Charge do Enio para a Gazeta de Alagoas

Quando o “Corruption level” macula o “Investment Grade”

Nem seria preciso perguntarmos a uma pessoa que pouco tem acesso aos meios de comunicação, que eventualmente lê os jornais do País, para inferirmos que algo estranho no campo da honestidade e da ética ocorre hoje no nosso meio político. As notícias de corrupção permeiam as páginas dos nossos jornais, ao mesmo tempo em que entidades internacionais nos elevam a um grau de confiabilidade econômica maior.

Modesta seria a observação, e ao mesmo tempo injusta, se pudéssemos apenas voltar nossos olhos aos desmandos éticos do governo. De forma triste constatamos hoje no Brasil, a globalização da desonestidade com as coisas públicas, quer no governo, quer na oposição, quer no sindicalismo, quer no legislativo, e até no judiciário; enfim, os escândalos envolvendo a “rés” pública, se agigantam na mesma intensidade em que a confiabilidade econômica nos eleva ao grau maior de investimento.

Nessa relação entre o desenvolvimento econômico e a falta de ética no meio político, vale refletirmos quais são as causas que levam no Brasil políticos a se corromperem. Bases estruturais de conceitos éticos? Falta de matéria-prima humana de conteúdo moral na participação política brasileira? A insistência na mesmice eleitoral em eleger sempre os mesmos velhos nomes e caciques políticos já comprovadamente corruptos?

“Nunca na história desse País”, fomos tão desrespeitados tanto pelo governo quanto pelas oposições no âmbito da moral, da ética, do bom trato com o dinheiro público. Nosso grande desafio é mantermos o ” Corruption Level ” ao mesmo nível do “Investment Grade”, e isso só resolveremos quando começarmos a nos recusar a eleger e prestigiar nomes, que já há muito deveríamos ter varrido do meio político, da mesma forma rechaçarmos aqueles que acabam se aventurando na política sem menor nível intelectual, sem preparo, apenas alavancados pela máquina partidária. É só abrir os jornais e conferir. Faça você sua lista de excluídos políticos.

Fernando Rizzolo

Correto porém não de forma gramatical

A Rebetsin Chaya Mushka, esposa de Rabi Menachem Mendel de Lubavitch, estava constantemente recitando Salmos, mas com muitos erros de pronúncia.

Certa vez ela comentou com seu filho, Rabi Yehudá Leib: “Sabe, é estranho. A esta altura, eu deveria saber o Livro dos Salmos de cor. Tenho recitado os Salmos todos os dias, já faz muitos anos.”

“Certo,” disse Rabi Yehudá Leib, “mas a cada vez você os recita com novos erros.”

A Rebetsin relatou esta conversa ao marido, acrescentando que talvez fosse melhor cancelar este hábito, ao invés de distorcer as palavras sagradas. “Não,” insistiu Rabi Menachem Mendel, “continue a recitar como sempre fez.”

Mais tarde, Rabi Menachem Mendel admoestou seu filho e instruiu-o a pedir perdão à mãe. “O que você sabe?” disse-lhe. “Meu sucesso em S. Petersburgo aconteceu pelo mérito dos Salmos de sua mãe.”

Fonte : Site do Beit Chabad

A você querido(a) amigo(a) meu (minha) leitor(a), desejo um sábado de descanso e de muita paz !!

Fernando Rizzolo

Charge do Pelicano para o Bom Dia São Paulo

STF aprova realização de pesquisas com células-tronco embrionárias

O STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou nesta quinta-feira (29) as pesquisas com células-tronco embrionárias no país. O Supremo rejeitou uma ação direta de inconstitucionalidade contra o artigo 5º artigo da Lei de Biossegurança que permite a utilização, em pesquisas, dessas células fertilizadas in vitro e não utilizadas.

Seis ministros do tribunal votaram a favor das pesquisas. Outros cinco sugeriram mudanças na lei. Anteriormente, o voto do ministro Cezar Peluso havia sido contabilizado pelo Supremo como favorável às pesquisas, mas a informação foi retificada e o ministro foi classificado no grupo dos que pediram alterações na lei.

Folha online
Rizzolo: Do ponto de vista moral e espiritual essa decisão é um retrocesso. Não podemos deixar de entender que o embrião é um ser humano em seu estágio inicial. A questão é controversa, até porque esses seres ainda embrionários não tem a quem recorrer, foram sim derrotados, e serão exterminados; é lamentável que o STF não tenha confirmado esse direito cristalino, permitindo que vidas humanas em estado embrionário sejam ceifadas. Como alega a Igreja Católica, não há até hoje nenhum protocolo médico que autorize pesquisas científicas com células-tronco obtidas de embriões humanos em pessoas, por causa do alto risco de rejeição e de geração de teratomas. Sinto por esses seres. Espiritualmente para nós brasileiros, é um retrocesso cujo impacto será sentido através do tempo pelas nossas almas.

Veja a posição do Rabino D. Weitman do Beit Chabad em entrevista concedida à revista Morashá em 2008: E como fica o uso de embriões clonados para pesquisas com células-tronco?

“A pergunta refere-se à célebre clonagem terapêutica, mas já que ela consiste igualmente em destruir o embrião para obter as células-tronco, fica automaticamente proibida, conforme já foi explicado. Afora as inúmeras objeções morais a respeito, pois afinal o homem será reduzido a um mero depósito de peças avulsas. E isso é, claro, impensável.

Ao se permitir a clonagem terapêutica, o próximo passo será, inevitavelmente, a permissão da clonagem reprodutiva. Que ninguém se iluda: a pressão será enorme. E apesar de não estarmos preparados para afirmar que a halachá proíbe a técnica da clonagem reprodutiva, seguimos com reservas consideráveis a respeito.

A clonagem, apesar de ainda bastante teórica, ameaça a diversidade genética do ser humano. Transforma-o em mera matéria-prima; é uma demonstração de egoísmo, e gera a rivalidade entre a mãe que forneceu o óvulo e a que deu o núcleo para a transferência nuclear. Isso sem contar a multiplicidade de abortamentos e más-formações até que o resultado desejado seja atingido. A clonagem permite a seleção racista e eugênica da raça humana, promovendo a produção de filhos sem pais, algo totalmente antinatural.

A clonagem, enfim, traz consigo inúmeros problemas e dilemas, como mencionado.1 Não foi à toa que muitas autoridades internacionais convocaram uma moratória da clonagem humana reprodutiva.”

1. 1. Para um melhor entendimento, aconselhamos a leitura da entrevista do Rabino, “Clonagem Humana”. Vide Morashá no 33, junho de 2001.

Rabino Y. David Weitman, originário da Bélgica, freqüentou academias talmúdicas em Israel, França e Nova York. Graduou-se juiz de corte rabínica em 1979, ano em que se fixou no Brasil. Em 1990 fundou o Centro Judaico Chabad Morumbi e dois anos depois estabeleceu a Institução Beneficente Israelita Ten Yad, dedicada ao combate à fome e ao resgate da dignidade de pessoas carentes. Reconhecido articulista e palestrante sobre pensamento judaico, misticismo e temas contemporâneos. Rabino Y. David Weitman é o autor de “Bandeirantes Espirituais do Brasil” que descreve a contribuição judaica no Brasil colonial e atua como rabino na Sinagoga Beit Yaacov da Congregação e Beneficência Sefardi Paulista, situada na região de Higienópolis. Professor dinâmico, transmite conceitos tão antigos quanto profundos em uma linguagem clara e acessível, logrando que a autêntica mensagem milenar judaica chegue intacta aos corações de suas audiências.

Leia artigo de Fernando Rizzolo escrito em março deste ano sobre esta questão : Uma visão humana aos embriões humanos

Brasil vai limitar compra de terra por empresa estrangeira

O governo prepara medida jurídica para dificultar a compra de terras por empresas controladas por capital estrangeiro, relata Fernanda Odilla em reportagem da Folha (íntegra disponível para assinantes do UOL e do jornal).

Parecer da Advocacia Geral da União fixará limites às aquisições. As regras valerão para todo o país, mas o alvo principal é a Amazônia, onde estão 55% da área das terras em nome de estrangeiros. Na região, os estrangeiros detêm 3,1 milhões de hectares –no país, são 5,5 milhões.

“É preciso estabelecer regras urgentes porque há uma disputa mundial pelas terras brasileiras”, diz Rolf Hackbart, presidente do Incra. Ele tem repetido que as medidas são necessárias não por uma “questão de xenofobia, mas de soberania”. A íntegra da reportagem está na Folha desta quinta, que já está nas bancas.

Na segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o povo brasileiro é o dono da Amazônia. “É muito engraçado que países que são responsáveis por 70% da poluição do planeta agora ficam de olho na Amazônia, como se fosse apenas nossa a responsabilidade de fazer o que eles não fizeram todos os anos passados. O mundo precisa entender que a Amazônia brasileira tem dono. É o povo brasileiro, que são os índios, os seringueiros, os pescadores, mas também somos nós, que temos consciência que é preciso diminuir o desmatamento e as queimadas.”

No dia seguinte, ele afirmou que o governo será rígido na fiscalização do cumprimento das leis que preservam o ambiente.

Sem apontar nomes nem suspeitas, Lula destacou que a lei deve ser cumprida por todos: do presidente da República ao mais humilde dos brasileiros. Segundo ele, a política ambiental será a mesma, independentemente do ministro que estiver no comando do Meio Ambiente.
Folha online

Rizzolo: É realmente engraçado como só agora, após algumas vozes corajosas como as do general Heleno se manifestarem, é que o governo ” acordou” em relação as questões de soberania do Brasil, mais precisamente da Amazônia. Saber que 55% da área das terras da Amazônia estão em nome de estrangeiros e que os mesmos detêm 3,1 milhões de hectares no país, são 5,5 milhões, é extremamente preocupante, e isso nos leva a pensar: Como conseguimos chegar a esse ponto?

Venho me referindo à soberania nacional desde que resolvi constituir esse humilde Blog, como cidadão brasileiro sempre me indignei com o descaso e o entreguismo. Contudo não me considero um xenófobo, um retrógrado nacionalista, mas não é possível uma questão dessa magnitude ser tratadas só agora quando as vozes surgem. Depois o presidente Lula numa bravata alega que a Amazônia tem dono. As Forças Armadas não podem observar de camarote o que está ocorrendo no Brasil. Devem participar sem remorsos, e com o devido costumeiro respeito. Acho isso muito triste…termos chegado a esse ponto. Pelo simples amor que tenho ao Brasil, agora não vejo ninguém da esquerda se indignar com isso. Ninguem.

Multinacionais dobram remessa de lucros no primeiro quadrimestre

Bancos lideram envio de recursos ao exterior: US$ 2,28 bilhões

As remessas de lucros e dividendos das corporações transnacionais instaladas no Brasil totalizaram US$ 12,358 bilhões no primeiro quadrimestre, mais que o dobro registrado no mesmo período do ano passado, quando somou R$ 5,175 bilhões. Esse espetacular crescimento do envio de recursos para o exterior foi puxado pelo setor bancário, que foi responsável por US$ 2,285 bilhões das remessas, o equivalente a 25,1% do total.

No governo FH, o segmento passou por um processo de acentuada concentração e desnacionalização, que foi proporcionado pelo Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional (Proer) e Programa de Incentivo à Redução da Presença do Estado na Atividade Bancária (Proes), ao mesmo tempo em que tem seus lucros turbinados com a especulação com títulos públicos, regados por juros cavalares estabelecidos pelo BC. Só em abril as filiais de bancos estrangeiros remeteram US$ 3,696 bilhões, o triplo do que foi registrado no mesmo mês no ano passado.

A sobrevalorização do real em função dos juros altos é outro fator que tem favorecido o aumento das remessas de lucros e dividendos, pois rendem mais no momento da conversão das moedas.

De acordo com o Banco Central, os Estados Unidos são o país para onde é direcionada a maioria dessa bolada: 29%.

As montadoras tiveram a segunda maior participação no envio de recursos para suas matrizes: US$ 1,881 bilhão ou 20,7% do total.

O aumento exponencial na remessas de lucros e a queda no superávit da balança comercial provocaram um déficit externo recorde no quadrimestre de US$ 14,1 bilhões. O BC projeta um déficit em transações correntes – balança comercial, balança de serviços e transferências unilaterais – na ordem de US$ 12 bilhões para este ano.

Hora do Povo

Rizzolo: E tem gente que acha que isso é devido e merecedor, ora, a propria política do Banco central em promover as altas taxas de juros faz com que a remessa se torne atraente com um real valorizado. Entendo ser isso uma verdadeira sangria nacional, temos que implementar meios para haver um melhor controle dessas remessas, o aumento exponencial na remessas de lucros e a queda no superávit da balança comercial provocaram um déficit externo recorde no quadrimestre de US$ 14,1 bilhões. Ademais fica patente que a desnacionalização do setor bancário feita durante o governo FHC teve seus objetivos concretizados; esta aí para todos verem, US$ 12,358 bilhões no primeiro quadrimestre, mais que o dobro registrado no mesmo período do ano passado, quando somou R$ 5,175 bilhões. Bonito, hein !