo venezuelano de romper relações diplomáticas com a Colômbia. Em entrevista há pouco no Palácio do Itamaraty, Garcia disse ter convicção que a situação irá se “recompor” com a posse do novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

Principal interlocutor do presidente Lula com autoridades latino-americanas, Garcia informou que o governo brasileiro está ajudando por meio de conversas a resolver o impasse. “Há disposição (de conversar) dos dois governos no futuro próximo, com a posse do presidente Santos”, disse. “Estou convencido de que haverá vontade das duas partes de resolver isso”, completou.

As declarações foram dadas após Garcia participar de almoço com o presidente Lula e o primeiro-ministro do Kwait, xeque Nasser Al Sabah.

Crise

Nesta quarta-feira, a Colômbia apresentou na OEA indícios de que a Venezuela abriga 1,5 mil guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seu território.

Em seguida, o presidente venezuelano Hugo Chávez anunciou o rompimento das relações diplomáticas com a Colômbia. O governo de Álvaro Uribe lamentou a decisão. Os EUA criticaram a medida de Chávez. A OEA pediu calma e diálogo a ambas as partes.

Com informações da Efe e da AP

Rizzolo: A questão principal em si, não é acusação, mas sim os desdobramentos que isso pode tomar. O papel do Brasil sempre foi o de mediador, e nesse momento, é importante que o Brasil amenize os efeitos do conflito e restabeleça a paz e a tensão gerada pelo ocorrido. O presidente Lula, e seu interlocutor Garcia, sempre foram dados ao entendimento, e hoje o Brasil tem um peso na América Latina para desempenhar bem esse papel.

Chávez se solidariza com chuvas no nordeste do Brasil e oferece ajuda

CARACAS- A Venezuela expressou nesta terça-feira, 22, sua solidariedade com o Brasil, especialmente com os habitantes de Pernambuco e Alagoas, pela tragédia causada pelas fortes chuvas que atingiram os estados na última semana e que já deixaram ao menos 41 mortos e 607 desaparecidos.

“O presidente Hugo Chávez transmite suas mais sentidas condolências aos familiares e amigos das milhares de vítimas, e manifesta seu profundo pesar pelos numerosos danos materiais causados por este fenômeno”, afirmou um comunicado da chancelaria venezuelana.

Segundo o texto, o “governo bolivariano” colocou à disposição do Brasil “os meios humanos e materiais que modestamente possam contribuir modestamente para salvar vidas e aliviar as dificuldades provocadas por esta catástrofe”.

Além disso, Caracas expressou sua confiança em que o povo brasileiro “saberá superar esta adversidade graças a seu espírito combativo e solidário.
agência estado

Rizzolo: É nesse momento que realmente encontramos os países solidários e amigos. Quando muitos apregoam a desunião, o fim do Mercosul, lançam verbalizações demoníacas contra Hugo Chavez, surge a Venezuela nos estendendo a mão. Eu não vi até agora nenhum país europeu, se solidarizar com a catástrofe do nordeste. A união dos países da América do Sul e o respeito que devemos ter com a democracia participativa venezuelana são prerrogativas essenciais a um candidato à presidência. Devemos enxergar a solidariedade bolivariana como um a demonstração de carinho ao nosso povo, agora os radicais não gostam , não é ? Para eles o povo do nordeste que se dane, e romper com os nossos vizinhos é o sonho de verão de todo radical de plantão. Eu conheço a Venezuela, suas favelas, e o avanço social que o Chavez empreedeu, antes de falar mal sugiro: vão lá e vejam.

Jornal argentino critica posição de Serra sobre Mercosul

O jornal argentino Clarín questionou as declarações de José Serra, pré-candidato tucano à presidência da República, que classificou o Mercosul como uma “farsa” e “um obstáculo para que o Brasil faça seus próprios acordos individuais em comércio”. As declarações foram feitas durante encontro de Serra com empresários na Federação de Indústrias de Minas Gerais (FIEMG).

Por Marco Aurélio Weissheimer, em Carta Maior

Serra disse ainda que “não tem sentido carregar o Mercosul” e que “a união aduaneira é uma farsa exceto quando serve para impor barreiras” ao Brasil.

As declarações do ex-governador de São Paulo surpreenderam negativamente várias lideranças latinoamericanas pelo desprezo que revelaram em relação ao processo de integração na América Latina. A sinalização de Serra foi clara: caso seja eleito, é o fim da integração.

As declarações do tucano, assinalou o Clarín, retomam teses já defendidas por ele quando foi derrotado por Lula em 2002. Essa visão, diz o jornal argentino, “supõe que o Brasil deva se afastar de Argentina, Paraguai e Uruguai, porque é a única maneira para seu país formar áreas de livre comércio com Estados Unidos e Europa, sem necessidade de “rastejar” diante de seus sócios”. Uma resolução do Mercosul, lembrou o jornal, estabelece que nenhum dos países do bloco pode realizar acordos comerciais separadamente sem discutir com os demais.

O Clarín também ironizou algumas afirmações do tucano. Serra disse que, sob um eventual governo seu, o mais importante será aumentar as exportações. “O certo”, diz o jornal”, “é que essa foi uma conquista obtida por Lula: desde que iniciou seu governo, no dia 1° de janeiro de 2003, o presidente conseguiu passar de 50 bilhões de vendas ao exterior para 250 bilhões. Ou seja, quintuplicou a presença brasileira nos mercados mundiais”.

Ao qualificar o Mercosul como uma farsa, Serra parece desconhecer, diz ainda o jornal, que o grosso das exportações industriais do país tem como destinatários países da América Latina. “Segundo estatísticas oficiais, 90% das vendas de produtos manufaturados de Brasil no mundo ocorrem no Mercosul e em mercados latinoamericanos”, diz ainda a publicação Argentina, que conclui:

“O candidato socialdemocrata evitou dizer como pretende reformular a posição do Brasil. Mas ignora que não é simples passar, como pretende, de um mercado comum definido por uma unia aduaneira a uma simples zona de livre comércio como a que existe no NAFTA. Ele pode desde já conquistar o desprestígio regional, além de submeter-se a severas punições por conta da ruptura de contratos internacionais”.

Vermelho

Rizzolo: Como já comentei anteriormente, é desastrosa essa afirmação e vai ao encontro dos interesses internacionais que conta com a fragmentação do Bloco latino americano. Não é possivel surgir propostas com esta, que são a expressão da marcha a ré dos avanços nos entendimentos entre a s nações do sul. Será que esse é o pensamento de Serra, ou pertence à cartilha do PSDB ? Muito preocupante afirmações como esta…

Serra ataca integração do Brasil com vizinhos

O pré-candidato tucano à Presidência da República, José Serra (PSDB/SP), atacou o Mercosul, afirmando que o bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela “é uma farsa”, que “só serve para atrapalhar”. “O Mercosul é uma barreira para o Brasil fazer acordos comerciais”, disse Serra, sugerindo que a melhor forma de fomentar as exportações seria o fim do Mercosul para “criar uma zona de livre comércio”.

O ex-governador de São Paulo participou, na última segunda-feira (19), de um encontro com empresários reunidos pela Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg). No evento, Serra insinuou que a participação do país no Mercosul “não faz sentido”, menosprezando o papel desempenhado pelo bloco na integração econômica do Brasil com os países vizinhos.

O tucano fez questão de ignorar, por exemplo, que dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em janeiro passado, apontaram que a corrente de comércio com a Argentina – principal vizinho do bloco – em 2009 ocupou o terceiro lugar entre os parceiros comerciais do Brasil, com valor superior a 24 bilhões de dólares, atrás apenas de China (US$ 36.102) e Estados Unidos (US$ 35.922).

Somando o fluxo de comércio com a Venezuela, cuja integração plena ao Mercosul ainda não foi concretizada, o valor ultrapassa 28 bilhões de dólares. O incremento da corrente de comércio (soma das exportações e importações), que serve para medir o fluxo comercial entre dois países ou blocos econômicos, é um retrato evidente de como o fortalecimento que o Mercosul teve a partir da posse de Lula alterou o modelo de inserção subordinada aos países ricos.

O Mercosul teve suas bases estruturais lançadas no Protocolo de Ouro Preto (MG), em 16 de dezembro de 1994, que deu sequência ao Tratado de Assunção (Paraguai), em 1991.

Na reunião com os empresários, o pré-candidato do PSDB disse que poderá promover uma revisão em todos os contratos de empresas privadas com a União caso seja eleito. Segundo Serra, os financiamentos do BNDES também serão redirecionados.

Além de palestra na Fiemg, Serra seguiu o mesmo roteiro feito pela ex-ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à presidência, em sua visita a Belo Horizonte. Teve uma reunião com políticos locais e deu entrevista à Rádio Itatiaia, onde declarou que o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) “não existe”. “O PAC é uma lista de obras, vamos ser realistas. A maior parte não foi feita. As obras, a gente tem que definir, tocar e fazer acontecer”, alegou, quando questionado se daria continuidade às obras do programa.
hora do povo

Rizzolo:Existem certas afirmações que nos fazem saltar os olhos. Mesmo em reuniões informais, opiniões diversas, infundadas, não podem ser levadas em consideração e devem ser respeitadas, agora quando um pré – candidato faz uma afirmação desse tipo, alegando que o Mercosul tem que ser revisto, ignorando os avanços comerciais que houveram na região, é desastroso e também preocupante. É claro que para as grande potências não interessa uma América Latina unida , coesa. Portanto o pré candidato apregoa algo não do interesse comum da região, haja vista os números apresentados no texto, mas provavelmente propostas dos países desenvolvidos que apostam nessa fragmentação.