Os prédios e o Brasil sob gestão técnica

*por Fernando Rizzolo

Uma das coisas mais difíceis para quem escreve é ter a percepção de que deve existir motivo ou razão plausível para se colocar no papel um assunto que realmente te desperte a vontade de escrever. Nesse aspecto me dou a liberdade de escrever apenas assuntos que me tocam, até por que não sou pago para escrever nem estou vinculado a nenhuma editora – apenas, isso sim, ao meu coração, às minhas ideias, às quais nunca traio por conveniência de nenhum tipo.

Mas para que falar sobre percepção, motivos para escrever? Na verdade, nesse breve período de férias que tive, pensei muito sobre o Brasil e seu atual papel no mundo, sobre o governo da presidenta Dilma, sobre a crise mundial, e, particularmente nesses últimos dias, sobre a tragédia da queda dos prédios no Rio de Janeiro. Nesse contexto político e dramático, uma coisa é certa: o aspecto técnico pode ser a chave da solução de grande parte dos problemas atuais da humanidade.

Explico. O Brasil vai bem porque Dilma é uma técnica e não política. Dei-me conta disso principalmente quando ouvi, com enorme satisfação, a queixa do porta-voz do Irã, Ali Akbar Javanfekr: disse ele que “Lula está fazendo falta”. Dei-me conta disso quando vejo Dilma indo a Cuba e evitando assuntos políticos internos, mas também não se mostrando conivente com a ausência de direitos humanos na ilha. E também quando ela, nossa presidenta, demite sem dó ministros sob suspeição, e principalmente porque é seu costume falar pouco e pensar mais em números, numa demonstração de que a técnica está acima da política, política esta que tanto mal já fez a este país.

É triste saber que a permeabilidade do pensamento técnico pouco é difundida no nosso país, de colonização ibérica. Digo isso em todos os aspectos da nossa sociedade, e reforço aqui, também como na política de gestão de um país, a importância do asseguramento de cunho tecnicista na análise dos prédios antigos ou novos mal construídos é essencial. Se essa visão fosse mais presente, poderíamos evitar, não só Rio de Janeiro, mas em todo o Brasil, desastres urbanos que envolvem prédios, deslizamentos, enchentes e tragédias por aí afora.

Por bem, com a gestão Dilma, a técnica parece prevalecer, e, enquanto Lula faz falta no Irã, estamos por ora assegurados de que por aqui, em termos de gestão em época de crise internacional, a nossa casa não vai cair, ficando no chão, apenas por infelicidade e nossa tristeza, antigos prédios e casas vítimas de deslizamentos que já fazem parte do nosso cenário político urbano… onde a política da vista grossa ou do deixa como está impera…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: